Intemperismo simulado em animação gráfica

  • Maria Cristina Motta de Toledo Universidade de São Paulo
  • Carolina Harumi Takayama Universidade de São Paulo
  • Christine Laure Marie Bourotte Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Ensino de geologia. Ensino de intemperismo. Recurso didático. Animação gráfica.

Resumo

A utilização de modelos, simulações e animações é muito útil para auxiliar na compreensão de fenômenos naturais, principalmente processos geológicos em escala de tempo incompatível com a escala possível de ser observada pelo ser humano. No caso do intemperismo, em que as modificações naturais se processam abaixo da superfície, uma nova dificul­dade se apresenta para a observação do processo. Neste trabalho, foi produzida uma animação gráfica sobre intemperismo para utilização em várias situações de ensino e de divulgação de Geologia. Além disso, foi também produzido um material explicativo na forma de texto auxiliar, bem como um guia de utilização do conjunto. O material foi aplicado em algumas situações reais (escolas, encontros de professores e licenciandos e oficinas em congresso de Geologia), tendo sido positivamente avaliado. O recurso utilizou vários programas e pode ser ampliado e aperfeiçoado, conforme a necessidade de utilização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Motta de Toledo, Universidade de São Paulo

Professora Titular da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo – EACH/USP.

Carolina Harumi Takayama, Universidade de São Paulo

Graduada em Licenciatura em Ciências da Natureza da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo – EACH/USP.

Christine Laure Marie Bourotte, Universidade de São Paulo

Professora Doutora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo – EACH/USP.

Referências

Apple M.W. 2011. Global crisis, social justice and teacher education. J. Teacher Educ., 62(2):222-234.

Bogdan R.C., Biklen, S. K. 1994. Características da investigação qualitativa. In: Bogdan R.C., Biklen S.K. 1994. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, p. 47-51.

Cervato C., Frodeman R. 2012. A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos). Terræ Didatica, 10(1):67-79. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Elliott J. 2010. El ‘estudio de la enseñanza y del aprendizaje’: una forma globalizadora de investigación del profesorado. Revista Interuniversitaria de Formación de Profesorado, 24(2):223-242.

Freitas L.C. 2012. Os reformadores empresariais da Educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. & Soc., 33(119):379-404.

Gatti B. A. 2005. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Ed. 77p.

Hashweh M.Z. 2003. Teacher accommodative change. Teaching and Teacher Education, 19(4): 421-434.

Lüdke M., André M.E.D.A. 1986. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Ed. Pedag. e Univ. 99p.

Pimenta S.G. 2005. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, 31(3):521-539.

Pimenta S.G. 2008. Introdução. In: Pimenta S.G., Franco M.A.S. orgs.. 2008. Pesquisa em Educação: possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Ed. Loyola, p.9-25.

Rossi P. 1984. The dark abyss of time. Chicago: Univ. Chicago Press. 338p.

Rudwick M.J.S. 1976. The emergence of a visual language for geological science 1760-1840. History of Science, 14:149-195.

Seidl B., Friend G. 2002. Leaving authority at the door: equal-status community-based experiences and the preparation of teacher for diverse classrooms. Teacher and Teacher Education, 18(4):421-433.

Zeichner K. 2007. Accumulating knowledge across self-studies in teacher education. J. Teacher Educ., 58(1):36-46.

Publicado
2015-06-23
Como Citar
Toledo, M. C. M. de, Takayama, C. H., & Bourotte, C. L. M. (2015). Intemperismo simulado em animação gráfica. Terrae Didatica, 10(3), 351-356. https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637352