O Fórum Nacional de Cursos de Geologia e as diretrizes curriculares nacionais: histórico e perspectivas

  • Celso Dal Ré Carneiro Carneiro Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Currículo mínimo. Educação superior. Engenharia geológica. Universidade. Regulamentação profissional. Projeto pedagógico. Mudança curricular.

Resumo

A formação profissional na área de Geologia destina-se a suprir um campo de atividades tipicamente ligadas ao Estado. Esse fato acentua a importância de regras claras para funcionamento dos cursos de graduação em Geologia e Engenharia Geológica, representadas pelas Diretrizes Curriculares (DCNs), aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) em 2012. A decisão aproveita grandemente as proposições do Fórum Nacional de Cursos de Geologia (FNCG) e atende às preocupações e anseios de docentes, profissionais e estudantes. Este artigo do evento “Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013)” examina, em perspectiva, a contribuição para as DCNs de um grupo de professores e alunos voltado para renovação no ensino superior de Geologia formado na USP em 1973. As DCNs mantêm várias recomendações relevantes da orientação precedente – o Currículo Mínimo –, e introduzem orientações para reconfigurar cursos, reestruturar currículos e mudar concepções. A ênfase ao trabalho de campo como ferramenta imprescindível de formação de geólogos, associada ao laboratório e intensivo estudo bibliográfico, pode levar a projetos pedagógicos inovadores, em substituição a rígidos modelos de currículos e cargas horárias. Além da consequência esperada – profissionais mais bem preparados – haverá melhor interação com órgãos de regulação profissional (sistema CREA-CONFEA), e orientações mais eficazes para a avaliação periódica dos cursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celso Dal Ré Carneiro Carneiro, Universidade Estadual de Campinas
Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Referências

Almeida F.F.M.de 2004. O Centro de Pesquisas Geocronológicas da USP e a comprovação da Teoria da Deriva dos Continentes. São Paulo, 8.12.2004. (Discurso de agradecimento a homenagem feita pelo Inst. Geoc. USP, inédito).

Amaral I.A.do. 2013. Raízes da mudança curricular ocorrida em 1973 na USP. In: Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013), Campinas, SP, 23 e 24 de agosto de 2013. (Apres. Oral).

Amaral I.A.do. 2014. Raízes da mudança curricular ocorrida em 1973 na USP. Terræ Didatica, 10(3):161-170. URL: http:// www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Anguita F. 1996. Geología y ciencias de la Tierra: etimología y un poco de historia. Revista de Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 4(3):177-180.

Assine M.L. 1994. Repensando os cursos de graduação em Geologia. Cadernos IG-Unicamp, 4(1):34-65.

Azevedo R.L.M.de, Terra G.J.S.. 2008. A busca do petróleo, o papel da Petrobras e o ensino da Geologia no Brasil B. Geoci. PETROBRAS, 16(2):373-420.

Barroso E.V. 2008. SBG/Sede - comemoração aos 50 anos do curso e graduação em Geologia da UFRJ. Email de 27 Nov 2008 da Sociedade Brasileira de Geologia SBGeo sbgeo60@gmail.com a todos os associados. Brasil. Ministério da Educação. 1996. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília (DF), Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 23 dez. 1996; Seção 1, p. 833-841.

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. 2012. Resolução CNE/CES n. 387/2012, de 7 novembro de 2012. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Geologia e em Engenharia Geológica, bacharelados. Brasília (DF), 7 nov. 2012. (Relator Luiz Roberto Liza Curi, Proc.

No: 23001.000110/2007-41).

Carneiro C.D.R. 2013. Fórum Nacional de Cursos de Geologia (FNCG). In: Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013), Campinas, SP, 23 e 24 de agosto de 2013. (Apres. Oral).

Carneiro C.D.R., Assis J.F.P. 2005. Relato Final do II Encontro do Fórum Nacional de Cursos de Geologia. Belém, maio de 2003. Terræ Didatica, 1(1):74-83. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v1n1/t_didatica_2005_v01n01_p074-083_carneiro_assis.pdf. Acesso 21.03.2013.

Carneiro C.D.R., Gonçalves P.W. 2010. Earth System Science for undergraduate Geology and Geography courses, Campinas, Brazil. Terrae, 7(1):29-40. URL: http://www.ige.unicamp.br/terrae/. Acesso 14.03.2011.

Carneiro C.D.R., Gonçalves P.W., Negrão O.B.M., Cunha C.A.L. 2005. Ciência do Sistema Terra e o entendimento da “máquina” planetária em que vivemos. Belo Horizonte, Geonomos, 13(1):11-18.

Carneiro C.D.R., Gonçalves P.W., Negrão O.B.M., Cunha C.A.L. 2008. Docência e trabalhos de campo nas disciplinas Ciência do Sistema Terra I e II da UNICAMP. Rev. Bras. Geoc., 38(1):130-142. (março 2008). URL: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/rbg/article/view/9816/8972. Acesso 14.03.2011.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de

temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc. 34(4):553-560.

Cervato C., Frodeman R. 2012. The significance of geologic time: cultural, educational, and economic frameworks. The Geol. Soc. Am., Special Paper, n. 486, p.19-27. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v10_1/6.html. Acesso 25.10.2014.

COM590 Final. Comissão das Comunidades Europeias. 1995. White Paper on Education and Training - Teaching and Learning. Towards the Learning Society. COM590 Final, Bruxelas, nov. 1995. COM(95) 590. URL: http://europa.eu/documents/comm/white_papers/pdf/com95_590_en.pdf. Acesso 13.12.2013.

COM678. Comissão das Comunidades Europeias. 2001. Tornar o espaço europeu de aprendizagem ao longo da vida uma realidade. COM 678 final. Bruxelas, 2001.

Cunha C.A.L.S. 2013. Movimento de consolidação nacional de novas bases para o Ensino de Geociências. In: Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013). (Apres. Oral).

Cunha C.A.L.S. 2014. Movimento de consolidação nacional de novas bases para o Ensino de Geociências. Terræ Didatica, 10(2):xx-yy. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Curi L.R.L. 2012. Diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Geologia e em Engenharia Geológica, bacharelados. Brasília (DF), CNE. (Rel. à Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, Proc. No: 23001.000110/2007-41).

Fantinel L. et al. 2008. Diretrizes curriculares para os cursos de graduação em Geologia e Engenharia Geológica. Terræ Didatica, 4(1):85-89. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Gonçalves P.W., Carneiro C.D.R. 2002. Global Science Literacy: from Geology teaching to Earth System Science teaching. In: Mayer V.J. ed. 2002.

Implementing Global Science Literacy. Columbus, Ohio: Earth Systems Education Program / The Ohio State Univ. v. 2, chapter 14, p. 203-220. Grupo de Ensino de Geologia. 1979. Ata da primeira reunião do Grupo de Ensino de Geologia. São Paulo. (doc. inédito).

Hooke R.L.B. 2000. On the history of humans as geomorphic agents. Geology; 28(9):843-846. URL: http://geology.geoscienceworld.org/cgi/content/

full/28/9/843#F04. Acesso 01.10.2009.

Janasi V.A. 2012. O Ensino de Graduação em Geociências no Brasil: Avaliação e Perspectivas (por solicitação da SBG, SBGf, SBGq). São Paulo: IGc-USP.

(Apres. Powerpoint).

Marques L., Praia J. 2009. Educação em Ciência: actividades exteriores à sala de aula. Terræ Didatica, 5(1):10-26. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/. Acesso 20.02.2014.

Menegat R. 2005. Reformulação curricular do curso de Geologia. Porto Alegre: IG-UFRGS. (Apres. Powerpoint; Doc. base: Texto 13: Diretrizes curriculares do ensino fundamental e médio. Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul. Parecer 323/99 CEE/RS. Proc. CEED n. 408/27.00/98.5).

Menegat R. 2008. A invenção da terra moderna por René Descartes: a difícil revolução científica das esferas terrestres. B. Geoci. PETROBRAS, 16(2):421-453.

Mesquita F.J.G.de, Carneiro C.D.R. 2001 Sugestões de Alteração da Proposta de Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Geologia e Engenharia Geológica. Salvador: UFBA. (inédito).

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. (Curi L.R.L., Relator). 2012. Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Geologia e em Engenharia Geológica, bacharelados. Proc. No: 23001.000110/2007-41. Parecer CNE/

CES No: 387/2012. Aprov. em: 7/11/2012.

Negrão O.B.M. 2013. Curso de Especialização para professores de Geociências. In: Interfaces Geociências e Ensino: 40 anos de experiências (1973-2013), Campinas, SP, 23 e 24 de agosto de 2013. (Apres. Oral).

Negrão O.B.M. 2014. Curso de Especialização para professores de Geociências. Terræ Didatica, 10(3):178-190. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/V10_3/3-108.html

Nummer A.R. et al. 2005. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Geologia e Engenharia Geológica. Terræ Didatica, 1(1):64-69. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v1n1/t_didatica_2005_v01n01_p064-069_num-

mer et al.pdf.

Orion N. 2001. A Educação em Ciências da Terra: da teoria à prática. Implementação de novas estratégias de ensino em diferentes ambientes de aprendizagem. In: L. Marques, J. Praia. coords. 2001. Geociências nos currículos básico e secundário. Aveiro:

Univ. Aveiro. p.93-114.

Pablos J.L. 2004. Complejidad y Dualidad en el Sistema Terra. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 12(3):243-247. URL: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/download/89002/133305. Acesso 28.02.2013.

Paschoale C. 1984. Alice no país da Geologia... e o que ela encontrou lá. In: Congr. Bras. Geol., 33, Rio de Janeiro, 1984. Anais... Rio de Janeiro, SBG. v. 11. p. 5242-5249.

Peter A., Hodder W. 1997. The transformation of Geology to Earth Sciences: an example of the appropriation of technology by science. Int. J. Sci. Educ. 19(5):553-563. URL: http://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/0950069970190504. Acesso 12.02.2013.

Potapova M.S. 2008. Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terrae Didatica, 3(1):86-90. [Trad. de: Potapova M.S 1968. Geology as an historical science of nature. In: Interaction of the science in the study of the Earth. Moscow: Progress, p.117-126]. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v3/v3_a7.html. Acesso 27.02.2014.

Santos M.I.F.dos, Gomes N.S., Landim P.M.B., Vieira P.J.C., Fuck R.A. 1999. Diretrizes Curriculares para os Cursos de Graduação em Geologia e Engenharia Geológica. Brasília: Ministério da Educação, Secr. Educ. Superior. Coord. Comissões de Especialistas de Ensino.

Saviani D. 2002. O trabalho como princípio educativo frente às novas tecnologias. In: Ferreti C.J. et al. (orgs.). Novas tecnologias, trabalho e educação: um debate multidisciplinar. 8 ed. Petrópolis, Vozes. p. 151-168.

Silva M.A.da. 2012. Educação e formação docente no ensino superior da União Europeia. RBPAE, 28(3):607-628. URL: seer.dev.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/download/39829/25378. Acesso 27.02.2014.

Silva M.A.da. 2013. A formação docente na visão dos ministros de educação e chefes de estado da UE. Goiânia, Inter-Ação, 38(2):407-427. DOI 10.5216/ia.v38i2.26132. Acesso 17.12.2013.

Simpson G.G. 1963. Historical science. In: Albritton Jr. C.C. ed. 1963. The fabric of geology. Stanford: Freeman, Cooper & Co. p.24-48.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1982a. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil 1. 1981 Belo Horizonte. Documento Final… São Paulo: Sociedade Brasileira de Geologia. 155p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1983. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil. Currículo Mínimo, 2. 1982, Salvador. Documento Final... São Paulo: SBG. 73p.

Sociedade Brasileira de Geologia (SBG). 1984. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. São Paulo: SBG.

Tato M.S. 2005. Política educativa europea. Revista de Educación, (337):251-278.

Vaz L.F. 2013. Currículo profissionalizante para cursos de Geologia. In: congr. Bras. Geol. Eng. e Ambiental, 14, Rio de Janeiro, 2013. Anais..., Rio de Janeiro, ABGE. (II SEGEA, II Simp. Ens. Geol. Eng. Amb.).

Publicado
2015-06-23
Como Citar
Carneiro, C. D. R. C. (2015). O Fórum Nacional de Cursos de Geologia e as diretrizes curriculares nacionais: histórico e perspectivas. Terrae Didatica, 10(3), 191-203. https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637316