Estratégia didática clássica aplicada à disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia

Autores

  • Osmário Rezende Leite Universidade Federal da Bahia
  • Paulo Eduardo Avanzo Universidade Federal da Bahia
  • Joil José Celino Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v4i1.8637487

Palavras-chave:

Ensino de Geologia. Estratégias didáticas. Geologia.

Resumo

É notório que as escolas criam um mundo apartado da vida cotidiana e, logo cedo os alunos se acostumam a posturas diferentes em cada uma dessas circunstâncias. O professor adentra a sala de aula, munido de um programa, um livro texto, alguns recursos variáveis que em grande parte se resumem a transparências ou a giz e quadro negro, e uma bagagem de questões para as provas. Os professores agem bem mais de acordo com preceitos de praxe dentro das salas, do que com o bom senso que utilizam fora delas. Assim que constatam qualquer falta de rendimento, também são capazes de seguir rotineira e tranqüilamente com suas aulas, mesmo constatando que nas avaliações os alunos demonstram falta de rendimento. Neste trabalho reflete-se sobre o objetivo prático de reajustamentos no método de ensino e na estratégia didática a curto prazo com o intuito de adequar e adaptar o curso frente a problemas detectados durante o período letivo da disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Osmário Rezende Leite, Universidade Federal da Bahia

Departamento de Geologia e Geofísica Aplicada - UFBA

Paulo Eduardo Avanzo, Universidade Federal da Bahia

Departamento de Sedimentologia - UFBA

Joil José Celino, Universidade Federal da Bahia

Departamento de Geologia e Geofísica Aplicada
Instituto de Geociências – Universidade Federal da Bahia (UFBa)

Referências

Bulhões P.N.S. s.d. O estudo individualizado: uma experiência com o Método Keller em cursos de graduação na UFRN. http://www.angrad.org.br/cientifica/artigos/artigos_enangrad/pdfs/iv_enangrad/O%20ESTUDO%20INDIVIDUALIZADO.PDF. Acesso: junho de 2007.

Cunha M.I.da. 1995. O bom professor e sua prática. 5 ed. Campinas: Papirus.

Moreira M.B. s.d. Sistema personalizado de ensino. http://www.walden4.com.br/psi/psi_links_port.htm. Acesso: junho de 2007.

Nérici I.G. 1981. Metodologia do ensino: uma introdução. 2 ed. São Paulo: Atlas. 367p.

Perrenoud P. 1999. Avaliação da excelência à regula­ção das aprendizagens: entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed.

Ramos G.T. 2001. A questão da mudança na trajetória de educação interdisciplinar. In: Reunião Anual, Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 24. Caxambu, out. 2001. http://www.anped.org.br/24/tp.htm#gt4.

UNESCO. 1998. Conferência mundial sobre educação superior. Paris, 1998. Piracicaba: Ed. Unimep.

Villani A., Pacca J.L.A. 1997. Construtivismo, conhecimento científico e habilidade didática no ensino de ciências. São Paulo, Rev. Fac. Educ., 23(1-2), Jan./Dec.

Zabala A. 1999. Os enfoques didáticos. In: Coll C. et al. 1999. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática, p.153-195. (Série Fundamentos).

Downloads

Publicado

2015-06-30

Como Citar

LEITE, O. R.; AVANZO, P. E.; CELINO, J. J. Estratégia didática clássica aplicada à disciplina Geologia Introdutória do curso de Geologia da Universidade Federal da Bahia. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 4–13, 2015. DOI: 10.20396/td.v4i1.8637487. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8637487. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos