Inflação de alimentos no Brasil em período da pandemia da Covid 19, continuidade e mudanças

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8661127

Palavras-chave:

Inflação de alimentos, Comércio exterior, Preços ao consumidor

Resumo

Desde 2007, os preços dos alimentos sobem mais intensamente do que o conjunto dos preços ao consumidor no Brasil. O objetivo do trabalho é comparar a inflação de alimentos no primeiro semestre de 2020 com a de 2007 e 2019, verificando se houve mudanças em suas características e razões. Usam-se informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que permitem analisar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e seus componentes. Entre 2007 e 2019, preços da alimentação fora do domicílio expandiram-se mais que da alimentação no domicílio. Entre os componentes desta, os preços dos menos processados aumentaram mais do que os dos mais processados, indicando que a origem da inflação de alimentos foi agropecuária, com as carnes tendo grande contribuição para o fato. Por sua vez, no primeiro semestre de 2020, produtos sem comércio exterior significativo, feijão, arroz, frutas, legumes e verduras, pressionaram mais a inflação. Em todo o período, as condições de comércio exterior, preço internacional e taxa de câmbio, tiveram forte influência na inflação de alimentos. No primeiro semestre de 2020, entre as causas, ganhou relevância o aumento da demanda de alimentos nos supermercados, aparentemente não acompanhado pela expansão da oferta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Giacomo Baccarin, Universidade Estadual Paulista

Professor Livre Docente da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Departamento de Economia, Administração e Educação.

Jonatan Alexandre de Oliveira, Universidade Estadual Paulista

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Rio Claro, SP).

Referências

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Preços ao Consumidor Amplo [Internet]. Rio de Janeiro; 2020. [acesso em 2020 set 20]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/precos-e-custos/9256-indice-nacional-de-precos-ao-consumidor-amplo.html?=&t=downloads

Silva JG, Tavares L. Segurança alimentar e a alta dos preços dos alimentos: oportunidade e desafios. Segurança alimentar nutricional. 2008; 15(1): 62-75.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor: estruturas de ponderação a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. [Internet]. Rio de Janeiro; 2005. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=282203

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor: estruturas de ponderação a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. [Internet]. Rio de Janeiro; 2015. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Índice de preços de alimentos da FAO. [Internet]. Roma; 2020. [acesso em 2020 mai 10]. Disponível em: http://www.fao.org/worldfoodsituation/foodpricesindex/en

Mendonça de Barros JR, Rizzieri JAB, Picchetti P. Os efeitos da pesquisa agrícola para o consumidor. Relatório de Pesquisa. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas: São Paulo; 2001.

Castro PF, Magalhães LCG de. Recebimento e dispêndio das famílias brasileiras: evidências recentes da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 1995-96. In: Silveira FG et al. (Orgs.). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2006. p. 21-69.

Farina EMMQ, Nunes R. A evolução do sistema agroalimentar e a redução de preços para o consumidor: o efeito de atuação dos grandes compradores. Oficina. PENSA, estudo temático. 2002; 2(2):1-31.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral. [Internet]. Rio de Janeiro; 2020. [acesso em 2020 mai 12]. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadct/tabelas

Hoffmann R. Estimativas das elasticidades-renda de várias categorias de despesas de consumo, especialmente alimentos, no Brasil, com base na POF de 2008-09. Rev. Economia Agrícola. 2010;57(2): 49-62.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas das safras. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/serie-historica-das-safras

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa da Pecuária Municipal: primeiros resultados. [Internet]. Rio de Janeiro; 2018. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm/quadros/brasil/2018

Contini E. Exportações na dinâmica do agronegócio brasileiro – oportunidades econômicas e responsabilidade mundial. In: Buainain AM. et al. O mundo rural no Brasil do Século 21 – a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília (DF): EMBRAPA; 2014. p.147-173.

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. FAO Statistical Yearbook 2010. [Internet]. Roma; 2011. [acesso em 2011 abr 10]. Disponível em: http://www.fao.org

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Estatísticas de comércio exterior. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 2020]. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/relacoesinternacionais/estatísticas-de-comercio-exterior

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A dinâmica da inflação brasileira: considerações a partir da desagregação do IPCA. Comunicado IPEA 101. Brasília: IPEA; 2011.

Maluf R, Speranza J. Volatilidade dos preços internacionais e inflação de alimentos no Brasil: fatores determinantes e repercussões na segurança alimentar e nutricional. Brasília (DF): MDS/Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional; 2013.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Taxa de câmbio – efetiva real – agricultura, pecuária e serviços relacionados. Ipeadata. Indicadores macroeconômicos. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: http//www.ipea.gov.br

Baccarin JG, Bueno G, Silva DBP da. Cadeias e produtos agropecuários e a inflação brasileira da alimentação no domicílio. Rev. de Política Agrícola. 2015; 4(1):64-85.

CEPAL/FAO. Comissão Econômica para América Latina e Caribe. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Cómo evitar que la crisis del COVID-19 se transforme en una crisis alimentaria – Acciones urgentes contra el hambre en América Latina y el Caribe. Informe COVID 19. CEPAL/FAO; 2020.

ABRAS. Associação Brasileira de Supermercados. Índice de vendas do mês de junho 2020. [Internet]. São Paulo; 2020. [acesso em 2020 ago 12]. Disponível em: https://www.abras.com.br/economia-e-pesquisa/indice-de-vendas/indice-do-mes

Carvalho SS de. Os efeitos da pandemia sobre os rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial: os resultados dos microdados da PNAD Covid-19 de julho. IPEA. Carta de Conjuntura. 2020;48(3):1-17.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. [Internet]. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2021 jan 28]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/51/agro_2006.pdf

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. [Internet]. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2021 jan 28]. Disponível em: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/index.html

Downloads

Publicado

2021-03-04

Como Citar

1.
Baccarin JG, Oliveira JA de. Inflação de alimentos no Brasil em período da pandemia da Covid 19, continuidade e mudanças. Segur. Aliment. Nutr. [Internet]. 4º de março de 2021 [citado 20º de setembro de 2021];28(00):e021002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8661127