Banner Portal
Interfaces currículo do ensino médio e geociências: 10 anos de reflexões de grupo de pesquisa colaborativa
PDF

Palavras-chave

Ensino de geociências. Currículo. Formação de professores. Pesquisa colaborativa. Tempo geológico.

Como Citar

SICCA, N.; GONÇALVES, P.; FERNANDES, M. C. da S. G.; ALVES, M.; CANESIN, M. B. de S.; SANTOS, M. J. dos; LA CORTE, M. de; FIGUEIREDO, R. Interfaces currículo do ensino médio e geociências: 10 anos de reflexões de grupo de pesquisa colaborativa. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 357–367, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637353. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637353. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

O Grupo de estudos de Ciência do sistema Terra constitui esforço de pesquisa, experimentação e reflexão sobre como adaptar o currículo do Ensino Médio brasileiro perseguindo eixos curriculares vinculados aos estudos da Terra. A maior parte das escolas brasileiras de educação básica não inclui no currículo componente curricular voltado para o estudo do conhecimento da Terra e do ambiente a seus estudantes. Dentro destes limites, tempo geológico tornou-se eixo capaz de articular disciplinas comuns da escola, ou seja, estudar a Terra e seus fenômenos permite construir ligações, p.ex. entre Biologia e Geografia (disciplinas comuns do Ensino Médio). Os procedimentos seguem orientações de pesquisa colaborativa que entrelaça pesquisadores de distintas universidades e professores da rede pública. Os principais resultados se concentram em inovações curriculares que enfatizam concepção mais realista e integrada de dinâmicas ambientais. O objetivo deste estudo é revelar como professores da educação básica descrevem a contribuição das Ciências da Terra para sua formação e quais são as implicações para o currículo do Ensino Médio.

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637353
PDF

Referências

Apple M.W. 2011. Global crisis, social justice and teacher education. J. Teacher Educ., 62(2):222-234.

Bogdan R.C., Biklen, S. K. 1994. Características da investigação qualitativa. In: Bogdan R.C., Biklen S.K. 1994. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, p. 47-51.

Cervato C., Frodeman R. 2012. A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos). Terræ Didatica, 10(1):67-79. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Elliott J. 2010. El ‘estudio de la enseñanza y del aprendizaje’: una forma globalizadora de investigación del profesorado. Revista Interuniversitaria de Formación de Profesorado, 24(2):223-242.

Freitas L.C. 2012. Os reformadores empresariais da Educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. & Soc., 33(119):379-404.

Gatti B. A. 2005. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Ed. 77p.

Hashweh M.Z. 2003. Teacher accommodative change. Teaching and Teacher Education, 19(4): 421-434.

Lüdke M., André M.E.D.A. 1986. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Ed. Pedag. e Univ. 99p.

Pimenta S.G. 2005. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, 31(3):521-539.

Pimenta S.G. 2008. Introdução. In: Pimenta S.G., Franco M.A.S. orgs.. 2008. Pesquisa em Educação: possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Ed. Loyola, p.9-25.

Rossi P. 1984. The dark abyss of time. Chicago: Univ. Chicago Press. 338p.

Rudwick M.J.S. 1976. The emergence of a visual language for geological science 1760-1840. History of Science, 14:149-195.

Seidl B., Friend G. 2002. Leaving authority at the door: equal-status community-based experiences and the preparation of teacher for diverse classrooms. Teacher and Teacher Education, 18(4):421-433.

Zeichner K. 2007. Accumulating knowledge across self-studies in teacher education. J. Teacher Educ., 58(1):36-46.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.