Conhecimento das espécies vegetais de cinco praças públicas por meio de QR codes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667414

Palavras-chave:

Áreas verdes, Tecnologias, Espaços não formais, Percepção ambiental, Ensino de biologia

Resumo

O artigo descreve e analisa as ações de divulgação realizadas a partir da identificação das espécies vegetais presentes em cinco praças de Iturama-MG. Após diagnóstico quali-quantitativo em que foram inventariados 462 indivíduos e 53 espécies, foi criado um site em que foram disponibilizadas fotos e informações botânicas e ecológicas. Foram produzidas “etiquetas” contendo QR Codes pelos quais, por meio de um smartphone com câmera e acesso à internet, os transeuntes podem identificar as árvores e ter acesso às características de cada espécie. As informações contidas no site e nos QR Codes foram acessadas por 328 usuários e tiveram 951 visualizações de 30/12/2020 a 26/10/2021. Considera-se que o trabalho aproximou os moradores do patrimônio natural da cidade e do conhecimento científico, estimulou a sensibilização, a percepção ambiental e a valorização das áreas verdes públicas. Acredita-se também que esta ação possa ser ampliada para outros contextos e inspirar iniciativas semelhantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Job Antonio Garcia Ribeiro, Universidade Federal do Triângulo Mineiro

Doutor em Educação para a Ciência pela Universidade Estadual Paulista. Professor Adjunto da Universidade Federal do Triângulo Mineiro, campus Iturama (UFTM-Itu), Iturama, MG, Brasil.

Referências

Amato-Lourenço, L. F., Moreira, T. C. L., Arantes, B. L., Filho, D. F. S., & Mauad, T. (2016). Metrópoles, cobertura vegetal, áreas verdes e saúde. Estudos Avançados, 30 (86), 113-130.

Araújo, E. S. N. N., Caluzi, J. J., & Caldeira, A. M. A. (2006). Divulgação científica e ensino de ciências: estudos e experiências. São Paulo: Escrituras Editora.

Colman, C. B. Utilização do aplicativo QR Code no Ensino de Ciências. (2009). Trabalho de Conclusão (Especialização - Informática Instrumental para professores do Ensino Fundamental. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) e Universidade Aberta do Brasil (UAB). 52f.

Coll, C. & Monereo, C. (Orgs.). (2010). Psicologia da educação virtual: aprender e ensinar com as tecnologias da informação e da comunicação. Editora Artmed.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100.

Cruz, S. QR Code: um código que pode dizer muito In Carvalho, A. A. A. (Org.). Apps para dispositivos móveis: manual para professores formadores e bibliotecários. (2005). Ministério da Educação: Portugal.

Dantas, I.C., & Souza, C.M.C. (2004). Arborização urbana na cidade de Campina Grande-PB: inventário e suas espécies. Revista de Biologia e Ciências da Terra, Piracicaba, 4(2).

Dorigo, T. A. & Lamano-Ferreira, A. P. N. (2015). Contribuições da percepção ambiental de frequentadores sobre praças e parques no Brasil (2009-2013): revisão bibliográfica. Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade-GeAS, 4(3), 31-45.

Duarte, T. E. P. N., Angeloletto, F., Santos, J. W. M. C., Silva, F. F., Bohrer, J. F. C., & Massad, L. (2018). Reflexões sobre arborização urbana: desafios a serem superados para o incremento da arborização urbana no Brasil. Rev. Agro. Amb., 11(1), 327-341.

Frota, W. A. M. (2011). Percepção ambiental em relação à arborização urbana do bairro centro no município de Itapipoca – CE. 72f. Monografia (Graduação em Ciências Biológicas) – Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca.

Guzzo, P. (2006). Cadastro Municipal de Espaços Livres Urbanos de Ribeirão Preto (SP): acesso público, índices e base para novos instrumentos e mecanismos de gestão. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana, Piracicaba, 1(1), 19-30.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2017). Monografias municipais – Sudeste – Minas Gerais – Iturama. URL: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2972/momun_se_mg_iturama.pdf. Acesso 27.10.2018.

Iturama, Lei complementar n° 11, de 23 de dezembro de 2003. (2003). Institui o Código Ambiental do Município de Iturama. Livro 1. 2003. Site da prefeitura municipal. Disponívem em: http://www.iturama.mg.gov.br/images/stories/pdf/plano_diretor/lc11.pdf. Acesso em: 25.11.2018.

Iturama, Relatório do Setor de Patrimônio (2017). Site da prefeitura municipal. Disponívem em: http://www.iturama.mg.gov.br/Relacao-dos-Inventarios-2015.html. Acesso em: 2911.2018.

Loboda, C. R., & Angelis, B. L. D. (2005). Áreas verdes públicas urbanas: conceitos, usos e funções. Ambiência. Revista do Centro de Ciências Agrárias e Ambientais, 1(1), 125-139. Disponívem em: https://revistas.unicentro.br/index.php/ambiencia/article/view/157/185. Acesso em: 08.12.2018.

Lorenzi, H. (2016). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. V.1, 7ª Edição. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2016). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. V.2, 5ª Edição. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H. (2016). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. V.3, 2ª Edição. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Lorenzi, H, Bacher, L. B., & Torees, M. A. V. (2018). Árvores e arvoretas exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum de Estudos da Flora.

Manfrin, J. M., Escher, M. A. S., Castro, G. M., Aleixo, V., Petry, A. I., & Bueno, T. B. (2018). Diagnóstico da arborização urbana do município de Ouro Verde do Oeste, Paraná. REVSBAU, Curitiba – PR, 13(3), 49-61.

Marques, V. S. R., & Pereira, R. B. (2014). Conhecer para preservar – o uso de QR Codes na educação patrimonial: o caso de Indaiatuba – SP. Anais. III Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo arquitetura, cidade e projeto: uma construção coletiva (ENANPARQ), São Paulo.

Neves, A., Bündchen, M., Lisbo, C. P. (2019). Cegueira botânica: é possível superá-la a partir da Educação? Ciênc. Educ., Bauru, 25 (3), 745-762.

Nicodemo, M. L. F., & Primavesi, O. (2009). Por que manter árvores na área urbana? São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste-Documentos (INFOTECA-E). Disponívem em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CPPSE-2009/18356/1/Documentos89.pdf. Acesso em: 20.2.2019.

Oliveira, I. L., & Ferreira, A. R. (2005). Arborização urbana, alterações das paisagens e biodiversidade, melhoria de qualidade de vida dos moradores de Cáceres – MT. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, Rio de janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Unión Latinoamericana de Extensión Universitaria.

Oliveira, M. A. N., Leal, L. A. (2019). Acessibilidade para alunos cegos e surdos em uma exposição permanente de Geociências. Terræ Didatica. Campinas-SP, 15, 1-10.

Pessôa, C. S. (2017). Percepção da população urbana sobre a flora e a arborização na cidade de Fortaleza-CE. 94f. Trabalho de Conclusão de Curso. Curso de Ciências Ambientais, Instituto de Ciências do Mar, Universidade Federal do - UFCC.

Pestana, L. T. C., Alves, F. M., & SARTORI, Â. L. B. (2011). Espécies arbóreas da arborização urbana do centro do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil. REVSBAU, Piracicaba – SP, 6(3), 01-21.

Pivetta K. F. L., & Silva-Filho D. F. (2002) Arborização Urbana. Boletim Acadêmico Série Arborização Urbana, UNESP /FCAV /FUNEP Jaboticabal, SP, 74p.

Pozo, J. I. (2004). A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento. Revista Pátio, 8.

Reis, S. N., Reis, M. V. & Nascimento, A. M. P. (2020). Pandemic, social isolation and the importance of people-plant interaction. Ornamental Horticulture. 26(3), 399-412.

Ribas, A. C., Oliveira, B. S., Gubaua, C. A., Reis, G. R., & Contreras, H. S. H. (2017). O uso do aplicativo QR Code como recurso pedagógico no processo de ensino e aprendizagem. Ensaios Pedagógicos, 7(2).

Rocha, L. A. G., Cruz, F. M., & Leão, A. L. (2015). Aplicativo para Educação Ambiental. Anais. XI Fórum Ambiental da Alta Paulista, 11(4), 261-273.

Rodrigues, R. S., & Silva, G. R. R. (2016). Utilização do QR Code como ferramenta de gestão na identificação de espécies arbóreas do Campus do IFPA – Bragança. Anais. VII Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Campina Grande/PB – 21 a 24 nov.

Sambugaro-Santos, P. T., & Rosa, T. A. O. (2013). A arborização urbana como complemento de fontes alimentares para as aves. Arquivos do MUDI. 17 (1), 9-10. Disponívem em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/view/23270/12496. Acesso em: 30.10.2018.

Santos, A. C. B., Silva, M. A. P., & Souza, R. K. D. (2011). Levantamento florístico das espécies utilizadas na arborização de praças no município de Crato, CE. Caderno de Cultura e Ciência, VI, 10 (1).

Santos, T. B., Nascimento, A. P. N. & Regis, M. M. (2019). Áreas verdes e qualidade de vida: uso e percepção ambiental de um parque urbano na cidade de São Paulo, Brasil. Rev. Gest. Ambient. Sustentabilidade-GeAS, 8(2), 363-388.

Sousa, L. A., Silva, B. A., Freiras, A. G., Teixeira, A. R., & Torres, G. R. (2017). Mapeamento das espécies arbóreas e sua importância na educação ambiental em Campi Universitários. Anais. II Encontro de Iniciação Acadêmica - Encontros Universitários da UFC, Fortaleza, 2.

Tardivo, J. A., & Pratschke, A. (2017). Educação e memória: métodos e experiências digitais. V!RUS, São Carlos, n. 15,. [online] Disponívem em: http://www.nomads.usp.br/virus/_virus15/?sec=6&item=1&lang=pt. Acesso em: 24.11.2019.

Tuan, Y. (1980). Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. DIFEL/Difusão Editorial S.A. São Paulo, 288p.

Vieira, L. S., & Coutinho, C. P. (2013). Mobile learning: perspectivando o potencial dos códigos QR na Educação. Challenges.

Zamproni, K., Biondi, D., Maria, T. R. B. C., & Louvera, F. A. (2018). Diagnóstico quali-quantitativo da arborização viária de Bonito, Mato Grosso do Sul. FLORESTA, Curitiba, PR, 48(2), 235-244.

Zancan, G. T. (2000). Educação científica: uma prioridade nacional. São Paulo em Perspectiva, 14 (1), 3-7.

Zardin, M. C., Biondi, D., Leal, L. L.; Oliveira, J. D. & Maria, T. R. B. de C. (2018). Avaliação quali-quantitativa da arborização viária do município de Augusto Pestana – RS. REVSBAU, Curitiba – PR, 13(3), 36-48.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

RIBEIRO, J. A. G. Conhecimento das espécies vegetais de cinco praças públicas por meio de QR codes. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021050, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667414. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667414. Acesso em: 8 dez. 2022.