Banner Portal
Contributos da reforma curricular em Timor-Leste para a literacia do cidadão em ciências da terra
PDF

Palavras-chave

Timor-Leste. Geociências. Currículo. Ensino secundário. Materiais curriculares.

Como Citar

BONITO, J.; REBELO, D.; MORGADO, M.; GOMES, C.; COELHO, C.; ANDRADE, A. S. de; MARQUES, L. Contributos da reforma curricular em Timor-Leste para a literacia do cidadão em ciências da terra. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 436–454, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637362. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637362. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

No âmbito da reestruturação do currículo de Timor-Leste, o ensino secundário – com a duração de três anos – foi desenhado em dois percursos: o de Ciências e Tecnologias e o de Ciências Sociais e Humanidades. Ambos incluíam uma componente de Formação Geral. Ainda que sem tradição em Timor-Leste, o ensino Ciências da Terra foi integrado nos dois cursos, por meio, respetivamente, das disciplinas de Geologia e de Geografia. Os programas das disciplinas foram elaborados por duas equipas da Universidade de Aveiro (Portugal). Cada uma delas elaborou, também, manuais para os alunos e guias para os professores, relativos aos três anos de escolaridade. Ainda no âmbito deste processo, a Universidade de Aveiro organizou um plano de formação para futuros professores de Geologia e de Geografia em Timor-Leste, realizado in locu e em território português.

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637362
PDF

Referências

Aikenhead G. 2009. Educação científica para todos. Mangualde: Edições Pedagogo.

Alves M. 2004. Currículo e avaliação – Uma perspectiva integrada. Porto: Porto Editora.

Arroteia J. 2008. Educação e desenvolvimento: Fundamentos e conceitos. Aveiro: Depto. Ciências da Educação. URL: http://www.adispor.pt/repositorio/pdfs/educacao_e_desenvolvimento.pdf. Acesso:

08.2014.

Bonito J. 2001. As actividades prátivas no ensino das geociências: um estudo que procura a conceptualização. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional.

Bonito J. 2012. Panoramas atuais acerca do ensino das ciências. Boa Vista: Universidade federal de Roraima.

Brusi D., Zamorano M., Casellas R., Back J. 2011. Reflexiones sobre el diseño por competencias en el trabajo de campo en geología. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 19(1): 04-14. URL: http://www.raco.cat/index.php/ect/article/viewFile/244374/331346. Acesso: 11.08.2014.

Cabral M. 2005. Como analisar manuais escolares. Lisboa: Texto Editora Educação.

Carvalho A., Fadigas N. 2009. O Papel dos Manuais Escolares nas Relações Escola-Família. Porto: Observatório dos Recursos Educativos. URL: http://www.ore.org.pt/filesobservatorio/pdf/osmanuaisescolaresnarelacaoescolafamilia.pdf.Acesso: 11.08.2014.

Clark I. 2006. A vision for geoscience education in the 21st century. Geoscience Education: Understanding System Earth. GeoSciEdV: 5th International Meeting on Behalf of the International Geoscience Education Organization (IGEO), 48: 23-24. URL:

http://archiv.ipn.uni-kiel.de/System_Erde/poster/SDGG_48.pdf. Acesso: 11.08.2014.

Compiani M., Carneiro C. 1993. Os papéis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra 1(2): 90-98. URL: http://www.researchgate.net/publication/28250324_Os_papis_didticos_das_excursoes_geolgicas. Acesso: 11.08.2014.

Correia C. 2005. Quatro equívocos correntes sobre manuais escolares. Revista do SNESup, 15. URL: http://www.snesup.pt/htmls/EEZyZFylZkVoMaNQkD.shtml. Acesso: 11.04.2014.

Estrela A., Nóvoa A. 1999. Avaliações em educação. Porto: Porto Editora.

Fernandes D. 2005. Avaliação das aprendizagens: Desafios às teorias, práticas e políticas. Lisboa: Texto Editora.

Fernandes D. 2006. Para uma teoria da avaliação formativa. Revista Portuguesa de Educação, 19(2): 21-50. URL: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/5495/1/Para%20uma%20teoria%20da%20avaliac%CC%A7a%CC%83o%20formativav19n2a03%283%29.pdf. Acesso: 14.04.2014.

Galvão C., Reis, P., Freire A., Oliveira T. 2006. Avaliação de competências em ciências. Sugestões para professores dos ensinos básico e secundário. Porto: Edições ASA.

Gérard F., Roegiers X. 1998. Conceber e avaliar manuais escolares. Porto: Porto Editora.

Gomes C., Morgado M., Coelho C. 2011. Programa. Geografia – Ensino Secundário Geral. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=28435. Acesso: 11.08.2014.

Gomes C., Morgado M., Coelho C. 2012a. Geografia. Manual do Aluno. 10.o ano. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: http://issuu.com/universidade-de-aveiro/docs/geografia_manualdoaluno_fogra39. Acesso: 11.08.2014.

Gomes C., Morgado M., Coelho C. 2012b. Geografia. Guia do Professor. 10.o ano. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: http://issuu.com/universidade-de-aveiro/docs/geografia_guiaprofessor_f39gs. Acesso: 11.08.2014.

Governo de Timor-Leste 2011. Plano Estratégico de Desenvolvimento de Timor-Leste 2011-2030. URL: http://timor-leste.gov.tl/wp-content/uploads/2012/02/Plano-Estrategico-de-Desenvolvimento_PT1.pdf. Acesso 11.04.2014.

Guimarães F. 2009. A importância de ser no 1.o Ciclo: conhecimento escolar e manuais escolares.URL: http://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/10328/1/IIJornadasEduca%C3%A7%C3%A3o-Fafe.pdf. Acesso: 11.04.2014.

Martins I. 2012. Química, ensino da química e educação em ciências: história de um percurso de vida. In: Carvalho A., Cachapuz A., Gil-Perez D. (Orgs) 2012 O ensino das ciências como compromisso científico e social:159-177. São Paulo: Cortez Editora.

Martins I., Ferreira, A. 2014. A Reestruturação Curricular do Ensino Secundário em Timor-Leste. Um caso de cooperação da Universidade de Aveiro no domínio de educação. In: Morais C., Morais R. (Eds) 2014 Pelos Mares da Língua Portuguesa: 97-110. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Mayer V. 2003. Implementing global science literacy. Ohio: Earth System Education Program. The Ohio State University.

Mintzes J., Wandersee J., Novak J. 2000. Ensinando ciência para a compreensão – Uma visão construtivista. Lisboa: Plátano Editores

Marques L., Praia J. 2009. Educação em Ciência: actividades exteriores à sala de aula. Terrae Didática, 5(1):10-26. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v5/pdf-v5/TD_V-a2.pdf. Acesso:

08.2014.

ME – Ministério da Educação 2011. Plano Curricular do Ensino Secundário. Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=27838. Acesso: 22.05.2014.

Morgado J. 2004. Manuais escolares. Contributos para uma análise. Porto: Porto Editora.

Eirín R., García H., Montero L. 2009. Desarrollo profesional y profesionalización docente. Perspetivas y problemas. Revista de Curriculum y Formación de Professorado, 13(2): 1-13. URL: https://www.ugr.es/~recfpro/rev132COL3.pdf. Acesso: 11.08.2014.

Nóvoa A. 1992. Formação de professores e profissão docente. In: Nóvoa A. (Ed) Os professores e a sua formação:15-33. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

OECD 2003. The PISA 2003 Assessment Framework: Mathematics, Reading, Science and Problem Solving Knowledge and Skills. Paris: OECD. URL: http://www.oecd.org/edu/school/programmeforinternationalstudentassessmentpisa/33694881.pdf. Acesso: 11.08.2014.

Orion N. 2001. A Educação em Ciências da Terra: da teoria à prática - implementação de novas estratégias de ensino em diferentes ambientes de aprendizagem. In: Marques L., Praia J. (Orgs) Ciências da Terra nos Currículos dos Ensinos Básico e Secundário:

-114. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Pedrinaci E., Alcalde S., Alfaro P., Almodóvar G., Barrera J., Belmonte A. et al. 2013. Alfabetización en Ciencias de la Tierra. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 21(2): 117-129. URL: http://www.aepect.org/alfabetizacion%20en%20ciencias%20de%20

la%20tierra.pdf. Acesso: 11.08.2014.

Pelt J., Steffan F. 2001. A Terra como herança. Lisboa: Editorial Inquérito. Portugal (país). Lei 14/2008, de 29 de outubro. URL: http://www.jornal.gov.tl/?mod=artigo&id=1453.

Acesso: 14.04.2014.

Pureza J. 2002. Pedaços de uma fé crítica. Ensaio. Lisboa: Quarteto Editora.

Rebelo D., Soares de Andrade A., Bonito J., Marques L. 2011. Programa. Geologia – Ensino Secundário Geral. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=28436. Acesso: 11.08.2014.

Rebelo D., Bonito J., Soares de Andrade A., Marques L. 2014a. Geologia. Manual do Aluno. 12.o ano. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL: http://issuu.com/universidade-de-aveiro/docs/geologia_manualaluno_12ano. Acesso: 11.08.2014.

Rebelo D., Bonito J., Soares de Andrade A., Marques L. 2014b. Geologia. Guia do Professor. 12.o ano. Díli: Ministério da Educação de Timor-Leste. URL:

https://www.ua.pt/ReadObject.aspx?obj=28436. Acesso: 11.08.2014.

Rego B., Gomes C., Balula J. 2012. A avaliação e certificação de manuais escolares em Portugal: um contributo para a excelência. In: Patrício M., Sebastião L., Mata Justo J., Bonito J. Orgs. Da exclusão à excelência: Caminhos organizacionais para a qualidade da educação: 129- 138. Montargil: AEPEC. URL: http://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/497/1/Rego_Gomes_%26_Balula%20(2010).pdf. Acesso: 01.04.2014.

Rodrigues I., Favas P., Coelho F. 2002. Análise de manuais - Uma reflexão necessária na formação inicial de professores. URL: http://apice.webs.ull.es/pdf/345-

pdf. Acesso: 01.04.2014.

Roldão M. 2000. Formar professores. Os desafios da profissionalização e o currículo. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Sá-Chaves I. 2002. A construção do conhecimento pela análise reflexiva das práticas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian e Fundação para a Ciência e Tecnologia.

Schön D. 1987. Educating the Reflective Practitioner: Towards a New design for Teaching and Learning in the Professions. S. Francisco/Oxford: Jossey-Bass Inc. Publications.

UNESCO 2008. Declaración presentada en el Acto Mundial de Inauguración del Año Internacional del Planeta Tierra (AIPT). URL: http://yearofplanetearth.org/content/GLE/declaration/Declaration_Spanish.doc. Acesso: 11.04.2014.

UNESCO 2011. International Standard Classification of Education. Paris: UNESCO. URL: http://www.uis.unesco.org/Education/Documents/isced-2011-en.pdf. Acesso: 11.08.2014.

UNESCO 2012. EFA Global Monitoring Report. Youth and skills: putting education to work. Paris. UNES Paris. UNESCO. URL: http://unesco.nl/sites/default/files/dossier/2012_gmr.pdf?download=1. Acesso: 11.08.2014.

UNESCO 2014. Education for Sustainable Development. URL: http://www.unesco.org/new/en/education/themes/leading-the-international-agenda/education-for-sustainable-development/education-for-sustainable-development/. Acesso: 11.08.2014.

Vilches A., Marques L., Gil-Perez D. & Praia J. 2012. The need for Contributions to the Decade of Education for the Sustainable Future: an Ethical Commitment. In: Gonçalves F., Pereira R., Leal-Filho W., Azeiteiro U. Eds. 2012.Contributions to the UN Decade of Education for Sustainable Development: 11-33. Frankfurt: Peter Lang. URL: http://www.peterlang.com/download/extract/58212/extract_261347.pdf. Acesso: 11.08.2014.

Zabalza M. 1991. Planificação e desenvolvimento curricular na escola. Rio Tinto: Edições ASA.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.