Banner Portal
Conhecer para Entender: Um estudo observacional da geomorfologia costeira de Santa Catarina
PDF

Palavras-chave

Zona Costeira. Geomorfologia. Observações de Campo. Santa Catarina. Gerenciamento Costeiro

Como Citar

RODRIGUES, Felipe; SOUZA, Ana Paula de Martini de; SIMEONATO, Tairiny; SANTOS JUNIOR, Ronaldo Alves dos; GONZAGA, Ana Beatriz; KAVIATKOVSKI, Fabiola. Conhecer para Entender: Um estudo observacional da geomorfologia costeira de Santa Catarina. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 109–118, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i2.8650435. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8650435. Acesso em: 17 jun. 2024.

Resumo

A zona costeira é uma área de grande importância econômica, principalmente devido ao turismo, pesca e às atividades portuárias. O desempenho de todas essas atividades, juntamente com a ocupação urbana desenfreada, faz com que seja necessária a aplicação de políticas ambientais mitigadoras e de zoneamento ambiental sustentável para que não haja a perda deste espaço. Nesse contexto, este estudo objetivou contextualizar as feições geomorfológicas do litoral de Santa Catarina por meio de observações de campo em seis municípios do Estado. Em todos os pontos visitados foi possível observar como a dinâmica costeira, incluindo os processos intempéricos atuantes, os agentes de transporte e a deposição do material sedimentar, influenciam na geomorfologia local. Foi observado diversos ambientes praiais em estágios erosivos, assim como algumas técnicas utilizadas na contenção destes processos. Assim, conclui-se que estudos observacionais são importantes para o conhecimento da evolução dos ambientes litorâneos, auxiliando no zoneamento e na gestão costeira.

https://doi.org/10.20396/td.v14i2.8650435
PDF

Referências

Angulo R.J., Pessenda L.C.R., Souza M.C.de, 2017. O significado das datações ao 14C na reconstrução de paleoníveis marinhos e na evolução das barreiras quaternárias do litoral paranaense. Revista Brasileira de Geociências, 32(1), pp.95-106.

Araujo R.S., Sprovieri F.C., Freitas D., Klein A.H.F., 2010. Variação da morfologia praial e identificação de zonas de erosão acentuada (ZEA) na Enseada do Itapocorói-SC. Brazilian Journal of Aquatic Science and Technology, 14(1), pp.29-38.

Becker B.K., 2001. Políticas e planejamento do turismo no Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 1(1), pp.1-7.

Bessa F., Gonçalves S.C., Franco J.N., André J.N., Cunha P.P., Marques J.C., 2014. Temporal changes in macrofauna as response indicator to potential human pressures on sandy beaches. Ecological Indicators, 41, pp.49-57.

Chaves T. F. 2016. Uma análise dos principais impactos ambientais verificados no Estado de Santa Catarina. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 5(2), 611-634.

Fonseca G., Netto S.A., 2006. Shallow sublittoral benthic communities of the Laguna estuarine system, South Brazil. Brazilian Journal of Oceanography, 54(1), pp.41-54.

Fookes P.G., Baynes F.J., Hutchinson J.N., 2000, November. Total geological history: a model approach to the anticipation, observation and understanding of site conditions. In ISRM International Symposium. International Society for Rock Mechanics. URL: https://www.geplus.co.uk/Journals/2015/04/20/l/c/z/2001-03_Pages_42-47.pdf. Acesso: 04.07.2017

Giannini P.C., Sawakuchi A.O., Martinho C.T., Tatumi S.H., 2007. Eolian depositional episodes controlled by Late Quaternary relative sea level changes on the Imbituba–Laguna coast (southern Brazil). Marine Geology, 237(3), pp.143-168.

Guerra A.J.T., Marçal M.S., 2006. Geomorfologia ambiental. Bertrand Brasil.

Júnior F.C., Muebe D., 1989. Batimetria e algumas considerações sobre a evolução geológica da Lagoa da Conceição-Ilha de Santa Catarina. Geosul, 4(7), pp.32-44. URL: https://periodicos.ufsc.br/index.php/geosul/article/view/12724/11893. Acesso em: 31 mar. 2017. doi:http://dx.doi.org/10.5007/12724.

Júnior F.C., Muebe D., 1989. Batimetria e algumas considerações sobre a evolução geológica da Lagoa da Conceição-Ilha de Santa Catarina. Geosul, 4(7), pp.32-44.

Lins-de-Barros F.M., 2005. Risco, vulnerabilidade física à erosão costeira e impactos sócio-econômicos na orla urbanizada do município de Maricá, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Geomorfologia, 6(2).

Migliorini A.V., Guimarães A.T.D.C., 2008. Tipo de blocos de concreto para estrutura hidráulica de proteção às ondas marinhas e análise visual dos tetrápodes da Barra de Rio Grande.

Mills J.P., Buckley S.J., Mitchell H.L., Clarke P.J., Edwards S.J., 2005. A geomatics data integration technique for coastal change monitoring. Earth Surface Processes and Landforms, 30(6), pp.651-664.

Monteiro M.A., 2001. Caracterização climática do estado de Santa Catarina: uma abordagem dos principais sistemas atmosféricos que atuam durante o ano. Geosul, 16(31), pp.69-78.

Muehe D.C.E.H (ed.). Ministério do Meio Ambiente., 2006. Erosão e progradação do litoral brasileiro. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 1, p.475.

Oliveira U.R.D. 2009. Relações entre a morfodinâmica e a utilização em trechos da costa oceânica da Ilha de Santa Catarina, SC, Brasil.

Ortiz J.D., Rack F.R., 1999. Non-invasive sediment monitoring methods. In Reconstructing Ocean History (pp. 343-380). Springer US.

Pereira R.M.F.A. 2003. Formação sócio-espacial do litoral de Santa Catarina (Brasil): gênese e transformações recentes. Geosul, 18(35), 99-129.

Possamai T.O.H., Vieira C.V., Horn Filho, N.O., 2011. Geologia costeira da Ilha de São Francisco do Sul, Santa Catarina. Revista de Geografia (Recife), 27(2), pp.45-58.

Reis A.F., 2008. Forma urbana, paisagem e meio ambiente. Estudo dos processos de crescimento urbano-turístico no litoral catarinense. Barcelona: Universidade de Barcelona.

Reis A.F., 2013. Urbanidade, paisagem e meio ambiente: subsídios para análise e qualificação do processo de transformação ambiental do litoral catarinense. In V Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, Barcelona-Buenos Aires, junio 2013 (pp. 1700-1714). Departament d'Urbanisme i Ordenació del Territori. Universitat Politècnica de Catalunya.

Rhoads B.L., Thorn C.E., 1996. Observation in geomorphology. The scientific nature of geomorphology, pp.21-56.

Rodrigues M.L.G., Franco D., Sugahara S., 2004. Climatologia de frentes frias no litoral de Santa Catarina. Revista Brasileira de Geofísica, 22(2), pp.135-151.

Ruggiero P., Voigt B., Kaminsky G., 2000, July. Beach monitoring for enhanced decision-making. In Coastal Society 17th Conference Coasts at the Millennium-Portland, Oregon (pp. 516-524).

Schettini C.A., 2002. Caracterização física do estuário do rio Itajaí-açu, SC. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 7(1), pp.123-142.

Short A.D., Klein A.H.D.F. (eds.). 2016. Brazilian Beach Systems (Vol. 17). Springer.

Souza C.R.G., 2009. A erosão costeira e os desafios da gestão costeira no Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada-Journal of Integrated Coastal Zone Management, 9(1).

Sperandio D.G., Gomes C.H., Borges N.P., Ceolin A.C., 2017. Geologia de campo como ferramenta para entender e decifrar o planeta Terra de forma prática. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, 8(2).

Tessler M.G., Goya S.C., 2011. Processos costeiros condicionantes do litoral brasileiro. Revista do Departamento de Geografia, 17, pp.11-23.

Van Rijn, L.C., 2011. Coastal erosion and control. Ocean & Coastal Management, 54(12), pp.867-887.

Vieira C.V., 2008. Mapeamento geológico costeiro e evolução paleogeográfica do setor oriental da folha Garuva, nordeste de Santa Catarina, Brasil.

Vieira C.V., Horn Filho N.O., Bonetti C.V.D.H.C., Bonetti J., 2008. Caracterização morfosedimentar e setorização do complexo estuarino da Baía da Babitonga/SC. Boletim Paranaense de Geociências, 62.

Vintem G., Tomazelli L.J., Klein A.D.F., 2003. O Efeito do Tamanho de Grao de Areia No Processo de Transporte Eólico dos Campos de Dunas Transgressivas do Littoral do Estado de Santa Catarina, Brasil. In II Congresso sobre Planejamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa. IX Congresso da Associação Brasileira de Estudos do Quaternário. II Congresso do Quaternário dos Países de Língua Ibéricas. Recife (Vol. 1).

Wright L.D., 1995. Morphodynamics of inner continental shelves.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Terrae Didatica, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.