Banner Portal
Estratégia didática clássica aplicada à disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia
PDF

Palavras-chave

Ensino de Geologia. Estratégias didáticas. Geologia.

Como Citar

LEITE, Osmário Rezende; AVANZO, Paulo Eduardo; CELINO, Joil José. Estratégia didática clássica aplicada à disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 4–13, 2015. DOI: 10.20396/td.v4i1.8637487. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637487. Acesso em: 12 jul. 2024.

Resumo

É notório que as escolas criam um mundo apartado da vida cotidiana e, logo cedo os alunos se acostumam a posturas diferentes em cada uma dessas circunstâncias. O professor adentra a sala de aula, munido de um programa, um livro texto, alguns recursos variáveis que em grande parte se resumem a transparências ou a giz e quadro negro, e uma bagagem de questões para as provas. Os professores agem bem mais de acordo com preceitos de praxe dentro das salas, do que com o bom senso que utilizam fora delas. Assim que constatam qualquer falta de rendimento, também são capazes de seguir rotineira e tranqüilamente com suas aulas, mesmo constatando que nas avaliações os alunos demonstram falta de rendimento. Neste trabalho reflete-se sobre o objetivo prático de reajustamentos no método de ensino e na estratégia didática a curto prazo com o intuito de adequar e adaptar o curso frente a problemas detectados durante o período letivo da disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia. 
https://doi.org/10.20396/td.v4i1.8637487
PDF

Referências

Bulhões P.N.S. s.d. O estudo individualizado: uma experiência com o Método Keller em cursos de graduação na UFRN. http://www.angrad.org.br/cientifica/artigos/artigos_enangrad/pdfs/iv_enangrad/O%20ESTUDO%20INDIVIDUALIZADO.PDF. Acesso: junho de 2007.

Cunha M.I.da. 1995. O bom professor e sua prática. 5 ed. Campinas: Papirus.

Moreira M.B. s.d. Sistema personalizado de ensino. http://www.walden4.com.br/psi/psi_links_port.htm. Acesso: junho de 2007.

Nérici I.G. 1981. Metodologia do ensino: uma introdução. 2 ed. São Paulo: Atlas. 367p.

Perrenoud P. 1999. Avaliação da excelência à regula­ção das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed.

Ramos G.T. 2001. A questão da mudança na trajetória de educação interdisciplinar. In: Reunião Anual, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 24. Caxambu, out. 2001. http://www.anped.org.br/24/tp.htm#gt4.

UNESCO. 1998. Conferência mundial sobre educação superior. Paris, 1998. Piracicaba: Ed. Unimep.

Villani A., Pacca J.L.A. 1997. Construtivismo, conhecimento científico e habilidade didática no ensino de ciências. São Paulo, Rev. Fac. Educ., 23(1-2), Jan./Dec.

Zabala A. 1999. Os enfoques didáticos. In: Coll C. et al. 1999. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, p.153-195. (Série Fundamentos).

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.