Banner Portal
A mineração e os limites geográficos na colonização de Cuiabá e Mato Grosso
PDF

Palavras-chave

Recursos minerais
Colonização mineral
Expansão territorial brasileira
Geologia econômica
Paleografia

Como Citar

GARCIA, P. M. de P.; BONFIM, C. S. A mineração e os limites geográficos na colonização de Cuiabá e Mato Grosso. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 18, n. 00, p. e022029, 2022. DOI: 10.20396/td.v18i00.8670731. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8670731. Acesso em: 5 mar. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

O presente trabalho objetiva explorar as relações entre a mineração e a construção do território mato-grossense, ao longo de mais de 300 anos de colonização. Para tal, foram congregadas informações obtidas em fontes primárias dos séculos XVIII (correspondências oficiais) e XIX (notícias de jornal), em trabalhos de campo e levantamento bibliográfico. O eixo de análise central se baseia em momentos históricos que remetem à ocupação de regiões com relevantes recursos minerais ou episódios de migração motivados pela descoberta de ouro ou diamante. Em Mato Grosso, os primeiros núcleos de ocupação foram iniciados e mantidos por causa da mineração e garantiram a expansão do território brasileiro a oeste, em uma dinâmica de “corridas” por ouro e diamantes, que ainda se repete atualmente.

https://doi.org/10.20396/td.v18i00.8670731
PDF

Referências

Abreu, C. (2009). Capítulos da história colonial [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social. 195p. URL: https://books.scielo.org/id/kp484. Acesso 10.10.2022.

Almeida, F. F. M. (1984). Província Tocantins. Setor sudoeste. In: Almeida, F.F.M., Hasui, Y. (Eds.). 1984. O Pré-Cambriano do Brasil. São Paulo: Ed. Edgard Blücher. p. 265-281.

Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). (s.d.). Manual de Aplicação da Marca ALMT. Cuiabá: ALMT. URL: https://www.al.mt.gov.br/storage/webdisco/publicacao/1453914585.pdf. Acesso 10.10.2022.

Agência Nacional de Mineração. (ANM). (2021). Maiores arrecadadores CFEM, 2021. Brasília: Ministério de Minas e Energia. URL: https://sistemas.anm.gov.br/arrecadacao/extra/relatorios/cfem/maiores_arrecadadores.aspx. Acesso 10.10.2022.

Assis, E. (1994). Mapas de habitantes de Mato Grosso, 1768-1872, guia de pesquisa. (Dissertação Mestrado). São Paulo: Departamento de História, Universidade de São Paulo. URL: https://caph.fflch.usp.br/node/12764. Acesso Acesso 10.10.2022.

Barrozo, J. C. (2007). Em busca da pedra que brilha como estrela: garimpos e garimpeiros do Alto do Paraguai-Diamantino. Cuiabá: Ed. UFMT. 256p.

Barrozo, J. C. A. (2015). Descoberta e exploração do diamante em Mato Grosso: riqueza e pobreza. In: Santos, J. C., Neto, J. V. (Orgs.). 2015. A história na fronteira. Garimpos em Mato Grosso na segunda metade do século XX. Cuiabá: Ed. UFMT, 2015. p. 19-46.

Biondi, J. C., Santos, R. V., & Cury, L. F. (2013). The Paleoproterozoic Aripuanã Zn-Pb-Ag (Au, Cu) Volcanogenic Massive Sulfide Deposit, Mato Grosso, Brazil: Geology, Geochemistry of Alteration, Carbon and Oxygen Isotope Modeling, and Implications for Genesis. Economic Geology, 108, 781-811. doi: 10.2113/econgeo.108.4.781

Caminha, P. V. A. (1500). Carta de Pero Vaz de Caminha. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional. URL: http://objdigital.bn.br/Acervo_Digital/Livros_eletronicos/carta.pdf. Acesso 10.10.2022.

Carvalho, J. (2021). Operação integrada desativa garimpos ilegais em Aripuanã. Secretaria de Estado do Meio Ambiente de Mato Grosso (Sema-MT). Cuiabá: Sema-MT. URL: http://www.mt.gov.br/-/16291663-operacao-integrada-desativa-garimpos-ilegais-em-aripuana. Acesso 10.10.2022.

Chaves, O. T. (2014). América portuguesa: do Tratado de Madri ao Tratado de Santo Ildefonso. Revista Territórios & Fronteiras, 7, 218-234. doi: 10.22228/rt-f.v7i2.352

Corrêa, V. (1968). Mato-Grosso (Como surgiu, como evolveu). Revista de História, 37(75), 213-220.

Corrêa, A. F. (2018). Garimpo ilegal em Aripuanã é destaque no Domingo Espetacular. Assista. Cuiabá: Gazeta Digital. URL: https://www.gazetadigital.com.br/editorias/cidades/garimpo-ilegal-em-aripuana-e-destaque-no-domingo-espetacular-assista/555948. Acesso 10.10.2022.

Costa, M. F. (1999). História de um país inexistente: o Pantanal entre os séculos XVI e XVIII. São Paulo: Estação Liberdade. 278p.

Costa, A. C. D., Nascimento, M. A. L., Silva, C. H., & Migliorini, R. B. (2021a). Three hundred years of geodiversity in the Historic Center of the Gold City, Cuiabá, Brazil. Journal of the Geological Survey of Brazil, 4(SI1), 29-36. doi: 10.29396/jgsb.2021.v4.SI1.10

Costa, A. C. D., Nascimento, M. A. L., Silva, C. H. (2021b). Roteiro Geoturístico pelos edifícios históricos do centro de Cuiabá (MT). In: Del Lama, E. A. (org.). (2021). Patrimônio em pedra. São Paulo: Instituto de Geociências-USP, CAPES, CNPq, FAPESP. p. 212-224.

CPRM/SGB. Serviço Geológico do Brasil. (s.d.). GeoSGB: Dados, informações e produtos do Serviço Geológico do Brasil. Brasília: CPRM. URL: https://geosgb.cprm.gov.br/. Acesso 10.10.2022.

Eschwege, W. L. (2011). Pluto brasiliensis. Brasília: Senado Federal. 722p. (Edições do Senado Federal, v. 140).

Esselin, P. M. A. A escravização indígena e o processo de ocupação territorial de Mato Grosso. (2019). Estudios Históricos, CDHRPyB, 21, 1-19.

Field, M., Stiefenhofer, J., Robey, J., & Kurszlaukis, S. (2008). Kimberlite-hosted diamond deposits of southern Africa: a review. Ore Geology Reviews, 34, 33-75. doi: 0.1016/j.oregeorev.2007.11.002.

Figueiredo, B. R. (1984). Garimpo e mineração no Brasil. In: Rocha, G. A. (Org.). 1984. Em busca do ouro: garimpo e garimpeiros no Brasil. São Paulo: Editora Marco Zero. p. 11-34.

Florence, H. (1977). Viagem fluvial do Tietê ao Amazonas de 1825 a 1829. Trad. Visconde de Taunay. São Paulo: Editora Cultrix/Edusp. 327p.

Fundação Nacional do Índio (Funai). (s.d.). Geoprocessamento e Mapas. Brasília: Funai. URL: https://www.gov.br/funai/pt-br/atuacao/terras-indigenas/geoprocessamento-e-mapas. Acesso 10.10.2022.

Garcia, P. M. P., Guedes, M. E. P. A., Pereira, R. G. F. A., Rios, D. C., & Carvalho, W. P. (2021). Controvérsias na descoberta do cobre na Bahia e no Brasil: uma análise histórico-geológica. Anuário do Instituto de Geociências, 44, 41921. doi: 10.11137/1982-3908_2021_44_41921

Garcia, P. M. P., Weska, R. K., & Dantas, E. L. (2022). Sedimentology, geomorphology, structural controls, and detrital zircon ages of the Itiquira River diamond placer deposits, Mato Grosso, western Brazil. Journal of South American Earth Sciences, 114, 103712. doi: 10.1016/j.jsames.2022.103712

Hasui, Y. Compartimentação Geológica do Brasil. (2012). In: Hasui, Y., Carneiro, C. D. R., Almeida, F. F. M. de, Bartorelli, A. (Eds.). (2012). Geologia do Brasil. São Paulo: Editora Beca. p. 112-122.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. (2010). Censo 2010. URL: https://censo2010.ibge.gov.br/. Acesso 10.10.2022.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE. (2017). Retratos. A Revista do IBGE, (6), dez. 2017. URL: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/2929/rri_2017_n6_dez.pdf. Acesso 18.08.2019.

Janse, A.J.A. (2007). Global Rough Diamond Production since 1870. Gems & Gemology, 43, 98-119.

Jesus, N. M. (2012). A Capitania de Mato Grosso: história, historiografia e fontes. Revista Territórios & Fronteiras, 5(2), 93-113. doi: 10.22228/rt-f.v5i2.168

Jesus, N. M. (2018). Bandeiras e bandeirantes nas Minas do Cuiabá: pacto político, apaziguamento e conflitos (1719-1727). In: Roiz, D. S., Arakaki, S., & Zimmermann, T. R. (Orgs.). (2018). Os Bandeirantes e a Historiografia brasileira: questões e debates contemporâneos. Serra: Editora Milfontes. p. 13-32.

Kaminsky, F.V. (2017). Non-kimberlitic diamondiferous igneous rocks: 25 Years on. Journal of the Geological Society of India, 69, 577-675.

Klein, C., & Ladeira, E. A. (2004). Geochemistry and mineralogy of Neoproterozoic banded-iron formations and some selected, siliceous manganese formations from the Urucum District, Mato Grosso do Sul, Brazil. Economic Geology¸ 99, 1233-1244. doi: 10.2113/gsecongeo.99.6.1233

Lacerda-Filho, J.V., Abreu-Filho, W., Valente, C. R., Oliveira, C. C., & Albuquerque, M. C. (2004). Geologia e Recursos Minerais do Estado de Mato Grosso. Goiânia: CPRM (Serviço Geológico do Brasil). 200p.

Lacerda-Filho, J.V., Brito, R. S. C., Silva, M. G., Oliveira, C. C., Moreton, L. C., Martins, E. G., Lopes, R. C., Lima, T. M., Larizzatti, J. H., & Valente, C. R. (2006). Geologia e Recursos Minerais do Estado de Mato Grosso do Sul. Campo Grande: CPRM (Serviço Geológico do Brasil). 121p.

Lima, A. N. (2010). Caminhos da integração, fronteiras da política: a formação das províncias de Goiás e Mato Grosso. (Dissertação Mestrado). São Paulo: Departamento de História, Universidade de São Paulo. URL: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-20062011-143559/en.php. Acesso 10.10.2022.

Lima, A. N. (2016). Rusga: participação política, debate público e mobilizações armadas na periferia do Império (Província de Mato Grosso, 1821-1834). (Tese Doutorado). São Paulo: Departamento de História, Universidade de São Paulo. URL: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-04102016-130459/pt-br.php. Acesso 10.10.2022.

Machado, I. F., & Figueirôa, S. (2021). História da Mineração Brasileira. Curitiba: CRV. 732p.

Malavota, L. M., & Martins, M. S. N. (2021). A Exposição Universal de Viena de 1873 e o Congresso Internacional sobre Patentes. Revista Brasileira de História da Ciência, 14, 22-35. doi: 10.53727/rbhc.v14i1.466

Maltez, J. A. (2009). Estrutura do Governo. História portuguesa. Última revisão em: 20-01-2009. URL: http://maltez.info/respublica/topicos/aaletrag/governo.htm. Acesso 10.10.2022.

Marx, K. (2013). O Capital: crítica da econômica política. Livro I. O processo de produção do capital. Trad. Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo.

Miranda, J. G. (1997). A produção de ouro do Estado de Mato Grosso. (Dissertação Mestrado). Campinas: Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. URL: http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/114591. Acesso 10.10.2022.

Monteiro, S. T. et al. (2006). Plano diretor urbano de Pontes e Lacerda. Pontes e Lacerda: Poder Executivo Municipal. 59p.

Nannini, F., Cabral-Neto, I., Silveira, F. V., Cunha, L. M., Oliveira, R. G., & Weska, R.K. (2017). Projeto Diamante Brasil. Áreas Kimberlíticas e Diamantíferas do Estado do Mato Grosso. Brasília: CPRM (Serviço Geológico do Brasil). 42p.

Pacheco-Neto, M. (2015). A escravização indígena e o bandeirante no Brasil colonial: conflitos, apresamentos e mitos. Dourados: Ed. UFGD. 176p.

Pinto, V. N. (1975). Balanço das transformações econômicas no século XIX. In: Mota, C. G. (Org.). 1975. Brasil em Perspectiva. 6ª ed. São Paulo: Difel.

Pinto, A. C. (2010). Mineradora cede direito de minerar a garimpeiros de Pontes e Lacerda. Diário de Cuiabá, 7 nov. 2010. URL: http://www.diariodecuiaba.com.br/arquivo/191197/cidades2.htm. Acesso 10.10.2022.

Potter, H., Andrade, E. G. (2020). Levantamento mostra avanço da mineração em terras indígenas. DW – Natureza e Meio Ambiente | Brasil, 26 nov. 2020. URL: https://www.dw.com/pt-br/levantamento-mostra-avan%C3%A7o-da-minera%C3%A7%C3%A3o-em-terras-ind%C3%ADgenas/a-55713592. Acesso 10.10.2022.

Prado-Júnior, C. (1961). Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia. 6 ed. Brasília: Ed. Brasiliense. 464p.

Prefeitura de Cuiabá. Símbolos. URL: https://www.cuiaba.mt.gov.br/simbolos/simbolos/7958. Acesso 10.10.2022.

Presotti, T. M. B. (ANO???). Na trilha das águas. Índios e Natureza na conquista colonial do centro América do Sul: Sertões e Minas do Cuiabá e Mato Grosso (Século XVIII). (Tese Doutorado). Brasília: Departamento de História, Universidade de Brasília. URL: https://repositorio.unb.br/handle/10482/6380. Acesso 10.10.2022.

Ramos, J. R. A. (2000). Mineração no Brasil Pós-Colônia. In: Lins, F. A. F., Loureiro, F. E. V. L., & Albuquerque, G. A. S. C. (Orgs). (2000). Brasil 500 anos. A construção do Brasil e da América Latina: histórico, atualidade e perspectivas. Rio de Janeiro: CTEM/MCT. p. 55-60.

Ribeiro, D. (2015). O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3 ed. São Paulo: Global. 368p.

Romancini, S. R. (2005). Paisagem e simbolismo no Arraial pioneiro são Gonçalo em Cuiabá/MT. Espaço e Cultura, 19-20, 81-87. doi: 10.12957/espacoecultura.2005.3494.

Rosa, C. A., & Jesus, N. M. (2003). A terra da conquista: história de Mato Grosso colonial. Cuiabá: Ed. Adriana. 231p.

Rosa, J. H. (2008). Entre alagados e penhascos: o ouro da liberdade nas resistências quilombolas do século do século XVIII na Capitania de Mato Grosso. Região Mineradora Guaporeana. (Dissertação Mestrado). São Paulo: Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo. URL: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/71/71131/tde-16042009-113806/pt-br.php. Acesso 10.10.2022.

Sá, J. B. (1975). Relação das Povoações de Cuiabá e Mato Grosso de seus Princípio até os Presentes Tempos. Cuiabá: Edições UFMT.

Salomão, E. P. (1984). O ofício e a condição de garimpar. In: Rocha, G. A. (Org.). 1984. Em busca do ouro: garimpo e garimpeiros no Brasil. São Paulo: Editora Marco Zero, p. 33-86.

Santos, M. (2007). O dinheiro e o território. In: Santos, M., Becker, B. K. (Eds). 2007. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3ª edição. Rio de Janeiro: Lamparina editora. p. 13-21.

Santos, J. C., Neto, V. J. (2015). A fronteira Noroeste: entre colonos e garimpeiros de Juína. In: Santos, J. C., Neto, J. V. (Orgs.). 2015. A história na fronteira. Garimpos em Mato Grosso na segunda metade do século XX. Cuiabá: Ed. UFMT. p. 47-72.

Santos, R. L. (2018). Cartografia gemorfológica retrospectiva do sítio urbano de Cuiabá (MT). (Tese Doutorado). São Paulo: Departamento de Geografia, Universidade de São Paulo. URL: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-17052019-130122/pt-br.php. Acesso 10.10.2022.

Selvaggi, J. B. (1954). Diamantino no século XVIII. São Paulo, Ásia, XII(16), 43-48.

Setúbal, P. (1956). O ouro de Cuiabá. 5 ed. São Paulo: Saraiva. 227p.

Silva, C. H., Simões, L. S. A., & Ruiz, A. S. (2002). Caracterização estrutural dos veios de quartzo auríferos da região de Cuiabá (MT). Revista Brasileira de Geociências, 32, 407-418.

Silva, M. F., Santos, D. R. V., & Souza, J. O. (2018). Geologia e Recursos Minerais das Folhas Novas Xavantina SD.22-Y-B-IV e Placa Nativa SD.22-Y.A.VI. Goiânia: Serviço Geológico do Brasil (CPRM).

Siqueira, E. M. (2009). História de Mato Grosso: Seleção de conteúdo para concurso público do Governo de Mato Grosso. Cuiabá: Entrelinhas.

Siqueira, D. (2019). Casos de homicídio em Aripuanã aumenta 367% após auge do garimpo ilegal. Sesp-MT, 10 out. 2019. URL: http://www.sesp.mt.gov.br/-/13048716-casos-de-homicidios-em-aripuana-aumentam-367-apos-auge-do-garimpo-ilegal. Acesso 10.10.2022.

Tappert, R., Stachel, T., Harris, J.W., Muehlenbachs, K., & Brey, G.P. (2006). Placer Diamonds from Brazil: Indicators of the Composition of the Earth’s Mantle and the Distance to Their Kimberlitic Sources. Economic Geology, 101, 453-470. doi: 10.2113/gsecongeo.101.2.453

Tomporoski, A. A., Bueno, E., Woitowicz, F. C. G., & Vargas, L. P. (2019). A constituição cidadã e a questão da mineração em terras indígenas. Revista Húmus, 9(26), 442-448.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.