O Geossítio Monólito Bico do Papagaio, Município de Itajaí, SC, Brasil

Geologia, Geodiversidade e Geoconservação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8660450

Palavras-chave:

Petrologia, Metamorfismo, Avaliação quantitativa, Degradação ambiental.

Resumo

The geosite Monolith Bico do Papagaio (MBP) is a geomonument of great scenic beauty, whose outcrop, of approximately 65 m2 area, resembles the “head or beak of a parrot”. The rare and prominent geological “piece” stimulates tourist activity at the Itajaí municipality. This paper describes the petrology and analyses the vulnerability to human depredation. The monolith is composed by gray to silvery schist, belonging to the Neoproterozoic Brusque Metamorphic Complex. The main rock minerals are muscovite, chlorite, quartz, andalusite and zircon, with lepidoblastic, granoblastic and subordinate porphyroblastic textures. For studying the vulnerability and valuation of the geosite, it was used the methodology proposed by Dr. José Brilha in 2005 which is based on three important aspects, namely: (A) intrinsic value; (B) potential use; (C) need of geosite protection. The focus is to quantify intrinsic values, to guarantee sustainability and promote geoconservation of the geosite, which has high geotouristic potential.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Cândido Miranda, Universidade Federal de Santa Catarina

Geólogo, formado pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós-Graduando em Gestão, Licenciamento e Auditoria Ambiental pela Universidade Norte do Paraná.

Norberto Olmiro Horn Filho, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Geociências (Geologia Marinha) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1997). Professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atua junto ao Departamento de Geologia, Programa de Pós-graduação em Geografia e Programa de Pós-graduação em Oceanografia, ministrando aulas na pós-graduação e graduação em Geografia, Oceanografia e Geologia. Coordenou durante o período de 2002 a 2006, o Programa de Pós-graduação em Geografia, de 2009 a 2012, o curso de graduação em Oceanografia e entre 2017 e 2019, o Departamento de Geociências.

Referências

Almeida, F. F. M. (1967). Origem e evolução da plataforma brasileira. DNPM. Boletim da Divisão de Geologia e Mineralogia, 241. Rio de Janeiro. p. 1-36.

Atlas ambiental da foz do rio Itajaí-Açu. (2017). Itajaí, Santa Catarina, Brasil. URL: http://grupoacquaplan.com.br/atlas-ambiental-da-foz-do-rio-itajai-acu-apresenta-detalhes-do-principal-acesso-portuario-de-santa-catarina/. Acesso 17.07.2020.

Ayala-Carcedo, F. J. (2000). Patrimonio natural y cultural y desarrollo sostenible: El patrimonio geológico y minero. Temas Geológico-Mineros, 31, 17-39.

Basei, M. A. S. (1985). O Cinturão Dom Feliciano em Santa Catarina. São Paulo. Universidade de São Paulo. 213p. (Tese Doutorado).

Bien, A. (2003). A simple user´s Guide to Certification for sustainable tourismo and ecotourism. The International Ecotourism Society. 25p.

Bitencourt, M. D. F., Hackspacher, P. C., & Nardi, L. V. S. (1989). A Zona de Cisalhamento Major Gercino-Santa Catarina. In: Simp. Nac. Est. Tectônicos, 2, 214-215.

Brilha, J. B. (2005). Património geológico e geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Braga: Edição Palimage editores. ISBN:972-8575-90-4. 183p.

de Campos, R. S., Philipp, R. P., Massonne, H. J., & Chemale Jr, F. (2012). Early post-collisional Brasiliano magmatism in Botuverá region, Santa Catarina, southern Brazil: Evidence from petrology, geochemistry, isotope geology and geochronology of the diabase and lamprophyre dikes. Journal of South American Earth Sciences, 37, 266-278. doi: 10.1016/j.jsames.2012.02.005.

Florisbal, L. M. (2011). Petrogênese de granitos sintectônicos em ambiente pós-colisional do escudo catarinense: estudo integrado de geologia estrutural, geoquímica elemental e isotópica Sr-Nd-Pb e geocronologia U-Pb em zircão. São Paulo. Universidade de São Paulo. 300p. (Tese Doutorado).

Fundação do Meio Ambiente de Itajaí. (2018). URL: https://itajai.sc.gov.br/e/meio-ambiente. Acesso 05.06.2018.

Gray, M. (2004). Geodiversity: valuing and conserving abiotic nature. London: Wiley & Sons. 450p.

Guadagnin, F., Chemale Jr, F., Dussin, I. A., Jelinek, A. R., dos Santos, M. N., Borba, M. L., ... & Alessandretti, L. (2010). Depositional age and provenance of the Itajaí Basin, Santa Catarina State, Brazil: implications for SW Gondwana correlation. Precambrian Research, 180(3-4), 156-182. doi:10.1016/j.precamres.2010.04.002.

Horn Filho, N. O., Lima, A. de S. de., Pereira, A., Covello, C., Porto Filho, E., Sánchez, G. M., Góes, I. M. de A., Matos, I. da S., Silva, M. da, Sousa, R. R (2017). Roteiro geológico na planície costeira de Santa Catarina, Brasil. Florianópolis: Edições do Bosque, UFSC. E-book, ISBN: 978-85-60501-30-4. 146p.

Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas. (2017). Património Natural. URL: http://www2.icnf.pt/portal/pn/geodiversidade/patrimonio-geologico. Acesso 27.11.2018.

Jorge, M. D. C. O., & Guerra, A. J. T. (2016). Geodiversidade, geoturismo e geoconservação: conceitos, teorias e métodos. Espaço Aberto, 6(1), 151-174.

Moreira, J. C. (2014). Geoturismo e interpretação ambiental. Ponta Grossa: Editora UEPG. 157p.

Nascimento, M. D., Ruchkys, U., & Mantesso-Neto, V. (2008). Geodiversidade, geoconservação e geoturismo: trinômio importante para a conservação do patrimônio geológico. Rio de Janeiro: edição SBGeo, ISBN:978-85-99198-06-3. 82p.

Peixoto, C. A. B. (2015). Caracterização ambiental dos geossítios da proposta: Projeto Geoparque Guaritas-Minas do Camaquã, RS. Porto Alegre: Inst. Geoc. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 136p. (Dissert. Mestrado).

Pereira, R. G. F. D. A. (2010). Geoconservação e desenvolvimento sustentável na Chapada Diamantina (Bahia-Brasil). Braga: Escola de Ciências. Universidade do Minho. 295p. (Tese Doutorado).

Pereira, R. G. F. de A., Rios, D. C., & Garcia, P. M. P. (2017). Geodiversidade e Patrimônio Geológico: ferramentas para a divulgação e ensino das geociências. Terræ Didatica, 12(3), 196-208. doi: 10.20396/td.v12i3.8647897.

Philipp, R. P., Malmann, G., Bitencourt, M. F., Souza, E. R., Silva, M. M. A., Liz, J. D., ... & Rivera, C. B. (2004). A Porção Leste do Complexo Metamórfico Brusque, SC: caracterização litológica e evolução metamórfica. Revista Brasileira de Geociências, 34, 21-34.

Pires, G. L. C., Mansur, K. L., & Bongiolo, E. M. (2013). Geoconservação da Ilha da Trindade: Principais Aspectos e Potencial de Uso. Anuário do Instituto de Geociências, 36(2), 96-104. doi: 10.11137/2013_2_96_104.

Prochoroff, R. (2014). O patrimônio geológico de Ilhabela, SP: estratégias de geoconsevação. São Paulo: Inst. Geoc. Universidade de São Paulo. 176p. (Dissert. Mestrado).

Sander, A. (1992). Petrologia e Litoquímica de uma parcela da Seqüência Vulcano-Sedimentar do Complexo Metamórfico Brusque na região do Ribeirão do Ouro, SC. Porto Alegre: Inst. Geoc. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 167p. (Dissert. Mestrado).

Schroeder, G. S. (2006). Análise tectônica da bacia do Itajaí. Porto Alegre: Inst. Geoc. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 109p. (Dissert. Mestrado).

Silva, C. R. D. (2008). Geodiversidade do Brasil: conhecer o passado, para entender o presente e prever o futuro. Rio de Janeiro: CPRM. 264p.

Silva, I. (2006). Geodiversidade e seu valor Educativo: estudo de casos em contexto europeu. Porto: Universidade do Porto. 160p. (Dissert. Mestrado).

Silva, L. D. (1985). Caracterização Petrográfica da Sequência (Meta) Vulcano-sedimentar Rio do Oliveira (Cinturão do Itajaí Mirim, SC). In: Simp. Sul-Bras. Geologia, v. 2, Atas, Porto Alegre. p. 11-23.

Publicado

2020-09-25

Como Citar

MIRANDA, D. C.; HORN FILHO, N. O. O Geossítio Monólito Bico do Papagaio, Município de Itajaí, SC, Brasil: Geologia, Geodiversidade e Geoconservação. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020038, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8660450. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8660450. Acesso em: 26 nov. 2020.