Interfaces currículo do ensino médio e geociências: 10 anos de reflexões de grupo de pesquisa colaborativa

Autores

  • Natalina Sicca Centro Universitário Moura Lacerda
  • Pedro Gonçalves Universidade Estadual de Campinas
  • Maria Cristina da Silveira Galan Fernandes Universidade Federal de São Carlos
  • Maurílio Alves Universidade de São Paulo
  • Maria Bernardete de Siqueira Canesin Escola Estadual Professora Eugênia Vilhena de Morais
  • Maria José dos Santos Instituto Federal de São Paulo
  • Mirian de La Corte Estado de São Paulo
  • Reino Figueiredo Estado de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637353

Palavras-chave:

Ensino de geociências. Currículo. Formação de professores. Pesquisa colaborativa. Tempo geológico.

Resumo

O Grupo de estudos de Ciência do sistema Terra constitui esforço de pesquisa, experimentação e reflexão sobre como adaptar o currículo do Ensino Médio brasileiro perseguindo eixos curriculares vinculados aos estudos da Terra. A maior parte das escolas brasileiras de educação básica não inclui no currículo componente curricular voltado para o estudo do conhecimento da Terra e do ambiente a seus estudantes. Dentro destes limites, tempo geológico tornou-se eixo capaz de articular disciplinas comuns da escola, ou seja, estudar a Terra e seus fenômenos permite construir ligações, p.ex. entre Biologia e Geografia (disciplinas comuns do Ensino Médio). Os procedimentos seguem orientações de pesquisa colaborativa que entrelaça pesquisadores de distintas universidades e professores da rede pública. Os principais resultados se concentram em inovações curriculares que enfatizam concepção mais realista e integrada de dinâmicas ambientais. O objetivo deste estudo é revelar como professores da educação básica descrevem a contribuição das Ciências da Terra para sua formação e quais são as implicações para o currículo do Ensino Médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalina Sicca, Centro Universitário Moura Lacerda

Mestrado em Educação. Centro Universitário Moura Lacerda. Ribeirão Preto, SP.

Pedro Gonçalves, Universidade Estadual de Campinas

Pós-graduação em Ensino e História de Ciências da Terra (PEHCT). Instituto de Geociências. Universidade Estadual de Campinas.

Maria Cristina da Silveira Galan Fernandes, Universidade Federal de São Carlos

Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE). Departamento de Educação (DEd). Universidade Federal de São Carlos.

Maurílio Alves, Universidade de São Paulo

Departamento de Biologia. Universidade de São Paulo, Campus Ribeirão Preto (aposentado).

Maria Bernardete de Siqueira Canesin, Escola Estadual Professora Eugênia Vilhena de Morais

Graduação em Licenciatura Em Matemática pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo(1975) e graduação em Licenciatura em Pedagogia (Adm. e Supervisão) pela Faculdade de Educação São Luís(2007). Atualmente é Professor de Educação Básica 2 do Governo do Estado de São Paulo.

Maria José dos Santos, Instituto Federal de São Paulo

Doutoranda do PEHCT. Professora do Instituto Federal de São Paulo.

Mirian de La Corte, Estado de São Paulo

Professora da rede estadual do Estado de São Paulo

Reino Figueiredo, Estado de São Paulo

Professor da rede estadual do Estado de São Paulo

Referências

Apple M.W. 2011. Global crisis, social justice and teacher education. J. Teacher Educ., 62(2):222-234.

Bogdan R.C., Biklen, S. K. 1994. Características da investigação qualitativa. In: Bogdan R.C., Biklen S.K. 1994. Investigação qualitativa em educação. Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto, Portugal: Porto Editora, p. 47-51.

Cervato C., Frodeman R. 2012. A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos). Terræ Didatica, 10(1):67-79. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Elliott J. 2010. El ‘estudio de la enseñanza y del aprendizaje’: una forma globalizadora de investigación del profesorado. Revista Interuniversitaria de Formación de Profesorado, 24(2):223-242.

Freitas L.C. 2012. Os reformadores empresariais da Educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educ. & Soc., 33(119):379-404.

Gatti B. A. 2005. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro Ed. 77p.

Hashweh M.Z. 2003. Teacher accommodative change. Teaching and Teacher Education, 19(4): 421-434.

Lüdke M., André M.E.D.A. 1986. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, Ed. Pedag. e Univ. 99p.

Pimenta S.G. 2005. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, 31(3):521-539.

Pimenta S.G. 2008. Introdução. In: Pimenta S.G., Franco M.A.S. orgs.. 2008. Pesquisa em Educação: possibilidades investigativas/formativas da pesquisa-ação. São Paulo: Ed. Loyola, p.9-25.

Rossi P. 1984. The dark abyss of time. Chicago: Univ. Chicago Press. 338p.

Rudwick M.J.S. 1976. The emergence of a visual language for geological science 1760-1840. History of Science, 14:149-195.

Seidl B., Friend G. 2002. Leaving authority at the door: equal-status community-based experiences and the preparation of teacher for diverse classrooms. Teacher and Teacher Education, 18(4):421-433.

Zeichner K. 2007. Accumulating knowledge across self-studies in teacher education. J. Teacher Educ., 58(1):36-46.

Downloads

Publicado

2015-06-23

Como Citar

SICCA, N.; GONÇALVES, P.; FERNANDES, M. C. da S. G.; ALVES, M.; CANESIN, M. B. de S.; SANTOS, M. J. dos; LA CORTE, M. de; FIGUEIREDO, R. Interfaces currículo do ensino médio e geociências: 10 anos de reflexões de grupo de pesquisa colaborativa. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 357–367, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637353. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637353. Acesso em: 3 fev. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)