A segmentação linguística das Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSE) de telenovelas: uma pesquisa baseada em corpus

Autores

  • Vera Lúcia Santiago Araújo Universidade Estadual do Ceará
  • Italo Alves Pinto de Assis Universidade Estadual do Ceará
  • Daniel de Albuquerque e Arraes Universidade Estadual do Ceará

Palavras-chave:

Legendagem para Surdos e Ensurdecidos (LSE). Segmentação linguística. Linguística de corpus.

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de descrever a segmentação na legendagem, ou seja, a distribuição das falas em duas ou  mais  legendas.  Os dados colhidos em projetos anteriores realizados pelo grupo Legendagem e Audiodescrição (LEAD) da UECE sugerem que uma segmentação adequada  pode  garantir  uma  boa recepção por parte de surdos. Isso está acontecendo até mesmo na recepção a legendas muito rápidas. Com o suporte teórico-metodológico dos Estudos da Tradução, mais especificamente da Tradução Audiovisual (TAV) e da Linguística de Corpus, a metodologia envolveu  uma  dimensão descritiva pautada  por  análises  quanti-qualitativas  baseadas  foram analisadas quatro novelas exibidas  por emissoras brasileiras que disponibilizam legendas do tipo pop-on, usadas para transmitir programas pré-gravados. A legenda pop-on é aquela cujas frases ou sentenças surgem como  um  todo  e  não  palavra  por  palavra  como   acontece com  a  legenda  rotativa.  Os resultados mostraram  que,  para  as novelas, os maiores problemas de segmentação encontrados estão na quebra entre os constituintes do sintagma verbal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Lúcia Santiago Araújo, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Ceará (1982), mestrado em Mestrado Em Letras Língua Inglesa pela Universidade Estadual do Ceará (1994) e doutorado em Letras pela Universidade de São Paulo (2000). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual do Ceará e pesquisadora nível 2 do CNPq.. Tem experiência na área de Lingüística Aplicada, com ênfase em Tradução, atuando principalmente nos seguintes temas: tradução audiovisual, legendação-legendagem, audiodescrição e tradução audiovisual e ensino.

Italo Alves Pinto de Assis, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Letras/Inglês pela Universidade Estadual do Ceará (2013). Durante a graduação, foi bolsista de Iniciação Científica da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FUNCAP - de Mar/2013 à Jan/2014, sob orientação da Profa. Dra. Vera Lúcia Santiago Araújo. Possui mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada - PosLA - da Universidade Estadual do Ceará, também sob orientação da Profa. Dra. Vera Lúcia Santiago Araújo. Professor substituto de Língua Inglesa (40h) da Universidade Federal do Ceará (UFC) nos curso de graduação em Letras - Inglês (Noturno) e Letras Português/Inglês (Diurno) de Maio/2016 até Março/2017. Atualmente, atua como Professor Assistente D do curso de Letras/Inglês da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).Tem experiência nas áreas de Linguística Aplicada, Ensino de Língua Inglesa, Linguística de Corpus e Tradução, com ênfase em Tradução Audiovisual (Legendagem, Legendagem para Surdos e Ensurdecidos e Audiodescrição).

Daniel de Albuquerque e Arraes, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal do Ceará (1975), mestrado em Economia pela Universidade Federal do Ceará (1978) e doutorado em Economia Agrícola - University of Georgia (1983). Atualmente é servidor público da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia Regional, atuando principalmente nos seguintes temas: crescimento/desenvolvimento econômico, distribuição de renda, econometria aplicada.

Referências

ARAÚJO, V. L. S. Closed subtitling in Brazil. In: Topics in audiovisual translation. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, v. 1, p. 199-212, 2004.

ARAÚJO, V. L. S. A legendagem para surdos no Brasil. In: LIMA, P. L. C.; ARAÚJO, A. D. (orgs). Questões de Linguística Aplicada: Miscelânea. Fortaleza: EdUECE, 2005, cap. 8, pp. 163-188.

ARAÚJO, V. L. S. Subtitling for the deaf and hard-of-hearing in Brazil. In: ORERO, P; REMAEL, A (orgs.). Media for All: Subtitling for the deaf, audio description and sign language. Kenilworth; Nova Jersey, EUA: Rodopi, v. 30, 2007, pp. 99-107.

ARAÚJO, V. L. S. Por um modelo de legendagem para Brasil. In: ORERO, P. (org.). Tradução e Comunicação. Revista Brasileira de Tradutores, São Paulo: UNBERO, n. 17, 2008, pp. 59-76.

ARAÚJO, V. L. S.; MONTEIRO, S. M. M.; VIEIRA, P. A. Legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE): um estudo de recepção com surdos da região Sudeste.

TRADTERM, v. 22, 2013, pp. 273-292. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/tradterm/article/view/69132. Acesso em: 21 maio 2014.

ARAÚJO, V. L. S.; NASCIMENTO, A. K. P. Investigando parâmetros de legendas para Surdos e Ensurdecidos no Brasil. In: FROTA, M. P.; MARTINS, M. A. P. (orgs.). Tradução em Revista, v. 2, 2011, pp. 1-18. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/trad_em_revista.php?strSecao=input0. Acesso em: 21 maio 2014.

ASSIS, I. A. P. (2013). A segmentação na LSE de “Amor Eterno Amor”: uma análise baseada em corpus. Bacharelado em Letras Inglês. Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza.

ASSIS, I. A. P. (2016). Legendagem para surdos e ensurdecidos (LSE): análise baseada em corpus da segmentação linguística em “Amor Eterno Amor”. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza.

CASTILHO, A. de. Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CHAVES, E. G. (2012). Legendagem para surdos e ensurdecidos: um estudo baseado em corpus da segmentação nas legendas de filmes brasileiros em DVD. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, UECE, Fortaleza.

DE LINDE, Z.; KAY, N. The semiotics of subtitling. Manchester: St. Jerome Publishing, 1999.

D’YDEWALLE, G.; RENSBERGEN, J.; POLLET, J. Reading a message when the same message is available auditorily in another language: the case of subtitling. In: O’REGAN, J. K.; LÉVY-SCHOEN, A. (orgs.). Eye movements: from physiology to Cognition. Amsterdam and New York: Elsevier Science Publishers, 1987, pp. 313-321.

DÍAZ CINTAS, J.; REMAEL, A. Audiovisual translation: subtitling. Manchester: St. Jerome Publishing Company, 2007.

EMMOREY, K.; THOMPSON, R.; COLVIN, R. Eye gaze during comprehension of American sign language by native and beginning signers. Journal of Deaf and Deaf Education. Oxford University Press, 2008, pp. 237-243. Disponível em: http://jdsde.oxfordjournals.org/. Acesso em: 20 abr. 2016.

FRANCO, E; ARAÚJO, V. L. S. Reading television: Checking deaf people’s reactions to closed subtitling in Fortaleza, Brazil. In: GAMBIER, Y. (org.). The Translator, v. 9, n. 2, 2003, pp. 249-267.

IVARSSON, J.; CARROLL, M. Subtitling. Simrishamm, Suécia: TransEditHB, 1998.

JUST, M. C.; CARPENTER, P. A. A theory of reading: from eye fixations to comprehension. Psychological Review, v. 87, n. 4, 1980, pp. 329-354.

KARAMITROGLOU, F. A proposed set of subtitling standards in Europe. Translation Journal, v. 2, n. 2, 1998, pp. 1- 15. Disponível em: http://translationjournal.net/journal//04stndrd.htm. Acesso em: 15 mar. 2011.

MARQUER, Pierre. La méthode experimentale: quelques points de repère. In: NICOLAS, S. (org.). La psychologie cognitive. Paris: Armand Colin. 2003, pp. 185-206.

NAVES, S. B.; MAUCH, C.; ALVES, S. F.; ARAÚJO, V. L. S. A. Guia para Produções Audiovisuais Acessíveis, Secretaria do Audiovisual, Ministério da Cultura, 2016.

PEREGO, E. What would we read best? Hypotheses and suggestions for the location of line breaks in film subtitles. In: The Sign Language Translator and Interpreter. Manchester, UK: St. Jerome Publishing, 2008, pp. 35- 63.

PEREGO, E.; DEL MISSIER, F.; PORTA, M.; MOSCONI, M. The cognitive effectiveness of subtitle processing. In: Media Psychology. Philadelphia, PA: Routledge, 2010, pp. 243-272. Disponível em: http://www2.units.it/delmisfa/papers/SubtitlesProcessing2010.pdf. Acesso em: 21 maio 2014.

RAYNER, K. Eye movements in reading and information processing: 20 years of research. Psychological Bulletin, v. 124, n. 3, 1998, pp. 372-422.

RAYNER, K.; BARBARA, J.; POLLATESK, A. Movimentos oculares durante a leitura. In: SNOWLING, M. J.; HULME, C. (orgs.). A ciência da leitura, trad. Ronaldo Cataldo Costa. Porta Alegre: Penso, 2013, pp. 97-116.

RAYNER, K.; LIVERSEDGE, S. P. Visual and linguistic processing during eye fixation in reading. In: HENDERSON, J. M.; FERREIRA, F. (orgs.). Language, Vision and Action. New York: Psychology, 2004, pp. 56-104.

REICHLE, E. D.; RAYNER, K.; POLLATSEK, A. The E-Z Reader model of eye-movement control in reading: comparisons to other models. Behavioral and Brain Sciences, v. 26, Cambridge University Press, 2003, pp. 445-526.

REID, H. Literature on the screen: subtitle translation for public broadcasting. In: BART, W.; D’HAEN, T. (orgs.). Something understood: studies in Anglo-Dutch literary translation. Amsterdam: Rodopi, 1990, pp. 97-107.

SCHOTTER, E. R.; RAYNER, K. Eye movements in reading: implications for reading subtitles. In: PEREGO, E. (orgs.). Eye-tracking in audiovisual translation. Roma: Aracne, 2012.

VIEIRA, P. A.; ARAÚJO, V. L. S.; CHAVES, E. G.; MONTEIRO, S. M. M. A segmentação na legendagem do documentário Globo Repórter: uma análise baseada em corpus. In: PONTES, V. O. et al. (orgs.). A tradução e suas interfaces: múltiplas perspectivas. Curitiba: Editora CRV, 2015, pp. 65-85.

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

ARAÚJO, V. L. S.; ASSIS, I. A. P. de; ARRAES, D. de A. e. A segmentação linguística das Legendas para Surdos e Ensurdecidos (LSE) de telenovelas: uma pesquisa baseada em corpus. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 493–526, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8649264. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains