Experimentação investigativa e ilustrativa: um estudo sobre a efetividade no ensino de Geociências

Autores

  • Pedro Leverger Costa Universidade de Brasília
  • Evelyn Aparecida Mecenero Sanchez Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v12i3.8647899

Palavras-chave:

Experimentação. Aulas práticas. Estratégias de ensino. Temas abstratos. Cotidiano

Resumo

A importância de aulas envolvendo diferentes atividades a fim de suprir as lacunas deixadas pelas aulas tradicionais é altamente reconhecida. Uma saída para o método tradicional de ensino é o uso de experimentações, as quais, dentre as várias classificações pragmáticas, podem ser divididas em experimentações investigativas, nas quais o experimento é realizado anteriormente ao conteúdo teórico, e experimentações ilustrativas, tendo os experimentos realizados após o conteúdo teórico, objetivando provar algum fenômeno estudado. No âmbito das Geociências, são trabalhados desde tópicos relacionados a temas comuns ao cotidiano, mas nem sempre fáceis de serem percebidos, bem como temas abstratos por sua escala espacial e/ou temporal e, neste sentido, as experimentações tornam-se excelentes ferramentas de ensino. No presente trabalho analisou-se a efetividade dos experimentos ilustrativos e investigativos frente a um tema cotidiano (erosão) e outro abstrato (formação de relevo). O estudo demonstrou que a experimentação ilustrativa, trabalhada após a teoria, teve maior efetividade tanto quando o assunto era abstrato, como quando o tema era cotidiano, ao passo que a experimentação investigativa foi mais eficaz em manter a atenção dos alunos e discussões sobre teorias, independente se o assunto fosse mais familiar, quanto abstrato.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Leverger Costa, Universidade de Brasília

Aluno de graduação do curso de Ciências Naturais. Participação no projeto da Professora Doutora Flávia Nogueira de Sá. Professor da língua inglesa.

Evelyn Aparecida Mecenero Sanchez, Universidade de Brasília

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Metodista de São Paulo, mestrado em Geociências pela Universidade de São Paulo e doutorado em Geociências pela Universidade de São Paulo. Atualmente é docente da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, em Diamantina, onde atua na área de Paleontologia e Ensino de Geociências.

Referências

Azevedo M.C.P.S. 2004. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: Carvalho A.M.P. 2004. Ensino de Ciências. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. p.19-33.

Bacci D.C.A. 2009. Contribuição do conhecimento geológico para a Educação Ambiental. Pesquisa em Debate, 6(2):23.

Brasil. 1997. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências Naturais. Ensino de primeira à quarta série. Brasília: MEC/SEF, 1997. 136 p.

Brasil. 1998. Parâmetros Curriculares Nacionais. Geografia. Ensino de quinta a oitava séries. Brasília: MEC/SEF, 1998. 156 p.

Compiani M. 2005. Geologia/Geociências no Ensino Fundamental e a Formação de Professo-

res. Geologia USP, Publ. Esp., 3:13-30.

Del Pozzo L. 2010. As atividades experimentais nas avaliações dos livros didáticos de Ciências do PNLD. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. 150 p. (Dissertação de Mestrado)

Delizoicov D. 1991. Conhecimento, tensões e transições. São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. (Tese de Doutorado)

Francisco Jr W.E., Ferreira L.H., Hartwig D.R. 2008. Experimentação Problematizadora: Fundamentos Teóricos e Práticos para a Aplicação em Sala de Aula de Ciências. Química Nova na Escola, 30:34-41.

Galiazzi M.C., Rocha J.M.B., Schmitz L.C., Souza M.L., Giesta S., Gonçalves F.P. 2001. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de Ciências. Ciência & Educação, 7(2):249-263.

Giordan M. 1991. O papel da experimentação no ensino de Ciências. In: Enc. Nac. Pesq. Educ. Ciências, 2, Valinhos. Anais, Assoc. Bras. Pesq. Educ. Ciências, v. 2, p. 43-49.

Laburú C.E., Arruda S.M., Nardi R. 2003. Pluralismo metodológico no ensino de Ciências. Ciência & Educação, 9(2):247-260.

Leite L. 2001. Contributos para uma utilização mais fundamentada do trabalho laboratorial no ensino das ciências. In: Caetano H.V. e Santos M.G. 2001. Cadernos Didácticos de Ciências. Lisboa: Ministério da Educação, Departamento do Ensino Secundário. p. 77-96. v.1.

Mahoney A.A., Almeida L.R. 2005. Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da Educação, 20:11-30.

Mizukami M.G.N. 1986. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU. p.13.

Oliveira N., Soares M.H.F.B. 2010. As atividades de experimentação investigativa em ciência na sala de aula de escolas de ensino médio e suas interações com o lúdico. Encontro Nacional de Ensino de Química, 15, Brasília. Anais, 1.

Rosito B.A. 2000. Construtivismo e ensino de Ciências: reflexões epistemológicas e metodológicas. In: Moraes R. O ensino de ciências e a experimentação. Porto Alegre: EDIPUCRS. p. 195-230. 3 ed.

Toledo M.C.M., Macedo A.B., Machado R., Martins V.T.S., Riccomini C., Santos P.R., Silva M.E., Teixeira W. 2003. Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Geologia USP, Publ. Esp., 3:1-11.

Vasconcelos C., Alencoão A., Ferreira C. 2015. O recurso à modelação no ensino das Ciências: um estudo com modelos geológicos. Ciência & Educação, 21(1):31-48.

Viviani L.M., Oliveira K.R.de. 2001. Livros de ciências e atividades práticas: concepções e referências a diferentes áreas do conhecimento. In: Enc. Nac. Pesq. Educ. Ciências, 8, Campinas. Anais, Assoc. Bras. Pesq. Educ. Ciências, v. 1. URL: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R0633-2.pdf. Acesso 07.07.2014.

Wilsek M.M.G., Tosin J.A.P. 2008. Ensinar e aprender Ciências no Ensino Fundamental com Atividades Investigativas através da resolução de problemas. URL: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1686-8.pdf. Acesso 07.07.2014.

Downloads

Publicado

2016-12-15

Como Citar

COSTA, P. L.; SANCHEZ, E. A. M. Experimentação investigativa e ilustrativa: um estudo sobre a efetividade no ensino de Geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. 220–230, 2016. DOI: 10.20396/td.v12i3.8647899. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8647899. Acesso em: 9 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos