Gagueira: uma questão discursiva a Stuttering: a matter of discourse

Autores

  • Regina Maria Freire Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Palavras-chave:

Análise de discurso. Gagueira. Aquisição de linguagem

Resumo

Este artigo propõe um dispositivo para teorizar a gagueira. Supõe-se que a gagueira emergiria na terceira posição do processo de aquisição de linguagem, quando podem ser observadas, nas produções das crianças, pausas, reformulações e autocorreções. Essas pausas, reformulações e autocorreções assemelham-se às repetições e hesitações que caracterizam a gagueira, gerando movimentos de estranhamento no Outro (Termo definido por Lacan como sendo o lugar do “tesouro dos significantes” ou o lugar do outro simbólico que afasta da cena o outro encarnado). Esse estranhamento pode levá-Lo a atribuir a essas repetições, pausas e hesitações, o estatuto de gagueira, ou seja, a cristalizar o manifesto, aprisionando-o ao patológico. Para dar sustentação a essa hipótese, entrevistaram-se as mães de quatro crianças gagas, cujos dizeres foram analisados alçando-se o dispositivo da Análise de Discurso de Linha francesa. Os achados apontam para os efeitos da interpretação do Outro sobre o gago e a urgência de se levar em conta a submissão da criança a um discurso, predominantemente autoritário. Concluindo, ao pensar a gênese da gagueira, seria primordial levar em conta: a) a interpretação que o Outro faz da fala da criança; b) como a criança ouve sua própria fala e c) a sobre determinação simbólica da linguagem – resignificando repetições e hesitações como inerentes ao processo de aquisição da linguagem pela criança

ABSTRACT

This paper proposes a framework for theorizing about the emergence of stuttering. The implication is that stuttering emerges in the third discursive position of the language acquisition process. In this phase, one can observe pauses, reformulations and selfcorrections in children’s productions. Because these actions resemble the repetitions and hesitations that characterize stuttering, they lead the other to erroneously attach a pathological interpretation to a set of no pathological events. If the other sees the child as a stutterer, it’s still at least partly up to the child to fulfil that role or not. Whether the child does so depends on whether (s)he sees (her)himself as a stutterer. If the child does, further interpretations of his/her speech will be from the context of this role. To support this hypothesis we interviewed the mothers of four children and analysed their discourse based on the French School of Discourse Analysis. The analysis showed the interpretation’s effects on the stutterer and points to the need to delineate the child’s susceptibility to the effects of the speech of the mother. In conclusion, when thinking about the genesis of stuttering, one should consider three important points: (a) the other’s interpretation of the child’s speech, (b) what the child hears of his/her own speech, and (c) the symbolic over determination of language - considering repetitions and hesitations as inherent to language acquisition in the child.

Keywords: discourse analysis; stuttering; language acquisition

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMS, M.R. (1988). Five-year retrospective on stuttering theory research and therapy: 1982-1987. Journal of Fluency Disorders. 13(6):339-405,.

ANDREWS, G. et al (1982/1983). Stuttering: a review of research findings and theories circa 1982. Journal of Speech and Hearing Disorders. 48(3):226-246.

AZEVEDO, N. P.G. (2000). Uma análise discursiva da gagueira: trajetórias de silenciamento e alienação da língua. Dissertação de Mestrado, PUCSP. São Paulo, AZEVEDO, N.P.G.; FREIRE, R.M.(2001). Trajetórias de silenciamento e aprisionamento na língua: o sujeito, a gagueira e o outro. In: Friedman, S.; Cunha, M.C.(org.) Gagueira e Subjetividade: Possibilidades de Tratamento. São Paulo: Artmed Editora.

BLOODSTEIN, O. (1971). A handbook on stuttering. Chicago: Ill National East Seal Society for Crippled Children and Adults, DE LEMOS, C.T.G (1995). Língua e discurso na teorização sobre aquisição de linguagem.

Letras de Hoje. Porto Alegre: 30(4):9-28.

_____.(1998) Processos metafóricos e metonímicos: seu estatuto descritivo e explicativo na aquisição da língua materna. Trabalho apresentado na The Trento Lectures Workshop on Metaphor and Analogy, organizada pelo Instituto per la Ricerca Scientifica e Tecnologica Italiana em Povo. Inédito _____. (2002). Das vicissitudes da fala da criança em Cadernos de Estudos Lingüísticos, nº42, Campinas, jan/jun, p.41-70 FRIEDMAN, S. (2004). Gagueira: origem e tratamento. 4ª ed. São Paulo: Plexus Editora.

_____. (2009) Fluência de fala: um acontecimento complexo. In: FERNANDES, F.D.M.; MENDES, B.C.A.; NAVAS, A.L.P.G.P. (orgs). Tratado de Fonoaudiologia. 2ª Ed.

São Paulo: Roca, 2009. p. 443-448.

GOMES, R.E.O. O segredo (d) enunciado: uma reflexão sobre a gagueira na criança,.

Campinas, 1991 [dissertação de mestrado, PUC] IRWIN, A. (1983). Gagueira: uma ajuda prática em qualquer idade. Trad.: de Lacerda, H. R. C. São Paulo: Martins Fontes.

JOHNSON, W. & Associates (1959). The onset of stuttering. Minneapolis: University of Minnesota Press.

MEIRA, M.I.M. (1983). Gagueira: do fato para o fenômeno. 2º ed. São Paulo: Cortez.

ORLANDI, E.P. (1986). Retrospectiva. D.E.L.T.A., 2(1):105-126.

_____. (1994). O lugar das sistematicidades lingüísticas na Análise de Discurso. D.E.L.T.A., 10(2):295-307.

ORLANDI, E.P.; GUIMARÃES, E. (1988). Unidade e dispersão: uma questão do texto e do sujeito. In: LANE, S.T.M. apres.: Sujeito e texto. São Paulo: EDUC, 31:17-35.

PORFERT, A.R.; ROSENFIELD, D.B. (1978). Prevalence of stuttering. Journal of Neurology, Neurosurgery and Psychiatry. (41):954-956.

SCARPA, E.M. (1995). Sobre o sujeito fluente. Cad. Est. Ling. Campinas, IEL, (29):163-184.

VAN RIPER, C. (1982) The nature of stuttering. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice-Hall, Inc.

Downloads

Publicado

2016-04-29

Como Citar

FREIRE, R. M. Gagueira: uma questão discursiva a Stuttering: a matter of discourse. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 51, n. 1, p. 153–173, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8645416. Acesso em: 27 jan. 2021.

Edição

Seção

Artigos