Banner Portal
Estratégias para o acompanhamento e avaliação de atividades práticas e saídas de campo em Geociências
PDF

Palavras-chave

Ensino de graduação. Geociências. Atividades extra-classe.

Como Citar

D’AQUINO, Carla de Abreu; BONETTI, Jarbas. Estratégias para o acompanhamento e avaliação de atividades práticas e saídas de campo em Geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 78–87, 2015. DOI: 10.20396/td.v11i2.8640710. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8640710. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

O presente trabalho destaca o acompanhamento e avaliação de atividades práticas e saídas de campo, bem como suas ferramentas didáticas, junto a algumas disciplinas dos cursos de graduação de Oceanografia e Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina. A aplicação de questionários aos alunos e professores após a realização das atividades resultou na avaliação das mesmas sob a perspectiva dos alunos e professores. A protocolização dessas atividades viabilizou e favoreceu sua evolução. Foi possível constatar que a esquematização e quantificação dessas atividades poderão trazer importantes respostas em termos de infraestrutura, equipamentos disponíveis e alcance dos objetivos didáticos, sendo uma ferramenta interessante de avaliação para melhoria e incentivo deste tipo de atividade dentro dos cursos de graduação na área da Geociências.

https://doi.org/10.20396/td.v11i2.8640710
PDF

Referências

Alentejano P.R.R., Rocha-Leão O.M. 2006. Trabalhos de campo: uma ferramenta essencial para os geógrafos ou um instrumento banalizado? São Paulo, Bol. Paul. Geogr., (84):51-67.

Bannister A., Raymond S., Baker R. 1992. Surveying. 6.ed. Longman Scientific & Technical. 428p.

Bell, W.H., Fowler, E.M., Stein, J.A. Coastal seas as a context for science teaching: a lesson from Chesapeake Bay. Mar. Pollut. Bull., 47:253-259, 2003.

Constante A., Vasconcelos C. 2010. Atividades lúdico-práticas no ensino da geologia: complemento motivacional para a prendizagem. Terrae Didatica, 6(2):101-123. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica. Acesso 07.03.2013.

Ducrotoy J.P., Shasti S., Williams P. 2000. Coastal sciences and management: the need for networking in higher education. Ocean Coast. Manag., 43:427-444.

Falcão W.S., Pereira T.B. 2009. A aula de campo na formação crítico/cidadão do aluno: uma alternativa para o ensino de geografia. In: Enc. Nac. Prát. Ens. Geografia, 10, Porto Alegre, 2009. Anais... Porto Alegre. ENPEG. p. 1-21.

Gonçalves T.E. 2012. Experiências e vivências no trabalho de campo como ferramenta de ensino-aprendizagem em Geografia Regional. Boa Vista: ACTA Geogr., 6(11):153-160.

Lacoste Y. 2006. A pesquisa e o trabalho de campo: um problema político para os pesquisadores, estudantes e cidadãos. São Paulo, Bol. Paul. Geogr., (84):77-92.

Lima V.B., Assis L.F. 2005. Mapeando alguns roteiros de trabalho de campo em Sobral (CE): uma contribuição ao ensino de Geografia. Sobral: Rev. Casa Geogr. Sobral., 6/7(1).

Lopes JR. W.M. 2010. Os diferentes saberes na formação do professor de Geografia. Boa Vista: ACTA Geogr., 4(7):169-183.

Melo A., Urbanetz S.T. 2009. Organização e Estratégias Pedagógicas. Ed. IBPEX. 204p.

Oliveira C.D.M., Assis R.J.S. 2009. Travessias da aula em campo na geografia escolar: a necessidade convertida para além da fábula. São Paulo: Educ. Pesq., 35(1):195-209.

Venturi L.A.B. 2006. O papel da técnica no processo de produção científica. São Paulo: Bol. Paul. Geogr.,(84):69-76.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.