Abordagem transdisciplinar dos parâmetros curriculares nacionais de química: o caso das geociências

Autores

  • Sidnei de Lima Júnior Universidade Estadual de Campinas
  • Alfredo Borges de Campos Universidade Estadual de Campinas
  • Cleonice Rocha Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637344

Palavras-chave:

Ensino de química. Geociências. Contextualização. Cidadania

Resumo

Conhecimentos gerados pelas Geociências são importantes para a compreensão de fenômenos terrestres, além de proporcionar formação para a cidadania e colaborar para a promoção de uma cultura de sustentabilidade ambiental. Estes conhecimentos são tratados nos currículos das disciplinas da área de ciências do ensino básico, dentre elas a Química. Por meio da análise de narrativas foram verificados dez trechos que abordam temas em Geociências propostos nos Parâ­metros Curriculares Nacionais de Química no Brasil e apontados os tópicos presentes nestes documentos que podem ser trabalhados na elaboração do currículo de Química. Essa abordagem pode contribuir para uma aprendizagem significativa em Química, propiciada pelo tratamento e correlação dos assuntos por meio das diversas geodinâmicas (Sistema Terra). Porém é fundamental o papel do professor como mediador destes conteúdos, já que a contextualização dos conhecimentos possibilita um tratamento dos assuntos de forma transdisciplinar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidnei de Lima Júnior, Universidade Estadual de Campinas

Mestrando do Programa em Ensino e História das Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, SP.

Alfredo Borges de Campos, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, SP.

Cleonice Rocha, Universidade Estadual de Campinas

Depto. Matemática e Física, PUCGoiás, Goiânia, GO e professora visitante no Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas,
SP

Referências

Alvarez Suárez R., Berjillos Ruiz P., Garcia de La Torre E., Melero Vara J., Pedrinaci Rodriguez E., Sequeiros Sanromán L. 1992. Treinta razones para aprender más Geología en la educación secundaria. In:Simposio Enseñanza de la Geología, 7, Santiago de Compostela, 1992. Actas... Santiago de Compostela: AEPECT, p. 231-240.

Amaral I.A.do. 1991. Ambiente, educação ambiental e ensino de Ciências. In: M.M.S.de Lima, N.M.M. Kiouranis, R.C.E.G. Gonçalves, S.M.A. Alencar eds. 1991. Ciências na escola de 1º Grau. Textos de apoio à proposta curricular. São Paulo: Secret. Est. Educação, Coord. Estudos e Normas Pedagógicas. p. 39-62.

Ausubel D.P. 1968. Educational Psycology: A cognitive View. New York. Holt, Rinehart and Winston, 1968.

Barbosa R. 2003. Projeto Geo-Escola: recursos computacionais de apoio ao ensino de geociências nos níveis fundamental e médio. Campinas. Inst. Geoc. Unicamp. 105p. (Dissertação Mestr.).

Brasil. 1996. Lei n. 9394. Diretrizes e bases da educação nacional, promulgada em 20/12/1996. Brasília: Editora do Brasil. 31p.

Brasil. 2000. Ministério da Educação MEC. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec. 364p.

Brasil. 2002. PCN + Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: MEC/Semtec. 144 p.

Bruntland G. ed. 1987. Our Common Future: The World Commission on Environment and Development, Oxford: Oxford University Press.

Cachapuz A., Gil-Perez D., Carvalho A.M., Praia J., Vilches A. 2005. A necessária renovação do ensino das ciências. São Paulo: Cortez. 263p.

Carneiro C.D.R., Barbosa, R., Piranha J.M. 2007. Bases teóricas do projeto Geo-Escola: uso de computador para ensino de Geociências. Rev. Bras. Geoc. 37(1):90-100.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de

temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560.

Compiani M. 1990. A geologia pra que te quero no ensino de ciências. Educ. & Soc., 36:100-117.

Freire P. 1997. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, Paz e Terra.

Frodeman R. 1995. Geological reasoning: geology as an interpretive and historical science. GSA Bulletin, 107(8):960-968.

Galvão C. 2005. Narrativas em educação. Ciência & Educação. 11(2):327-345.

Galvão D.M., Finco G. 2009. Geociências no Ensino Médio: aprendendo para a cidadania. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências: Florianópolis, 2009. Anais... Florianópolis: 9p. URL: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1437.pdf. Acesso 15.09.2014.

Gil-Perez D., Carrascosa, J. 1994. Bringing Pupil’s Learning Closer to a Scientific Construction ok Knowledge: A permanent Feature in Innovations in Science Teaching. Science Education, 78(3):301-315.

Giordan M.1999 O papel da experimentação no ensino de ciências. Química Nova na Escola, 10:43-49.

Guimarães C.C. 2009. Experimentação no ensino de Química: Caminhos e Descaminhos Rumo à Aprendizagem Significativa. Química Nova na Escola, 31(3):198-202.

Iribarry I.N. 2003. Aproximações sobre a transdiciplinaridade: Algumas linhas Históricas, Fundamentos e Princípios. Aplicados ao Trabalho em equipe. Rio Grande do Sul: UFRGS, Psicologia: Reflexão e crítica, 16(3):483-490.

Lima Jr. S. 2004. A abordagem de atividades experimentais em livros didáticos de Química. In: Enc. Nac. Ens. Química, 12, Goiânia, 2004. Anais… Goiânia: UFG, 2004.

Lima Jr. S. 2012. A utilização da experimentação em química de nível médio: contextualização de conteúdos de Química. In: Enc. Nac. Ens. Química, 16, Salvador, 2012. Anais... Salvador: URL: www.portalseer.ufba.br/index.php/anaise-neq2012/index.

Moreira M.A. 1999. Aprendizagem significativa. Brasília: Ed. UnB, 1999.

Novak J.D. Gowin D.B. 1999. Aprender a aprender. 2 ed. Lisboa: Plátano ed. técn.

Paschoale C., Freitas H.C.L.de, Fracalanza H., Amaral I.A.do, Tessler M.G. 1981. A geologia e a escola de 1o e 2o graus. In: Simpósio Nacional sobre o Ensino de Geologia no Brasil, 1, Belo Horizonte. Anais..., Belo Horizonte, SBG. v. 1, p. 157-167.

Piaget J. 2006. Metodologia das relações interdisciplinares. In: Pombo, Olga, Guimarães, Henrique M., Levy, Teresa orgs. 2006. Interdisciplinaridade: Antologia. Porto: Campo das Letras Eds. p.59-68.

Potapova M.S. 1968. Geology as an historical science of nature. In: Interaction of sciences in the study of the Earth. Moscow: Progress Publisher. p.117–126. Tradução: Potapova M.S. 2008. Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terræ Didatica, 3(1):86-90. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/. Acesso 16.09.2014.

Santana E.M., Silva E.L. orgs. 2014. Tópicos em ensino de Química. São Carlos, Pedro & João Eds. 252p.

Santos W.L.P., Schnetzler R.P. 2010. Educação em química: compromisso com a cidadania. 4 ed., Ijuí: Ed. Unijuí. 159p.

Teixeira W. Fairchild T.R, Toledo M.C.M, Taioli F. 2009. Decifrando a Terra. 2 ed. São Paulo: Cia. Ed. Nacional. 623p.

Toledo M.C.M. 2004. Geociências no Ensino Médio Brasileiro. Análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. São Paulo, Revista Geologia USP. Publ. Esp., 3:33-34.

Zanon L.B., Maldaner O.T. orgs. 2012. Fundamentos e Propostas de Ensino de Química para a Educação Básica no Brasil. Ijuí, Ed. Unijuí. 224p.

Downloads

Publicado

2015-06-23

Como Citar

LIMA JÚNIOR, S. de; CAMPOS, A. B. de; ROCHA, C. Abordagem transdisciplinar dos parâmetros curriculares nacionais de química: o caso das geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 289–297, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637344. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637344. Acesso em: 27 jan. 2023.