A constituição dos discursos sobre ensino língua portuguesa nas décadas de 1980 e 1990

Autores

  • Émerson Pietri Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Ensino de língua portuguesa. Discurso. Currículo.

Resumo

Neste trabalho, observam-se processos de constituição de discursos sobre ensino de língua portuguesa estabelecidos nas duas últimas décadas do século XX, em contexto brasileiro. Compõem o material de análise três documentos publicados por instâncias oficiais como subsídios, propostas ou parâmetros para o ensino de língua portuguesa: Criatividade e Gramática (FRANCHI, [1987] 1991); a Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa (SÃO PAULO, 1988); e os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998). Analisam-se os processos de (re)definição dos  conceitos de atividade linguística e de atividade epilinguística em documentos de orientação curricular para o ensino de língua portuguesa publicados no período mencionado, em função dos diferentes modos como concebida a relação entre ensino de língua portuguesa e as condições de produção de linguagem na escola. A partir da observação dos modos como os conceitos de atividade linguística e atividade epilinguística se redefiniram nos processos interdiscursivos analisados, elaboram-se hipóteses sobre quais reconfigurações discursivas se operaram para a constituição da língua portuguesa em objeto de pesquisa e de ensino no período histórico observado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Émerson Pietri, Universidade de São Paulo

Émerson de Pietri é doutor em Lingüística Aplicada ao Ensino/Aprendizagem de Língua Materna, pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professor doutor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, responsável pela disciplina Metodologia do Ensino de Português, junto ao Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada.

Referências

APARÍCIO, A. S. M. (1999). A renovação do ensino de gramática no primeiro grau no Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas.

APARÍCIO, A. S. M. (2009) As propostas de inovação do ensino de gramática em textos oficiais. In: Anais do VI Congresso Internacional da Abralin. João Pessoa, pp. 331-339.

BRASIL. (1998) Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

BRITTO, L. P. L. (2000) Em terra de surdos-mudos: um estudo sobre as condições de produção de textos escolares. In: GERALDI, J. W. (Org.). (2000) O texto na sala de aula. São Paulo: Editora Ática.

BRITTO, L. P. L. (1997) A sombra do caos: ensino de língua X tradição gramatical. Campinas: Mercado de Letras / ALB.

BUNZEN, C. (2011). A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogo Educacional, v. 11, nº 34, pp. 885-911.

CHAUÍ, M. (2013) Uma nova classe trabalhadora. In: SADER, E. (org) 10 anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo, SP: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO Brasil.

FOUCAULT, M. (2007) A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

FRANCHI, C. (1987) Criatividade e gramática. SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. São Paulo: SE/CENP, 1981.

FRANCHI, C. (1987) Criatividade e gramática. Trabalhos em Linguística Aplicada, São Paulo, n. 9, pp. 5-45.

FRANCHI, C. (1977) Linguagem – atividade constitutiva. In: Revista do GEL. Número especial. 50º Seminário em memória de Carlos Franchi (1932-2001). São Paulo: Contexto, 2002.

FREGONEZI, D. E. (1999) Aconteceu a virada no ensino de língua portuguesa? Revista do GELNE. Ano 1, nº 2, pp. 82-85.

GERALDI, João Wanderley (Org.) (1984) O texto na sala de aula: Leitura e produção. Cascavel: Assoeste.

GERALDI, J. W. (1991) Portos de Passagem. São Paulo: Martins Fontes.

GERALDI, J. W., SILVA, L. L. M. & FIAD, R. S. (1996) Linguística, Ensino de Língua Materna e Formação de Professores. In: D.E.L.T.A., São Paulo, vol.12, nº 2, pp. 307-326.

GERALDI, C. M. G.; GERALDI, J. W. (2012) A domesticação dos agentes educativos: há alguma luz no fim do túnel. Revista Inter-Ação, vol. 37, nº 1, pp. 37-50.

GUEDES, M. Q. (2002) Parâmetros Curriculares Nacionais ou o currículo oficial? Revista Inter-Ação, vol. 27, nº 2, pp. 85-99.

LUFT, C. P. (1984) Língua e liberdade. São Paulo: Ática.

MAINGUENEAU, D. (1997) Novas Tendências em Análise do Discurso. Tradução Freda Indursky. Campinas: Pontes/Editora da Unicamp.

MAINGUENEAU, D. (2005) Gênese dos discursos. Tradução Sírio Possenti. Curitiba, PR: Criar Edições.

MARINHO, M. (2001). A oficialização de novas concepções para o ensino de Português. TESE (Doutorado) Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas.

MARINHO, M. (2007). Currículos da escola brasileira: elementos para uma análise discursiva. Revista Portuguesa de Educação, vol. 20, nº 1, pp. 163-189.

PAULA, L. F. (2004) O ensino de língua portuguesa no Brasil, segundo João Wanderley Geraldi. 2004. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Filosofia e Ciências.

POSSENTI, S. (1996) Por que (não) ensinar gramática na escola. 17. ed. Campinas: Mercado de Letras.

REZENDE, L. M. (2008) Atividade epilinguística e o ensino de língua portuguesa. In: Revista do GEL, S. J. do Rio Preto, v. 5, n. 1, p. 95-108.

ROMERO, M. (2011) Epilinguismo: considerações acerca de sua conceitualização em Antoine Culioli e Carlos Franchi. In: ReVEL, v. 9, n. 16, pp. 152-163.

SÃO PAULO (Estado) Secretaria Estadual de Educação. (1988) Proposta Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa: 1º grau, São Paulo: SE/CENP, 4ª Ed, 1992.

SANTOS, M. (2000) Por uma outra globalização (Do pensamento único à consciência universal). São Paulo: Record.

SANTOS, P. S. (2014) Língua Materna: aliança e confronto aberto no campo metodológico. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação. São Paulo.

SEMEGHINI-SIQUEIRA, I. ; BEZERRA, G. G. R. (2013) O envolvimento do aluno com a linguagem da Educação Infantil ao Ensino Fundamental de 9 anos: em foco as atividades linguísticas, epilinguísticas e metalinguísticas. In: CASTELLAR, S. M. V.; SEMEGHINI-SIQUEIRA, I. (Org.). Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental: inovações possibilitam avanços. São Paulo: Xamã.

SIGNORINI, I. (1999) O oral na escrita de sujeitos não ou pouco escolarizados. In: Leitura: teoria e prática, vol. 34, n. 18, pp. 5-12.

SINGER, A. (2009) Raízes sociais e ideológicas do lulismo. In: Novos Estudos CEBRAP, n. 85, p. 83-102.

SOARES, M. (1984) Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Ática.

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

PIETRI, Émerson. A constituição dos discursos sobre ensino língua portuguesa nas décadas de 1980 e 1990. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 523–550, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650154. Acesso em: 1 dez. 2022.