Conhecer e conservar aquíferos:

como torná-los visíveis?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8658299

Palavras-chave:

Geoconservação, Águas subterrâneas, Divulgação científica

Resumo

Por serem praticamente “invisíveis”, grande parte da população brasileira desconhece noções elementares sobre o tema das águas subterrâneas. Coincidentemente, ainda é muito limitado o nível de conhecimento científico dos aquíferos, requerendo investimentos em pesquisa, sobretudo em épocas de escassez, quando cidades, empresas e outros agentes sociais buscam modos de garantir o abastecimento. A pesquisa que gerou este artigo investigou causas da notável defasagem na transferência de conhecimento científico para a população sobre o tema. Foram realizados três ciclos de entrevistas, para recuperar respostas sobre a importância das águas subterrâneas para o País e para levantar argumentos sobre formas de aproximar a sociedade ao conhecimento sobre ciclo da água, sua dinâmica, fluxos envolvidos e interações entre esferas terrestres. Os resultados indicam que o desconhecimento dos fenômenos naturais e dos possíveis efeitos de atividades antrópicas sobre a natureza pode ser crítico no caso da gestão consciente e sustentável do recurso, porque torna a sociedade bastante vulnerável à decisões desprovidas de suporte na Ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabella Nogueira Bittar de Castilho Barbosa, Universidade Estadual de Campinas

Mestranda em Ensino e História de Ciências da Terra (EHCT) pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Programa de Pós-Graduação de Ensino e História de Ciências da terra (EHCT).

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Livre Docente na área de Ensino e História de Ciências da Terra (EHCT) e Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP.

Ana Maciel de Carvalho, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Professora Assistente  Nível A do Centro de Geociências pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri.

Gisele Francelino Miguel, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Ensino e História de Ciência da Terra pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Albuquerque Filho, J. L. (Coord. Geral). (2011). Subsídios ao Plano de Desenvolvimento e Proteção Ambiental da área de afloramento do Sistema Aquífero Guarani no Estado de São Paulo. São Paulo: IPT, Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo / CPLA, Coordenadoria de Planejamento Ambiental. (Publ. IPT 3012). 102p.

Agência Nacional das Águas. (2016). Atlas Brasil Abastecimento urbano de água. Brasília, DF. [citação de 28.out.2016] URL: http://atlas.ana.gov.br/Atlas/forms/Atlas.aspx.

Brasil. (2017). Portaria de Consolidação nº 5, de 03 de outubro de 2017. Brasília, DF, Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil, Seção 1, Supl., n. 190, p. 360. URL: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/marco/29/PRC-5-Portaria-de-Consolida----o-n---5--de-28-de-setembro-de-2017.pdf. Acesso em 24.04.2020.

Carneiro, C. D. R., Mendonça, J. L. G. de, & Campos, H. C. N. S. (2008). Rios subterrâneos: mito ou realidade? Ciência Hoje, 43(253), 18-25. (outubro 2008).

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M., & Almeida, F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na educação básica. Rev. Bras. Geoc., 34(4):553-560. doi: 10.25249/0375-7536.2004344553560.

Chambel, A. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Cleary, R. W. (2007). Águas Subterrâneas. Tampa, Flórida, Princeton Groundwater Inc. 117p.

Conselho Estadual de Recursos Hídricos. (2019). Nitrato nas águas subterrâneas: desafios frente ao panorama atual. URL: https://smastr16.blob.core.windows.net/igeo/2020/01/boletim_ig_nitrato.pdf. Acesso 27.01.2020.

Custodio, E. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Foster, S., Hirata, R., & Howard, K. (2011). Groundwater use in developing cities: policy issues arising from current trends. Hydrogeology Journal, 19(2), 271-274. doi: 10.1007/s10040-010-0681-2.

Frommen, T. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas em pesquisa social. 6 ed. São Paulo, Ed. Atlas. ISBN 978-85-224-5142-5

Gonçales, V. G., Carneiro, C. D. R., Balsalobre, B., Pereira, S. Y., Fernandes, L. C. S., Vilela, R. C. C. L., Mantesso Neto, V., Bartorelli, A., ... & Anelli, L. E. 2016. Programa Aquífero Guarani: difusão de hidrogeologia nas praças públicas e escolas. In: Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, 19, Campinas, 2016. Anais... Campinas, ABAS. URL: http://docplayer.com.br/29736375-Xix-congresso-brasileiro-de-aguas-subterraneas-programa-aquifero-guarani-difusao-de-hidrogeologia-nas-pracas-publicas-e-escolas.html. Acesso 23.04.2020.

Gonçales, V. G., Carneiro, C. D. R., Balsalobre, B. P., Pereira, S. Y., Souza-Fernandes, L. C., Gastmans, D., Bartorelli, A., Vilela, R. C. C. L., ... & Piranha, J. M. 2018. Programa Aquífero Guarani-Unindo água subterrânea e história da Terra à consciência ambiental. Curitiba, PR, Brasil, Ed. CRV. (Série: Ensino e História de Ciência da Terra, ISBN: 978-85-444-2556-5).

Hirata, R., Fernandes, A. J., & Bertolo, R. (2016). As águas subterrâneas: longe dos olhos, longe do coração e das ações para sua proteção. Acta Paul. Enferm., 29(6), 1-3. doi: 10.1590/1982-0194201600084.

Hirata, R., Suhogusoff, A., Marcellini, S. S., Villar, P. C., & Marcellini, L. (2019). A revolução silenciosa das águas subterrâneas no Brasil: uma análise da importância do recurso e os riscos pela falta de saneamento. São Paulo: Inst. Trata Brasil.

Hirata, R. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. (2011). Censo 2010 - Aglomerados Subnormais. Rio de Janeiro: IBGE. URL: ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Aglomerados_subnormais/Aglomerados_subnormais_informacoes_territoriais/tabelas_pdf/tab02.pdf. Acesso 20.04.2020.

Instituto Trata Brasil. (2019). A revolução silenciosa das águas subterrâneas no Brasil: uma análise da importância do recurso e os riscos pela falta de saneamento. São Paulo, Inst. Trata Brasil. URL: http://www.tratabrasil.org.br/images/estudos/itb/aguas-subterraneas-e-saneamento-basico/Estudo_aguas_subterraneas_FINAL.pdf. Acesso 04.10.2019.

Iritani, M. A., & Ezaki, S. (2008). As águas subterrâneas do Estado de São Paulo. São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente, Instituto Geológico. (Cadernos de Educação Ambiental).

Knapp, B. J., Ross, S. R. J., & McCrae, D. L. R. (1991). Challenge of the Natural Environment. Singapore: Longman Singapore Publ. 272p.

Ministério do Meio Ambiente. (2020). Programa Nacional de Águas Subterrâneas. Brasília, DF, MMA. https://www.mma.gov.br/agua/recursos-hidricos/interaguas/itemlist/category/index.php?option=com_k2&view=item&id=423&Itemid=483. Acesso: 21/04/2020

Moser, G. (1998). Psicologia Ambiental. Estud. psicol. (Natal), 3(1), 121-130. doi: 10.1590/s1413-294x1998000100008.

Nascimento, S. A. M., & Barbosa, J. S. F. (2005). Qualidade da água do aquífero freático no alto cristalino de Salvador, bacia do Rio Lucaia, Salvador, Bahia. Rev. Bras. Geoc. 35(4), 543-550. URL: http://ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9422. Acesso 21/04/2020.

Pinder, G. F., & Celia, M. A. (2006). Subsurface Hydrology. New Jersey, USA, John Wiley & Sons, Inc.

Prefeitura Municipal de Ribeirão Preto. (2019). Política Municipal de Habitação (PLHIS): Plano local de habitação de interesse social. Ribeirão Preto, PMRP. URL: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/files/splan/planod/plano-plhis-anexo.pdf. Acesso 27.01.2020.

Re, V. (2015). Incorporating the social dimension into hydrogeochemical investigations for rural development: the Bir Al-Nas approach for socio-hydrogeology. Hydrogeology Journal, 23, 1293-1304. doi: 10.1007/s10040-015-1284-8.

Re, V. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Rebouças, A. C. (2003a). Água doce no mundo e no Brasil. In: A.C. Rebouças, B. Braga, J.G. Tundisi (coords.) Águas Doces no Brasil. 2 ed. São Paulo, Escrituras. p. 1-35.

Rebouças, A. C. (2003b). Águas subterrâneas. In: Rebouças, A.C., Braga, B., & Tundisi, J. G. (coords.) (2003). Águas Doces no Brasil. 2 ed. São Paulo, Escrituras. p. 117-152.

Silva, P. A. R. (2000). A educação ambiental como caminhada para uma cidadania plena. Revista Água e Energia, 8p. URL: http://www.daee.sp.gov.br/acervoepesquisa/relatorios/revista/raee0002/recursoshidricos.htm.

Silva Junior, G. C. (2019). Entrevista sobre “divulgação das águas subterrâneas”. Entrevista dada às autoras Isabella N. B. Castilho-Barbosa e Ana M. de Carvalho. Málaga, Espanha. Setembro de 2019. (Inédito).

Todd, D. K., & Mays, L. W. (2005). Groundwater Hydrology. 3 ed. USA, John Wiley & Sons, Inc.

Downloads

Publicado

2020-04-28

Como Citar

BARBOSA, I. N. B. de C.; CARNEIRO, C. D. R.; CARVALHO, A. M. de; MIGUEL, G. F. Conhecer e conservar aquíferos:: como torná-los visíveis?. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020018, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8658299. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8658299. Acesso em: 24 jan. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>