Banner Portal
Discursos (re)velados: uma análise dialógica das novas diretrizes para formação docente
PDF

Palavras-chave

Diretrizes curriculares Nacionais para Formação Docente. Competências. Relações dialógicas.

Como Citar

NUNES, J. A. Discursos (re)velados: uma análise dialógica das novas diretrizes para formação docente. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 9–35, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650760. Acesso em: 5 mar. 2024.

Resumo

Em julho de 2015, o Ministério da Educação aprovou as novas Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica, revogando as Diretrizes de 2002, instituídas pela Resolução CNE/CP n. 01/2002. Sob a perspectiva da teoria dialógica bakhtiniana, este artigo analisa as relações dialógicas que se engendram no Parecer CNE/CP n. 2/2015, que apresenta as novas Diretrizes, focalizando o posicionamento valorativo dos enunciadores com relação ao discurso da formação para as competências. Examina as relações que o Parecer CNE/CP n. 2/2015 estabelece no diálogo com o Parecer CNE/CP n. 009/2001 – que fundamentou as Diretrizes revogadas, e com os discursos oficiais que tratam da formação para as competências, mobilizados no texto. A análise evidencia que ao mesmo tempo em que o discurso do Parecer CNE/CP n. 2/2015 tenta negar vinculação com o modelo de formação baseado em competências – apagando e substituindo termos a ele relacionados – apresenta grande convergência com as diretrizes revogadas, que tomaram o conceito de competências como nuclear para a formação de professores.
PDF

Referências

ANFOPE (2001). Documento para subsidiar discussão na audiência pública regional. Recife, 21/03/2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Recife.pdf. Acesso em: 07 de nov. 2015.

BAKHTIN, M. M. VOLOCHÍNOV, V. N. (1929). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. M. (1963). Problemas da poética de Dostoiévski. Tradução do russo, notas e prefácio de Paulo Bezerra. 5 ed. Revista e ampliada. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

BAKHTIN, M. M. (1934-1935). O discurso no romance. In: Questões de literatura e de estética: teoria do romance. Trad. Aurora F. Bernardini et al. 7 ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BAKHTIN, M. M. (1952-1953) Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. (1970-1971). Apontamentos de 1970-1971. In BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 6.ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. (1919/1921). Para uma filosofia do ato. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza da edição americana Toward a philosophy of the act. Austin: University of Texas press, 1993. Tradução destinada exclusivamente para uso didático e acadêmico. [s.d.].

BRAIT, Beth (2012). Estilo. In: BRAIT, Beth (org). Bakhtin: conceitos-chave. 5 ed. São Paulo: Contexto.

BRAIT, Beth (2008). Análise e teoria do discurso. In: BRAIT, Beth. Outros conceitos-chave. São Paulo: Contexto.

BRASIL (2001). Parecer CNE/CP 009/2001, de 8 de maio de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf. Acesso em: 24 jun. 2015.

BRASIL (2015). Parecer CNE/CP 2/2015, de 9 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21123&Itemid=866. Acesso em: 07 de jul. 2015.

BRASIL (2015). Resolução CNE/CP 2/2015, de 1 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=21123&Itemid=866. Acesso em: 07 de jul. 2015.

CURY, Carlos Roberto Jamil (2006). Conselhos de Educação: fundamentos e funções. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, v.22, n.1, pp. 41-67. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/rbpae/article/view/18721/10944. Acesso em: 06 de nov. 2015.

DELORS, J. et al. (1996). Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI. Tradução José Carlos Eufrázio. São Paulo: Brasília, DF; Cortez; UNESCO, 1998. Disponível em http://ftp.infoeuropa.eurocid.pt/database/000046001-000047000/000046258.pdf Acesso em: 27 de nov. 2015.

FREITAS, Helena Costa Lopes (2015). CNE discute Diretrizes para Formação de Professores. Disponível em: http://formacaoprofessor.com/2015/04/05/cne-discute-diretrizespara-formacao-de-professores/. Acesso em: 13 de nov. 2015.

MAUÉS, Olgaíses Cabral (2003). Reformas Internacionais da educação e formação de professores. Cadernos de Pesquisa. n. 118, pp. 89-117.

MAUÉS, Olgaíses Cabral (2011). A política da OCDE para a educação e a formação docente. A nova regulação? Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 1, pp. 75-85.

PERRENOUD, Philippe. (2000). Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed.

SHIROMA, Eneida Oto. A formação do professor-gestor nas políticas de profissionalização. Revista e-curriculum, São Paulo, v.7 n.2, 2011 http://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum

VOLOSHINOV, V. N.; BAKHTIN, M. M (1926). Discurso na vida e discurso na arte: (sobre poética sociológica). Tradução do inglês: Carlos Alberto Faraco e Cristovão Tezza, para fins didáticos. Circulação restrita, 1926. [s.d.].

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.