Banner Portal
Parques patrimoniais (agrários, fluviais, geoparques): o território das águas
Camadas horizontais, muito bem estratificadas, de siltitos da Formação Corumbataí, em corte da Rodovia SP-280, Pres. Castello Branco, porção central da pista capital-interior (Foto: C. D. R. Carneiro).
PDF

Palavras-chave

Cultural landscape. Water resources. Watershed management. Agrarian parks. Riverparks. Geoparks.

Como Citar

FERRÃO, A. M. de A. Parques patrimoniais (agrários, fluviais, geoparques): o território das águas. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 39–48, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i1.8652041. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8652041. Acesso em: 29 mar. 2023.

Resumo

Regional development projects in the twentieth century mainly favored efficiency and technical rationality, but did not consider local realities and the real needs of the communities involved. It is essential to know and respect the cultural aspects related to the use and management of water in every region and in every society, because the key issue of water resources management processes is not purely technical, but stems from ignorance of the socio-cultural dimension before, during and after the implementation of these projects and policies. This article seeks to associate the idea of heritage parks (agrarian, riverparks, geoparks), water and land systems, and culture as territorial planning instruments, under integrated watershed management programs.

https://doi.org/10.20396/td.v14i1.8652041
PDF

Referências

Brasil 1997. Lei 9.433, de 18 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989.

Brasil 1988. Constituição Federal do Brasil. Brasília, DF.

Brasil s./d. Ministério do Meio Ambiente. Projetos e Recursos voltados às áreas de Preservação Permanente Urbana. URL: geo.cav.udesc.br/index.php?op-tion=com_docman&task=doc. Acesso 10 out. 2014.

Braga L.M.M. 2017. Sistemas hídrico e territorial integrados a partir do eixo do rio Jundiaí, 2017. 212 f. Campinas: Fac. Engenharia Civil. Unicamp. (Tese Doutorado). URL: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/ REPOSIP/322065. Acesso 20 nov. 2017.

Braga L.M.M. 2011. Parques Agrários no Baixo Jaguaribe: Arquitetura Rural da região dos Perímetros Irrigados resultante do planejamento de bacias hidrográficas, 2011. 113 f. Campinas: Fac. Engenharia Civil. Unicamp. (Dissert. Mestr.). http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/257843. Acesso 13.mar. 2018.

Casas P.V. 2004. La recuperación Del paisaje cultural como um proceso abierto: el caso Del Parque Fluvial Colônias Del Llobregat. Revista Ciudad y Território Estúdios Territoriales, 2004, 140p. URL http://www. eurkn.orgwww.eurkn.org. Acesso: 24 jan. 2010.

Delphim C.F.M. 2009. Patrimônio cultural e Geoparque. Geol. USP. Publ. Publ. Esp., 5:75-83. DOI: 10.11606/ issn.2316-9087.v5i0p75-83. Acesso 11 jun. 2016.

Franca D.T. 2009. A importância da cultura na gestão das águas doces: aspectos introdutórios. Revista Conviver. ed. especial 100 anos DNOCS, out. 2009, p. 433. URL: http://arquivos.ana.gov.br/imprensa/artigos. Acesso 10 jan. 2013.

Ferrão A.M.A. 2016. Cidades e territórios sustentáveis, paisagens culturais e desenvolvimento regional. Labor & Engenho 10(2):170-179. DOI: http://dx.doi. org/10.20396/lobore.v10i2.8646238. Ferrão A.M.A., & Braga, L.M.M. 2015.

Gestão Integrada de Bacias Hidrográficas: paisagem cultural e parques fluviais como instrumentos de desenvolvimento regional. Confins (23) [en ligne], URL: http://confins.revues.org/10124. DOI: 10.4000/confins.10124

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. 2009. Portaria Nº 127, de 30 de abril de 2009. Estabelece a chancela da Paisagem Cultural Brasileira. URL: http:// www.prpe.mpf.gov.br. Acesso 28 mar. 2013.

Lynch K. 1960. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 227p.

Mansur K.L. 2010. Ordenamento territorial e geoconservação: análise das normas legais aplicáveis no Brasil e um caso de estudo no estado do Rio de janeiro. Geociências, 29(2):237-249.

Monte-Mór R.L. 2006. As teorias urbanas e o planejamento urbano no Brasil. In: Diniz C.C. & Crocco M. eds. 2006. Economia Regional e Urbana: contribuições teóricas recentes. Belo Horizonte, UFMG. pp. 61-85.

Oliveira F.V., & Ferrão A.M.A. 2011. O patrimônio natural geológico como um componente da paisagem fluvial no Médio Tietê – Sorocaba. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista 7(2). DOI: 10.17271/19800827722011107.

Onary-Alves, S.Y., Kerber, B.B., Valentin, P.R., & Pa¬checo, M.L.A.F. 2015. O conceito de geoparque no Brasil: reflexões, perspectivas e propostas de divulgação. Terrae Didatica 11(2):94-107.

Sabaté Bel, J. 2010. De la preservación del patrimonio a la ordenación del paisaje: intervenciones en paisajes culturales (Europa – Latinoamérica). Labor & Engenho 4(1):10-25. DOI: https://doi.org/10.20396/ lobore.v4i1.1686

Sabaté Bel, J. 2004. De la preservación del patrimonio a la ordenación del paisaje. Urbano 7(10):42-49. URL: http://revistas.ubiobio.cl/index.php/RU/article/ view/525. Acesso 25 nov. 2017.

Santos M. 2006. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção.4ª ed. São Paulo, Edusp. 384 p.

Santos M. 1988. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo, Hucitec, 124p.

Sauer C. 1925. A Morfologia da Paisagem. Martins Fontes, São Paulo, 3a. reimp., 2006, 227p.

Universidad Politécnica de Catalunya (UPC) & Massachusetts Institute of Technology (MIT). 2001. Projectant l’eix del Llobregat: paisatge cultural i desenvolupament regional = Designing the Llobregat corridor : cultural landscape and regional development. Barcelona, Spain: Universitat Politècnica de Catalunya.

Venturri L.A.B. 2006. Recurso natural: a construção de um conceito. São Paulo, GEOUSP, Espaço e Tempo, (20):09-17. URL: http://www.geografia.fflch.usp.br/publicacoes/Geousp/Geousp20/Artigo_Luis.pdf. Acesso 22 maio 2015.

Terrae Didatica utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.