Compreensões sobre meio ambiente

contribuições de visitas mediadas no Parque Nacional da Tijuca, RJ

Autores

  • Marcelo Rocha CEFET/RJ
  • José Renato Pin CEFET/RJ

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8654363

Palavras-chave:

Meio ambiente, Trilha ecológica, Percepção ambiental

Resumo

A formação de alunos, utilizando espaços não formais, pode ser favorecida pela construção individual e coletiva de atitudes, conceitos e procedimentos que podem contribuir para tornar os indivíduos mais críticos e conscientes. Assim, esta pesquisa teve como objetivo investigar as contribuições da visita mediada no Parque Nacional da Tijuca à percepção ambiental sobre o conceito de meio ambiente. Para tanto, vinte e um alunos foram entrevistados antes e após a conclusão da Trilha Ecológica. Como resultado, observou-se que mudanças ocorreram nesses entendimentos após o caminho mediado e orientado, com uma maior compreensão da percepção do indivíduo como agente impactante no ambiente, de ordem positiva ou negativa, dependendo da forma como o problemas ambientais. Assim, com esses resultados, sinalizamos a importância de mais estudos sobre esse tema, visto que as visitas guiadas em espaços naturais mostra-se como importante recurso para sensibilização ambiental e, contribui para a problematização de conteúdos de maneira contextualizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alves, E. F.; Oliveira, I. & Alves, C. (2018). Trilha ecológica pedagógica: um caminho para o ensino da educação ambiental em uma escola pública no município de Manaus (AM). Revista Brasileira de Educação Ambiental, 13(2), 153-169.

Cohen, M. (1989). Connecting with nature, creating moments that let earth teach. Eugene, Oregon: Michael Cohen, World Peace University.

Costa, E. S. A. da; Costa, I. A. S. da; Oliveira, K. S.de;& Melo, A. V. de. (2014). Trilhas interpretativas na área verde da escola como estratégia de ensino paraaprendizagem de conceitos ecológicos. Revista da SBEnBio, 7, 1820-1831.

Denzin, N. K. & Lincoln, Y. S. (2006). Introdução: a disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (Orgs.) (2006). Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 15-42.

Gonçalves, M. G. (2009). Educação ambiental: planejamento e uso de trilhas ecológicas interpretativas para estudantes com deficiência intelectual. Dissertação de Mestrado em Planejamento e Gestão Ambiental, Brasília, Universidade Católica de Brasília. 69f.

Jacobi, C. M.; Fleury, L. C. & Rocha, A. C. C. L. (2004). Percepção ambiental em unidades de conservação: experiência com diferentes grupos etários no Parque Estadual da Serra do Rola Moça, MG. In: 7º Encontro de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais. Anais do 7º Encontro de Extensão da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 1-7.

Jacobi, P. R. (2003). Educação ambiental, cidadania e sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, 118, 23-41.

Oliveira, S. C. C. & Nishida, A. K. (2011). A interpretação ambiental como instrumento de diversificação das atividades recreativas e educativas das trilhas do Jardim Botânico Benjamim Maranhão (João Pessoa, Paraíba, Brasil). Revista Turismo Visão e Ação - Eletrônica, 13(2), 166-185.

Orr, D. (1992). Ecological literacy, education and the transition to a postmodern world. New York: State of New York Press.

Parreira, L. A. & José Filho, M. (2010). A educação não formal: desafios de uma prática pedagógica. Serviço Social & Realidade, 19(1), 241-268.

Repolho, S.; Campos, D.; Tavares-Martins, A.; Assis, D. & Pontes, A. (2018). Percepções ambientais e trilhas ecológicas: concepções de meio ambiente em escolas do município de Soure, Ilha de Marajó (PA). Revista Brasileira de Educação Ambiental, 13(2), 66-84.

Sauvè, L. (1996). Environmental Education and Sustainable Development: A Further Appraisal. Canadian Journal of Environmental Education, University of Quebec, Montreal, Canada.

Siqueira, A. E. de (Org.). (2013). Guia de campo do Parque Nacional da Tijuca. Rio de Janeiro: UERJ/ IBRAG.

Souza, M. C. (2014). Educação ambiental e as trilhas: Contexto para a sensibilização ambiental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 9(2), 239-253.

Teramussi, T. M. (2008). Percepção ambiental de estudantes sobre o Parque Ecológico do Tietê, São Paulo, SP. Dissertação de Mestrado, São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo. 105f.

Van Matre, S. (1990). Earth education: a new beginning. Warrenville, Illinois:The Institute for Earth Education.

Vasconcellos, J. M. de O. (1998). Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de trilhas

interpretativas no Parque Estadual Pico do Murumbi e Reserva Natural Salto Morato, PR. Tese Doutorado em Ciências Florestais, Curitiba, PósGraduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná. 139f.

Downloads

Publicado

2019-12-05

Como Citar

ROCHA, M.; PIN, J. R. Compreensões sobre meio ambiente : contribuições de visitas mediadas no Parque Nacional da Tijuca, RJ. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 15, p. e019056, 2019. DOI: 10.20396/td.v15i0.8654363. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8654363. Acesso em: 28 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)