Banner Portal
Os tradutores da Casa do Arco do Cego e a ciência iluminista: a conciliação pelas palavras
Remoto

Palavras-chave

Tradução. Ciência iluminista. Retórica

Como Citar

HARDEN, A. R. de O. Os tradutores da Casa do Arco do Cego e a ciência iluminista: a conciliação pelas palavras. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 50, n. 2, p. 301–320, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645312. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

Entre 1799 e 1801, funcionou em Lisboa a Casa Literária do Arco do Cego. Voltada para a publicação de obras científicas e didáticas ligadas à aplicação das ciências naturais, a Arco do Cego foi dirigida pelo frei José Mariano da Conceição Veloso, naturalista brasileiro e tradutor incansável. Para realizar o objetivo de trazer o progresso para o reino português por meio da instrução, as atividades da Arco do Cego ocorreram dentro de um sistema de mecenato em que a coroa portuguesa arcava com as despesas dos projetos. Essas despesas incluíam aquelas referentes ao pagamento dos tradutores recrutados por Frei Veloso, como Manoel Jacinto Nogueira da Gama, matemático, filósofo naturalista e professor que traduziu obras nas áreas de matemática e engenharia. As traduções publicadas sob a supervisão de Veloso eram introduzidas por dedicatórias e prefácios de tom laudatório escritos pelos tradutores, que assim reconheciam seu débito com a monarquia e declaravam sua fidelidade à Coroa e às tradições portuguesas. O objetivo deste trabalho é mostrar que esses paratextos funcionaram como instrumentos para a aceitação dos princípios científicos iluministas, pois as ideias progressistas eram apresentadas aos leitores portugueses por discursos comprometidos com as tradições do antigo regime português e com a retórica escolástica.

Abstract

Between 1799 e 1801, the publishing house Casa Literaria do Arco do Cego was fully active in Lisbon and dedicated to publishing scientific and didactic works regarding the application of natural scientific knowledge. It was run by Friar José Mariano da Conceição Veloso, a Brazilian naturalist and tireless translator. To accomplish its aim of bringing progress to the Portuguese kingdom through instruction, Arco do Cego held its activities within a system of patronage in which the Portuguese crown would pay for all of its expenses, including the payment of the translators working for Veloso. One of these translators was Manoel Jacinto Nogueira da Gama, a mathematician, naturalist and lecturer who translated works in the areas of mathematics and engineering. The translations published under Veloso’s supervision were introduced by dedicatories and prefaces written in a laudatory tone by the translators, who through such paratexts acknowledged their debt to the Crown and declared their loyalty to the monarchical regime and traditions of the Portuguese society. In this paper, the aim is to show that the translators’ paratexts worked as tools for the acceptance of the enlightened scientific principles, because the progressive ideas were presented to the Portuguese readers by discourses written in accordance with the scholastic tradition.

Keywords: translation; enlightened science; rhetorics

Remoto

Referências

ABREU, M. (2003). Os Caminhos dos livros. Campinas: Mercado de Letras/Associação de Leitura do Brasil/FAPESP.

ARISTÓTELES (2011). Retórica. Trad. Edson Bini. São Paulo: EDIPRO.

CARVALHO, F. R. (2008). Um Iluminismo Português? A reforma da Universidade de Coimbra (1772). São Paulo: Anablume.

CARVALHO, J. M. (2000). História intelectual do Brasil: a retórica como chave de leitura. TOPOI _ Revista de História, v. 1, pp. 123-152. Disponível em

revistatopoi.org/ numeros_anteriores/topoi01.htm>. Acesso em 15 set. 2011.

CRONIN, M. (1996). Translating Ireland: translation, languages, cultures.Cork: Cork University Press.

CURTO, D. R. (1999). D. Rodrigo de Souza Coutinho e a Casa Literária do Arco do Cego’. In: Campos, M. F. Campos (org.), A Casa Literária do Arco do Cego: Bicentenário.

Lisboa: Biblioteca Nacional e Imprensa Nacional, Casa da Moeda, pp. 15-49.

DELISLE, J.; WOODSWORTH, J. (orgs.) (1995) Translators through history. Philadelphia: Jonh Benjamins/UNESCO.

DOMINGOS, M. D. (1999). Mecenato político e economia da edição nas oficinas do Arco do Cego’. In: Campos, F. M. G. (org.), A Casa Literária do Arco do Cego: Bicentenário.

Lisboa: Biblioteca Nacional e Imprensa Nacional, Casa da Moeda, pp. 91-106.

FARIA, M. F. (1999). Da facilidade e da ornamentação: a imagem nas edições do Arco do Cego. In: Campos, F. M. G. (org.), A Casa Literária do Arco do Cego: Bicentenário. Lisboa: Biblioteca Nacional e Imprensa Nacional, Casa da Moeda, pp. 107-137.

FERNANDES PINHEIRO, J. F. (1874). Memórias do Visconde de São Leopoldo: José Feliciano Pinheiro’. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. v 37, no 49 (Parte 2a ), pp. 5-69.

FRANK, H. T. (2007). Cultural encounters in translated children’s literature: images of Australia in French translation. Manchester: St. Jerome.

GENETTE, G. (1987). Paratextos editoriais. Trad. Álvaro Faleiros. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2009.

HERMANS, T. (1996). The Translator’s Voice in Translated Narratives. Target. v. 8, no .1, pp. 23-48.

LEME, M. O. R. P. (1999). Um breve itinerário editorial: do Arco do Cego à Impressão Régia’. In: Campos, M. F. (org.), A Casa Literária do Arco do Cego: Bicentenário. Lisboa: Biblioteca Nacional e Imprensa Nacional, Casa da Moeda, pp. 77-90.

MARTINO, A.; SAPATERRA, A. P. (2006). A censura no Brasil do século XVI ao século XIX. Estudos Lingüísticos, v. 15, pp. 234-243. Disponível em <http://www.usp.br/ proin/download/artigo/artigos_censura_brasil.pdf>. Acesso em: 20 set. 2011.

MAXWELL, K. (1995). Pombal, paradox of the Enlightenment. Cambridge: Cambridge University Press.

MILTON, J. (2002). O Clube do Livro e a tradução. Bauru: Editora da Universidade do Sagrado Coração.

MONTGOMERY, S. L. (2002). Science in translation: movements of knowledge through cultures and time. Chicago – London: University of Chicago Press.

NOGUEIRA DA GAMA, M. J. (1798). Discurso do Tradutor. In: Carnot, L., Reflexões sobre a metaphysica do calculo infinitesimal. Trad. Manoel Jacinto Nogueira da Gama. Lisboa: Off.

João Procopio Correia da Silva, pp. iii-xvi.

NOGUEIRA DA GAMA, M. J. (1800a). Dedicatória. In: Fabre, M. et al., Ensaio sobre a theoria das torrentes e rios. Trad. Manoel Jacinto Nogueira da Gama. Lisboa: Off. Patriarcal João Procopio Correia da Silva, s.p.

NOGUEIRA DA GAMA, M. J. (1800b). Prefação do Traductor. In: Fabre, M. et al., Ensaio sobre a theoria das torrentes e rios. Trad. Manoel Jaciento Nogueira da Gama. Lisboa: Off.

Patriarcal João Procopio Correia da Silva, s.p.

OLIVEIRA HARDEN, A. R. (2009). Brasileiro tradutor e/ou traidor: Frei José Mariano da Conceição Veloso. Cadernos de Tradução. v. 1, n. 23, pp.131-148. Disponível em: <http://www.periocos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/12203>. Acesso em: 19 set. 2011.

OLIVEIRA HARDEN, A. R. (2010). Manoel Jacinto Nogueira da Gama: ciência e tradução no final do século XVIII. Tradução em Revista. v. 1, pp. 1-19. Disponível em: .

Acesso em: 20 set. 2011.

OUTRAM, D. (1995). The Enlightenment. Cambridge: Cambridge University Press.

PORTER, R. (2001). The Enlightenment. 2nd ed. Basingstoke: Palgrave.

PORTUGAL (1801). Decreto de 7 de dezembro de 1801. In: Silva, A. D. (org.), Collecção da legislação portugueza desde a última compilação das ordenações. Lisboa: Typografia Maigrense, 1828. Disponível em <http://www.iuslusitaniae.fcsh.unl.pt>. Acesso em: 19 set.

PYM, A. (1998). Method in translation history.Manchester: St. Jerome.

PYM, A. (2004). The moving text: localization, translation, and distribution. Amsterdam: Benjamin RODRIGUES, C. C. (2009). Prefácios e notas de tradutores brasileiros dos anos 1930 a 1950. Tradução em Revista. v. 7, pp. 01-13. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.

ele.puc-rio.br/trad_em_revista.php?strSecao =input0. Acesso em: 02 Nov 2011.

RODRIGUES, C. C. (2010). O papel da tradução na pesquisa científica brasileira: primeiros movimentos. Tradução em revista. v. 8, pp. 1-13. Disponível em: http://www.maxwell.

lambda.ele.puc-rio.br/trad_em_revista.php?strSecao=input0. Acesso em: 02 Nov 2011.

TAHIR-GÜRÇAĞLAR, Ş. (2002). What texts don’t tell: the uses of paratexts in translation research’. In: Hermans, T. (ed.), Crosscultural transgressions: research models in translation studies II: historical and ideological issues. Manchester: St. Jerome, pp. 44-60.

UNIVERSIDADE DE COIMBRA (1772). Estatutos, Livro III - Dos cursos das sciencias naturaes, e filosoficas’. In: Universidade de Coimbra (1972), II Centenário da Reforma Pombalina – Estatutos da Universidade de Coimbra (1772). Coimbra: Imprensa da Universidade.

VELOSO, J. M. C. (1798). Dedicatória-Prefácio. In: Veloso, J. M.C. (ed.), O fazendeiro do Brazil: cultivador (etc.). Tomo I, Parte I (Da Cultura das Canas e da Factura do Assucar). Trad.

José Mariano da Conceição Veloso. Lisboa: Régia Officina Typographica., pp. 1-32.

VELOSO, José M. da C. (1800). Dedicatória-prefácio. In: Raieau, B., O fazendeiro do Brazil: cultivador (etc.). Tomo II. Tinturaria. Parte II. Cultura da indigoeira, e extracção da sua fecula.

Trad. José Mariano da Conceição Veloso. Lisboa: Off. Simão Thaddeo Ferreira, s.p.

VELOSO, J. M. C. (1806). Dedicatória-prefácio. In: Veloso, J. M. C. (ed. e trad.), O Fazendeiro do Brazil: cultivador (etc.). Tomo V. Filatura. Parte I. Trad. José Mariano da Conceição Veloso. Lisboa: Impressam Regia, s. p.

WEGNER, R. (2004). Livros do Arco do Cego no Brasil Colonial. História, Ciências, SaúdeManguinhos.

v. 11, sup. 1, pp. 131-40. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/ hcsm/v11s1/06.pdf>. Acesso em: 19 set. 2011.

WYLER, L. (2003). Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Rocco.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.