Educando para transgredir: reflexões sobre o ensino crítico de línguas estrangeiras/inglês

Autores

  • Marco Túlio Urzêda-Freitas Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

Ensino crítico de línguas estrangeiras/inglês. Linguística Aplicada Crítica. Pedagogia como transgressão

Resumo

Neste texto, compartilho algumas reflexões sobre o meu trabalho com o ensino crítico de línguas estrangeiras/inglês no Centro de Línguas da Universidade Federal de Goiás. Teoricamente fundamentado nos pressupostos da Pedagogia Crítica (FREIRE, 2006), dos Estudos Culturais (SILVA, 2007), da Teoria Racial Crítica (FERREIRA, 2006), dos Estudos/ Pedagogias Feministas (LOURO, 1997) e da Linguística Aplicada Crítica (PENNYCOOK, 1998, 2001), procuro relacionar o construto pedagogia como transgressão (HOOKS, 1994; PENNYCOOK, 2006) ao ensino de línguas estrangeiras/inglês. Os dados apresentados mostram que o ensino crítico desencadeia muitos conflitos na sala de aula de língua inglesa, mas também evidenciam a sua relevância para o desenvolvimento crítico, linguístico e comunicativo dos(as) alunos(as) e para a formação crítica de professores(as).

ABSTRACT

In this text, I share some reflections of my work with critical foreign language/English teaching at the Centro de Línguas of the Universidade Federal de Goiás. Theoretically supported by the premises of Critical Pedagogy (FREIRE, 2006), Cultural Studies (SILVA, 2007), Critical Racial Theory (FERREIRA, 2006), Feminist Studies/Pedagogies (LOURO 1997) and Critical Applied Linguistics (PENNYCOOK, 1998, 2001), I seek to relate the construct pedagogy as transgression (HOOKS, 1994; PENNYCOOK, 2006) to foreign language/English teaching. The data presented show that critical teaching triggers many conflicts in the English language classroom, but they also demonstrate its relevance for the students’ critical, linguistic, and communicative improvement, and for the teacher’s critical education.

Keywords: critical foreign language/English teaching; Critical Applied Linguistics; pedagogy as transgression

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Túlio Urzêda-Freitas, Universidade Federal de Goiás

concluiu a sua trajetória escolar no Colégio Estadual Ângelo Urzêda, em Mairipotaba-GO. É Graduado em Letras, habilitação Inglês (2010), Mestre em Letras e Linguística (2012) e Doutorando em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atuou como professor de inglês no Centro de Línguas da UFG e no Curso Pré-Vestibular da Comunidade FazArte, e como colaborador em atividades de ensino e pesquisa no Colégio Estadual Prof. Pedro Gomes, em Goiânia-GO. Foi professor auxiliar da Faculdade de Letras da UFG, ministrando aulas de inglês e português no Curso de Licenciatura Intercultural Indígena. Foi também representante da América Latina no grupo de escritores/as regulares do Gender Across Borders (GAB), publicando textos sobre corpo, raça, gênero, sexualidade e educação. Atualmente, é professor de inglês no Centro de Idiomas do SESC Educação Continuada, em Goiânia-GO

Referências

AUSTIN, J. L. (1975) How to do things with words. 2a ed. Cambridge: Harvard University Press.

BAHIA, R. S. (2010) Relatório anual divulga números de homossexuais assassinados no Brasil em 2009. Salvador: Grupo Gay da Bahia. Disponível em: <http://www.ggb.org.br/dossier%20de%20 assassinatos%20de%20homossexuais%20em%202009.html>. Acesso em: 15 setembro 2010.

BENVENISTE, E. (1991) Problemas de lingüistica geral I. Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luiza Néri. 3a ed. Campinas: Pontes.

CANDAU, V. M. (2008) Milticulturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: CANDAU, V. M. (org.) Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis: Vozes, p. 13-37.

CONTRERAS, J. (2002) A autonomia de professores. Trad. Sandra Trabucco Valenzuela. São Paulo: Cortez.

COOK, G. (2003) Applied linguistics. Oxford: Oxford University Press.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (2008) Introduction: the discipline and practice of qualitative research. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org.) The landscape of qualitative research.

Thousand Oaks: Sage Publications, p. 1-44.

FERREIRA, A. J. (2006) Formação de professores: raça/etnia. Cascavel: Coluna do Saber.

FLYNM, E. A. (1996) Writing as resistance. In: JAC: rhetoric, writing, culture, politics. v. 16, n. 1, p. 1-4.

Disponível em: <http://www.jacweb.org/Archived_volumes/Text_articles/V16_I1_Flynn.

htm>. Acesso em: 25 out. 2010.

FREIRE, P. (2006) Pedagogia do oprimido. 45a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GHAI, Y. (2003) Globalização, multiculturalismo e direito. In: SANTOS, B. S. (org.) Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p. 555-613.

GIROUX, H. A. (1997) Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad.

Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas.

GUBA, G. G.; LINCOLN, Y. S. (2008) Paradigmatic controversies, contradictions, and emerging confluences. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org.) The landscape of qualitative research.

Thousand Oaks: Sage Publications, p. 255-286.

HOOKS, B. (1994) Teaching to transgress: education as the practice of freedom. New York: Routledge.

LOURO, G. L. (1997) Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. (1986) Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

MOITA LOPES, L. P. (2003) A nova ordem mundial, os parâmetros curriculares nacionais e o ensino de inglês no Brasil: a base intelectual para uma ação política. In: BARBARA, L.; RAMOS, R.

C. G. (org.). Reflexão e ações no ensino-aprendizagem de línguas. São Paulo: Mercado de Letras, p.

-57.

_____. (2006) Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: MOITA LOPES, L. P. (org.) Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar.

São Paulo: Parábola Editorial, p. 85-107.

PENNYCOOK, A. (1998) A lingüística aplicada dos anos 90: em defesa de uma abordagem crítica.

In: SIGNORINI, I; CAVALCANTI, M. C. (org.). Lingüística aplicada e transdisciplinaridade.

Campinas: Mercado de Letras, p. 23-49.

_____. (2001) Critical Applied Linguistics:a critical introduction. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

PENNYCOOK, A. (2006) Uma lingüística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org.).

Por uma lingüística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, p. 67-84.

PINHEIRO, L. et. al. (2008) Retrato das desigualdades de gênero e raça. Brasília: Ipea; SPM; UNIFEM.

RAJAGOPALAN, K. (2003) Por uma Lingüística Crítica: linguagem, identidade, e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial.

RORTY, R. (1996) Feminismo, ideologia e desconstrução: uma visão pragmática. In: ŽIŽEK, S. (org.) Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, p. 227-234.

SCHUMAHER, S. (2004) Uma escola que educa cidadãos e cidadãs. In: GONÇALVES, E. (org.) Desigualdades de gênero no Brasil: reflexões e experiências. Goiânia: Grupo Transas do Corpo, p. 105- 110.

SILVA, T. T. (2007) A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, T. T. (org.) Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, p. 73-102.

SMITH, L. T. (1999) Decolonizing methodologies: research and indigenous peoples. London: Zeb Books.

Downloads

Publicado

2016-04-29

Como Citar

URZÊDA-FREITAS, M. T. Educando para transgredir: reflexões sobre o ensino crítico de línguas estrangeiras/inglês. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 51, n. 1, p. 77–98, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645413. Acesso em: 27 jan. 2021.

Edição

Seção

Artigos