Caracterização do consumo alimentar e estado nutricional de feirantes do município de Dourados - Mato Grosso do Sul, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8659039

Palavras-chave:

Produção de alimentos, Estado nutricional, Consumo alimentar

Resumo

As feiras livres são consideradas o ambiente ideal para obtenção de alimentos saudáveis de qualidade, e os feirantes, por apresentarem acesso a estes alimentos, poderiam consumir satisfatoriamente alimentos in natura. O objetivo do estudo foi caracterizar os feirantes no município de Dourados, Mato Grosso do Sul, Brasil quanto às questões sociodemográficas e econômicas, o estado nutricional e o consumo alimentar. Foi aplicado questionário para obtenção das informações sociodemográficas, econômicas e de consumo alimentar. O estado nutricional foi aferido para cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), circunferência da cintura e Dobra Cutânea Tricipital (DCT). A comparação entre proporções foi realizada por meio da adoção do teste de Qui-quadrado e teste exato de Fisher (valor de p≤0,05 foi considerado significativo). Foram entrevistadas 74 pessoas, desse total 16 eram feirantes orgânicos e 58 convencionais, 56,8% eram produtores, 12,2% produtores/atravessadores, 64,8% foram classificados com excesso de peso pelo IMC, sendo a obesidade mais prevalentes em mulheres a obesidade (p≤0,05), 58,8% apresentaram risco para doenças cardiovasculares (medida pela circunferência da cintura) e a maioria apresentou obesidade pela medida da DCT. Quanto ao consumo alimentar, os alimentos saudáveis foram mais consumidos diariamente do que os não saudáveis. Os resultados demonstraram elevada prevalência de excesso de peso e, embora o consumo de alimentos marcadores de alimentação saudável pelos feirantes tenha sido elevado, o consumo de alimentos não saudáveis foi acima do esperado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria dos Reis Narciso, Universidade Federal da Grande Dourados

Bacharela em Nutrição

Caroline Momente Martins Saturnino, Universidade Federal da Grande Dourados

Bacharel em Nutrição

Naiara Ferraz Moreira, Universidade Federal da Grande Dourados

Docente da Universidade Federal da Grande Dourados

Verônica Gronau Luz, Universidade Federal da Grande Dourados

Docente da Universidade Federal da Grande Dourados

Referências

Fante C, Gallina LS, Confortin FG, Lutinski JA. Perfil e preferências dos consumidores de produtos em feiras livres na cidade de Chapecó (SC). Revista Saúde (Sta. Maria). 2020; 46(1).

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 (2. Ed).

Rocha HC, Costa C, Castoldi FL, Cecchetti D, Calvete EO, Lodi BS. Perfil socioeconômico dos feirantes e consumidores da Feira do Produtor de Passo Fundo, RS. Ciência Rural. 2010; 40(12): 2593-2597.

Luz VG, Siqueira CEG, La-Rotta EIG, Miquilin IOC, Correa Filho HR. (In)Segurança alimentar e nutricional, autopercepção da saúde e uso de Agrotóxicos: o caso dos agricultores familiares de Ibiúna, São Paulo. Rev Segurança alimentar e nutricional, Campinas. 2015;22(2): 729-741

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009. Rio de Janeiro: IBGE; 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2018 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. O Brasil em síntese: conheça as cidades e estados do Brasil. [internet]. 2020 [acesso em 07 jul. 2020]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/dourados/panorama

Instituto de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde do escolar 2012. Rio de Janeiro: IBGE; 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientação para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância alimentar e Nutricional – SISVAN / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 76 p.: il, (Série G. Estatística em Informação a Saúde).

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consulation. Geneva: World Health Organization;1998 (Technical Report Series, No. 894).

World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a World Health Organization Consultation. Geneva: World Health Organization, 2000. p. 256. WHO Obesity Technical Report Series, n. 284

Blackburn GL, Thornton, PA. Nutritional assessment of the hospitalized patients. Medical Clinics of North America. 1979; (63): 1103-115.

Guedes DP, Guedes JERP. Controle do peso corporal: composição corporal, atividade física e nutrição. 2. ed. Rio de janeiro: Shape, 2003.

Mascarenhas MS. Aspectos psicossociais do trabalho e transtorno mentais comuns entre trabalhadores informais feirantes. (Dissertação de Mestrado). Feira de Santana/BA: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2014.

Amor ALM, Silva RM, Silva AAMR, Araújo WC, Oliveira AJ, Almeida JS, et al. Perfil de manipuladores e consumidores de hortaliças provenientes de feiras livres e supermercados. Rev. Baiana de Saúde Pública. 2012 jul-set; 36(3): 792-815.

Toniasso HR, Souza CC, Brum E, Figueiredo RS. Agricultura familiar e associativismo rural: o caso associação Harmonia de agricultura familiar de mato grosso do sul e a sua sustentabilidade. Informe Gepec. 2007 ju-dez; 12(2): 2-10.

Instituto de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Instituto de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílio contínua 2016-2018. Rio de Janeiro: IBGE; 2019.

Brasil. Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Tekoha: direitos dos Povos Guarani e Kaiowá: visita do Consea ao Mato Grosso do Sul. – Brasília: Presidência da República, 2017.

Mota JGB, Cavalcante TLV. Reserva Indígena de Dourados: Histórias e Desafios Contemporâneos. Ebook, São Leopoldo: Karywa, 2019, 285p.

Instituto de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde 2013. Rio de Janeiro: IBGE; 2015.

Gomes DCK, Sichieri R, Junior EV, Boccolini CS, de Moura Souza A, Cunha DB. Trends in obesity prevalence among Brazilian adults from 2002 to 2013 by educational level. BMC Public Health. 2019; 19(1): 965.

Brasil. Ministério da Saúde. Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico: estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográficas de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2016 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da saúde; 2017

Avila JC, Luz VG, Assumpção D, Fisberg RM, Barros MBA. Meat intake among adults: a population-based study in the city of Campinas, Brazil. A cross-sectional study. São Paulo Med. J. [online]. 2016, vol.134, n.2, pp.138-145. Epub Mar 18, 2016. ISSN 1806-9460. https://doi.org/10.1590/1516-3180.2015.01691609.

Srour B, Fezeu LK, Kesse-Guyot E, Allès B; Méjean C, Andrianasolo RM. Ultra-processed food intake and risk of cardiovascular disease: prospective cohort study (NutriNet-Santé). BMJ. British Medical Journal (Clinical Research Ed.) 2019; (365): l1451.

Oliveira KSC. Segurança alimentar e nutricional dos agricultores familiares da associação dos produtores e produtoras orgânicas de Ceará MIRIM/RN. (Dissertação de Mestrado). Natal - RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2014.

Alves HJ, Boog MCF. Representações sobre o consumo de frutas, verduras e legumes entre fruticultores de zona rural. Rev. Nutr., Campinas. 2008 nov-dez; 21(6):705-715

Downloads

Publicado

2021-12-06

Como Citar

NARCISO, V. dos R.; SATURNINO, C. M. M.; MOREIRA, N. F.; LUZ, V. G. Caracterização do consumo alimentar e estado nutricional de feirantes do município de Dourados - Mato Grosso do Sul, Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021031, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8659039. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8659039. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)