A terra esférica e o olhar transcendental na Antiguidade Greco-Romana

Palavras-chave: História das ciências, Cos-mologia grega, Anaximandro de mileto.

Resumo

O texto propõe estudo da concepção de Terra esférica a partir de alguns modelos da filosofia grega, com destaque para Anaximandro e Platão. São estabelecidos apontamentos sobre a filosofia pré-socrática, cujo estudo da natureza é marcado por mutações em relação às mitologias, bem como por abordagem inovadora da astronomia babilônica. Ressalta-se que a atividade intelectual dos filósofos da natureza fez parte de contexto histórico específico, com a inserção de questões políticas, como o advento da pólis e a organização espacial decorrente. São apresentadas concepções sobre o formato da terra nas mitologias de Homero e Hesíodo, prosseguindo com a contextualização das cosmologias pré-socrática e platônica. Finalizamos apontando o caráter transcendental das imaginações sobre a Terra esférica no contexto da filosofia e sua influência no autor romano Cícero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deyse Cristina Brito Fabrício, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas.

Antonio Carlos Vitte, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1989) e doutorado em Geografia (Geografia Física) pela Universidade de São Paulo (1998). Atualmente é ms3 - assistente doutor da Universidade Estadual de Campinas. Orientador de mestrado e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História das Ciências da Terra, ambos do Instituto de Geociências, Unicamp. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em História e Epistemologia da Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: geografia, historia e epistemologia da geografia, história e epistemologia da geografia física, sociologia da ciência e filosofia kantiana, historia e epistemologia da geomorfologia. Recebeu em 2007 recebeu Menção Honrosa concedido pela Anpege por dissertação orientada. Em 2013 recebeu o Premio Capes de Tese ; em 2014 recebeu o Premio Zeferino Vaz de Mérito Cientifico -Acadêmico concedido pela Reitoria da Unicamp.

Referências

Brotton, J. (2014). Uma história do mundo em doze mapas. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Carvalho, M. S. de. (2006). A geografia desconhecida. Londrina: EDUEL.

Cosgrove, D. (2001). Apollo's eye: a cartographic genealogy of the earth in the western imagination. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press.

Harley, J. B.; & Woodward, D. (1987). The History of Cartography. Chicago, Illinois: The University of Chicago Press. v. 1.

Heiden, B. A. (2008). Homer's cosmic fabrication: choice and design in the Iliad. Oxford [Inglaterra]: Oxford University Press.

Hesíodo (1996). Teogonia. Niterói, RJ: UFF.

Kragh, H. (2007). Conceptions of cosmos: from myths to the accelerating universe: a history of cosmology. Oxford: Oxford University Press.

Macrobio, A. T. (2005). Comentarios al Sueño de Escipión. Madrid: Siruela.

Martin, G. J (1972). All possible worlds: a history of geographical ideas. 4th ed. Indianapolis: Odyssey Press.

Pajares, A. B. (1988). De Tales a Democrito: fragmentos presocraticos. Madrid: Alianza.

Platão (2012). Fédon (ou da alma). Tradução, textos complementares e notas: Bini, E. São Paulo: Edipro.

Vernant, J. P. (1973). Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica. São Paulo, SP: Difel: Edusp, 1973.

Publicado
2019-11-23
Como Citar
Fabrício, D. C. B., & Vitte, A. C. (2019). A terra esférica e o olhar transcendental na Antiguidade Greco-Romana . Terrae Didatica, 15, e019054. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8657615