Eventos de formação de professores: uma perspectiva etnográfica sobre aprender a ensinar

Autores

  • Everton Vargas da Costa Harvard University
  • Margarete Schlatter Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Formação de professores. Português como língua adicional. Prática profissional.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo apresentar evento de formação como um conceito produtivo para a pesquisa sobre formação de professores. O conceito foi desenvolvido com base em um estudo etnográfico (COSTA, 2013) que analisou as práticas de formação em reuniões de professores e em períodos entre as aulas em uma instituição de ensino de português como língua adicional. A formação de professores observada orientou-se por elementos da racionalidade prática e técnica (PÉREZ GÓMEZ, 1995) e por atividades de conhecimento na prática e reflexão na prática, conforme proposto por Schön (2000). As abordagens sobre formação de professores propostas por esses autores são discutidas à luz de fundamentos da pesquisa etnográfica (HAMMERSLEY; ATKINSON, 1995). Com base nos eventos de formação observados, o estudo mostra como as perspectivas teóricas de atividades de formação de professores podem ser descritas com base em dados etnográficos relativos às ações, aos tópicos e aos papéis de mais e menos experientes que os participantes constroem conjuntamente na interação. Os resultados da análise apontam que um evento de formação é um momento propício para aprender a ensinar, e, em sua constituição, são fundamentais as ações desempenhadas pelos participantes de solicitar ajuda e de narrar experiências prévias, tópicos relacionados a práticas de sala de aula, e a experiência dos participantes como agentes formadores e em formação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Everton Vargas da Costa, Harvard University

Possui graduação em Letras Licenciatura (Português/ Inglês) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005) e é mestre em Linguística Aplicada pela mesma universidade (2013). Pesquisa sobre práticas de formação de professores e publicou em 2013 a dissertação de mestrado Práticas de formação de professores de Português Língua Adicional em um instituto cultural brasileiro no exterior . Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Português Língua Adicional, atuando principalmente nos seguintes temas: Português para Falantes de Outras Línguas, Português para Falantes de Espanhol, Avaliação em Língua Adicional, com ênfase no exame Celpe-Bras, e Formação de Professores de Português Língua Adicional. Atualmente é Professor Leitor do Ministério de Relações Exteriores na Universidade de Harvard (Cambridge, MA - EUA). Já atuou no Instituto Federal do Rio Grande do Sul - Porto Alegre, onde desenvolveu práticas pedagógicas orientadas por projetos de aprendizagem. Também atuou como professor do Programa de Português Para Estrangeiros da UFRGS (PPE/UFRGS) e no Instituto Brasileiro-Equatoriano de Cultura (IBEC- Quito). É integrante da equipe de elaboração e correção do Exame Celpe-Bras, no Instituto Nacional de Pesquisas e Avaliações Educacionais Anísio Teixeira (INEP).

Margarete Schlatter, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Possui graduação em Bacharelado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1980), mestrado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1987) e doutorado em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1992). É professora na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, atuando no estágio de docência em inglês como língua adicional e na comissão coordenadora do Programa de Português para Estrangeiros. Coordenou a Comissão Técnica do Exame de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros Celpe-Bras e é uma das autoras da proposta curricular de Língua Estrangeira Moderna/Espanhol e Inglês dos Referenciais Curriculares do Estado do Rio Grande do Sul. Orienta alunos de mestrado e doutorado e lidera o Grupo de Pesquisa Português/Língua Adicional, especializado em prática de ensino (presencial e a distância), avaliação de proficiência e materiais didáticos para a aprendizagem de línguas adicionais.

Referências

BOURDIEU, P. (1977). Outline of a theory of practice. Cambridge: Cambridge University Press.

COSTA, E.V. (2013). Práticas de formação de professores de Português Língua Adicional em um instituto cultural brasileiro no exterior. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

GARCEZ, P.M.; SALIMEN, P.G. (2011). Pedir e oferecer ajuda para “fazer aprender” em atividades pedagógicas de encenação na fala-em-interação de sala de aula de inglês como língua adicional. In: Barcelos A.M. (Org.), Linguística Aplicada: reflexões sobre ensino e aprendizagem de língua materna e língua estrangeira. Campinas: Pontes. p. 97-117.

HAMMERSLEY, M.; ATKINSON, P. (1995). Etnografía: Métodos de Investigación. Barcelona: Paidós.

JUDD, E. L.; TAN, L.; WALBERG, H. J. (2001). Teaching additional languages. Switzerland, IBE Publications Unit. Disponível em http://www.ibe.unesco.org/fileadmin/user_upload/archive/Publications/educationalpracticesseriespdf/prac06e.pdf Acesso em 4 de agosto de 2016.

LIMA, E. E. O. F et al. (1991). Avenida Brasil 2: curso básico de português para estrangeiros. São Paulo: EPU,.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. (1995). In: Nóvoa, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote,.

NÓVOA, A. (2007). O Regresso dos Professores. Conferência Desenvolvimento profissional de professores para a qualidade e para a equidade da Aprendizagem ao longo da Vida. Lisboa: Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia.

PÉREZ GÓMEZ, A. (1995). O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: Nóvoa, A. (Org.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote.

PERRENOUD, P. (2002). A Prática Reflexiva no Ofício de Professor: Profissionalização e Razão Pedagógica. Porto Alegre: ARTMED.

RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (1998). Sociolinguística Interacional: antropologia, linguística e sociologia em análise do discurso. Porto Alegre: Loyola.

SCHLATTER, M. GARCEZ, P. (2009). Referenciais Curriculares para o Ensino de Língua Espanhola e de Língua Inglesa. Rio Grande do Sul: Secretaria de Educação do Estado.

SCHÖN, D. (2000). Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e aprendizagem. Porto Alegre: ARTMED.

Downloads

Publicado

2017-10-19

Como Citar

COSTA, E. V. da; SCHLATTER, M. Eventos de formação de professores: uma perspectiva etnográfica sobre aprender a ensinar. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 37-63, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650761. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos