Perfil nutricional dos alimentos doados por bancos de alimentos públicos da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/san.v29i00.8666702

Palavras-chave:

Segurança alimentar e nutricional, Valor nutritivo, Qualidade dos alimentos

Resumo

Foi realizada pesquisa quantitativa descritiva, de natureza exploratória, avaliando o perfil nutricional dos alimentos doados por quatro bancos de alimentos públicos da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil, em 2018. Os alimentos foram agrupados e classificados segundo a primeira edição do Guia alimentar para população brasileira e a classificação NOVA. A análise estatística descritiva simples demonstrou que os estoques operacionais eram compostos por 45,2% de hortaliças, 25,2% de frutas, 15,6% de cereais, raízes e tubérculos, e 14,0% pelos outros grupos, leite e derivados, leguminosas, carnes e ovos, açúcares e doces, e óleos e gorduras. Os alimentos in natura, minimamente processados e ingredientes culinários, categorizados em saudáveis, compuseram 95,5% das doações em todos os bancos de alimentos, demonstrando que estão atuando na perspectiva da segurança alimentar e nutricional e da alimentação adequada e saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Barros, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Pós-graduanda no Programa de Pós-Graduação em Ciências da Nutrição pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.

Natalia Tenuta, Fundação Oswaldo Cruz

Pós-graduanda no Programa em Saúde Coletiva no Instituto René Rachou pelaFundação Oswaldo Cruz.

Romero Alves Teixeira, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutorando no Departamento de Nutrição pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.

Referências

Organização das Nações Unidas do Brasil. FAO recomenda ações para evitar perder um terço da comida no mundo. Brasil, FAO [Internet]. 2018 [acesso em 2019 jun 23]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/fao-recomenda-acoes-para-evitar-perder-um-terco-da-comida-no-mundo

Organizácion de las Naciones Unidas para la Alimentación y la Agricultura. El estado de la seguridad alimentaria y la nutrición en el mundo. Fomentando la resiliencia climática en aras de la seguridad alimentaria y la nutrición. FAO [Internet]. 2020 [acesso em 2019 mai 17]. Disponível em: http://www.fao.org/3/ca9692en/online/ca9692en.html#chapter-1_1. DOI: https://doi.org/10.18356/8555b147-es

Organização das Nações Unidas. Transformando o nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, ONU [Internet]. 2015 [acesso em 2019 abr 15]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-pt-br.pdf

Brasil. Portaria no 17, de 14 de abril de 2016. Institui a Rede Brasileira de Bancos de Alimentos. Brasília: Diário Oficial da União; 2016.

Tenuta N, Barros TP, Teixeira RA, Paes-Sousa R. Brazilian Food Banks: Overview and Perspectives. Int. J. Environ. Res. Public Health. 2021;18:12598. Disponível em: https://doi.org/10.3390/ijerph182312598 DOI: https://doi.org/10.3390/ijerph182312598

Tenuta N. Análise tridimensional da situação dos bancos de alimentos de Minas Gerais [dissertação]. Diamantina: Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri; 2014.

Oliveira JS, Lira PIC, Veras ICL, Maia SR, Lemos MCC, Andrade SLLS et al. Estado nutricional e insegurança alimentar de adolescentes e adultos em duas localidades de baixo índice de desenvolvimento humano. Rev. de Nutrição. 2009;22(4):453-465. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-52732009000400002

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Monteiro CA, Cannon G, Levy R, Moubarac JC, Jaime P, Martins AP et al. NOVA A estrela brilha. Classificação dos alimentos. Saúde Pública World Nutrition. 2016;7(1-3):28-40.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

Louzada MLC, Martins APB, Canella DS, Baraldi LG, Levy RB, Claro RM et al. Alimentos ultraprocessados e perfil nutricional da dieta no Brasil. Rev. Saúde Pública. 2015;49(38):01-11. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049006132

Relação Anual de Informações Sociais.(2016). Estabelecimentos que prestam serviços de alimentação ou comercializam alimentos no varejo [Establishments that provide food services or sell food at retail]. RAIS. https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/noticias/arquivos/files/RAIS_EST_2016_filtro_desertos_alimentares_FINAL_csv(1).zip

Monteiro C, Jaime P, Campello T. Diálogo sobre ultraprocessados: soluções para sistemas alimentares saudáveis e sustentáveis [Internet]. 2021 [acesso em 2021 jun 15]. Disponível em: http://catedrajc.fsp.usp.br/publicacoes/dialogo-sobre-ultraprocessados-solucoes-para-sistemas-alimentares-saudaveis-e-sustentaveis

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2002-2003. Primeiros resultados: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE; 2004.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009. Análise do consumo alimentar pessoal no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2011.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018. Avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2020.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Vigitel; 2014.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Brasília: Vigitel; 2019.

World Health Organization. Diet, nutrition and the prevention chronic diseases. Geneva: WHO; 2003.

Flesch BD, Raphaelli C, Winck S. Consumo de frutas, legumes e verduras em um censo escolar de zona rural. Revista de Associação Brasileira de Nutrição. 2019;10(1):81-86. DOI: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.81i199.973

Jaime PC, Figueiredo ICR, Moura EC, Malta DC. Fatores associados ao consumo de frutas e hortaliças no Brasil, 2006. Rev Saúde Publica. 2009;43(Supl. 2):57-64. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89102009000900008

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria de Avaliação e Gestão da Informação. Rede Desenvolvimento, Ensino e Sociedade – Redes. Pesquisa de Avaliação do Programa Bancos de Alimentos. Sumário Executivo. Brasília: MDS; 2006.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. FEC. DATAUFF. Pesquisa de Avaliação do Programa Banco de Alimentos – Segunda Avaliação. Brasília: MDS; 2011.

Martins APB, Levy RB, Claro RM, Moubarac JC, Monteiro CA. Increased contribution of ultra-processed food products in the brazilian diet (1987-2009). Rev Saude Publica. 2013;47(4):656-665. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004968

Brasil. Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional – CAISAN. Estudo técnico: Mapeamento dos Desertos Alimentares no Brasil. Brasília: MDS; 2019.

Downloads

Publicado

2022-12-03

Como Citar

BARROS, T.; TENUTA, N.; TEIXEIRA, R. A. Perfil nutricional dos alimentos doados por bancos de alimentos públicos da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 29, n. 00, p. e022019, 2022. DOI: 10.20396/san.v29i00.8666702. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/san/article/view/8666702. Acesso em: 1 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Originais