A política linguística na região fronteiriça Brasil-Guiana Francesa: panorama e contradições

Autores

  • Karen Kennia Couto Silva Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Política linguística. Guiana Francesa. Fronteira.

Resumo

Os estudos sobre a política linguística no Brasil ainda são recentes. Destarte um grande interesse em investigar a problemática da política linguística em contextos de fronteira, a maioria dos estudos teve como objeto de pesquisa a situação linguística nas fronteiras hispano-brasileiras. Assim, o objetivo deste artigo é problematizar a política linguística atualmente implementada na fronteira do Brasil com a Guiana Francesa. Para tanto, procuramos, em um primeiro momento, traçar um panorama de política linguísticaevidenciando a evolução da área ao longo de cinco décadas. Em um segundo momento, buscamos entender o histórico da relação bilateral Brasil-Guiana Francesa como forma de melhor compreender a constituição da política linguística nesse território fronteiriço. Por fim, analisamos estudos e documentos oficiais que trazem dados relativos à situação sociolinguística e questões relativas à política linguística oficial adotada. Com base nos dados encontrados na literatura, observam-se fortes indícios de uma carência de ações por parte do poder público no sentido de favorecer o ensino do Francês na fronteira brasileira, não obstante o fato de que tal idioma é amplamente utilizado nas relações sociais e comerciais na área fronteiriça. Diferentemente do observado em outras áreas de fronteira do território nacional, a fronteira Brasil-Guiana Francesa carece de instrumentos de política linguística que dêem suporte à população local, como é caso do “Programa Escolas Interculturais de Fronteira (PEIF)”, uma iniciativa multilateral que prevê educação bilíngue no âmbito do MERCOSUL. Essas constatações nos encorajam a assumir que é necessário compreender melhor as idiossincrasias da região fronteiriça Brasil-Guiana Francesa para que as necessidades prementes da população local sejam consideradas na conformação de uma política linguística adequada à realidade da faixa fronteiriça entre o Brasil e a Guiana Francesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karen Kennia Couto Silva, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Francês Língua Estrangeira (FLE) pela Université Stendhal - Grenoble 3 (2011-2013), Karen Kênnia Couto Silva é doutoranda em Linguística Aplicada na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BRASIL. (1998). Constituição Brasileira de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.

BRASIL. (1996). Lei n.º 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL. (1998). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais para o terceiro e quarto ciclos (5ª a 8ª série) do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL. (2005). Lei n.º 11.161, de 5 de agosto de 2005. Dispõe sobre o ensino da Língua Espanhola no Ensino Médio no Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11161.htm. Acesso em: 25 mai. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Escolas de fronteira. Programa Escolas Bilíngues de Fronteira (PEBF). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/escola-de-fronteira/escola-de-fronteira . Acesso em: 25 mai 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa intercultural terá mais países, cidades e idiomas. http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/211-218175739/19218-programa-intercultural-tera-mais-paises-cidades-e-idiomas Acesso em: 25 mai 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Escolas de fronteira. Disponível em: http://educacaointegral.mec.gov.br/escolas-de-fronteira. Acesso em: 25 mai 2016.

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. República francesa: Cronologia das relações bilaterais. Disponível em: http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/ficha-pais/5176-republica-francesa. Acesso em: 03 jun.2016.

CALVET, L.-J. (1996) Les politiques linguistiques : Que sais-je ?Paris : Presses Universitaires de France.

ESPIRITO-SANTO, M.M. (2009) “De Oiapoque a Saint-George”: uma pesquisa sociolingüística em meio escolar na fronteira Brasil e Guiana Francesa. 108 f. Dissertação de Mestrado em Letras. Departamento de Letras do Centro de Teologia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

GRENIER, G.-M. (2011). Guiana Francesa-Amapá: melhor estruturar os territórios para intensificar os intercâmbios. Disponível em: https://www.epsilon.insee.fr/jspui/bitstream/1/15698/1/cerom_gy_Amapa_portugais.pdf Acesso em: 29 mar.2017

NASCIMENTO, K.C.M. (2013). Fronteiras linguísticas e fronteiras políticas: Relações linguísticas e socio­históricas na Fronteira do Brasil com a Guiana Francesa. Cadernos de letras da UFF. v. 23, n ° 47, p.163-182.

NASCIMENTO, K.C.M. (2005). A Situacao Sociolinguistica da Fronteira Franco-Brasileira: Oiapoque & Saint Georges. 106 f. Dissertação de Mestrado em Letras. Departamento de Letras do Centro de Teologia e Ciências Humanas, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

OLIVEIRA, G. M. (2009) Brasileiro fala português: Monolinguismo e Preconceito Linguístico. In Revista Linguagens, 11ª Edição.

PEREIRA, T. (2009). Representação e aprendizagem de uma língua estrangeira: status da língua francesa em contexto urbano e de fronteira. Synergies Brésil n° 7, p. 101-111

RICENTO, T. (Ed.). (2000). Historical and Theoretical Perspectives in Language Policy and Planning. In: RICENTO, T. (Org.). Ideology, politics, and language policies: Focus on English. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins. p. 9-24.

RUCKERT, A. A.; SILVA, G.V. (2009). A fronteira Brasil-França: mudança de usos político-territoriais na fronteira entre Amapá (BR) e Guiana Francesa (FR). Confins. n° 7. Disponível em: https://confins.revues.org/6040?lang=pt. Acesso em: 28 mar. 2017.

SCHIFFMAN, H. F. (1996). Linguistic culture and Language Policy. London: Routledge.

SHOHAMY, E. (2006). Language policy: hidden agendas and new approaches. London: Routledge.

SPOLSKY, B. (2004). Language Policy. New York: Cambridge University Press.

STURZA, E.R. (2006.) Línguas de fronteira e Políticas de línguas: Uma História das Idéias Linguísticas. Tese. Doutorado em Linguística. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

SILVA, K. K. C. A política linguística na região fronteiriça Brasil-Guiana Francesa: panorama e contradições. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 617–639, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8648556. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos