Banner Portal
A formação do geólogo
PDF

Palavras-chave

Geoética
Currículo
Geologia urbana
História das ciências naturais

Como Citar

GANTUS-OLIVEIRA, Talita. A formação do geólogo: a necessidade de um currículo contemporâneo para uma ciência cidadã. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8675066. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8675066. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

Introdução. A disseminação do conhecimento geológico vem enfrentando desafios ao se integrar à sociedade, especialmente em contextos urbanos, onde a atuação do geólogo não é tão evidente. Acredita-se que isto se dá, entre outros fatores, por uma formação acadêmica ainda arraigada em pressupostos datados e do não envolvimento dos geólogos nos debates acerca das mudanças climáticas globais, principalmente no que tange os impactos socioambientais urbanos. Objetivo e Metodologia. Neste trabalho, busca-se fomentar reflexões teórico-epistemológicas para uma necessária renovação da própria Geologia como campo científico, de modo que possam ser incorporados conhecimentos que atendam às demandas contemporâneas mais emergentes, como aquelas que envolvem a Geologia Urbana e a Geoética. Resultados e Conclusão. A falta de comprometimento da comunidade geológica com os debates socioambientais emergentes se reflete em currículos acadêmicos que sofreram poucas atualizações desde a institucionalização da Geologia como ciência no Brasil, cujo contexto histórico do desenvolvimento científico demonstra uma ênfase em conhecimentos exploratórios extrativistas.

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8675066
PDF

Referências

Alkmim, F. F., & Menezes, M. G. D. (2008). O cinquentenário do curso de Geologia nos 131 anos da Escola de Minas de Ouro Preto. Boletim de Geociências da Petrobras, (16), 171-194. URL: degeo.ufop.br/sites/default/files/degeo/files/cinquentenariogeo.pdf?m=1537330500. Acesso 30.11.2023.

Aráoz, H. M. (2020). Mineração, genealogia do desastre: o extrativismo na América como origem da modernidade. São Paulo: Editora Elefante.

Benevolenza, M. A., & DeRigne, L. (2019). The impact of climate change and natural disasters on vulnerable populations: A systematic review of literature. Journal of Human Behavior in the Social Environment, 29(2), 266-281. doi: 10.1080/10911359.2018.1527739.

Brasil. Ministério da Educação. (1996). Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília (DF), Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 23 dez. 1996; Seção 1, p. 833-841.

Brilha, J. (2004). A Geologia, os Geólogos e o Manto da Invisibilidade. Comunicação e sociedade, 6, 257-265. doi: 10.17231/comsoc.6(2004).1238.

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M. de, & Almeida, F. F. M. D. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. doi: 10.25249/0375-7536.2004344553560.

Carneiro, C. D. R. C. (2014). O Fórum Nacional de Cursos de Geologia e as Diretrizes Curriculares Nacionais: histórico e perspectivas. Terræ Didatica, 10(3), 191-203. doi: 10.20396/td.v10i3.8637316.

Carvalho, E. T. de, & Prandini, F. L. (1998). Áreas Urbanas. In: Oliveira, A. M. dos S., Brito, S. N. A. de (Eds.). (1998). Geologia de Engenharia. São Paulo: ABGE, Associação Brasileira de Geologia de Engenharia, p. 487-498.

Dieb, D. A. A., Peschanski, J. A., & NeuroMat, C. E. P. I. D. (2017). Jornalismo Científico: Prática e Revisão de Literatura. In: XL Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação (Intercom). (Vol. 40).

Dunker, C. (2022). Estrangeiros em nossa própria morada. In: Secches, F. (Org.). (2022). Depois do fim: conversas sobre literatura e Antropoceno. São Paulo: Ed. Instante. p. 59-71.

Figueirôa, S. F. D. M., Silva, C. P. D., & Pataca, E. M. (2004). Aspectos mineralógicos das "Viagens Filosóficas" pelo território brasileiro na transição do século XVIII para o século XIX. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 11, 713-729. doi: 10.1590/S0104-59702004000300009.

Frodeman, R. (2010). O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Terræ Didatica, 6(2), 85-99. doi: 10.20396/td.v6i2.8637460.

Harvey, D. (2017). 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo Editorial.

Hirata, R., Suhogusoff, A. V., Marcellini, S. S., Villar, P. C., & Marcellini, L. (2019). A revolução silenciosa das águas subterrâneas no Brasil: uma análise da importância do recurso e os riscos pela falta de saneamento. São Paulo: Instituto Trata Brasil.

Imbernon, R. A. L., Castro, P. D. T. A., & Mansur, K. L. (2021). Geoethics in the Scenario of the Geological Society in Brazil. Geosciences, 11(11), 462. doi: 10.3390/geosciences11110462.

Gantus-Oliveira, T. (2023). Planejamento territorial urbano para gestão de riscos e resiliência a desastres: um estudo de caso em Santos, São Paulo. Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas. (Tese Dout. Geociências).

Lucchesi, S., & Giardino, M. (2012). The role of geoscientists in human progress. Annals of Geophysics, 55(3), 355-359. doi: h10.4401/ag-5535.

Nogueira, F. R. (2002). Gerenciamento de riscos ambientais associados a escorregamentos: contribuição às políticas públicas municipais para áreas de ocupação subnormal. Instituto de Geociências, Universidade do Estado de São Paulo. (Tese Dout. Geociências e Meio Ambiente). URL: hdl.handle.net/11449/102945. Acesso 30.11.2023.

Nogueira, F. R., & Moura, R. B. (2022). Gestão de riscos e desastres: um campo de conhecimento em contínua evolução e a geologia de engenharia e ambiental. Revista Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental, 73-79. URL: www.abge.org.br/downloads/5.pdf. Acesso 30.11.2023.

Orlandi, E. P. (2012). Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas: Pontes Editora.

Peppoloni, S., & Di Capua, G. (2012). Geoethics and geological culture: awareness, responsibility and challenges. Annals of Geophysics, 60, Fast Track 7. doi: 10.4401/ag-6099.

Peyerl, D. (2017). O petróleo no Brasil: exploração, capacitação técnica e ensino de geociências (1864-1968). São Paulo: Ed. UFABC.

Roncato, J., & Queiroga, G. (2007). Popularização e difusão da geologia: uma proposta de inclusão social e desenvolvimento econômico aplicado à região do monumento natural dos Pontões Capixabas. Geonomos, 15(2): 53-57. doi: 10.18285/geonomos.v15i2.98.

Secches, F. (2022). Depois do fim: conversas sobre literatura e Antropoceno. São Paulo: Ed. Instante.

Silva, C. P. D., Figueirôa, S. F. D. M., Newerla, V. B., & Mendes, M. I. P. (2008). Subsídios para o uso da história das ciências no ensino: exemplos extraídos das Geociências. Ciência & Educação (Bauru), 14, 497-517. doi: 10.1590/S1516-73132008000300009.

Svampa, M. (2020). As fronteiras do neoextrativismo na América Latina: conflitos socioambientais, giro ecoterritorial e novas dependências. São Paulo: Ed. Elefante.

United Nations International Strategy for Disaster Reduction (UNISDR) (2005). Hyogo framework for action 2005–2015: building the resilience of nations and communities to disasters. In: World Conference on Natural Disaster Reduction. United Nations: Koba, Japan.

Vogt, C., Cerqueira, N., & Kanashiro, M. (2008). Divulgação e cultura científica. ComCiência, (100). URL: comciencia.scielo.br/pdf/cci/n100/n100a01.pdf. Acesso 30.11.2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Talita Gantus-Oliveira

Downloads

Não há dados estatísticos.