Banner Portal
Inflação de alimentos no Brasil em período da pandemia da Covid 19, continuidade e mudanças
PDF

Palavras-chave

Inflação de alimentos
Comércio exterior
Preços ao consumidor

Como Citar

BACCARIN, José Giacomo; OLIVEIRA, Jonatan Alexandre de. Inflação de alimentos no Brasil em período da pandemia da Covid 19, continuidade e mudanças. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 28, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/san.v28i00.8661127. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8661127. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Desde 2007, os preços dos alimentos sobem mais intensamente do que o conjunto dos preços ao consumidor no Brasil. O objetivo do trabalho é comparar a inflação de alimentos no primeiro semestre de 2020 com a de 2007 e 2019, verificando se houve mudanças em suas características e razões. Usam-se informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que permitem analisar o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e seus componentes. Entre 2007 e 2019, preços da alimentação fora do domicílio expandiram-se mais que da alimentação no domicílio. Entre os componentes desta, os preços dos menos processados aumentaram mais do que os dos mais processados, indicando que a origem da inflação de alimentos foi agropecuária, com as carnes tendo grande contribuição para o fato. Por sua vez, no primeiro semestre de 2020, produtos sem comércio exterior significativo, feijão, arroz, frutas, legumes e verduras, pressionaram mais a inflação. Em todo o período, as condições de comércio exterior, preço internacional e taxa de câmbio, tiveram forte influência na inflação de alimentos. No primeiro semestre de 2020, entre as causas, ganhou relevância o aumento da demanda de alimentos nos supermercados, aparentemente não acompanhado pela expansão da oferta.

https://doi.org/10.20396/san.v28i00.8661127
PDF

Referências

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Índice de Preços ao Consumidor Amplo [Internet]. Rio de Janeiro; 2020. [acesso em 2020 set 20]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/precos-e-custos/9256-indice-nacional-de-precos-ao-consumidor-amplo.html?=&t=downloads

Silva JG, Tavares L. Segurança alimentar e a alta dos preços dos alimentos: oportunidade e desafios. Segurança alimentar nutricional. 2008; 15(1): 62-75.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor: estruturas de ponderação a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002-2003. [Internet]. Rio de Janeiro; 2005. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=282203

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor: estruturas de ponderação a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009. [Internet]. Rio de Janeiro; 2015. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Índice de preços de alimentos da FAO. [Internet]. Roma; 2020. [acesso em 2020 mai 10]. Disponível em: http://www.fao.org/worldfoodsituation/foodpricesindex/en

Mendonça de Barros JR, Rizzieri JAB, Picchetti P. Os efeitos da pesquisa agrícola para o consumidor. Relatório de Pesquisa. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas: São Paulo; 2001.

Castro PF, Magalhães LCG de. Recebimento e dispêndio das famílias brasileiras: evidências recentes da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 1995-96. In: Silveira FG et al. (Orgs.). Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. Brasília: IPEA; 2006. p. 21-69.

Farina EMMQ, Nunes R. A evolução do sistema agroalimentar e a redução de preços para o consumidor: o efeito de atuação dos grandes compradores. Oficina. PENSA, estudo temático. 2002; 2(2):1-31.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Trimestral. [Internet]. Rio de Janeiro; 2020. [acesso em 2020 mai 12]. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/pnadct/tabelas

Hoffmann R. Estimativas das elasticidades-renda de várias categorias de despesas de consumo, especialmente alimentos, no Brasil, com base na POF de 2008-09. Rev. Economia Agrícola. 2010;57(2): 49-62.

CONAB. Companhia Nacional de Abastecimento. Séries históricas das safras. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/serie-historica-das-safras

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa da Pecuária Municipal: primeiros resultados. [Internet]. Rio de Janeiro; 2018. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/ppm/quadros/brasil/2018

Contini E. Exportações na dinâmica do agronegócio brasileiro – oportunidades econômicas e responsabilidade mundial. In: Buainain AM. et al. O mundo rural no Brasil do Século 21 – a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília (DF): EMBRAPA; 2014. p.147-173.

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. FAO Statistical Yearbook 2010. [Internet]. Roma; 2011. [acesso em 2011 abr 10]. Disponível em: http://www.fao.org

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Estatísticas de comércio exterior. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 2020]. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/relacoesinternacionais/estatísticas-de-comercio-exterior

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. A dinâmica da inflação brasileira: considerações a partir da desagregação do IPCA. Comunicado IPEA 101. Brasília: IPEA; 2011.

Maluf R, Speranza J. Volatilidade dos preços internacionais e inflação de alimentos no Brasil: fatores determinantes e repercussões na segurança alimentar e nutricional. Brasília (DF): MDS/Secretaria de Segurança Alimentar e Nutricional; 2013.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Taxa de câmbio – efetiva real – agricultura, pecuária e serviços relacionados. Ipeadata. Indicadores macroeconômicos. [Internet]. Brasília; 2020. [acesso em 2020 fev 20]. Disponível em: http//www.ipea.gov.br

Baccarin JG, Bueno G, Silva DBP da. Cadeias e produtos agropecuários e a inflação brasileira da alimentação no domicílio. Rev. de Política Agrícola. 2015; 4(1):64-85.

CEPAL/FAO. Comissão Econômica para América Latina e Caribe. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Cómo evitar que la crisis del COVID-19 se transforme en una crisis alimentaria – Acciones urgentes contra el hambre en América Latina y el Caribe. Informe COVID 19. CEPAL/FAO; 2020.

ABRAS. Associação Brasileira de Supermercados. Índice de vendas do mês de junho 2020. [Internet]. São Paulo; 2020. [acesso em 2020 ago 12]. Disponível em: https://www.abras.com.br/economia-e-pesquisa/indice-de-vendas/indice-do-mes

Carvalho SS de. Os efeitos da pandemia sobre os rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial: os resultados dos microdados da PNAD Covid-19 de julho. IPEA. Carta de Conjuntura. 2020;48(3):1-17.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2006. [Internet]. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2021 jan 28]. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/51/agro_2006.pdf

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário 2017. [Internet]. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2021 jan 28]. Disponível em: https://censos.ibge.gov.br/agro/2017/templates/censo_agro/resultadosagro/index.html

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Segurança Alimentar e Nutricional

Downloads

Não há dados estatísticos.