Inovação no paradigma curricular: os projetos temáticos em geologia

Autores

  • Rualdo Menegat Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Ana Maria Pimentel Mizusaki Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Marcus Remus Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Lidia Maria Vignol Lelarge Lelarge Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
  • Norberto Dani Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637320

Palavras-chave:

Mudança curricular. Formação profissional. Estrutura curricular. Trabalho de conclusão de curso. Qualidade acadêmica.

Resumo

Durante cerca de 40 anos o curso de geologia da UFRGS formou profissionais com base em um currículo cujo trabalho de conclusão dava-se por meio de um mapeamento geológico básico. A partir dos anos de 1990, deu-se início a uma profunda mudança curricular que culminou, no início dos anos 2000, com a implantação de nova modalidade de trabalho de conclusão do curso, denominada de Projetos Temáticos em Geologia. O propósito do presente artigo é discutir o contexto histórico da mudança de paradigma na formação profissional depois de um longo período de autoritarismo institucional que foi vigente durante o regime militar. Além disso, expõe-se o modo de funcionamento e as características dos Projetos Temáticos e os principais resultados alcançados em 13 anos de desenvolvimento em uma instituição universitária pública e democrática. Por fim, estabelecem-se algumas reflexões sobre os avanços possíveis na formação profissional de qualidade em contextos técnico-científicos complexos e democráticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rualdo Menegat, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ana Maria Pimentel Mizusaki, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Marcus Remus, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Lidia Maria Vignol Lelarge Lelarge, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Norberto Dani, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Assine M.L. 1994. Repensando os cursos de graduação em Geologia. Cadernos IG-Unicamp, 4(1):34-65.

Janasi, V.A., 2012. O Ensino de Graduação em Geociências no Brasil: Avaliação e Perspectivas (por solicitação da SBG, SBGf, SBGq). São Paulo: IGc-USP. (Apres. Powerpoint).

Keane, C. 2010. Geoscience enrollments and degrees continue their sharp rise in 2009-2010. American Geological Institute, Geoscience Currents n.31

(27 april 2010).

Menegat R., Araújo A.M. de. 2005. Irajá Damiani: a invenção da geologia no sul do Brasil. Episteme, 17:06-24.

Pinto I.D. 2007. Curso de Geologia. Porto Alegre: Inst. Geoc. UFRGS. 182p.

Ramos J.R.A. 1987. Cursos de geologia completam 30 anos (CAGE: 1957). Rio de Janeiro, Anu. Inst. Geocienc., v.11.

SBG. Sociedade Brasileira de Geologia. 1983. Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil. Currículo Mínimo, 2. 1982, Salvador. Documento Final... São Paulo: SBG. 73p.

SBG. Sociedade Brasileira de Geologia. 1984. A formação do geólogo nas universidades brasileiras: um retrato de duas décadas. São Paulo: SBG.

USGS. U.S. Geological Survey. 2011. Geology for a changing world 2010–2020: implementing the U.S. Geological Survey science strategy: U.S. Geological Survey Circular 1369, 68 p.

Downloads

Publicado

2015-06-23

Como Citar

MENEGAT, R.; MIZUSAKI, A. M. P.; REMUS, M.; LELARGE, L. M. V. L.; DANI, N. Inovação no paradigma curricular: os projetos temáticos em geologia. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 204–216, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637320. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637320. Acesso em: 4 fev. 2023.