Banner Portal
342 dias para aprender Ciências Naturais
PDF

Palavras-chave

Política curricular
Neurociência
Educação básica
Ensino de geociências
Ensino de ciências naturais

Como Citar

ESTEVES, Patricia Elisa do Couto Chipoletti; GONÇALVES, Pedro Wagner; SANTOS, Bárbara Lívia dos. 342 dias para aprender Ciências Naturais: uma pequena janela de oportunidade para estudantes de 6 a 14 anos. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e023036, 2023. DOI: 10.20396/td.v19i00.8675257. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8675257. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Introdução. Este artigo revisa trabalhos sobre a importância e o alcance formativo do ensino de Ciências e de Geociências na Educação Básica, com ênfase em estudos e pesquisas de Ensino de Ciências, Geociências e Neurociência. Objetivo. Apresentam-se as cargas horárias oficiais das disciplinas de Ciências e de Geografia, com a finalidade de ilustrar a distância entre a pesquisa e a legislação educacional. Metodologia. A metodologia é descritivo-argumentativa, reunindo uma literatura de base sobre Ensino de Ciências para crianças e jovens; aspectos do desenvolvimento infanto-juvenil e de aprendizagem na área de Neurociência, e a legislação educacional federal e do Estado de São Paulo sobre etapas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. Resultados. Ao revelar momentos chaves do desenvolvimento neurológico das crianças que favorecem o ensino e a aprendizagem de Ciências, os estudos mostram que as Ciências e as Geociências contribuem para formar raciocínios capazes de examinar o mundo e esclarecer as interações sociedade e natureza. Entretanto, as políticas curriculares oficiais, desde 2016, tendem a estreitar o escopo do currículo da Educação Básica. Conclusão. identifica-se uma clivagem, uma espécie de dissonância, entre as políticas curriculares oficiais e a literatura, gerando um enorme prejuízo à formação das crianças.

 

https://doi.org/10.20396/td.v19i00.8675257
PDF

Referências

Arce, A., Silva, D. A. S. M., & Varotto, M. (2011). Ensinando ciências na educação infantil. Campinas: Alínea. 133p.

Barbosa, R., & Carneiro, C. D. R. (2023). Meandros da redação geocientífica, do esboço ao artigo publicado. Terræ Didatica, 19, 1-15, doi: 10.20396/td.v19i00.8673312.

Bhutta, Z. A. Ahmed, T., Black, R. E., Cousens, S., Dewey, K., Giugliani, E., Haider, B. A., … & Shekar, M. (2008). What works? Interventions for maternal and child undernutrition and survival. Lancet, 371(9610), 417-440. doi: 10.1016/S0140-6736(07)61693-6.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: PR / Casa Civil. URL: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso 24.07.2023.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. URL: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#introducao#os-marcos-legais-que-embasam-a-bncc. Acesso 24.07.2023.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. (2013). Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília: PR / Casa Civil. URL: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso 24.07.2023.

Buonomano, D. V., & Merzenich, M. M. (1998). Cortical plasticity: from synapses to maps. Annual review of neuroscience, 21, 149-186. doi: 10.1146/annurev.neuro.21.1.149.

Cervato, C., & Frodeman, R. (2014). A importância do tempo geológico: desdobramentos culturais, educacionais e econômicos. Terræ Didatica, 10(1), 67-79. doi: 10.20396/td.v10i1.8637389.

Chipoletti-Esteves, P. E. C. (2015). O ensino de ciências naturais no curso de pedagogia: dilemas que emergem de Estudos de Caso. Campinas: Universidade Estadual de Campinas. 155f. (Tese Dout. Ensino de Ciências e Matemática). doi: 10.47749/T/UNICAMP.2015.965206.

Chipoletti-Esteves, P. E. C. (2020). Perspectivas de ensino e aprendizagem em ciências da natureza em cursos de Pedagogia: relatos de alunos, professores e coordenadores. In: Neto, J. M. & Viveiro, A. A. Ensino de ciências para crianças: fundamentos, práticas e formação de professores. Itapetininga: Edições Hipótese, Cap. 7, 99-112. 117p. URL: https://mundodabeck.com.br/wp-content/uploads/2021/03/Livro_ECparaCriancas_Viveiro_MegidNeto_2020.pdf.

Coelho, J. C., & Marques, C. A. (2007). Contribuições freireanas para a contextualização no ensino de química. Belo Horizonte: Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, (9): 1-17. doi: 10.1590/1983-21172007090105.

Costa, A., Silva, P. O. da, & Jacóbsen, R. (2019). Plasticidade cerebral: conceito(s), contribuições ao avanço científico e estudos brasileiros na área de Letras. Entrepalavras, 9(3), 457-476. doi: 10.22168/2237-6321-31445.

Costa, R. L. S. (2023). Neurociência e aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, 28, e280010. 10.1590/S1413-24782023280010.

Cunha, A. J. L. A., Leite, Á. J. M., & Almeida, I. S. (2015). Atuação do pediatra nos primeiros mil dias da criança: a busca pela nutrição e desenvolvimento saudáveis. Jornal de Pediatria, 91(6), S44-S51. doi: https://doi.org/10.1016/j.jped.2015.07.002.

Cusick, S. E., & Georgieff, M. K. (2016). The Role of Nutrition in Brain Development: The Golden Opportunity of the "First 1000 Days". The Journal of pediatrics, 175, 16-21. https://doi.org/10.1016/j.jpeds.2016.05.013.

Delizoicov, D. (1991). Conhecimento, tensões e transições. 1991. 219f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1991.

Desmond, P. K. & Mindo, J. N. (2022). Neurodesenvolvimento e função e disfunção executivas. In: Kliegman, R. M., ST Geme, J. W., Blum, N. J., Shah, S. S., Tasker, R. C. & Wilson, K. M. (2022). Nelson Tratado de Pediatria. 21 ed. Rio de Janeiro: GEN/Guanabara Koogan, 1(4), Cap. 48, 275-284. 2036p.

Earley, J. E. (2013). A new ‘Idea of Nature’ for chemical education. Science and Education, 22(7), 1775-1786. doi: 10.1007/s11191-012-9525-x.

Faria, J. A. & Reis, M. L. (2023). Educação integral no Estado de São Paulo: conceitos e modelos. Revista Contemporânea de Educação, 18(41), 290-304. doi: 10.20500/rce.v18i41.54940.

Feigelman, S. (2022). Teorias do desenvolvimento e do comportamento. In: Kliegman, R. M., ST Geme, J. W., Blum, N. J., Shah, S. S., Tasker, R. C. & Wilson, K. M. (2022). Nelson Tratado de Pediatria (21 ed.). Rio de Janeiro: GEN/Guanabara Koogan, 1(2), cap. 18, 127-133. 2036p.

Forgiarini, M. S., & Auler, D. (2009). A abordagem de temas polêmicos na educação de jovens e adultos: o caso do “florestamento” no Rio Grande do Sul. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 8(2).

Freire, P. & Shor, I. (2011). Medo e ousadia: o cotidiano do professor. 13 ed. São Paulo: Paz e Terra. 309p.

Frodeman, R. L. (2010). O raciocínio geológico: a geologia como uma ciência interpretativa e histórica. Trad. L. M. Fantinel & E. V. D. Santos. Terræ Didatica, 6(2), 85-99. doi: 10.20396/td.v6i2.8637460.

Fumagalli, L. (1998). O ensino das ciências naturais no nível fundamental da educação formal: argumentos a seu favor. In: Weissmann, H. (Org.). Didática das Ciências Naturais. Porto Alegre, RS: Artmed. (Cap. 1).

Gazzaniga, M. S., Ivry, R. B., & Mangun, G. R. (2006). Neurociência cognitiva: a biologia da mente. 2 ed. Porto Alegre: Artmed. 768p.

Gil, A. C. (2019). Métodos e técnicas de pesquisa social. 7 ed. São Paulo: Atlas. 248p.

Goswami, U. (2004). Neuroscience and education. British Journal of Educational Psychology, 74(1), 1-14. doi: 10.1348/000709904322848798.

Hruby, G. G., Goswami, U., Frederiksen, C. H., & Perfetti, C. A. (2011). Neuroscience and Reading: A Review for Reading Education Researchers. Reading Research Quarterly, 46(2), 156-172. doi: https://doi.org/10.1598/RRQ.46.2.4.

http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/RESOLU%C3%87%C3%83O%20SEDUC%20N%C2%BA%20107%20DE%2028-10-2021%202.PDF?Time=24/07/2023%2015:20:31. Acesso 24.07.2023.

King, C. (2008). Geoscience education: an overview. Studies in Science Education, 44(2), 187-222. doi: https://doi.org/10.1080/03057260802264289.

Lacreu, H. L. (2009). Importancia para el Mejoramiento de la Enseñanza de Ciencias de la Tierra para el Nível Básico..., y las Dificultades para Lograrlo. In: II Simpósio de Pesquisa em Ensino e História de Ciências da Terra e IV Simpósio Nacional O Ensino de Geologia no Brasil, 2009. São Paulo, SP: Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, USP: 1 a 5 de nov. de 2009, p. 753-761.

Lent, R. (2010). Cem bilhões de neurônios? Conceitos fundamentais de neurociências. 2 ed. São Paulo: Atheneu. 786p.

Matthews, M. R. (1994). Science teaching: the role of history and philosophy of science. New York: Routledge. 287p.

Mourão-Júnior, C. A., Oliveira, A. O., & Faria, E. L. B. (2017). Neurociência cognitiva e desenvolvimento humano. Temas em Educação e Saúde, 7. URL: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/9552. Acesso 25.07.2023.

Nogueira-de-Almeida, C. A., Ribas Filho, D., Weffort, V. R. S., Ued, F. V., Nogueira-de-Almeida, C. C. J., Nogueira, F. B., Steiner, M. L., & Fisberg, M. (2022). Primeiros 2.200 dias de vida como janela de oportunidade de atuação multidisciplinar relativa à origem desenvolvimentista de saúde e doença: posicionamento da Associação Brasileira de Nutrologia. International Journal of Nutrology, 15(3). doi: 10.54448/ijn22303.

Organisation for Economic Co-operation and Development (O.E.C.D) (2007). Understanding the Brain: The Birth of a Learning Science. Paris: OECD Publ. 264p. doi: https://doi.org/10.1787/9789264029132-en.

Orion, N. (2009). Learning Progression of System Thinking Skills from K-12 in Context of Earth Systems. In: II Simpósio de Pesquisa em Ensino e História de Ciências da Terra e IV Simpósio Nacional O Ensino de Geologia no Brasil, 2009. São Paulo, SP: Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, USP: 1 a 5 de nov. de 2009, 722-741.

Pereira Júnior, A. (2001). Breve histórico da neurociência cognitiva. In: Gonzalez, M. E. Q., Del-Masso, M. C. S., & Piqueira, J. R. C. (org.). Encontro com as Ciências Cognitivas, 3. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica. 37-46. doi: https://doi.org/10.54448/ijn22303.

Sá, A. L. de, Narciso, A. L. C., & Fumiã, H. F. (2020). Neurociência cognitiva e educação: análise sobre a prevalência de neuromitos entre os docentes de Matemática e das demais áreas do conhecimento atuantes na SRE de Carangola-MG. Educação, 45(1) e 58, 1-25. doi: https://doi.org/10.5902/1984644436426.

São Paulo. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Coordenadoria Pedagógica (Coped/Seduc). União dos Dirigentes Municipais de Educação do Estado de São Paulo (Undime). (2019). Currículo Paulista. Etapas da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. São Paulo: Seduc. 400p. URL: https://efape.educacao.sp.gov.br/curriculopaulista/wp-content/uploads/2023/02/Curriculo_Paulista-etapas-Educa%C3%A7%C3%A3o-Infantil-e-Ensino-Fundamental-ISBN.pdf. Acesso 24.07.2023.

São Paulo. (2021). Resolução SEDUC 107, de 28 de outubro de 2021. Estabelece as diretrizes para organização curricular dos anos iniciais e finais do Ensino Fundamental da Rede Estadual de Ensino de São Paulo e dá providências correlatas. São Paulo: Seduc. URL: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/RESOLU%C3%87%C3%83O%20SEDUC%20N%C2%BA%20107%20DE%2028-10-2021%202.PDF?Time=24/07/2023%2015:20:31. Acesso 24.07.2023.

São Paulo. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2022). Dados abertos da Educação. Adesão de escolas ao Programa de Ensino Integral (PEI). São Paulo: Seduc. URL: https://dados.educacao.sp.gov.br/dataset/programa-de-ensino-integral-pei. Acesso 24.08.2023.

São Paulo. Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. (2023). Programa Ensino Integral (PEI) em Expansão. São Paulo: Seduc. URL: https://www.educacao.sp.gov.br/educacao-de-sp-anuncia-261-novas-escolas-de-tempo-integral-e-entrega-de-onibus-aos-estudantes/. Acesso 20.08.2023.

Simis, M. (2019). Plasticidade neuronal e neuromodulação. In: Gagliardi, R. J. & Takayanagui, O. M. (2019). Tratado de Neurologia da Academia Brasileira de Neurologia. 2 ed. Rio de Janeiro: GEN/Guanabara Koogan. Cap. 148, 1000-1002. 1184p.

Tedesco, J. C. (2012). Educación y Justicia Social en América Latina. Buenos Aires, Argentina: Fondo de Cultura Económica, Universidad Nacional de San Martín. 268p.

Torres, J. R., Moraes, E. C. & Delizoicov, D. (2008). Articulações entre a investigação temática e a abordagem relacional: uma concepção crítica das relações sociedade-natureza no currículo de ciências. Alexandria Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 1(3), 55-77.

United Nations Children’s Fund (Unicef), World Health Organization (WHO), International Bank for Reconstruction and Development/The World Bank. (2023). Levels and trends in child malnutrition: UNICEF / WHO / World Bank Group Joint Child Malnutrition Estimates: Key findings of the 2023 edition. New York: UNICEF and WHO; 2023. CC BY-NC-SA 3.0 IGO. URL: https://data.unicef.org/wp-content/uploads/2023/05/JME-2023-Levels-and-trends-in-child-malnutrition.pdf. Acesso 27.12.2023.

Victora, C. G., Adair, L., Fall, C., Hallal, P. C., Martorelli, R., & Sachdev, H. S. (2008). Maternal and child undernutrition: consequences for adult health and human capital. Lancet, 371 (9609), 340-357. (Maternal and Child Undernutrition Study Group). doi: 10.1016/S0140-6736(07)61692-4.

Yawson, A., Amoaful, E., Senaya, L., Yawson, A. O., Aboagye, P. K., Mahama, A. B., Selenje, L., & Ngongalah, V. (2017). The lancet series nutritional interventions in Ghana: a determinants analysis approach to inform nutrition strategic planning. BMC Nutr., 3(27), 1-8. doi: 10.1186/s40795-017-0147-1.

Zelalem, H., Demilew, Y. M., Dagne, S., & Dessie, A. M. (2023). Prevalence of under-nutrition and its associated factors among 6-23 months old children of employed and unemployed mothers in town kebeles of Dera district, northwest Ethiopia: a comparative cross-sectional study. BMC Nutr., 9(59), 1-10. doi: 10.1186/s40795-023-00713-0.

Zoller, U., & Scholz, R. W. (2004). The HOCS Paradigm Shift from Disciplinary Knowledge (LOCS) – to interdisciplinary evaluative, system thinking (HOCS): what should it take in science-technology-environment-society oriented courses, curricula and assessment? Londres: Water, Science and Technology, 49(8), 27-36. URL: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15193091/. Acesso 24.12.2023.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Patricia Elisa do Couto Chipoletti Esteves, Pedro Wagner Gonçalves, Bárbara Lívia dos Santos

Downloads

Não há dados estatísticos.