Banner Portal
Movimento de consolidação nacional de novas bases para o ensino de geociências
PDF

Palavras-chave

Currículo mínimo. Educação superior. Geologia. Universidade. Regulamentação profissional. Mudança curricular.

Como Citar

CUNHA, C. A. L. Movimento de consolidação nacional de novas bases para o ensino de geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 171–177, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637313. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637313. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Este artigo do evento “Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013)” divide em três fases distintas as manifestações das preocupações da comunidade geológica em relação a questões educacionais. O trabalho situa o envolvimento e a participação organizada da comunidade na segunda fase desse longo processo, da qual resultaram recomendações determinantes para o ensino de graduação. O conjunto de orientações sobre o Ensino de Geologia no Brasil pode ser sintetizado da seguinte forma: (1) recomenda-se o perfil ideal do geólogo definido durante os eventos de Camboriú/SC e o Simpósio de Belo Horizonte/MG como parâmetro básico para mudanças no Ensino de Geologia; (2) deve-se evitar qualquer forma de especialização nos cursos de Geologia; (3) as atividades de campo são essenciais para a formação do geólogo e devem centralizar o Ensino de Geologia, do início ao final do curso; (4) solicita-se ao MEC o custeio das atividades do Centro de Geologia Eschwege; (5) deve haver constante avaliação do ensino pelos professores e alunos dos cursos de Geologia; (6) as entidades do setor devem discutir formas para avaliar e acompanhar o Ensino de Geologia; (7) a comunidade geológica repudia a política educacional do governo, de privatização das Universidades Públicas, e defende que cabe ao MEC manter a pesquisa e o ensino nessas instituições; (8) a comunidade geológica entende que deve haver discussão permanente nas escolas sobre implementação do currículo pleno e metodologia do ensino; (9) os cursos de Geologia devem discutir e contribuir para profunda democratização nas universidades brasileiras.
https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637313
PDF

Referências

Amaral I.A.do, Manfredi S.M., Negrão O.B.M. 1981. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. São Paulo: Soc. Bras. Geol. e Min. Educ. Cultura. 209p.

Cunha C.A.L. 1995. Geologia introdutória nas instituições de ensino superior no Brasil : análise dos cursos de ciências e geografia. Campinas: Fac. Educ., Univ. Est. Campinas. 268p. (Tese Dout. Educ.). Primeiro Encontro de Geólogos, 1966, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Cons. Nac. Pesq. e Univ. Fed. Rio Grande do Sul. 272p. Semanas de Estudo, XIV., XV, 1973, 1974. 1978. Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: Sociedade de Intercâmbio Cultural e Estudos Geológicos. 295p.

Silva A.M.M. 1972. Geologia : estudos e perspectivas de trabalho. São Paulo: Fund. Carlos Chagas. 82p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1982. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil, 1. 1981 Belo Horizonte. Documento Final… São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia. 155p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1983. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil. Currículo Mínimo, 2. 1982, Salvador. Documento Final... São Paulo: SBG. 73p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1984. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. São Paulo: SBG.

Souza J.A.de. 1973/74. Pesquisa nacional sobre o mercado de trabalho de geólogos e engenheiros de minas. Belo Horizonte: Min. Educ. Cult. e Univ. Fed. Minas Gerais. 2v. Universidade Federal da Bahia, Associação Baiana de Geólogos. 1971. Caracterização sócio-econômica e mercado de trabalho do geólogo. Salvador: Univ. Fed.

Bahia e Assoc. Baiana Geól. 140p.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.