Banner Portal
Trabalho pedagógico com escrita em aula de história: o que dizem as diretrizes oficiais?
PDF

Palavras-chave

gêneros textuais
letramento científico
pesquisa

Como Citar

SILVA, Wagner Rodrigues; TAVARES, Elcia; BARBALHO VELEZ, Luciana de Carvalho. Trabalho pedagógico com escrita em aula de história: o que dizem as diretrizes oficiais?. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 3, p. 885–911, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8649155. Acesso em: 22 jun. 2024.

Resumo

Neste artigo, apresentamos uma análise comparativa entre diretrizes curriculares oficiais brasileiras para o ensino de História, com o intuito de destacar encaminhamentos pedagógicos para o trabalho com a leitura e a produção textual escrita no ensino básico. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de natureza documental. Alguns pressupostos teóricos dos estudos do letramento informam a investigação realizada. Os resultados apontaram convergências entre as orientações curriculares oficiais no que concerne ao trabalho com escrita em aulas de História. Destacamos o letramento científico como uma abordagem que pode contribuir para o trabalho pedagógico interdisciplinar em aulas de História.

PDF

Referências

AZEVEDO, C. (2015) A formação do docente em história como profissional do magistério da educação básica. História & ensino. Londrina: UEL. v. 21, n. 2, pp. 55-82.

BACELLAR, C. (2006) O uso e mau uso dos arquivos. In: PINSKY, C. B. (org.), Fontes Históricas. 2ª Ed.. São Paulo: Contexto, pp. 23-79.

BARROS, J. (2005) O Campo da História: Especialidades e Abordagens. 3ª. ed. Petrópolis: Editora Vozes.

BEZERRA, H. G. (2005) Ensino de história: conteúdos e conceitos básicos. In: KARNAL, L. et al. História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. 3ª. ed. São Paulo: Contexto, pp. 37-48.

BOURDIER, P. (1982) A Economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. São Paulo: Edusp.

BRASIL. (1998) Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos de ensino fundamental. História. Brasília: MEC.

BRASIL. (2000) Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC.

BRASIL. (2017) Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 3ª Versão. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 07 de abril de 2017.

CERTEAU, M. (2002) A escrita da História. Tradução de Maria de Lourdes Menezes. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

CHARTIER, R. (2009) A História ou a leitura do tempo. Tradução Cristina Antunes. Belo Horizonte: Autêntica.

CHARTIER, R. (2002) À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietude. Tradução Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS.

CUNHA, R B. (2017) Alfabetização científica ou letramento científico? interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPEd, v. 22, n. 68, pp. 169-186.

DEMO, P. (2010) Educação e alfabetização científica. Campinas: Papirus.

FERNANDES, E. R. (2016) Letramento científico no ensino básico público no município de Palmas – Tocantins. Dissertação de Mestrado em Letras: Ensino de Língua e Literatura. Universidade Federal do Tocantins, Câmpus de Araguaína.

FERRAREZI JR, C.; CARVALHO, R. S. (2015) Produzir textos na educação básica: o que saber, como fazer. São Paulo: Parábola Editorial.

FERREIRA, C. A. L.; COSTA, M. A. (2015) Ensino, história e educação com/sem convergências. História & Ensino. Londrina: UEL v. 21, n. 2, pp. 13-30.

FOUCAULT, M. (2006) A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. Leituras Filosóficas, 14ª Ed. São Paulo: Edições Loyola.

FREIRE, Paulo. (2002) Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 10ª ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra.

HOLDBROOK, Jack; RANNIKMAE, Miia. (2009) The Meaning of Scientific Literacy. International Journal of Environmental & Science Education. v. 4, n. 3, pp. 275-288.

GADDIS, J. L. (2003) Paisagens da História: como os historiadores mapeiam o passado. Tradução de Maria Rocha Motta. Rio de Janeiro: Campus.

GONÇALVES, A V.; BAZARIM, M. (2013). Interação, gêneros e letramento: a (re)escrita em foco. Campinas: Pontes Editores.

GUAZZELLI, C. A. B. et al (2000). Questões de teoria e metodologia da História. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS.

HOBSBAWM, Eric J. (1998) Sobre Historia: Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras.

KLEIMAN, A. (1995) Modelos de letramento e as práticas de alfabetização na escola. In: _____ (Org.) Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, pp. 15-61.

KLEIMAN, A. ; MORAES, S. (2003) E. Leitura e interdisciplinaridade: tecendo redes nos projetos da escola. Campinas: Mercado de Letras.

LE GOFF, J. (1994) História e Memória. 3ª ed. Tradução de Bernardo Leitão e Irene Ferreira. Campinas: Editora Unicamp.

RAMOS, A. D.; SILVA, E. J. (2011) Formando professores de história a partir da prática. In: GONÇALVES, A. V.; PINHEIRO, A. S.; FERRO, M. E. (orgs.). Estágio Supervisionado e práticas educativas. Dourados: EDUEMS, pp.169-181.

RIBEIRO, R. R. (2015) Entre textos e práticas: ensino de história, instituição escolar e formação docente. História & Ensino. Londrina: UEL, v. 21, n. 2, pp. 83-103.

ROJO, R. (2010) Coletâneas de textos nos livros didáticos de Língua Portuguesa: letramentos possíveis. Revista Perspectiva. Florianópolis: UFSC, v. 28, n. 2, pp. 433-465.

SANTOS, W. L. P. (2007) Educação científica na perspectiva de letramento como prática social: funções, princípios e desafios. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro: ANPEd, v. 12, n. 36, pp. 474-550.

SCHMIDT, M. A. (2004) A formação do professor de história e o cotidiano da sala de aula. In: BITTENCOURT, C. et al. O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, pp. 54-66.

SIGNORINI, I. (2007a) Letramento escolar e formação do professor de língua portuguesa. In: KLEIMAN, A; CAVALCANTI, M. (orgs.). Linguística aplicada e suas faces e interfaces. Campinas: Mercado de Letras, pp. 317-337.

SIGNORINI, I. (2007b) Letramento e inovação no ensino e na formação do professor de língua portiguesa. In: SIGNORIN, I. (org.). Significados da inovação no ensino de língua portuguesa e na formação de professores. Campinas: Mercado de Letras, pp. 211-228.

SOARES, M. (1998) Letramento: um tema em três gêneros. 2ª. ed. Belo Horizonte: Autentica.

STREET, B. V. (1984) Literacy in theory and pratice. New York: Cambridge University Press.

STREET, B. V. (2010) Dimensões “escondidas” na escrita de artigos acadêmicos. Tradução de Armando Silveiro e Adriana Fischer. Perspectiva: Revista do Centro de Ciências da Educação. Florianópolis: UFSC, v. 8, n. 2, pp. 541-567.

STREET, B. V. (2014) Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial.

TAVARES, E.; SILVA, W. R. (2014) Escritas propostas para diferentes disciplinas escolares e formação do professor nas licenciaturas. In: SILVA, L. H. O.; MELO, M. A.; OLIVEIRA, L. R. P. F. (orgs.). Ensino de Língua e Literatura: pesquisas na pós-graduação. Palmas: EdUFT, pp. 97-120.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2019 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.