Explorando o potencial científico-social da coleção científica de fósseis do IGc/USP: preparação de material para pesquisa, exposição e uso didático

  • Cibele Gasparelo Voltani Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0001-5844-768X
  • Kelly B. V. Silva Universidade de São Paulo
  • Dayane G. Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Regina H. R. C. Baptista Universidade Estadual de Campinas
  • Debora L. G. Lookin Universidade de São Paulo
  • Thomas R. Fairchild Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-2410-175X
  • Juliana M. Leme Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Paleontologia. Educação em Geociências. Formação continuada para professores. Divulgação científica.

Resumo

O Laboratório de Paleontologia Sistemática (LPS) do Instituto de Geociências (IGc) da Universidade de São Paulo (USP), possui uma das mais importantes coleções paleontológicas do Brasil. Em 2012, os espécimes provenientes de ações de proteção ao patrimônio fossilifero passaram permanentemente para acervo do IGc, possibilitando sua utilização pelos pesquisadores e pelo público em geral. A maior quantidade deste material é composta por fósseis do eoretáceo da Bacia do Araripe em apreciáveis condições de preservação. Todavia, numerosos espécimes foram adulterados para suprir uma demanda do comércio ilegal. Estas adulterações comprometeram o uso desse material em pesquisas científicas, porém não comprometeram seu uso para a educação e divulgação científica. Os docentes responsáveis pelo LPS optaram pela utilização deste material para abordar assuntos científicos (p. ex., grandes eventos de extinção e tipos de fossilização) e sociais (p. ex., contrabando de fósseis e patrimônio científico). Temas relacionados à paleontologia, ao desenvolvimento do sistema terrestre e a história da vida no planeta são passíveis de contribuição no desenvolvimento de uma visão global do indivíduo como cidadão crítico. Por meio de ações aqui apresentadas é apontada a relevância da formação dos estagiários e a proximidade dos professores da rede de ensino com as pesquisas da universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cibele Gasparelo Voltani, Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação. Pós-Doutorado em Geociências, Univ. São Paulo.
Kelly B. V. Silva, Universidade de São Paulo
Programa de Pós-Graduação. Mestrado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia. Univ. São Paulo.
Dayane G. Silva, Universidade Estadual de Campinas
Programa de Pós-Graduação. Mestrado Ensino e História de Ciências da Terra, Inst. Geoc. Unicamp.
Regina H. R. C. Baptista, Universidade Estadual de Campinas
Programa de Pós-Graduação. Mestrado Ensino e História de Ciências da Terra, Inst. Geoc. Unicamp.
Debora L. G. Lookin, Universidade de São Paulo
Graduação. Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental, Inst. Geoc., Univ. São Paulo.
Thomas R. Fairchild, Universidade de São Paulo
Professor Doutor em Geografia do Instituto de Geociências, Univ. São Paulo.
Juliana M. Leme, Universidade de São Paulo
Professora Doutor em Geografia do Instituto de Geociências, Univ. São Paulo.

Referências

Andrade, R. C., & Longarezi, A. M. (2007). Estágio Supervisionado na Formação de Professores: A Relação Teoria e Prática. In Anais do Encontro de Pesquisa em Educação e Congresso Internacional de Trabalho Docente e Processos Educativos. Proceedings of the 6th Congress of the Universidade de Uberaba (pp. 1) Uberaba, Brazil.

Assine, M. L. (2007). Bacia do Araripe. Boletim de Geociências da PETROBRAS, 15(2), 371-389.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (2011). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. (1st ed.). São Paulo, Brazil: Cortez.

Carvalho, A. M. P. (Org.). (2004). Ensino de Ciências -unindo a pesquisa e a prática (1st ed.). São Paulo, Brazil: Cengage Learning Editores.

Decreto-lei n° 4.146, 1942 (1942, March 04). Recuperado de: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4146-4-marco-1942- -414164-publicacaooriginal-1-pe.html

Forey, P. L. (1977). The Osteology of Notelops, Woodward, Rhacolepis Agassiz and Pachyrhizodus Dixon (Pisces: Teleostei). British Museum (Natural History), 24, 125-204.

Freitas, L. C. (1992). Neotecnicismo e formação do educador. In N. Alves (Org.). Formação de professores: pensar e fazer. (7th ed., pp. 89-102). São Paulo, Brazil: Editora Cortez.

Goellner, L. L., & Malabarba, M. C. S. L. (2010). Curadoria e preparação de fósseis no Laboratório de Paleontologia do MCT-PUCRS. In Salão de Iniciação Científica. Proceedings of the 11th Conference of the graduate students of the Pontifícia Universidade Católica (pp. 313-315). Rio Grande do Sul, Brazil.

Ghilardi, R.P, Soler, M.G., Langer, M.C. (2012) LUND: uma proposta de base de dados de coleções paleontológicas brasileiras. In M. H. Henriques, A. I. Andrade, M. L. Quinta-Ferreira, F. C. Lopes, M. T. Barata, R. Pena dos Reis & A. Machado (Coords). Para Aprender com a Terra: Memórias e Notícias de Geociências no Espaço Lusófono. (1st ed., pp. 1-6). Coimbra, Portugal: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Grande, L., & Bemis, W. E. (1998). A comprehensive phylogenetic study of amiid fishes (Amiidae) based on comparative skeletal anatomy. An empirical search for interconnected patterns of natural history. Journal of Vertebrate Paleontology, 18(S1), 1-696.

Maisey, J .G. (1991a). Fossil forensics. In J. G. Maisey (Ed.), Santana fossils, an illustrated Atlas (1st ed., pp. 57-89).Neptune City, NJ: TFH Publications Incorporated.

Maisey, J. G. (1991b). Systematic Atlas: Fishes. In J. G. Maisey (Ed.), Santana fossils, an illustrated Atlas (1st ed., pp. 258-271). Neptune City, NJ: TFH Publications Incorporated.

Martill, D. M. (1988). Preservation Of Fish In The Cretaceous Santana Formation Of Brazil. Palaeontology, 31(1), 1-18.

Martill, D. M. (1989). The Medusa effect: instantaneous fossilization. Geology Today, 5(6), 201-205.

Mello, F. T., Mello, L. H. C., & Torello, M. B. F. (2005). A Paleontologia na Educação Infantil: alfabetizando e construindo o conhecimento. Bauru: Ciência & Educação, 11(3).

Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/ seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf.

Nobre, S. B. (2015). Paleontologia e Palinologia na Formação de Professores: Perspectivas e Estratégias para o Ensino de Ciências e Biologia na Educação Básica Recuperado de: http://www.ppgecim. ulbra.br/teses/index. php/ppgecim/article/ view/201/196.

Papavero, N. (Org.). (1994). Fundamentos práticos de taxonomia zoológica: coleções, bibliografia, nomenclatura (2nd ed.). São Paulo, Brazil: Unesp.

Pataca, E., Melo, N. P., Magalhães E., & Ifanger, L. A. C. N. (2011). Relatos autobiográficos na formação inicial de professores em Geociências e Educação Ambiental. Poieses Pedagogica, 9(1), 162-178.

Schwanke, C., & Silva M. A. J. (2010). Educação e Paleontologia. In I. S. Carvalho (Ed.). Paleontologia. (3rd ed., pp. 681-688). Rio de Janeiro, Brazil: Editora Interciência.

Toombs, H. A., & Rixon, A. E. (1959). The use of acids in the preparation of vertebrate fossils. Curator: The MuseumJournal, 2(4), 304-312.

Publicado
2019-02-14
Como Citar
Voltani, C. G., Silva, K. B. V., Silva, D. G., Baptista, R. H. R. C., Lookin, D. L. G., Fairchild, T. R., & Leme, J. M. (2019). Explorando o potencial científico-social da coleção científica de fósseis do IGc/USP: preparação de material para pesquisa, exposição e uso didático. Terrae Didatica, 15, e019009. https://doi.org/10.20396/td.v15i1.8654662