Contribuições do ensino de geociências à formação de uma massa crítica de professores e investigadores

  • José Roberto Serra Martins Universidade Estadual de Campinas
  • Celso Dal Ré Carneiro Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Ensino de geociências. Formação de professores. Autonomia.

Resumo

A atual carência de docentes para atender às escolas de educação básica pode ser suprida pela formação docente apoiada em currículos impregnados de conhecimentos, modelos e práticas típicos das Geociências. Ao mesmo tempo em que dificuldades levaram o Estado a perder a condição de gerir muitas escolas, estudantes incapazes de receber informações e construir conceitos tornaram-se social e culturalmente defasados. O professor, elemento-chave do processo, deve capacitar-se para contextualizar conceitos e transmitir conteúdos fundamentais de modo organizado e integrado. Os alunos devem compreender as dificuldades inerentes ao aprendizado e reconhecer que o saber é antes uma construção social em lugar de produto natural e espontâneo de nossa interação com o mundo objetivo. Os argumentos aqui oferecidos salientam as Geociências como alicerces para o desenvolvimento intelectual, porque incorporam ao pensamento sistêmico uma clara noção de perspectiva histórica, que explica a formação do patrimônio natural brasileiro, composto pelo nosso subsolo e suas riquezas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto Serra Martins, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, IG-Unicamp. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, São João da Boa Vista, SP

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Referências

Bucci M.P.D. 2013. Erro de percurso. Folha S. Paulo. Tendências/Debates, p. 3. 28.07.2013.

Bizzocchi A. 2009. A nova Lei de Diretrizes e Bases da educação e a pós-graduação. Disponível no URL: http://www.aldobizzocchi.com.br/artigo17.asp. Acesso em 25.11.2010.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M.de, Almeida F.F.M.de. 2004. Dez motivos para a inclusão de

temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560.

Cervato C., Frodeman R. 2012. The significance of geologic time: cultural, educational, and economic frameworks. The Geological Society of America, Special Paper (486):19-27.

Farias R.F. 2005. Para gostar de ler a História da Química. 2 ed. Campinas: Ed. Átomo. 100p.

Houaiss A. 2001. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de janeiro: Ed. Objetiva. 351p.

Kant I. 1964. Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Antonio Pinto de Carvalho (trad). Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 141p.

Lévy P. 1993. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos I. Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34. 208 p. (Coleção Trans).

Lopes A.C.L. 1999. Conhecimento escolar, ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: Editora UERJ. 236p.

Maia E.M. 1993. Ciências – 1o. Grau. São Paulo: Sec Estado da Educação. Go . São Paulo. 128p.

Marques L.F. 2010. A Educação em Ciência: do seu enquadramento na sociedade do século XXI, a uma formação de professores de ciências exigente e continuada. Mimeo. 14p.

Martins J.R.S. 2011. A construção do conhecimento químico por meio de metodologia pós-colonialista. In: Pereira, E.M.A.; Celani, G.; Grassi-Kassisse, D.M. (orgs.). Inovações curriculares: experiências no ensino superior. Campinas: FE Unicamp. pp. 121-140.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2012. Plataforma continental jurídica, recursos do pré-sal e ensino de Geociências. Terræ, 9(1-2):61-109.

Martins J.R.S., Gonçalves P.W., Carneiro C.D.R. 2011. O ciclo hidrológico como chave analítica interpretativa ade um material didático em Geologia. Ciência & Educação, 17(2):365-382.

Morgado J.C. 2013. Democratizar a escola através do currículo: em busca de uma nova utopia... Rio de Janeiro, Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 21(80):433-448. URL: www.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a10v21n80.pdf‎. Acesso 19.11.2013.

Morin E. 2001. Ciência com Consciência. 5 ed. Maria D. Alexandre e Maria Alice S. Dória (trad). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 350p.

Morin E. 2003. Os sete saberes necessários à educação do futuro. . ed. Catarina E.F. da Silva e Jeanne Sawaya (trad). São Paulo: Cortez. 118p.

Mortimer, E.F. 1996. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos?. Investigações em Ensino de Ciências, 1(1):20-39.

Oliveira D. L. (org). 1987. Ciências na sala de aula. Porto Alegre: Ed. Meditação. 114p.

Pozo I.P., Crespo M.A.G. 2009. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. 5 ed. Naila Freitas (trad.) Porto Alegre: Artmed. 296p.

Ramsden J. M. 1998. Mission impossible? Can anything be done about attitudes to science? Intern. J. Science Education, 20(2):125-137.

Sagan C. 1989. O Romance da Ciência. 4 ed. Carlos Al- 4 ed. Carlos Alberto Medeiros (trad). Rio de Janeiro: Ed. Francisco Alves. 345p.

Scheiderman B. 2006. O Laptop de Leonardo: como o novo Renascimento já está mudando a sua vida. Vera Whately (trad). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 288p.

Schwartzman S., Castro C.M. 2013. Ensino, formação profissional e a questão da mão de obra. Rio de Janeiro, Ensaio: aval. pol. públ. Educ., 21(80):563-624. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40362013000300010&lng=

en&nrm=isowww.scielo.br/pdf/ensaio/v21n80/a10v21n80.pdf.

SECTES-MG. 2010. Secretaria do Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais. URL: http://www.tecnologia.mg.gov.br/index.php/programas/projetos-estruturadores/ arranjos-produtivos-locais/polos-de-excelencia. Acesso em 15.11.2010

Silva E.J.F. 2007. Superdotação e altas habilidades nas séries iniciais do ensino fundamental: levantamento de possíveis casos. Fa . Ciências UNESP, 91p. (Trab.

Concl. Curso).

Souza Jr. G.L., Guedes W.C., Mesquita D.S. A malária no Amazonas na primeira década do século XXI: uma análise puramente espacial.aURL: http://www.ime.unicamp.br/sinape/sites/default/files/ Malária.pdf. Acesso 10.07.2011.

Unicamp. Jornal da Unicamp (editorial). Um país com ciência ou apenas um país com cientistas? Caderno Temático 170.aURL: http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/fev2002/ unihoje_te-

ma170pag03.html. Acesso 01.12.2010.

Publicado
2015-06-23
Como Citar
Martins, J. R. S., & Carneiro, C. D. R. (2015). Contribuições do ensino de geociências à formação de uma massa crítica de professores e investigadores. Terrae Didatica, 10(3), 368-377. https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637354

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 > >>