Banner Portal
À descoberta de recursos naturais: uma atividade de outdoor com alunos do ensino primário
Meandros ativos e meandros abandonados em vista aérea de afluente do Rio Tocantins, região entre Estreito e Carolina, Maranhão.
PDF

Palavras-chave

Educação ambiental. Rio Zêzere. Atividade de outdoor. Ensino primário.

Como Citar

TRACANA, Rosa Branca; LOPES, Ana; FARINHA, Ana Maria; FERREIRA, Maria Eduarda. À descoberta de recursos naturais: uma atividade de outdoor com alunos do ensino primário. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 4, p. 477–486, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i4.8649282. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8649282. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

O bloco curricular À descoberta do ambiente natural, do 4º ano de escolaridade do ensino primário, abrange temáticas e/ou estratégias de outdoor learning. O ensino em contexto não formal é proporcionador de aprendizagens significativas que podem desenvolver atitudes e valores de respeito para e/ou preservação da natureza e sensibilização para os aspetos estéticos do ambiente. O meio natural necessita que a educação ambiental desencadeie sentimentos ecocêntricos nas nossas crianças, de modo a que cesse a perspetiva antropocêntrica em relação ao meio ambiente. Assim, tomando como problema de investigação perceber se estas crianças do ensino primário conheciam o recurso natural do meio onde residem, o rio Zêzere, desenvolvemos um estudo qualitatito/quantitativo, por questionário. Face aos resultatos obtidos construímos e validámos um recurso didático, um guião, cuja finalidade é a descoberta deste recurso natural através de uma atividade de outdoor

https://doi.org/10.20396/td.v14i4.8649282
PDF

Referências

Bierbebach G.T.R. 2013. Educação outdoor: uma “ferramenta” no ensino de ciencias e biología. Curitiba: Univ. Fed. Paraná. 38p. (Monogr.).

Bogner F.X., Wiseman M. 2004. Outdoor ecology education and pupils’ environmental perception in preservation and utilization. Sci. Educ. Intern., 15(1):27-48.

Carbonell J.A. 2002. Aventura de Inovar a Mudança na Escola. Porto Alegre: Artmed. 144p. (Col. Inovação Pedagógica).

Caride J.A., Meira P.Á. 2004. Educação Ambiental e Desenvolvimento Humano. Lisboa: Horizontes Pedagógicos. 302p.

Cortesão L., Stoer S. 1997. Investigação‐acção e a produção de conhecimento no âmbito de uma formação de professores para a educação inter/multicultural. Educação, Sociedade & Culturas, 7:7-28.

Cruz S.G.M. 2007. A Importância da Educação Ambiental no 1º Ciclo do Ensino Básico: Um Estudo de caso. Porto: Universidade Portucalense Infante D. Henrique. 267p. (Dissert. Mestrado).

Dourado L., Leite L. 2008. Actividades laboratoriais e o ensino de fenómenos geológicos. In: Congreso de ENCIGA, 21, Ourense. Anais… Carballiño: IES Manuel Chamoso Lamas. (CD-ROM).

Farinha A.D. 2012. Relatório de Prática de Ensino Supervisionada do curso de Mestrado Educação Pré-Escolar e Ensino do 1º Ciclo do Ensino Básico. Inst. Politécn. Guarda. Escola Superior de Educação, Comunicação e Desporto. Guarda. 118p. (Dissert. Mestrado).

Ferreira M.E., Antão A.M. 2000. A Diversidade na Biosfera (Ciências da Natureza 5º Ano). Lisboa: Plátano. 159p.

Leite L. 2000. O trabalho laboratorial e a avaliação das aprendizagens dos alunos. In: Sequeira M., Dourado L., Vilaça M.T., Silva J.L., Afonso A.S. & Baptista J.M. orgs. 2000. Trabalho prático e experimental na educação em Ciência. Braga, Univ. Minho. p.91-108.

Mesquita-Pires C. 2010. A Inveção-acção como suporte ao desenvolvimento profissional docente. EER: Revista de Educação, 2(2):66-83.

Ministério da Educação 2000. Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais. DEB. Lisboa: Portugal. 227p.

Morcillo J., Rodrigo M. et al. 1998. Caracterización de las prácticas de campo: justificación y primeiros resultados de una encuesta el profesorado. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 6(3):242-250.

Morin E. 1991. Introdução ao Pensamento Complexo. Lisboa: Instituto Piaget. 177p.

Orion N. 2001. A educação em Ciências da Terra. Da teoria à prática-implemantação de novas estratégias de ensino em diferentes ambientes de aprendizagem. In: Marques L., Praia J. orgs. 2001. Geociências nos currículos dos ensinos básico e secundário. Aveiro: Univ. Aveiro. p. 93-114.

Palma M.I.M. 2005. Educação Ambiental: a Formal e a Não Formal. Contributos dos Centros de Recursos de Educação Ambiental para a Formação das Crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico. Braga, Univ. Minho. Inst. Estudos da Criança. 271p. (Dissert. Mestrado).

Priest S. 1986. Redefining Outdoor Education: A Matter of Many Relationships”. J. Environ. Educ., 19:s/l.

Salvador P.M.P.D. 2002. Avaliação do Impacte de Actividades de Outdoor. Contributo dos Clubes de Ciências para a Alfabetização Científica. Porto, Fac. Ciências, Univ. Porto. 214p. (Dissert. Mestrado).

Salvador P.,Vasconcelos C.M.S. 2007. Actividades outdoor e a alfabetização científica de alunos de um clube de ciencias. Florianópolis, Linhas, 8(2):76-90.

Santos V.M.N., Compiani M. 2005. Formação de professores: desenvolvimento de projectos escolares de educação ambiental com outro integrado de recursos de sensoriamento de trabalhos de campo para o estudo do meio ambiente e exercício de cidadania. In: Enc. Nac. Pesq. Educ. Ciências, 5, ABRAPEC, Bauru. Anais... ABRAPEC.

Schulz C.M. 2004. Você tem muito o que aprender, Charlie Brown! São Paulo: Conrad Editora do Brasil. 127p.

Silva A.A.T. 2004. Ensinar e aprender com as Tecnologias. Um estudo sobre as atitudes, formação, condições de equipamento e utilização nas escolas do 1º Ciclo do Ensino Básico do Concelho de Cabeceiras de Basto. Braga, Univ. Minho. Inst. Educ. e Psicologia. 262p. (Dissert. Mestrado).

Viveiro A.A., Diniz R.E.S. 2009. Atividades de campo no ensino das ciências e na educação ambiental: refletindo sobre as potencialidades desta estratégia na prática escolar. Ciência em Tela, 2(1):s/p.

Zabalza M.B. 2000. O discurso didáctico sobre atitudes e valores no ensino. Lisboa: Inst. Piaget. 306p.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.