O ato responsivo/responsável no processo de apropriação discursiva do inglês frente ao humor da sitcom Friends

Autores

  • Carla Janaina Figueredo Universidade Federal de Goiás
  • Patrícia Cardoso Moreira Universidade Federal de Goiás

Palavras-chave:

Apropriação discursiva do inglês. Responsividade. Humor.

Resumo

A interação com elementos humorísticos provenientes de uma segunda língua ou língua estrangeira (L2/LE) é geralmente marcada por desafios que testam nossa compreensão e modo de responder a eles. Pensando nisso, investigamos como doze licenciandos de Letras-Inglês de uma universidade pública respondiam ao humor da comédia de situação Friends e o que a sua responsividade em relação a ela nos revelava sobre o seu processo de apropriação discursiva do inglês. Certas de que seus atos responsivos eram marcados por posturas valorativas, constatamos que sua responsividade, ao mesmo tempo responsável ao outro das interações dialógicas, pode ter contribuído tanto com o avanço de sua apropriação discursiva do inglês quanto com a promoção de sujeitos do discurso dessa/nessa segunda língua. Semelhantemente, atestamos a importância dos diálogos com Friends para a ampliação de repertórios linguísticos e culturais na língua-alvo, bem como para o desenvolvimento da compreensão e resposta ao humor veiculado por ela.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Janaina Figueredo, Universidade Federal de Goiás

Professora de língua inglesa do Departamento de Línguas Estrangeiras (DELE), e de Linguística Aplicada do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Patrícia Cardoso Moreira, Universidade Federal de Goiás

Professora de inglês  e mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás

Referências

ATTARDO, S. (1998). Linguistic theories of humor. Berlim: Mouton de Gruyter.

BAKHTIN, M. (1979). Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. 6.ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Hucitec Editora, 2011. pp. 216-306.

______. (1979). O problema do texto na linguística, na filologia e em outras ciências. In: ______. Estética da criação verbal. 6.ed. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Hucitec Editora, 1992/2011. pp. 307-355.

_____. (1920-1924). Para uma filosofia do ato responsável. In: PONZIO, A. (org.). Para uma filosofia do ato responsável. 2.ed. Tradução de Valdemir Miotello; Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010/2012. pp. 41-144.

______. (VOLOCHINOV) (1929-1930). Interação verbal. In: ______ Marxismo e filosofia da linguagem. 16.ed. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec Editora, 1979/2014. Cap. 16. pp. 114-132.

______. (VOLOCHÍNOV) (1929-1930). Tema e significação na língua. In: ______. Marxismo e filosofia da linguagem. 16.ed. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec Editora, 1979/2014. Cap. 7. pp. 133-149.

______. O discurso em Dostoiévski (1929). In: ______. Problemas da poética de Dostoiévski. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981/2015. pp. 207-310

BELL, N.; POMERANTZ, A. (2016). Humor in the classroom: a guide for language teachers and educational researchers. Nova Iorque: Routeledge.

BELL, N. (2014). Second language acquisition. In: ATTARDO, S. (Ed.). Encyclopedia of Humor Studies. Los Angeles: SAGE Publications, Inc. pp. 672-673.

CALEB, W.; McGRAW, P. (2014). Appreciation of humor. In: ATTARDO, S. (Ed.). Encyclopedia of Humor Studies. Los Angeles: SAGE Publications, Inc. pp. 52-55.

CARRELL, A. (2008). Humour: historical views of humor. In RASKIN, V. (Ed.). The primer of humor research. Berlim: Mouton de Gruyter. pp. 303-333.

CARROLL, N. (2014). The nature of humor. In: ______. Humour: a very short introduction. Nova Iorque: Oxford University Press. Cap. 1. pp. 4-51.

DAVIES, C. E. (2014). Cross-cultural humor. In: ATTARDO, S. (Ed.). Encyclopedia of Humor Studies. Los Angeles: SAGE Publications, Inc. pp. 185-189.

FARACO, C. A. (2009). Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial.

AUTOR (2007).

KRAMSCH, C. (1998). Language and Culture. Oxford: Oxford University Press.

MILLS, B. (2014). Sitcoms. In: ATTARDO, S. (Ed.). Encyclopedia of Humor Studies. Los Angeles: SAGE Publications, Inc. pp. 695-698.

O’SHANNON, D. (2012). What are you laughing at? Nova Iorque: Bloomsbury Publishing Plc.

POSSENTI, S. (2010). Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto.

ROSS, A. (1998). The language of humour. London: Routledge.

RUSH, W. (2008). Psychology of humor. In: RASKIN, V. (Ed.). The primer of humor research. Berlin: Mouton de Gruyter. pp. 19 -100.

SAVORELLI, A. (2010). Beyond the sitcom: new directions in American television comedy. Jefferson: McFarland & Company, Inc. Publishers.

SOBRAL, A. (2009). Do diálogo ao gênero: as bases do pensamento do círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado das Letras.

STELLA, P. R. (2005). Palavra. In: BRAIT, B. Bakhtin: conceitos chave. 2.ed. São Paulo. CONTEXTO. pp. 177-190.

TRAVAGLIA, L. C. (1990). Uma introdução ao estudo do humor pela linguística. DELTA ‐ Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 6, n. 1, pp. 55‐82.

Downloads

Publicado

2018-08-06

Como Citar

FIGUEREDO, C. J.; MOREIRA, P. C. O ato responsivo/responsável no processo de apropriação discursiva do inglês frente ao humor da sitcom Friends. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 2, p. 1079–1101, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650289. Acesso em: 3 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)