Formação de espeleotemas de sal como proposta de conscientização ambiental por meio da educação não formal em Geociências

Autores

  • Cintia F. Stumpf Universidade de Brasília
  • Tulio Gabriel R. Ribeiro Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v14i4.8654195

Palavras-chave:

Introdução a cavernas. Formação de espeleotemas. Tipos de espeleotemas. Dióxido de carbono. Ácido carbônico.

Resumo

No ensino tradicional brasileiro prevalecem métodos de abordagem formal dos conhecimentos teóricos por meio de livros e apostilas. Novas tecnologias e inovações vem ganhando espaço dentro das escolas para cativar a atenção do aluno atual. Através de uma abordagem multidisciplinar e baseando-se na conexão do ensino formal com o mundo real e a natureza, o presente trabalho visa divulgar, em português, uma proposta conhecida de experimento prático sobre criação de espeleotemas de sal, buscando conceitos geológicos vinculados a espeleologia. Esta proposta colabora para que os estudantes se engajem nas ciências da natureza, além de incentivar um pensamento científico no sentido de montagem e observação de experiência prática, trabalhando qualidades científicas de observação e descrição. O experimento representa a criação de um modelo teórico de formação de espeleotemas, e introduz de forma adequada os conceitos de formação deste tipo de rocha, ajudando os alunos a construírem um quadro conceitual que pode ser aplicado em diversos tópicos no futuro, seja relativo à geologia, às ciências do clima, ou às implicações ambientais. A abordagem experimental do ensino em geociências produz uma experiência de aprendizagem para os alunos. A criação de espeleotemas de sal pode servir como base para alunos começarem a conectar conceitos intrínsecos da ciência geológica como tempo, espaço e lugar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia F. Stumpf, Universidade de Brasília

Professora do Laboratório de Geocronologia, Instituto de Geociências, Universidade de Brasília.

Tulio Gabriel R. Ribeiro, Universidade de Brasília

Professor do Laboratório de Geocronologia, Instituto de Geociências, Universidade de Brasília.

Referências

Almeida C.N., Araújo C, Mello E.F. 2015. Geologia nas Escolas de Ensino Básico: a experiência do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Terrae Didatica. 11(3):150-161. URL: http://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/. Acesso 07.09.2018.

Bernal J.P., Cruz F.W., Stríkis N.M., Wang X., Deininger M., Catunda M.C.A., Ortega-Obregón C., Cheng H., Edwards R.L., Auler A.S. 2016. High-resolution Holocene South American monsoon history recorded by a speleothem from Botuverá Cave, Brazil. Earth and Planetary Science Letters. 450(1):186–196. DOI: 10.1016/j.epsl.2016.06.008.

Carlsbad Caverns, n.d. Caves, Canyons, Cactus & Critters. A curriculum and activity guide for Carlsbad Caverns National Park. Middle School Geology. In: National Park services education. URL:https://www.nps.gov/cave/learn/education/upload/geology_middle_school.pdf. Acesso 07.09.2018.

Carneiro C.D.R., Toledo M.C.M., Almeida F.F.M. 2004. Dez motivos para a inlcusão de temas de geologia na educação básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560. URL:http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/viewFile/9787/9135. Acesso 07.09.2018.

Custódio, R.P., Dantas, M.A.T., Prata, A.P. do N. 2012. O uso de recursos didáticos e a Espeleologia : Reflexões sobre alternativas para ensinar Ciências e Biologia, in: VI Colóquio Internacional “Educação e Contemporaneidade”. São Cristovão, SE/Brasil. 6:1–13. ISNN:1982-3657. URL: http://educonse.com.br/viicoloquio/publicacao_eixos.asp. Acesso 07.09.2018.

Fairchild, I.J., Baker, A., 2012. Speleothem Science: From Process to Past Environments. Wiley-Blackwell. DOI: 10.1002/9781444361094. URL: https://doi.org/10.1002/9781444361094. Acesso 07.09.2018.

Ferreira R.L., Gomes F.T.M.C., Silva M.S. 2008. Uso da cartilha “Aventura da vida nas cavernas” como ferramenta de educação nas atividades de turismo em paisagens cársticas. Pesq. Tur. e Paisagens Cársticas. 1(2):145–164. URL:http://www.cavernas.org.br/ptpc/ptpc_v1_n2_145-164.pdf. Acesso 07.09.2018.

Geze B., Ribera A. 1968. La espeleología científica. Ediciones Martínez Roca. Fundación Cueva de Nerja. 2018. URL: http://www.cuevadenerja.es/en/. Acesso 11.09. 2018.

GRIC - Espeleo Grupo Rio Claro, 2011. Noções básicas de espeleologia. Apostila Didática.

Hance T., Befus K.M. 2015. Speleothems and sand castles. Sci. Child. 53(2):36–41. URL: https://s3.amazonaws.com/nstacontent/sc1502_36.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIMRSQAV7P6X4QIKQ&Expires=1536414798&Signature=sbE5iEnCMWo3vHUEL8PzeCxbAdQ%3d. Acesso: 07.09.2018.

Moore G.W. 1952. Speleothem: a new cave term. National Speleological Society News, 10(6):2. National Park Service, n.d. Growing Speleothems.

Stríkis N.M., Cruz, F.W., Cheng, H., Karmann, I., Edwards, R.L., Vuille, M., Wang, X., de Paula, M.S., Novello, V.F., Auler, A.S. 2011. Abrupt variations in South American monsoon rainfall during the Holocene based on a speleothem record from central-eastern Brazil. Geology 39: 1075–1078. URL: https://doi.org/10.1130/G32098.1. Acesso: 07.09.2018.

Teixeira W., Toledo M.C.M.de, Fairchild T.R., Taioli F. 2000. Decifrando a terra. São Paulo: Oficina de textos.

Downloads

Publicado

2018-12-07

Como Citar

STUMPF, C. F.; RIBEIRO, T. G. R. Formação de espeleotemas de sal como proposta de conscientização ambiental por meio da educação não formal em Geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 14, n. 4, p. 445–454, 2018. DOI: 10.20396/td.v14i4.8654195. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8654195. Acesso em: 9 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos