Janelas de libras e gêneros do discurso: apontamentos para a formação e atuação de tradutores de língua de sinais

Autores

  • Vinícius Nascimento Universidade Federal de São Carlos

Palavras-chave:

Tradução. Janela de libras. Verbo-visualidade.

Resumo

Discute-se, neste artigo, os aspectos da inserção da janela de língua brasileira de sinais (Libras) em produções audiovisuais a partir das especificidades dos gêneros do discurso a serem mobilizados pela tradução, bem como seus efeitos para a formação de tradutores e intérpretes do par linguístico Libras/Língua Portuguesa (LP). Com base na teoria dos gêneros do discurso elaborada por Mikhail Bakhtin e seu Círculo, discute-se que a acessibilidade linguística para surdos em materiais audiovisuais com a inserção da janela de Libras clama por uma discussão para além dos parâmetros técnicos de captação da imagem do tradutor e da sua inserção na produção midiática. Faz-se necessário discutir as especificidades enunciativo-discursivas do vídeo fonte para dar à janela de Libras a dimensão de acabamento (tamanho, recorte, posição) a partir das especificidades do gênero. Para comprovar esta tese, analisa-se produções de dois gêneros com janela de Libras que foram produzidas em um curso de pós-graduação lato sensupara tradutores e intérpretes de Libras/Português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Nascimento, Universidade Federal de São Carlos

Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) no Curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação em Libras e Língua Portuguesa. Doutor e Mestre em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e Bacharel e Fonoaudiologia pela mesma instituição. Tradutor e Intérprete de Libras e Língua Portuguesa.

Referências

ALBRES, N. A. Gesto-visualidade no processo de tradução de literatura infanto-juvenil: marcas do discurso narrativo. Translatio. Porto Alegre, n. 9, 2015a. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/translatio/article/view/51669

ALBRES, N. A. Tradução intersemiótica de literatura infanto-juvenil: vivências em sala de aula. Cadernos de Tradução. Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 387-486, 2015b Disponível em: http://dx.doi.org/10.5007/2175-7968.2015v35nesp2p387

AUTOR. Formação de intérpretes de libras e língua portuguesa: encontros de sujeitos, discursos e saberes. (Tese). Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016a.

AUTOR. Da norma legislativa à atividade interpretativa: acessibilidade comunicacional de surdos à mídia televisiva. In: SILVA, A. A.; ALBRES, N. A.; RUSSO, A. (Orgs.) Diálogos em estudos da tradução e interpretação de língua de sinais. Curitiba: Editora Prismas, 2016b.

AUTOR. Gêneros do discurso e verbo-visualidade: dimensões da linguagem para a formação de tradutores/intérpretes de Libras/Português. In: BRAIT, B.; MAGALHÃES, A. S. Dialogismo: teria e(m) prática. São Paulo: Terracota, 2014.

AUTOR. Interpretação da língua brasileira de sinais a partir do gênero jornalístico televisivo: elementos verbo-visuais na produção de sentidos. (Dissertação) Programa de Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. São Paulo: LAEL/PUC-SP, 2011.

ARBOLEYA, V.; BRINGMANN, D. Literatura infantil, contação de histórias e mídia: alternativas metodológicas e prática pedagógica. Anais do 1º Simpósio Nacional de Educação, XX Semana da Pedagogia, Cascavel, 2008. Disponível em: http://www.unioeste.br/cursos/cascavel/pedagogia/eventos/2008/1/Artigo%2036.pdf

ABNT. NBR 15.290 – Acessibilidade em comunicação na televisão. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2010. Disponível em: http://www.crea-sc.org.br/portal/arquivosSGC/NBR%2015290.pdf

BAKHTIN, M. M. Problemas da poética de Dostoievski. Trad. Paulo Bezerra. 5ª. ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2013a.

BAKHTIN, M. M. Os gêneros do discurso. In: Estética da Criação Verbal. Trad. Paulo Bezerra São Paulo: Martins Fontes, 2010b [1952-53].

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. 13 ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BEZERRA, P. Tradução, arte e diálogo. Bakhtiniana, São Paulo, 10 (3): 235-251, Set./Dez. 2015

BRAIT, B. Olhar e ler: verbo-visualidade em perspectiva dialógica. Bakhtiniana, São Paulo, 8 (2): 43-66, 2013.

BRAIT, B. Análise e teoria do discurso. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin, outros conceitos-chave. São Paulo: Editora Contexto, 2008.

BRAIT, B.; PISTORI, M. H. C. A produtividade do conceito de gênero em Bakhtin e o Círculo. Alfa, São Paulo, v. 56, p. 371-401, 2012.

BRAIT, B. Literatura e outras linguagens. São Paulo: Contexto, 2010.BRAIT, B.;

BRASIL. Decreto 7.612 de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Plano Viver sem Limite. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2011/Decreto/D7612.htm

BRASIL. Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm#art18

BRASIL. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm Acesso em: 20 de janeiro de 2010.

BRASIL. Estatuto da pessoa com deficiência – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2015. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/513623/001042393.pdf?sequence=1

BRASIL. Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm

BRITO, R. F. Modelo de Referência para Desenvolvimento de Artefatos de Apoio ao Acesso de Surdos ao Audiovisual. (Tese). Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Universidade Federal de Santa Catarina, Floriaópolis, 2012.

CAMARGO, L. D. V. L.; GAROFALO, S.; COURA-SOBRINHO, J. Migrações da aula presencial para a videoaula: uma análise da alteração de médium. Quaestio. Sorocaba, SP, v. 13, n. 2, p. 79-91, nov. 2011. Disponível em: http://docplayer.com.br/9876868-Migracoes-da-aula-presencial-para-a-videoaula-uma-analise-da-alteracao-de-midium-1.html

CLOT, Y. A função psicológica do trabalho. Trad. Adail Sobral. Petrópolis: Editora Vozes, 2007.

FAÏTA, D. Análise das práticas linguageiras em situações de trabalho: uma renovação metodológica imposta pelo objeto. In: SOUZA-E-SILVA, M. C.; FAITA, D. (Org.). Linguagem e trabalho: construção de objetos de análise no Brasil e na França. São Paulo: Cortez, 2002.

FARIA, N. G.; SILVA, D. C. Legendas e janelas: questão de acessibilidade. Revista Sinalizar, v.1, n.1, p. 65-77, jan./jun 2016. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/revsinal/article/view/36156

FELICIO, O surdo e a contação de histórias – análise da interpretação simultânea do conto “sinais no metrô”. (Dissertação). Mestrado em Estudos da Tradução. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

FIORIN, J. L. As astúcias da enunciação: as categorias de pessoa, espaço e tempo. 3ª Ed. São Paulo: Editora Contexto, 2016.

GRILLO, S. Esfera e Campo. In: BRAIT, B. (Org.) Bakhtin: outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto, 2008.

JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. Trad. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes – 22ª Ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2010.

LIMA, A. P. Procedimentos teórico-metodológicos de estudo de gêneros do discurso: atividade e oralidade em foco. In: BRAIT, B.; MAGALHÃES, A. S. (Org) Dialogismo: teoria e(m) prática. São Paulo: Terracota, 2014.

MARTINS, V. R. O; AUTOR. Da formação comunitária à formação universitária (e vice e versa): novo perfil dos tradutores e intérpretes de língua de sinais no contexto brasileiro. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 78-112, 2015.

MEDVIÉDEV, P. N. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Trad. Sheila Camargo Grillo e Ekaterina Vólkova Américo. São Paulo: Contexto, 2012.

MOURA-VIEIRA, M. A. A atividade e o discurso na clínica: uma análise dialógica do trabalho médico. Amsterdam/Recife: CreatSpace Independet Publishing Platform, 2012.

NICHOLS, J. Literatura Surda: além da língua de sinais. (Dissertação). Mestrado em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

OUSTINOFF, M. Tradução: história, teorias e métodos. Trad. Marco Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

PAGURA, R. A interpretação de conferências: interfaces com a tradução escrita e implicações para a formação de intérpretes e tradutores. DELTA, 19, Vol. Especial, São Paulo, PUC-SP, 2003.

QUADROS, R. M.; STUMPF, M. R. Letras Libras EaD. In: QUADROS, R. M. (Org). Letras Libras: ontem, hoje e amanhã. Florianópolis: Editora da UFSC, 2015.

QUADROS, R. M.; SEGALA, R. R. Tradução intermodal, intersemiótica e interlinguística de textos escritos em português para a libras oral. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 35, nº especial 2, p. 354-386, jul-dez, 2015

QUADROS, R. M. Efeitos de modalidade de língua: as línguas de sinais. Educação Temática Digital, Campinas, v. 7, p. 168-178, 2006.

RODRIGUES, R. Interpretação de Libras e Português no contexto empresarial (Palestra). I Semana do Curso de Bacharelado em Tradução e Interpretação em Libras e Língua Portuguesa. Universidade Federal de São Carlos, 2015.

ROSA, F. S. Literatura surda: criação e produção de imagens e textos. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.7, n.2, p.58-64, jun. 2006. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/791

SEGALA, R. R. Tradução intermodal e intersemiótica/interlinguística: português escrito para a língua de sinais. (Dissertação). Mestrado em Estudos da Tradução. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.

SOBRAL, A. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do Círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A. O direito de acesso à televisão nos meios televisivos: onde está a inclusão? Brasília: Inclusão Social. v. 2, n. 1, p. 73-82, out. 2006/mar. 2007. Disponível em: http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1592/1799

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

NASCIMENTO, V. Janelas de libras e gêneros do discurso: apontamentos para a formação e atuação de tradutores de língua de sinais. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 461–492, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8649203. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains