A aprendizagem do presente do subjuntivo do espanhol em orações temporais com cuando por universitários brasileiros: os efeitos da intervenção instrucional na redução de transferência linguística

Autores

  • Gisele Benck de Moraes Universidade de Passo Fundo
  • Eduardo de Oliveira Dutra Universidade Federal do Pampa
  • Taíse Simioni Universidade Federal do Pampa

Palavras-chave:

Presente do subjuntivo. Instrução com foco na forma. Espanhol.

Resumo

Neste estudo analisamos e discutimos o papel da intervenção instrucional na redução da não aplicação do presente do subjuntivo do espanhol, em orações subordinadas temporais com cuando, por universitários brasileiros. Tarefas de produção oral e escrita foram utilizadas para a obtenção de dados, os quais foram submetidos ao Teste Normal Padrão. Fizeram parte deste estudo 12 participantes de uma universidade privada. Os resultados, de modo geral, sugeriram, em curto prazo, a redução das formas alternativas. Tal redução se manteve estável em médio prazo, ou seja, houve maior aplicação de casos de transferência no pré-teste e diminuição de sua aplicação nas fases pós-instrucionais. Logo, partindo de uma relação inversamente proporcional, o tratamento pedagógico surtiu efeito durável sobre a aprendizagem do presente do subjuntivo, em orações temporais com cuando. Acrescentamos a isso o fato de que a redução da transferência linguística pode ser útil também como evidência favorável dos benefícios instrucionais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Benck de Moraes, Universidade de Passo Fundo

Atualmente é professora da Universidade de Passo Fundo, atuando em Linguística, Leitura e Produção de Textos, Língua Espanhola, Práticas e Estágios Supervisionados e nos seguintes temas: educação, aprendizagem, leitura, formação docente em língua espanhola e práticas escolares.

Eduardo de Oliveira Dutra, Universidade Federal do Pampa

Doutorado em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil (2015). Dedicação Exclusiva da Universidade Federal do Pampa.

Taíse Simioni, Universidade Federal do Pampa

Doutorado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil (2011). Professora Adjunto da Universidade Federal do Pampa.

Referências

BITTENCOURT, D.L.R. de. (2012). O uso do futuro do subjuntivo: variação e frequência. Interdisciplinar, v. 16, pp. 117-130.

BOÉSSIO, C.P.D. (2003). A transferência indevida do infinitivo flexionado no ensino do espanhol para brasileiros. Dissertação de mestrado. Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

BOSQUE, I.; DEMONTE, V. (1999). Gramática descriptiva de la lengua española: las construcciones sintácticas fundamentales. Madrid: Espasa Calpe.

CAMARA JR., J.M. (1970). Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes.

CAMARA JR., J.M. (1979). História e estrutura da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Padrão.

CANALE, M. (1983). From communicative competence to communicative language Pedagogy. In: RICHARDS, J.; SCHMIDT, R. (Eds.) Language and communication. London: Longman.

CASTILHO, A. T. (2010). Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

CASTRO, F. (2003). Uso de La Gramatica Intermedio. Edelsa – Disal: Madrid.

COMRIE, B.; HOLMBACK, H. (1984). The future subjunctive in Portuguese: a problem in semantic theory. Lingua, n. 63, pp. 213-253.

COSTA, G.V.M. (2004). O uso do presente do subjuntivo em língua espanhola: contribuição para aprendizes brasileiros. 122f. Dissertação (Mestrado em Letras).Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

CRUZ, M.L.O.B. (2001). Estágios de interlíngua: estudo longitudinal centrado na oralidade de sujeitos brasileiros aprendizes de espanhol. 316 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas.

DÖRNYEI, Z.; KORMOS, J. (1998). Problem-solving mechanisms in L2 communication: A psycholinguistic perspective. Studies in Second Language Acquisition, 20, pp. 349-385.

DOUGHTY, C.; WILLIAMS, J. (1998). Focus on form: theory, research, and practice. (Ed). Focus on form in classroom second language acquisition. Cambridge: CUP.

AUTOR 2, 2015.

ELLIS, R. (2005). La adquisición de segundas lenguas en un contexto de enseñanza. Análisis de las investigaciones existentes. Departamento Técnico del Ministerio de Educación de Nueva Zelanda. Wellington. Disponível em:<http://www.mecd.gob.es/dctm/redele/Material-RedEle/Biblioteca/2006_BV_05/2006_BV_05_04Ellis.pdf?documentId=0901e72b80e3a029>.Acesso em: 8 set. 2014.

ELLIS, R. (2011). Second Language Acquisition. Oxford. New York.

FÁBREGAS, A. (2014). A guide to subjunctive and modals in Spanish: questions and analyses. Borealis: An International Journal of Hispanic Linguistics, v. 3, n. 2, pp. 1-94.

GASS, S.; SELINKER, L. (1992). Language Transfer in Language Learning. Revised Edition. Philadelphia: John Benjamins.

GÓMEZ, R.P. (2004). Vademécum para la formación de profesores. Enseñar español como segunda lengua (L2)/ lengua extranjera (LE) Directores: Jesús Sánchez Lobato e Isabel Santos GargalloSGEL, Sociedad General Española de Librería, Madrid.

GONTIJO, E.A. (2001). O foco na forma de verbos frasais para aprendizes iniciantes de inglês como língua estrangeira: uma nova proposta. 161f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Belo Horizonte.

GONZÁLEZ, N.T.M. (1994). Cadê o pronome? O gato comeu. 451 f. Tese (Doutorado em Letras), Universidade de São Paulo (USP), São Paulo.

HOWATT, A.P.R. (1984). A History of English language teaching. Oxford: Oxford University Press.

ILARI, R.; BASSO, R. (2009). O português da gente: a língua que estudamos, a língua que falamos. São Paulo: Contexto.

KANWIT, M.; GEESLIN, K.L. (2014). The interpretation of Spanish subjunctive and indicative forms in adverbial clauses: a cross-sectional study. Studies in Second Language Acquisition, n. 36, pp. 487-533.

KEHDI, V. (2007). Morfemas do português. São Paulo: Ática.

KODA, K. (1997). Orthographic knowledge in L2 lexical processing. A cross-linguistic erspective. In: COADY, J.; HUCKIN, T. Second language vocabulary acquisition. Cambridge: Cambridge University Press.

KRASHEN, S. (1982). Principles and practice in second language acquistion. New York: Pergamon Press.

LIGHTBOWN, P.M.; SPADA, N. (2013). How languages are learned. 4ª ed. Oxford: Oxford University Press.

LIMA JÚNIOR, R.M. (2008). Pronunciar para comunicar: uma investigação do efeito do ensino explícito da pronúncia na sala de aula de LE. 243f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Universidade de Brasília (UnB), Brasília.

LONG, M. (1991). Focus on form: a design feature in language teaching methodology. In: DE BOT, K. et al. (Ed.). Foreign – Language Research in Cross-Cultural Perspective. Amsterdam: Benjamins, pp. 39-52.

LOOSE, R.E. (2006). O papel da Instrução Explícita na Aquisição/Aprendizagem de Estruturas do Espanhol por falantes do Português. 187f. Dissertação (Mestrado em letras) - Universidade Católica de Pelotas, Rio Grande do Sul.

MATTE BON, F. (1995). Gramática comunicativa del español: de la idea a la lengua. Tomo I. Madrid: Edelsa.

MATTOS E SILVA, R.V. (2006). O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto.

MOLLICA, M.C. (2003). Da linguagem coloquial à escrita padrão. Rio de Janeiro: 7Letras.

MOURA NEVES, M.H.de. (2000). Gramática de usos do português. São Paulo: UNESP.

NORRIS, J.; ORTEGA, L. (2000). Efectiveness of L2 instruction: A research synthesis and quantitative meta-analysis. Language Learning, 50, pp. 417-528.

ODLIN, T. (1989). Language transfer: cross-linguistic influence in language learning. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 1-18.

OTTONELLO, M.B. (2004). Vademécum para la formación de profesores. Enseñar español como segunda lengua (L2)/ lengua extranjera (LE) Directores: Jesús Sánchez Lobato e Isabel Santos GargalloSGEL, Sociedad General Española de Librería, Madrid.

PASQUALI, E. (2012). O papel da instrução explícita e da memória de trabalho na leitura em L2. 121f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Católica de Pelotas, Pelotas.

PEROZZO, R.V. (2013). Percepção de oclusivas não vozeadas sem soltura audível em codas finais do inglês (L2) por brasileiros: o papel da instrução explícita e do contexto fonético-fonológico. 193f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

PIMPÃO, T.S. (2015). Mapeamento do uso variável do modo subjuntivo português do Brasil. Working Papers em Linguística, v. 16, n. 1, pp. 120-141.

SANTOS, J.F.G. (1993). Sintaxis del Español - Nivel de Perfeccionamiento. Santillana.

SCHMIDT, R. (2001). Attention. In: ROBINSON, P. (ed.) Cognition and second language instruction. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 3-32.

SCHROEDER, D. N. (2004). Ensino de Italiano L2: a aquisição dos pronomes. 1. ed. Passo Fundo: UPF Editora.

SCHROEDER, D. N. (2007). A concordância nominal em italiano por aprendizes brasileiros: um estudo sobre ensino com foco na forma. 122f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre.

SELINKER, L. (1992). Rediscovering interlanguage. Londres: Longman.

SPADA, N. (1997). Form-focused instruction and second language acquisition: A review of classroom and laboraty research. Language Teaching, 30, pp. 73-87.

SPADA, N. (2010). Beyond form-focused instruction: Reflections on past, present and future research. Language Teaching, 44, pp. 225-236.

SPADA, N. (2014). Instructed second language acquisition research and its relevance for L2 teacher education. Education Matters, v. 2, pp. 41-54.

SPADA, N.; TOMITA, Y. (2010). Interactions between type of instruction and type of language feature: A meta-analysis. Language Learning, 60(2), pp. 1-46.

SWAIN, M. (1995). Three functions of output in second language learning. In: COOK, G.; SEIDLHOFER, B. (Orgs.). Principles and practice in applied linguistics: Studies in honour of H. G. Widdowson. Oxford, UK: Oxford University Press, pp. 125-144.

SWAIN, M. (1998). Atención a la forma através de la reflexión consciente. In: DOUGHTY, C.; WILLIAMS, J. (orgs.). Atención a la Forma en la Adquisición de Segundas Lenguas en el aula. Traduccción y Edición Española Editorial Edinumen.

SWAIN, M. (2005). The output hypothesis: Theory and research. In: HINKEL, E. (Org.). Handbook on research in second language teaching and learning. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, pp. 471-483.

SWAIN, M.; LAPKIN, S. (1995). Problems in output and cognitive processes they generate: a step toward second language learning. Applied Linguistics, v. 16, pp. 371-391.

VEIDMARK, R.R.; AGUIAR, J.U. (1991). La desaparición del subjuntivo español y sus implicaciones para el cambio linguístico. Filología e Lingüística, v. XVII, n. 1-2, pp. 193-202.

VESTERINEN, R.; BYLUND, E. (2013). Towards a unified account of the Spanish subjunctive mood: epistemic dominion and dominion of effective control. Lingua, n. 131, pp. 179-198.

VILLALBA, T.K.B. (2002). Pepe vio que no tiene jeito, su mujer es asi mismo: as delicadas relações lexicais entre a L1 e a L2 na aquisição de espanhol por universitários brasileiros. 239 f. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre.

VILLALBA, T.K.B. (2004). O mito da língua fácil na aprendizagem de Espanhol por falantes brasileiros. Calidoscópio (UNISINOS), Unisinos, v. 2, n.1, pp. 101-107.

ZILLES, M. (2001). O ensino e a aquisição de vocabulário em contexto de instrução de língua estrangeira. 192f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

MORAES, G. B. de; DUTRA, E. de O.; SIMIONI, T. A aprendizagem do presente do subjuntivo do espanhol em orações temporais com cuando por universitários brasileiros: os efeitos da intervenção instrucional na redução de transferência linguística. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 467–491, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650065. Acesso em: 7 fev. 2023.