Brincar aprendendo ou aprender brincando? O inglês na infância

  • Vera Lucia Lopes Cristovão Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Ensino. Formação de professores. Língua inglesa para crianças. Construção identitária. Gêneros de texto e de atividade

Resumo

A fim de contribuirmos para um debate significativo sobre o ensino de língua inglesa para crianças, temos como objetivo levantar questões a respeito desse ensino por meio da discussão do papel da língua inglesa na construção identitária de crianças e de proposições relativas à inclusão digital, à formação de professores ao uso de gêneros textuais e de atividade. Para fundamentar nossa proposta, apresentamos alguns conceitos relevantes: linguagem e identidade; o status da língua inglesa na sociedade brasileira contemporânea e as implicações para o ensino; a formação docente, gêneros de texto e gêneros de atividade. No trabalho, priorizamos a formação de professores de inglês para crianças.

ABSTRACT:

This paper aims at contributing to a significant debate about English language teaching for children. Our objective is to raise issues regarding the teaching of English in childhood by discussing the role of English in the construction of children’s identities as well as statements related to digital inclusion, teacher education and the use of text and activity genres. To ground our proposal, we present some relevant concepts in order to situate our assumptions: language and identity; teacher education and text and activity genres.

Keywords: teaching; teacher education; English language for children; identity construction; text and activity genres

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lucia Lopes Cristovão, Universidade Estadual de Londrina
Professora associada da Universidade Estadual de Londrina (UEL), membro do Programa de Pós Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL-UEL) e líder do grupo de pesquisa Linguagem e Educação (desde 2002). Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual de Londrina (1988), mestrado (1996) e doutorado (2002) em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação da PUC-SP. Recebeu bolsa-sanduíche CAPES para realização de parte de sua pesquisa de doutorado na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Genebra em 1999/2000. Tem estágio de Pós-Doutorado (2007-2008) no Programa de Pós-Graduação da PUC-SP e do PPG em Estudos Linguísticos da UFMG em 2012.

Referências

ACAR, A. (2007). Standards and Competence in English as an International Language Pedagogy. Asian EFL Journal, vol. 9, no. 4: Conference Proceedings. 2007, p. 39-53.

BEATO, Z. (2004). Identidades e suas Impossibilidades. In: Trabalhos em lingüística aplicada, Campinas, (43): p. 159-170, Jan./Jun.

BOHN, H. (2000). Os aspectos ‘políticos’ de uma política de ensino de línguas e literaturas estrangeiras.

Linguagem e Ensino. Pelotas, v.3, n.1, 2000, p.117-138.

BRASIL. (1998). Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF.

_______. (2002). Resolução CNE/CP1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Conselho Nacional de Educação, Brasília, 18 fev.

BRONCKART, J.P. (1999). Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sóciodiscursivo.

São Paulo: EDUC.

_______. (2006). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado das Letras.

_______. (2008a). O Agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores.

Campina: Mercado de Letras. (Série idéias sobre a linguagem).

BRUMFIT, C.; MOON, J.; TONGUE, R. (1991). Teaching English to Children: from Practice to Principle.London: Collins ELT.

CANAGARAJAH, A. S. (1999). Resisting linguistic imperialism in English teaching. Oxford University Press.

CORDEIRO, G. S. (2009). Ensino da linguagem oral na educação infantil: o lugar dos gêneros textuais formais. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS, 5, 2009, Caxias do Sul. Anais: Caxias do Sul.

CRAWFORD, J.C. (2005). English as a lingua franca: Implications for the teacher education programs.

In: 22nd International Conference on English Teaching and Learning in the Republic of China.

June 2005, National Taiwan Normal University, Taipei, Taiwan.

CRISTOVÃO, V.L.L. (2008). Interacionismo sociodiscursivo (ISD): Quadro teórico-metodológico para estudos da linguagem. In: CRISTOVÃO, V. L. L.(org.) Estudos da Linguagem à luz do interacionismo sociodiscursivo. Londrina: UEL.

DEWEY. M. (2007). English as a lingua franca and globalization: an interconnected perspective.

International Journal of Applied Linguistics. v. 17, n.3. p. 332-354.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. (2004). Seqüências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: ROXO, R.; CORDEIRO, G. S. Campinas, Mercado de Letras.

pp. 95-128.

GIMENEZ, T. (2006). English in a new world language order. In: Loreni Machado; Vera Lúcia Lopes Cristovão; Viviane Bagio Furtoso. (Org.). Aspectos da linguagem: considerações teórico-práticas.

Londrina: Universidade Estadual de Londrina. p. 59-71.

GIMENEZ, T.; SERAFIM, J. S.; SALLES, M. R.; ALONSO, T. (2006). Referências recentes sobre língua inglesa, mídia e escola no contexto brasileiro. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 9, n. 1, p. 251-266, jan./jun.

GRADDOL, D. (2006). English Next. London: British Council.

HEBERLE, V. M; MEURER, J. L. (2001). In: FORTKAMP, M.B.M; XAVIER, R.P. (ed.). EFL teaching and learning in Brazil, theory & practice. Florianopolis: INSULAR.

MACHADO, A. R. (2009). Linguagem e Educação: o ensino e aprendizagem de gêneros textuais.

In:ABREU-TARDELLI, L. S. (Org.) ; CRISTOVÃO, V. L. L. (Org.) . 1a.. ed. Campinas: Mercado de Letras.

MATOS, F. C. G. (2004). CriAtividade no Ensino de Inglês - A resourcebook. São Paulo: Disal.

MIRANDA, A.V. (2003). Ensino de Inglês para Crianças: A Participação dos Alunos e Professora na Construção do Conhecimento. Dissertação (Mestrado em Lingüística Aplicada ao Ensino de Línguas) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico.

MORINO, E. C.; FARIA, R. B. (2007). Hello!1º. ano do Ensino Fundamental. São Paulo: Editora Ática.

MOTA, A. L. B. (2007). Criança e mídia: o acesso ao computador e seus reflexos nos saberes da criança de educação infantil. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal do Paraná, Setor de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. Disponível em: http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/handle/ 1884/12067?mode=full PAIVA, F. S. (2006). formação do professor da educação infantil e séries iniciais do ensino fundamental no Brasil: avanços ou recuos? Políticas educativas na América Latina: conseqüências sobre a formação e o trabalho docente. Seminário da Redestrado – Regulação Educacional e Trabalho Docente. VI , Rio de Janeiro. Anais…: Rio de Janeiro: UERJ,2006, p. 1-14.

PHILLIPS, S. (1993). Resource Books for Teachers: Young Learners. Oxford: Oxford University Press.

PIMENTA, S. G; LIMA, M. S. L. (2004). Estágio e Docência. São Paulo: Editora Cortez.

PIRES, S. S. (2004). Ensino de Inglês na Educação Infantil. In: SARMENTO, S; MÜLLER, V. (org.). O Ensino de Inglês como língua estrangeira: estudos e reflexões. Porto Alegre: APIRS. p. 19-42.

RAJAGOPALAN, K. (2003). A identidade lingüística em um mundo globalizado. In: Rajagopalan, K. Por uma lingüística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial. p.

-63.

RAMOS, S. G. M. (2007). A internet e suas contribuições ao ensino de inglês para crianças. In: TONELLI, J. R. A. e RAMOS, S. G. M. (org.). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições.

Londrina: Moriá. p. 61-75.

REZENDE L. (2005). O processo de alfabetização inserido em projetos de inclusão digital: uma análise crítica. In Proceedings CINFORM – Encontro Nacional de Ciência da Informação VI, Salvador.

Disponível em: http://www.cinform.ufba.br/vi_anais/docs/LauraRezende.pdf RICHARDS, J. (1998). Beyond training. Cambridge: Cambridge University Press.

ROCHA, C. H. (2007). O ensino de LE (inglês) para crianças do ensino fundamental público na transdisciplinaridade da lingüística aplicada. In: TONELLI, J. R. A. e RAMOS, S. G. M. (org.). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições. Londrina: Moriá. p. 1-34.

ROSSI, E. C. S. (2008). Valores de verdade sobre a formação e a identidade do professor. In: CRISTOVÃO, V. L. L.(org.) Estudos da Linguagem à luz do interacionismo sociodiscursivo. Londrina: UEL.

SANTOS, R. S. (2005). A inclusão digital requer novo pacto social entre governos e sociedade. Inclusão Social, vol. 1, n. 1. disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/index.php/inclusao/article/view/ 1/1 SLATTERY, M; WILLIS, J. (2001). English for Primary Teachers. Oxford: Oxford University Press.

TONELLI, J. R. A. e RAMOS, S. G. M. (org.). (2007). O ensino de LE para crianças: reflexões e contribuições. Londrina: Moriá.

UNESCO. www.unesco.org.br , ONU 2003.

VALE, D.; FEUNTEUN, A. (1995). Teaching Children English: A Training Course for Teachers of English to Children. Melbourne: Cambridge University Press.

VYGOTSKY, L. S. (1934) Pensamento e Linguagem. Trad. Jeferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

Publicado
2016-04-25
Como Citar
Cristovão, V. L. L. (2016). Brincar aprendendo ou aprender brincando? O inglês na infância. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 48(2), 229-245. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645224
Seção
Artigos