A valorização da sociobiodiversidade na alimentação escolar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v27i0.8659632

Palavras-chave:

Educação Alimentar e Nutricional, Biodiversidade, Costumes Alimentares, PANCs

Resumo

O objetivo do trabalho foi investigar a realidade da inserção dos alimentos da sóciobiodiversidade na alimentação escolar das escolas públicas do estado de Minas Gerais e sua relação com as questões ambientais. Tratou-se de uma pesquisa documental de abordagem qualitativa e os materiais de investigação foram as sistematizações elaboradas pelo CECANE IFSULDEMINAS no produto das Oficinas Regionais realizadas em 2018. As oficinas foram realizadas em diferentes regiões do estado, nos municípios de Lavras, Boa Esperança, Bambuí, Uberlândia e Pompéu. Foi constatado um total de 73 itens alimentares diferentes, destes 15 são considerados nativos dos biomas brasileiros e seis Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O resultado do levantamento feito nas oficinas demonstrou pouca diversidade alimentar nos cardápios escolares, sendo que 26 itens foram citados em todas oficinas. Este padrão alimentar é preocupante do ponto de vista ambiental, uma vez que está restrito a poucas espécies de plantas. Por outro lado, o Brasil é um país de grande riqueza biológica, com muitas espécies consideradas propícias para a alimentação humana, onde a simbiose entre homem e natureza acontece nos processos de sociobiodiversidade, um potencial a ser valorizado, em que a escola aparece como um mecanismo estratégico de incentivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tayrine Parreira Brito, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda na Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas

Luiz Carlos Dias da Rocha, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologias do Sul de Minas Gerais

Professor no Instituto Federal do Sul de Minas Gerais.

Aloísia Rodrigues Hirata, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda na Faculdade de Engenharia Agrícola da Universidade Estadual de Campinas.

Rogério Robs Fanti Raimundo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologias do Sul de Minas Gerais

Coordenador do Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar do Instituto Federal do Sul de Minas Gerais.

Lívia Oliveira Galvão, Instituto Federal do Sul de Minas Gerais

Agente nutricionista no Centro Colaborador em Alimentação e Nutrição Escolar do Instituto Federal do Sul de Minas Gerais.

Referências

Cesar JT, Valentim EA, Almeida CCB, Schieferdecker MEM, Schmidt ST. Alimentação Escolar no Brasil e Estados Unidos: uma revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva. 2018; 23(3):991-1007.

Brasil. Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Programa Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educação básica [Internet]. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2019 nov 11]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11947.htm

Embrapa. Mais do que matos, elas são as plantas alimentícias não convencionais (PANCs) [Internet]. Rio de Janeiro; 2018. [acesso em 2019 dez 10]. Disponível em: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/33580014/mais-do-que-matos-elas-sao-as-plantas-alimenticias-nao-convencionais-pancs.

Kelen MB, Nouhuys IS, Kehl LC, Brack P, Silva DB. Plantas alimentícias não convencionais (PANCs): hortaliças espontâneas e nativas. Porto Alegre: UFRGS; 2015.

Monego ET, Alexandre VP, Sousa LM, Martins KA, Rosa JQ, Souza PL, Assis JN. Produção e potencial agrícolas de alimentos destinados à alimentação escolar em Goiás e no Distrito Federal, na Região Centro-Oeste do Brasil. Revista Nutrição. 2013; 26(2):233-241.

Guimarães EP, Marques JM, Silva LL, Cardoso CG. Regionalismo presente nos cardápios da alimentação escolar no município de Campinorte – Goiás. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2019; 15(31):95-104. DOI http://dx.doi.org/DOI 10.14393/Hygeia153147097.

Brasil. Ministério da Educação. Resolução no 26, de 17 de junho de 2013. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar aos alunos da educação básica no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE. Diário Oficial da União. 2013 jun 17.

Moura Fé EG, Gomes JMA. Territorialidade e sociobiodiversidade na configuração do espaço produtivo da comunidade Olho d’Àgua dos Negros no município de Esperantina – PI. Sociedade & Natureza. 2015; 27(2):297-308. DOI http://dx.doi.org/10.1590/1982-451320150208.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Agrário. A sociobiodiversidade brasileira [Internet]. Brasília, DF; 2018 [acesso em 2019 nov 11] Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/secretaria/saf-biodiv/sociobiodiversidade-brasileira

Brasil. Plano Nacional de Promoção das Cadeias Produtos da Sociobiodiversidade – PNBSB [Internet]. Brasília, DF; 2009 [acesso em 2019 nov 11]. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_arquivos_64/PLANO_NACIONAL_DA_SOCIOBIODIVERSIDADE-_julho-2009.pdf

Silva IS, Castro EM. Interações rural-urbano: a sociobiodiversidade e o trabalho em portos, feiras e mercados de Belém, Pará. Novos Cadernos NAEA. 2013; 16(1):109-126.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Brasil. Portaria Interministerial no 163/2016 [Internet]. Brasília, DF; 2016 [acesso em 2019 dez 14]. Disponível em: http://www.mma.gov.br/images/noticias_arquivos/pdf/sociobio.pdf

Instituto Ambiental do Paraná. Conceitos gerais sobre espécies [Internet]. Curitiba; 2020 [acesso em 2020 fev 01]. Disponível em: http://www.iap.pr.gov.br/pagina-814.html

Barreira TF, Paula Filho GX, Rodrigues VCC, Andrade FM, Santos RH, Pinheiro-Santana HM. Diversidade e equitabilidade de Plantas Alimentícias Não Convencionais na zona rural de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Pl. Med. 2015; 17(4):964-974.

Muller SG, Fialho FAP. A preservação dos saberes, sabores e fazeres da gastronomia tradicional no Brasil. Revista Travessias. 2011; 5(1):176-187.

Sindojus. Mapa das regiões do estado de Minas Gerais. [Internet]. 2013 [acesso em 2020 nov 13] Disponível em: https://www.sindojusmg.org.br/site/2013/10/30/inauguracao-oficial-da-subsede-do-sindojusmg-e-assembleias-gerais/

Enciclopédia Global. Mapa dos biomas de Minas Gerais [Internet]. 2018 [acesso em 2020 mar 12] Disponível em: http://klimanaturali.blogspot.com/2018/09/mapa-dos-biomas-de-minas-gerais.html

Martinelli G, Avila Moraes M, Anderson F, Hieatt C. Livro vermelho da flora do Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2013.

Oliveira Júnior CJF, Voigtel SDS, Nicolau SA, Aragaki S. Sociobiodiversidade e agricultura familiar em Joanópolis, SP, Brasil: potencial econômico da flora local. Hoehne. 2018;45(1):40-54. DOI http://dx.doi.org/10.1590/2236-8906-78/2017.

Weber LD. Alimentos sustentáveis e a preservação da sociobiodiversidade: uma análise da informação ambiental digital em Santa Maria, RS [monografia]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria. 2017.

Walter B, Siliprandi E. Hábitos Alimentares, Segurança e Soberania Alimentar. In: Vilarta R, Gustavo L, Gutierrez GL, Monteiro MI (orgs.). Qualidade de Vida: Evolução dos Conceitos e Práticas no Século XXI. Campinas: IPES; 2010. p. 187-196.

Durazzio A. The Close Linkage between Nutrition and Environment through Biodiversity and Sustainability: Local Foods, Traditional Recipes and Sustainable Diets. Sustainability. 2019;11(10):2876. DOI https://doi.org/10.3390/su11102876.

Jonhs T, Powell B, Maundu P, Eyzaguirre PB. Agricultural biodiversity as a link between traditional food systems and contemporary development, social integrity and ecological health. Science of Food and Agriculture. 2013; 93(14):3433-3442. DOI https://doi-org.ez88.periodicos.capes.gov.br/10.1002/jsfa.6351.

Lima RS, Ferreira Neto JA, Farias RCP. Alimentação, comida e cultura: o exercício da comensalidade. Demetra. 2015; 10(3):507-522.

Girardi MW, Fabri RK, Bianchini VU, Martinelli SS, Cavalli SB. Oferta de preparações culinárias e alimentos regionais e da sociobiodiversidade na alimentação escolar: um estudo na Região Sul do Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional. 2018;29(3):29-44. DOI http://dx.doi.org/10.20396/san.v25i3.8652261.

Bosco CS, Domingos RN. A utilização de frutos regionais na merenda escolar do município de Palmas – TO: um estudo do buriti quanto componente enriquecedor. Agri-Environmental Sciences. 2015;1(2):Edição Especial – XXII Jornada de Iniciação Científica.

Borges MG, Carvalho IS, Steil CA. A juçara vai à escola: aprendizagem entre pessoas, coisas e instituições. Horizontes Antropológicos. 2015;21(44):309-329. DOI http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832015000200013.

Souza SE. Manejo de Euterpe edulis Mart. para produção de polpa de fruta: subsídios à conservação da biodiversidade e fortalecimento comunitário [tese]. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”; 2015.

Instituto Nacional de Pesquisa Espaciais – INPE. Desmatamento no Cerrado é de 6.657 km2 em 2018 [Internet]. São José dos Campos; 2018 [acesso em 2019 dez 12]. Disponível em: http://www.inpe.br/noticias/noticia.php?Cod_Noticia=4975&utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

Downloads

Publicado

2020-12-04

Como Citar

1.
Brito TP, Rocha LCD da, Hirata AR, Raimundo RRF, Galvão LO. A valorização da sociobiodiversidade na alimentação escolar. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de dezembro de 2020 [citado 20º de outubro de 2021];27:e020030. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8659632

Edição

Seção

Artigos Originais