Formação continuada como subsídio à gestão ambiental

experiência com gestores municipais

Palavras-chave: Formação continuada, Gestão ambiental, Administração pública, Governança territorial.

Resumo

A formação continuada de gestores públicos das pastas de meio ambiente é observada como um recurso educacional essencial à melhor gestão do território local, sobretudo nos municípios, que tem como competência desenvolver uma estrutura técnica apropriada à tal atribuição. A legislação estadual que dispõe sobre a restauração ecológica de ambientes degradados é entendida como uma normatização coerente com a atual necessidade de proteção e conservação de recursos naturais, especialmente na-queles que tem relação com o recurso florestal. Nesse contexto, foi desenvolvido um curso de formação continuada como sub-sídio técnico à gestão ambiental de oito municípios paulista, tendo como foco tal dispositivo legal. O estudo, que teve como elemento empírico o curso, utilizou-se da pesquisa-ação como metodologia investigativa.Notou-se que a formação continuada é necessária e se faz um recurso subsidiário à atuação do gestor ambiental no âmbito do poder público local. Entretanto, fatores institucionais de ordem político-administrativa, refletidos também no comportamento dos gestores ambientais, transparecem impeditivos à utilização potencial do conhecimento como ferramenta à melhoria da qualidade ambiental no território local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Pinton de Camargo, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas.

Joseli Maria Piranha, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Doutora em Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Docente em RDIDP da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Referências

Banunas, I. T. (2003). Poder de polícia ambiental e o município. Porto Alegre: Sulina.

Bӧll. Elliott, J. (2010). ¿En qué consiste la investigación-acción en la escuela?. In J. Elliott (Org.). La investigación-acción em educación (6ª ed., pp. 23-26). Madrid: Ediciones Morata.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. (1988, 05 de outubro). Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: Presidência da República. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (1981, 02 de setembro). Lei Federal nº6938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: Presidência da República. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional de Meio Ambiente. (2007). Agenda Nacional do Meio Ambiente 2007/2008. Brasília.: [s.n.]. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/port/conama/processos/45DFB274/ANMA_ContribConselheiros-Limpa12_03_2007.pdf.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Coordenação do Sisnama. (2016). Nota Técnica nº10/2016/DSIS/DCRS/SAIC/MMA. Brasília: [s.n.]. Recuperado de: http://www.mma.gov.br/images/arquivo/80296/MMA%20Sisnama%20Nota%20Tecnica%2010%202016.pdf.

Carmo, H., & Ferreira, M. M. (2008). Metodologia da investigação. Guia para auto-aprendizagem (2a ed.). Lisboa: Universidade Aberta.

Costa, H. S. M, & Braga, T. M. (2004). Entre a conciliação e o conflito: dilemas para o planejamento e a gestão urbana e ambiental. In H. Acselrad (Org.), Conflitos ambientais no Brasil (pp. 195-216). Rio de Janeiro: Relume Dumará: Fundação Heinrich.

Menegat, R., & Almeida, G. (2004). Sustentabilidade, democracia e gestão ambiental urbana. In: R. Menegat, & G. Almeida (Orgs.). Desenvolvimento sustentável e gestão ambiental nas cidades: estratégias a partir de Porto Alegre (pp. 175-195). Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Miskulin, R. G. S., Amorim, J. A., & Silva, M. R. C. (2005). As possibilidades pedagógicas do ambiente computacional TelEduc na exploração, na disseminação e na representação de conceitos matemáticos. In: R. M. Barbosa (Org.). Ambientes Virtuais de Aprendizagem (pp. 29-49). Porto Alegre: Artmed.

Philippi, A., Jr, Maglio, I. C., Coimbra, J. A. A., & Franco R. M. (1999). Municípios e meio ambiente: perspectivas para a municipalização da gestão ambiental no Brasil. São Paulo: Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente, Vol. 1.

São Paulo (Estado). FUNDAP. Secretaria de Gestão Pública. (2009). Desenvolvimento gerencial na administração pública do Estado de São Paulo. Oliveira L.M., Galvão M.C.C.P. (Orgs.). São Paulo. [s.n.].

Trindade, A. A. (2007). EAD Digital: em busca de uma compreensão teórica da área. (Tese de Doutorado). Campinas: Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas. Recuperado de: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/284665.

Publicado
2019-06-17
Como Citar
Camargo, R. P. de, & Piranha, J. M. (2019). Formação continuada como subsídio à gestão ambiental. Terrae Didatica, 15, e019018. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8655721