Locução e audiodescrição nos estudos de tradução audiovisual

Autores

  • Wilson Júnior de Araújo Carvalho Universidade Estadual do Ceará
  • Bruna Alves Leão Universidade Estadual do Ceará
  • Charleston Teixeira Palmeira Universidade de Fortaleza

Palavras-chave:

Audiodescrição no teatro. Audiodescrição de filmes. Acessibilidade audiovisual.

Resumo

Neste texto, a audiodescrição é considerada uma modalidade de tradução audiovisual utilizada como recurso de acessibilidade para pessoas com deficiência visual. Desse modo, com base nos Estudos de Tradução Audiovisual, tivemos por objetivo descrever e analisar os resultados de três estudos sobre locução na audiodescrição. As análises realizadas revelam que a locução na audiodescrição ainda necessita ser trabalhada principalmente com relação às variáveis uso da ênfase, curva melódica e ritmo, para que a locução possa ser aperfeiçoada e para que possamos propor parâmetros que auxiliem os audiodescritores a aprimorarem sua voz/fala de forma profissional e condizente com a obra audiodescrita, seja na locução na audiodescrição de filmes ou de peças teatrais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Júnior de Araújo Carvalho, Universidade Estadual do Ceará

Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará. Doutor em Letras (Linguística Aplicada), pela UFBA.

Bruna Alves Leão, Universidade Estadual do Ceará

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UECE.

Charleston Teixeira Palmeira, Universidade de Fortaleza

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da UECE.

Referências

ARAÚJO, V. L. S.; CARVALHO, W.J. de A.; PRAXEDES FILHO, P.H.L. (2013). A locução na audiodescrição para pessoas com deficiência visual: uma contribuição à formação de audiodescritores. Projeto de pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

BARROS FILHO, C. (2005). A construção social da voz. In: Kyrillos, L. R. (org.). Expressividade: da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, pp. 27-42.

BENECKE, B. (2004). Audio-Description. Meta: Journal des traducteurs. v. 49, nº 1, pp. 78-80. Disponível em: https://www.erudit.org/fr/revues/meta/2004-v49-n1- meta733/009022ar/. Acesso em: 13 abr. 2016.

BEHLAU, M.; MADAZIO, G.; FEIJÓ, D.; PONTES, P. (2001). Avaliação de voz. In: BEHLAU, M. (org.). Voz: o livro do especialista. São Paulo: Revinter, v. I, pp. 85-245.

BEHLAU, M; FEIJÓ, D.; MADAZIO, G.; REHDER, M.I.; AZEVEDO, R.; FERREIRA, A.E. (2005). Voz profissional: aspectos gerais e atuação fonoaudiológica. In: Behlau, M. (org.). Voz: o livro do especialista. São Paulo: Revinter, v. II, pp. 288-407.

CARVALHO, W.J. de A.; MAGALHÃES, C.; ARAÚJO, V.L.S. (2013). Locução em filmes audiodescritos para pessoas cegas ou com baixa visão: uma contribuição à formação de audiodescritores. In: ARAÚJO, V.L.S.; ADERALDO, M.F. Os novos rumos da pesquisa em audiodescrição no Brasil. Curitiba: CRV, pp.151-168.

CASADO, A.B. (2007). Directores em La sombra: personajes y su caracterización em el guión audiodescrito de “Todo sobre mi madre”. In: Jimenéz Hurtado, C. Traducción y acessibilidad. Subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos: nuevas modalidades de traducción audiovisual. Frankfurt: Peter Lang, 2007, pp. 133-152.

CASSOL, M; BEHLAU, M; MADUREIRA, S. (2001). Aplicação de um modelo fonético na análise da qualidade vocal de indivíduos disfônicos. In: Behlau, M. (org.). Voz: o livro do especialista. São Paulo: Revinter, v.I, pp. 85-108.

FRANCO, E.; ARAÚJO, V. S. (2011). Questões terminológico-conceituais no campo da tradução audiovisual. Tradução em Revista. nº 11, p. 1-23. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/trad_em_revista.php?strSecao=input0. Acesso em: 13 abr. 2016.

GAMBIER, Y. (2003). Screen Transadaption: perception and reception. The Translator. Manchester: St. Jerome, Special Edition on Screen Translation, v. 9, nº 2, p. 171-189. Disponível em: http://id.erudit.org/iderudit/009015ar. Acesso em: 13 abr. 2016.

GAMBIER, Y. (2004). La traduction audiovisuelle: un genre en expansion. Meta: Journal des traducteurs. v. 49, nº 1, pp. 1-11. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2016.

JAKOBSON, R. (1995). Linguística e comunicação. São Paulo: Cultrix.

JIMÉNEZ-HURTADO, C. (2007). Una gramática local del guión audiodescrito. Desde la semántica a la pragmática de nuevo tipo de traducción. In: Hurtado, C. J. Traducción y accessibilidad: subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos: nuevas modalidades de traducción audiovisual. Amsterdã: Peter Lang, pp. 55-80.

KYRILLOS, L. (2005). Expressividade: da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, 2005.

LAVER, J. (1980). The phonetic description of voice quality. London: Cambridge University Press.

LEÃO, B. A. (2017). Um estudo sobre a locução da audiodescrição de Miralu e a Luneta Encantada. Tese de Doutorado em Linguística Aplicada (em andamento). Programa de PósGraduação em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza.

PALMEIRA, C. T.; ARAÚJO, V. L. S.; CARVALHO, W. J. de A. (2016). Locução para audiodescritores: contribuições da fonoaudiologia. In: ADERALDO, M. F.; MASCARENHAS, R. de O.; ARAÚJO, V. L. S.; DANTAS, J. F. de L. Pesquisas teóricas e aplicadas em audiodescrição. Natal, RN: EDUFRN. Disponível em: http://www.sedis.ufrn.br/bibliotecadigital/site/interativos/pesquisa-teorica-aplicada/PesqTeoricasAplicadasAudiodescricao_FINAL-27MAR2017epub.epub. Acesso em: 7 ago. 2017.

PLAZA, J. (1987). Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva. MATAMALA, A. La audiodescripción en directo (2007). In: Jiménez-Hurtado, C. Traducción y accesibilidad. Subtitulación para sordos y audiodescripción para ciegos: nuevas modalidades de Traducción Audiovisual. Amsterdã: Peter Lang, pp. 121-132.

MADUREIRA, S. Expressividade da fala (2005). In: Kyrillos, L.R. (org.). Expressividade: da teoria à prática. Rio de Janeiro: Revinter, pp.15-25.

FARIAS, S.; NEVES, J. (2014). Audiodescrição e poética da linguagem cinematográfica: elementos para outras abordagens. In: Cardoso, E.; Cuty, J. (eds). Acessibilidade em ambientes culturais. Relatos de experiências. Porto Alegre: Marcavisual, pp. 80-101.

SANTIAGO, S.M.S.A. (2015). Audiodescrição em contexto de teatro em Portugal. Dissertação de Mestrado em Tradução e Serviços Linguísticos. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/

handle/10216/6815/browse?type=author&order=ASC&rpp=40&value=Sandra+

Maria+Sanches+Alves+Santiago . Acesso em: 9 mar. 2016.

SNYDER, J. (2008). Audiodescription – the visual made verbal. In: Díaz Cintas, J. (ed). The didactics of Audiovisual Translation. Amsterdam: John Benjamins, pp. 191-198.

SILVA, M.C.C.C.da. (2009). Com os olhos do coração: estudo acerca da audiodescrição de desenhos animados para o público infantil. Dissertação de Mestrado em Letras e Linguística. Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística, Universidade Federal da Bahia, Salvador

Downloads

Publicado

2017-10-20

Como Citar

CARVALHO, W. J. de A.; LEÃO, B. A.; PALMEIRA, C. T. Locução e audiodescrição nos estudos de tradução audiovisual. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 359–378, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8649286. Acesso em: 7 out. 2022.

Edição

Seção

Dossier Research practices in literacies across languages and social domains