Considerações sobre o processo de retextualização para libras de textos em português por graduandos surdos

Autores

  • Maria Lourdilene Vieira-Barbosa Universidade Federal do Piauí
  • Emanoel Barbosa de Sousa Universidade Federal do Piauí

Palavras-chave:

Tradução. Retextualização. Libras.

Resumo

O objetivo deste trabalho é discutir sobre o processo de retextualização para Língua Brasileira de Sinais (Libras) de textos escritos em português, por alunos surdos. Para isso, dentre outros autores, apoiamo-nos teoricamente nas considerações propostas por Travaglia (2013; 1993) e por Marcuschi (2010 [2000]), acerca do processo de retextualização, entendido, respectivamente, como tradução, numa perspectiva textual, e como transformação de textos na mesma língua. Destacamos ainda as considerações de Karnopp e Quadros (2007), sobre aspectos linguísticos da Língua Brasileira de Sinais. Metodologicamente, analisamos o processo de retextualização em textos sinalizados e gravados em vídeos produzidos por alunos do Curso de Letras-Libras da UFPI, a partir de atividade elaborada na disciplina de Metodologia da Pesquisa em Ciências Humanas, ministrada no segundo período do ano de 2014. A análise dos dados apontou que a modalidade da Língua Brasileira de Sinais exige do tradutor/intérprete, mais do que a habilidade de produzir textos, pois, no processo de tradução para Libras, os elementos linguísticos do português são transformados em elementos linguísticos da Libras. Dessa forma, informações do texto original, escrito em português, reaparecerão transformadas no texto retextualizado, sinalizado em Libras, mas essas informações são organizadas a partir da estruturação linguística da Libras e ressignificadas a partir da interpretação feita pelo surdo do texto original escrito em português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Lourdilene Vieira-Barbosa, Universidade Federal do Piauí

Doutora em Linguística (2011-2015) pelo Programa de Pós Graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (PosLin/FALE/UFMG). Mestre em Letras (2008-2010), área Estudos da Linguagem, pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Piauí (UFPI), instituição na qual fez graduação em Letras-Português (2004-2007) e onde, atualmente, é professora do quadro efetivo, lotada no curso de Letras-Libras. Membro-pesquisadora do Núcleo de Pesquisa em Texto, Gênero e Discurso (CATAPHORA - UFPI), sob a coordenação do Professor Dr. Francisco Alves Filho. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em estudos de textos, realizando pesquisas sobre referenciação, retextualização e análise de gêneros.

Emanoel Barbosa de Sousa, Universidade Federal do Piauí

Atualmente, é professor do quadro efetivo, lotado no curso de Licenciatura em Letras-Libras. Membro efetivo do Núcleo de Pesquisa Cataphora (UFPI), coordenado pelo Prof. Dr. Francisco Alves Filho, e do Grupo de Pesquisa Hiperged (UFC), coordenado pelo Prof. Dr. Júlio César de Araújo. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa e Linguística.

Referências

ABASSE, Maria Cristina Jacob Pessoa. A produção do resumo escolar como resultado da atividade de retextualização. 2008. 137 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

AUTORA. O processamento da informação na webnotícia. 2015. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos. Faculdade de Letras – Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte, 2015.

BRASIL. Decreto Federal n 5.626 de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005.

LIMA, M. D. Adequação do ensino do português como l2 nas crianças surdas: um desafio a superar/enfrentar. Disponível em: http://2014.revistaintercambio.net.br/24h/pessoa/temp/anexo/1/416/744.pdf. Acesso em: 02/11/2014.

MALTA, José Olavo de Oliveira. O refinamento da competência textual discursiva através de processos de retextualização de narrativas de um conto tradicional. 2008. 165 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

MARCUSCHI, Luís Antônio. 2000. Da Fala para a Escrita: atividades de retextualização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MAREGA, Larissa Minuesa Pontes. A propósito da relação fala-escrita: um estudo comparativo da organização tópica de palestras e suas retextualizações. 2009. 186 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) - Programa de /Pós-Graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2009.

MATA, Maria Aparecida da. Processos referenciais na retextualização de textos acadêmicos. 2008. 174 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2008.

MILITÃO, Josiane Andrade. Retextualização de textos acadêmicos: aspectos cognitivos e culturais. 2007. 230 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

PROJETO Pedagógico do Curso de Licenciatura Em Letras-Libras. Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2014.

QUADROS, Ronice Miller de; KARNOPP, Lodenir B. Língua de sinais brasileira [recurso eletrônico]: estudos linguísticos. Porto alegre: Artmed, 2007.

SILVA, Ana Virgínia Lima da. Com a palavra, o aluno: processos de retextualização na exposição oral acadêmica. 2013. 231 f. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos) - Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte: UFMG, 2013.

SOUZA, Saulo Xavier. 2010. Performances de tradução sobre a Língua Brasileira de Sinais observadas no curso de Letras-Libras. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução: lexicografia, tradução e ensino de línguas estrangeiras. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 2010.

TRAVAGLIA, Neusa. A tradução numa perspectiva textual. 1993. 315 f. Tese (Doutorado em Língua e Literatura Francesa) – Departamento de Letras Modernas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

TRAVAGLIA, Neuza. Tradução Retextualização: a tradução numa perspectiva textual. 2001. Uberlândia: EDUFU, 2013.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

VIEIRA-BARBOSA, M. L.; SOUSA, E. B. de. Considerações sobre o processo de retextualização para libras de textos em português por graduandos surdos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 493–521, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650142. Acesso em: 27 jan. 2023.