Discursos (re)velados: uma análise dialógica das novas diretrizes para formação docente

  • Jozanes Assunção Nunes Universidade Federal de Mato Grosso
Palavras-chave: Diretrizes curriculares Nacionais para Formação Docente. Competências. Relações dialógicas.

Resumo

Em julho de 2015, o Ministério da Educação aprovou as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica, revogando as Diretrizes de 2002, instituídas pela Resolução CNE/CP n. 01/2002. Sob a perspectiva da teoria dialógica bakhtiniana, este artigo analisa as relações dialógicas que se engendram no Parecer CNE/CP n. 2/2015, que apresenta as novas Diretrizes, focalizando o posicionamento valorativo dos enunciadores com relação ao discurso da formação para as competências. Examina as relações que o Parecer CNE/CP n. 2/2015 estabelece no diálogo com o Parecer CNE/CP n. 009/2001 – que fundamentou as Diretrizes revogadas, e com os discursos oficiais que tratam da formação para as competências, mobilizados no texto. A análise evidencia que ao mesmo tempo em que o discurso do Parecer CNE/CP n. 2/2015 tenta negar vinculação com o modelo de formação baseado em competências – apagando e substituindo termos a ele relacionados – apresenta grande convergência com as diretrizes revogadas, que tomaram o conceito de competências como nuclear para a formação de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jozanes Assunção Nunes, Universidade Federal de Mato Grosso
Possui graduação em Letras pela Universidade Federal de Mato Grosso (1995), mestrado em Educação pela Universidade de Cuiabá (2002) e é doutoranda em Linguística Aplicada e Estudos de Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Atuou na Universidade de Cuiabá, onde exerceu as funções de Professora e Coordenadora do Curso de Letras; Líder do Grupo de Estudo e Pesquisa /CNPq Linguagens, Educação e Tecnologia - GPLET; Assessora e Professora do Núcleo de Estudos Dirigidos não presenciais e Organizadora da Revista Científica LetrasMil. Atuou também como Professora Formadora na Universidade Federal de Mato Grosso para o Curso de Pedagogia do Núcleo de Educação a Distância e foi professora efetiva da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso. Tem experiência nas áreas de Letras e Educação, atuando especialmente nos seguintes temas: estudos bakhtinianos, formação de professores, ensino-aprendizagem de língua materna e desenvolvimento de materiais didáticos.

Referências

ANFOPE (2001). Documento para subsidiar discussão na audiência pública regional. Recife, 21/03/2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Recife.pdf. Acesso em: 07 de nov. 2015.

BAKHTIN, M. M. VOLOCHÍNOV, V. N. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. M. (1963). Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 5 ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

BAKHTIN, M. M. (1934-1935). O discurso no romance. In: Questões de literatura e de estética: teoria do romance. Trad. Aurora F. Bernardini et al. 7 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. M. (1952-1953) Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. (1970-1971). Apontamentos de 1970-1971. In BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6.ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. (1919/1921). Para uma filosofia do ato. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza da edição americana Toward a philosophy of the act. Austin: University of Texas press, 1993. Tradução destinada exclusivamente para uso didático e acadêmico. [s.d.].

BRAIT, Beth (2012). Estilo. In: BRAIT, Beth (org). Bakhtin: conceitos-chave. 5 ed. São Paulo: Contexto.

BRAIT, Beth (2008). Análise e teoria do discurso. In: BRAIT, Beth. Outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto.

BRASIL (2001). Parecer CNE/CP 009/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 24 jun. 2015.

BRASIL (2015). Parecer CNE/CP 2/2015, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21123&Itemid=866. Acesso em: 07 de jul. 2015.

BRASIL (2015). Resolução CNE/CP 2/2015, de 1 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21123&Itemid=866. Acesso em: 07 de jul. 2015.

CURY, Carlos Roberto Jamil (2006). Conselhos de Educação: fundamentos e funções. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v.22, n.1, pp. 41-67. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/18721/10944. Acesso em: 06 de nov. 2015.

DELORS, J. et al. (1996). Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Tradução José Carlos Eufrázio. São Paulo: Brasília, DF; Cortez; UNESCO, 1998. Disponível em http://ftp.infoeuropa.eurocid.pt/database/000046001-000047000/000046258.pdf Acesso em: 27 de nov. 2015.

FREITAS, Helena Costa Lopes (2015). CNE discute Diretrizes para Formação de Professores. Disponível em: http://formacaoprofessor.com/2015/04/05/cne-discute-diretrizespara-formacao-de-professores/. Acesso em: 13 de nov. 2015.

MAUÉS, Olgaíses Cabral (2003). Reformas Internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa. n. 118, pp. 89-117.

MAUÉS, Olgaíses Cabral (2011). A política da OCDE para a educação e a formação docente. A nova regulação? Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 1, pp. 75-85.

PERRENOUD, Philippe. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed.

SHIROMA, Eneida Oto. A formação do professor-gestor nas políticas de profissionalização. Revista e-curriculum, São Paulo, v.7 n.2, 2011 http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum

VOLOSHINOV, V. N.; BAKHTIN, M. M (1926). Discurso na vida e discurso na arte: (sobre poética sociológica). Tradução do inglês: Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza, para fins didáticos. Circulação restrita, 1926. [s.d.].

Publicado
2017-10-19
Como Citar
Nunes, J. A. (2017). Discursos (re)velados: uma análise dialógica das novas diretrizes para formação docente. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 56(1), 9-35. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650760
Seção
Artigos