Banner Portal
As geociências e as tecnologias de informação e comunicação (TICs) na interface ensinar-aprender
PDF

Palavras-chave

Ensino de geociências. TICs no ensino. Formação de professores.

Como Citar

SIGNORETTI, Vlander Verdade; CARNEIRO, Celso Dal Ré. As geociências e as tecnologias de informação e comunicação (TICs) na interface ensinar-aprender. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 466–473, 2015. DOI: 10.20396/td.v10i3.8637365. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637365. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

As tecnologias de informação e comunicação (TICs), apoiadas em conhecimentos de Geociências, podem contribuir para mudar a postura de professores e alunos da educação básica e melhorar o desempenho de alunos nos exames de avaliação de aprendizado. Na área de ensino de Ciências, os resultados têm sido preocupantes e até mesmo críticos. Este artigo propõe que modelos educacionais apoiados em Geociências e condizentes com a época atual possam contribuir para a aprendizagem significativa e para estimular o professor a criar situações favoráveis ao aprendizado. Exigem-se soluções inovadoras e abordagens que fundamentem, cada vez mais, cursos de formação de professores, pautados em computadores, para integrar as TICs à educação do aluno. Conclui-se que investir em educação nessa época de imprevisibilidade pressu­põe, além da criação de espaços reais e virtuais de comunicação, formação contínua e valorização daqueles que promovem o seu desenvolvimento. O ensino de Ciências e, conseguinte, o ensino das Geociências, representa a geração de condições para formação de cidadãos cultos e capazes de discernir de modo adequado frente às escolhas que a vida se lhes apresentará.

https://doi.org/10.20396/td.v10i3.8637365
PDF

Referências

American Association for the Advancement of Science. 1989. Science for all Americans. Washington, D. C.: AAAS.

Barbeiro J.M. 2011. Desafios da tecnicidade ao sistema educativo. In.: Filé V. org. 2011. Escola e tecnologia: máquinas, sujeitos e conexões culturais. Rio de Janeiro: Rovelle. (Col. (com) textos da educação. Escola e cotidiano, 7).

Barbosa R. 2013. Projeto Geo-Escola: Geociências para uma escola inovadora. Campinas: Inst. Geoc. Unicamp. (Tese Dout. PEHCT). URL: http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000920387. Acesso 30.06.2014.

Barreto R.G., Guimarães G.C., Magalhães L.K.C.de, Leher E.M.T. 2006. As tecnologias da informação e da comunicação na formação de professores. Rev. Bras. Educ., 11(31):31-42. URL: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v11n31/a04v11n31.pdf. Acesso 21.10.2014.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M. de, Almeida F.F.M. de. 2004. Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Rev. Bras. Geoc. 34(4):553-560.

Debald F.R.B. 2012. A formação dos professores e sua relação com as Tecnologias da Informação e Comunicação. Foz do Iguaçu, Rev. Pleiade, 3(6):135-146. URL: http://www.uniamerica.br/site/revista/index.php/pleiade/ article/view/23/18. Acesso 20.10.2014.

Delors J. 1996. Education for tomorrow. UNESCO Courier, Abril 1996, 49(4):6.

Delors J. org. 2005. A educação para o século XXI: questões e perspectivas. Porto Alegre: Artmed.

Delors, J. 1999.Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo, Cortez. Brasília, MEC/UNESCO.

Fialho F.A.P. 2002a. Escola do Futuro: em busca da razão de ser. Revista @prender.

Fialho F.A.P. 2002b. Curso de Capacitação em Ensino a Distância - EAD Francisco Antonio Pereira Fialho, Dr. Eng. Professor do Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão. Florianópolis, UFSC. (Curso Pós-Grad. Eng. Prod .). URL: http://slideplayer.com.br/slide/1658485/. Acesso 20.10.2014.

Fracalanza H., Amaral I.A.do, Gouveia M.S.F. 1986. O ensino de ciências no primeiro grau. São Paulo: Atual.

Maia M.C. 2003. O Uso da Tecnologia de Informação para a Educação a Distância no Ensino Superior. São Paulo, FGV – EAESP. 294p. (Tese Dout. curso de Pós-Graduação em Admin. Empresas FGV-EAESP, Área Conc. Prod. e Sist. Informação). URL: http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/2463/74603.pdf?sequence=2.

Acesso 20.10.2014.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2012. Plataforma continental jurídica, recursos do pré-sal e en-

sino de Geociências. Campinas, Terræ, 9(1):60-109. URL: http://www.ige.unicamp.br/terrae/

V9/T_V9_A6.html. Acesso 20.08.2013.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2014a. Massa crítica de professores e investigadores: importante contribuição à implementação de uma perspectiva curricular ao ensino de Geociências. Terræ Didatica, 10(3):. http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/.

Martins J.R.S., Carneiro C.D.R. 2014b. Teaching and Learning in Geosciences for Citizenship: from the margins of knowledge to the central tasks of forming teachers. Athens: ATINER’S Conference Paper Series, No: EDU2014-1249. URL: www.atiner.gr/papers/EDU2014-1249.pdf. Acesso 16.09.2014.

Martins J.R.S., Gonçalves P.W., Carneiro C.D.R. 2011. O ciclo hidrológico como chave analítica interpretativa de um material didático em Geologia. Bauru: Ciência & Educação. 17(2):365-382. URL: http://redalyc.uaemex.mx/src/inicio/ArtPdfRed.jsp?iCve=251019454008. Acesso

04.2012.

Menegat R., Carraro C.C. 2009. Manual para saber porque o Guaíba é um lago : análise integrada de geologia, geomorfologia, hidrologia, estratigrafia e história da ciência. Porto Alegre: Armazém Digital. 113p.

Moreira M.A., Masini E.F.S. 1982. Aprendizagem Significativa. A teoria de David Ausubel. São Paulo, Moraes.

Morin E. 2001. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 4. Ed. Trad. Catarina E.F. da Silva e Janne Sawaya, rev. técn. Edgard A. Carvalho. São Paulo: Cortez, Brasília: UNESCO. 118.

Mortimer E.F., Scott P., El-Hani C.N. 2011. Bases teóricas e epistemológicas da abordagem dos

perfis conceituais. TED: Tecné, Episteme y Didaxis, 30:111-125. URL: revistas.pedagogica.edu.co/index.php/TED/article/download/1102/1109. Acesso 20.10.2014.

Mortimer, E. F.Linguagem e formação de conceitos no ensino de Ciências.Belo Horizonte: UFMG, 2000.

Navarro, Maria G. A natureza da ação nos cenários virtuais e o desafio de educar para uma inteligência coletiva. In.: Filé V. org. 2011. Escola e tecnologia: máquinas, sujeitos e conexões culturais. Rio de Janeiro: Rovelle. (Col. (com) textos da educação.Escola e cotidiano, 7).

Neves C.M.C. 2009. Educar com TICs: o caminho entre a excepcionalidade e a invisibilidade. Rio de Janeiro, Rev. Téc. Senac, 35(3):17-27. TRL: www.senac.br/BTS/353/artigo-02.pdf. Acesso 2.07.2014.

Organisation for Economic Co-Operation and Development OECD. 1999. Measuring students knowledge and skills: a new framework for assessment. Paris: OECD.

Papert S. 2008. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Trad. Sandra Costa. ed. rev. Porto Alegre. Artmed.

Pavão A.C., Freitas D. (Org.). 2008. Quanta ciência há no ensino de ciências. São Carlos: Edufscar.

Pedrinaci E. 2002. La Geología en el bachillerato: um análisis del nuevo curriculum. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 10(2):125-133.

Santos E. 2006. Articulação de saberes na EAD on-line. Por uma rede interdisciplinar e interativa em ambientes virtuais, M. (org) Educação on-line: práticas legislação, formação corporativa. São Paulo: Loyola.

Sgarbi G.N.C. 2001. Geologia Introdutória: base para o novo conhecimento. Rev. Ci. Humanas,

(2):153-162.

Signoretti V.V., Carneiro C.D.R. 2013. As TICs no ensino de Geociências: por uma inovação na interface entre ensinar e aprender. In: Encontro Nacional de Práticas de Ensino em Geografia, 12, João Pessoa, 2013. Anais..., João Pessoa, ENPEG.

Tardif M. 2002. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes.

Teixeira F.M. 2013. Alfabetização científica: questões para reflexão. Bauru, Ciênc. Educ., 19(4):795-809. URL: www.scielo.br/pdf/ciedu/v19n4/v19n4a02.pdf. Acesso 29.10.2014.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.