Comunicação pública da ciência diante das coalizões em conflito sobre aquecimento global

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8663967

Palavras-chave:

Divulgação científica, Comunicação Social da Ciência, Ciência e Públicos, Mudança Climática

Resumo

A formulação de políticas públicas de sustentabilidade apoia-se de maneira decisiva na comunicação pública da Ciência. Aplicando o modelo da Advocacy Coalition Framework (ACF) os autores deste artigo buscam iluminar as disputas sobre a questão do aquecimento global antropogênico e a controvérsia existente. Distintas coalizões em torno do tema “mudança climática” participam decisivamente das disputas e do conflito. Contudo, existem manipulações polêmicas e irresponsáveis, além de desleais, formadas sobretudo por fake news, que fragilizam a postura dos cidadãos e impedem a formação de uma consciência crítica sobre esse e outros temas polêmicos. Conclui-se que certos discursos frágeis, respaldados em notícias falsas, geram prejuízos à sociedade, ao meio ambiente e à própria qualidade da democracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José da Costa Oliveira, Universidade de São Paulo

Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo. Pós-doutorado pelo CRP/ECA/Universidade de São Paulo. Membro do Grupo de Pesquisa em Comunicação Pública e Política COMPOL/Escola de Comunicações e Artes/Universidade de São Paulo.

Ronaldo Barbosa, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Ciências pela Universidade Estadual de Campinas. Professor do curso de graduação em Midialogia do Instituto de Artes e do programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, do Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas. Coordenador de cursos de graduação na área de TI no Centro Universitário UniMetrocamp YDUQS. Pesquisador na área de educação e tecnologia, com foco em metodologias de ensino e EAD.

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Livre Docente na área de Ensino e História de Ciências da Terra (EHCT) . Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP.

Heloiza Matos e Nobre, Universidade de São Paulo

Professora permanente e pesquisadora sênior do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo (PPGCOM-USP). Coordena o grupo de pesquisa Comunicação Pública (COMPOL) e Comunicação Política, vinculado à Comissão de Pesquisa e sediado no Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo pela Universidade de São Paulo (CRP/ECA-USP).

Referências

Anderegg, W. R. L., Prall, J. W. Harold, J. & Schneider S. H. (2010) Expert credibility in climate change, PNAS July 6, 2010 107 (27) 12107-12109. doi: 10.1073/pnas.1003187107.

Caldas, G. (2004). Comunicação Pública e Ciência Cidadã. In: Oliveira, M. J. C. (Org.). (2004). Comunicação Pública. Campinas: Alínea. p. 29-47.

Carneiro, C. D. R., & Toniolo, J. C. (2012). A Terra ‘quente’ na imprensa: confiabilidade das notícias sobre aquecimento global. Revista Hist. cienc. saude-Manguinhos [online], 19(2):369-389. (abr.-jun. 2012). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v19n2/02.pdf. Acesso em: 18. jun. 2015.

Carneiro, C. D. R., Freitas, G. B. F. de, Franco, L. M., & Gonçalves, P. W. (2018). O que a Pequena Idade do Gelo pode nos ensinar sobre mudança climática? In: Carneiro, C. D. R., Gonçalves, P. W., Imbernon, R. A. L., Machado, F. B., & Cerri, C. A. D. (Eds.). (2018). Ensino e História de Ciências da Terra. Campinas: Soc. Bras. Geol. p. 260-265. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/geoscied2018/pt/trabalhos/. (Anais VIII Simp. Nac. Ens. Hist. Ciências da Terra / EnsinoGEO-2018 – Geociências para todos. Campinas, SBGeo, 2018).

Carneiro, C. D. R., Freitas, G. B. F. de, Franco, L. M., Gonçalves, P. W. (2020). A Pequena Idade do Gelo: evidências históricas e geológicas de mudanças climáticas. Belo Horizonte: Geonomos, 28(1), 47-63. (no prelo).

Castells, M. (2000). Fim do Milênio. São Paulo: Paz e Terra.

Castells, M. (2009). Comunicácion y poder. Trad. Maria Hernández. Madrid: Alianza Editorial. 679p. Disponível em: https://el.b-ok.cc/book/2193329/9d96e5. Acesso em: 05. 01. 2021.

Esteves, J. P. (2003). Espaço Público político. In: Esteves, J. P. (2003). Espaço público e democracia: comunicação, processo de sentido e identidade social. São Leopoldo, Unisinos.

Freire, P. (1975). Extensão ou Comunicação? Trad. Rosisca Darcy de Oliveira. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Germano, M. G., & Kulesza, W. A. (2007). Popularização da ciência: uma revisão conceitual. Cad. Bras. Ens. Fís., 24 (1), 7-25. doi: 10.5007/%25x.

Habermas, J. (2008). Consciencia moral y acción comunicativa. Trad. Ramón Cotarelo García. Madrid: Editorial Trotta.

Hernando, M. C. (2005). Divulgacao cientifica: um grande desafio para este século. Entrevista. São Paulo:Cienc. Cult., 57(2). URL: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252005000200013. Acesso 05.01.2021.

Hollingsworth, B. (2014). Monckton: Political Danger Rises As Evidence of Global Warming Declines. CNSNews.com. 07.07.2014.Disponível em: https://www.cnsnews.com/news/article/barbara-hollingsworth/monckton-political-danger-rises-evidence-global-warming-decline-0. Acesso em: 10. 01.2021.

Intergovernmental Panel of Climatic Change (IPCC) (2013). Climate Change 2013: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Stocker, T.F., D. Qin, G.-K. Plattner, M. Tignor, S.K. Allen, J. Boschung, A. Nauels, Y. Xia, V. Bex and P.M. Midgley (eds.)]. Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA, Cambridge University Press. 1535p. doi: 10.1017/CBO9781107415324.

Jaramillo López. J. C. (2011a). Advocacy: uma estratégia de comunicação pública. In: Kunsch, M. M. K. (org.). (2011a). Comunicação pública, sociedade e cidadania. São Caetano do Sul: Difusão. P 61-80.

Lindley, D. V. (2006). Understanding Uncertainty. New York: Wiley-Interscience. 250p.

Lomborg, B. (2002). O ambientalista cético. Revelando a real situação do mundo. 3 ed. Trad. Ivo Korytowski, Ana B. Rodrigues. Rio de Janeiro: Elsevier. 541p.

Loon, A. J. van. (1999). The meaning of “abrupteness” in the geological past. Earth Science Reviews, 45(3-4), 209-214. doi: 10.1016/S0012-8252(99)00005-7.

Marrafon, V. H., & Reboita, M. S. (2020). Características da precipitação na América do Sul reveladas através de índices climáticos. Revista Brasileira de Climatologia, 26, 663-676. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistaabclima/article/view/72181/40775. Acesso em: 17.02.2021.

Martins, J. R. S. (2014). Controvérsias e problematização no ensino de Geociências. Tese (Doutorado). Campinas, SP, Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra (PEHCT), Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. 151p. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/286640.

Martins, J. R. S. (2014). Controvérsias e problematização no ensino de Geociências. Tese (Doutorado). Campinas, SP, Programa de Pós-Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra (PEHCT), Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/286640.

Martins, L., Bonito, J., Marques, L., Carneiro, C. D. R. (2015). Desenvolvimento sustentável: algumas linhas de ação para a Amazónia. Boa Vista: Olhares Amazônicos, 4(1), 700-719. Disponível em: http://ufrr.br/roa/index.php/21-volume-4-numero-1. Acesso em: 16. 02. 2021.

Matos, H. (2006). Comunicação Política e Comunicação Pública. São Paulo, ECA-USP: Comunicação pública e governamental, 3(4).(Dossiê). doi: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2006.138911.

Matos, H. (Org.) (2013). Comunicação pública: interlocuções, interlocutores e perspectivas. São Paulo: ECA/USP.288 p. Disponível em: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002436283.pdf. Acesso em: 10.01.2021.

Monteiro, R. A., Santos, R. L. S., Pardo, T. A. S., Almeida, T. A. de, Ruiz, E. E. S., & Vale, O. A. (2018). Contributions to the Study of Fake News in Portuguese: New Corpus and Automatic Detection Results. São Carlos, Núcleo Interinstitucional de Linguística Computacional (NILC), Universidade de São Paulo (USP). Disponível em: https://sites.icmc.usp.br/taspardo/PROPOR2018-MonteiroEtAl.pdf. Acesso em: 22.12.2020.

Morozov, E. 2011. The net delusion: the dark side of Internet freedom.New York: PublicAffairs. 408p.

Mouffe, C. (2015). Sobre o Político. São Paulo. Martins Fontes.

Oliveira, M. J. C. (2013). Comunicação organizacional e comunicação pública. In: Matos, H. (org.) (2013). Comunicação pública: interlocuções, interlocutores e perspectivas. São Paulo: ECA/USP.p. 15-28. URL: http://www3.eca.usp.br/sites/default/files/form/biblioteca/acervo/producao-academica/002436283.pdf. Acesso 10.01.2021.

Oliveira, M. J. C., & Miotto, L. B. (2018). Vida sustentável e comunicação: O diálogo necessário entre Estado, mercado e sociedade civil. Curitiba, Appris.

Oliveira, M. J. C., Nobre, H. M. e, Barbosa, R. (2020). Comunicação pública entre o consenso e o antagonismo dos discursos sobre aquecimento global. O impacto para políticas públicas de sustentabilidade. Bauru, SP, Abrapcorp. XIV Congr. Bras. Científico de Comunicação Organizacional e de Relações Públicas, 18 a 21/05/2020. Disponível emL: http://abrapcorp.org.br/site/manager/arq/1ydnvPljFC_FINAL-Artigo.Abrapcorp.2020-TEMPLATE-COM-AUTORIA_GT_2020.pdf. Acesso 05.01.2021.

Oliveira, M. J. de, Carneiro, C. D. R., Baptista, G. M. M., & Vecchia, F. A. S. 2017. Ciclos climáticos e causas naturais das mudanças do clima. Terræ Didatica. 13(3), 149-184.doi: 10.20396/td.v13i3.8650958.

Oliveira, M. J. de, Vecchia, F. A. S., & Carneiro, C. D. R. 2015. A educação no contexto do aquecimento global: da ignorância e analfabetismo científico ao raciocínio crítico e literacia climática. Periódico Eletrônico Fórum Ambiental da Alta Paulista, 11(4), 287-310. (Anais Fórum Ambiental da Alta Paulista, 11, Tupã, 20 a 22 de julho de 2015. Anais..., Tupã, UNESP, Campus de Tupã). doi: 10.17271/1980082711420151292.

Pena, R. F. A. (2020). Análises científicas suscitam a dúvida: o Aquecimento Global existe ou não? Mundo Educação. URL: https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/aquecimento-global-existe-mesmo.htm. Acesso 22/12/2020.

Reboita, M. S., Marrafon, V. H., Llopart, M., & Rocha, R. P. da. (2018). Cenários de mudanças climáticas projetados para o Estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Climatologia, Ano 14, 110-128. (Ed. Esp. Dossiê Climatologia de Minas Gerais). doi: 10.5380/abclima.v1i0.60524.

Robinson, M., & Dowsett, H. (2010). Why study paleoclimate? U.S. Geological Survey, Fact Sheet 2010-3021. Disponível em: http://pubs.usgs.gov/fs/2010/3021/pdf/fs2010-3021.pdf. Acesso em: 10. 01. 2021.

Sabatier, P. A, Weible, C. M. (2007). The advocacy coalition framework: Innovations, andclarifications. In: Sabatier, P. A (Ed.). (2007). Theories of the Policy Process. 2 ed. Boulder: Westview Press. p. 189-220. (Chapter 7).

Sabatier, P. A. (1988). An Advocacy Coalition Framework of policy change and the role of policy-oriented learning therein. Policy Sciences, 21, p.129-168.

Sabatier, P., Jenkins-Smith, H. (1999). The advocacy coalition framework: An assessment. In: Sabatier, P.A. (Ed.). Theories of the Policy Process.Boulder: Westview Press. p. 117-166.

Silva, M. V. da. (2008). Conhecimento, Educação, Sociedade. Brasília, UnB: Revista de Letras, 1(1). Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/RL/article/view/26. Acesso em: 05. 01. 2021.

United Nations Organization (UN). (1987). Report of the World Commission on Environment and Development: Our common future. Oslo, Norway, A/42/427. (Annex) Disponível em: www.channelingreality.com/Documents/Brundtland_Searchable.pdf. Acesso em: 16. 02. 2021.

United Nations Organization (UN). Department of Economic and Social Affairs (DESA). Division for Sustainable Development Goals (DSDG) (2015). Transforming our world: the 2030 Agenda for Sustainable Development. United Nations. Disponível em: https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld. https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld/publication. Acesso em: 16. 02. 2021.

United Nations Organization (UN). Department of Economic and Social Affairs (DESA). (s.d.). The 17 Goals. United Nations. URL: https://sdgs.un.org/goals. Acesso 16.02.2021.

Vicente, V. M. B., &Calmon, P. C. D. P. (2011). A Análise de Políticas Públicas na Perspectiva do Modelo de Coalizões de Defesa. In: XXXV Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, 4-7.09.2011. p. 01-15. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/APB2163.pdf. Acesso em: 20.12.2020.

Vilaça, W. P. T. (2012). A Comunicação Interna na gestão da sustentabilidade: um estudo fenomenológico. São Paulo, ECA-USP.(Tese Dout.).

Weible, C. M., & Sabatier, P. A. (2006). A Guide to the Advocacy Coalition Framework. In: Fisher, F., Miller, G. J. (Eds.) (2006). Handbook of Public Policy Analysis.Boca Raton, London, New York:CRC Press. P. 123-136. (Cap. 9). Disponível em: https://www.academia.edu/6247912/Handbook_of_Public_Policy_Analysis?auto=download. Acesso em: 22.12.2020.

Weible, C. M., Sabatier, P. A., & McQueen, K. (2009). Themes and Variations: Taking Stock of the Advocacy Coalition Framework. The Policy Studies Journal, 37(1), 121-140. doi: 10.1111/j.1541-0072.2008.00299.x.

Downloads

Publicado

2021-02-28

Como Citar

OLIVEIRA, M. J. da C.; BARBOSA, R.; CARNEIRO, C. D. R.; NOBRE, H. M. e. Comunicação pública da ciência diante das coalizões em conflito sobre aquecimento global. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021011, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8663967. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8663967. Acesso em: 23 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>