Banner Portal
Facebook como ferramenta de interação extraclasse para aprendizes de língua espanhola
PDF

Palavras-chave

Interação. Facebook. Aprendizagem.

Como Citar

RETAMAR, H. J. C. Facebook como ferramenta de interação extraclasse para aprendizes de língua espanhola. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 97–115, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650763. Acesso em: 25 fev. 2024.

Resumo

O artigo analisa, a partir dos textos de Riel & Polin (2004), Hewitt (2004), Stahl (2009; 2011), Rodríguez Illera (2007), Gros Salvat (2008) e Pochon-Berger (2011), as interações ocorridas através do Facebook entre alunos do Ensino Médio de uma escola pública como apoio extraclasse à aula de Língua Espanhola. Sendo uma presença bastante frequente na vida dos alunos de hoje, principalmente no que se refere ao Ensino Médio, o Facebook tem se apresentado como uma opção possível para o ensino, visto que incorpora a vida do aluno à escola e não o contrário. Dessa forma, neste trabalho são analisadas interações ocorridas através do Facebook no ano de 2013 a partir da experiência realizada com uma turma de 18 alunos de língua espanhola em seu primeiro contato escolar com essa língua no primeiro ano do Ensino Médio. Tal reflexão sobre o uso do Facebook busca entender qual o papel dessa ferramenta para a aprendizagem da Língua Espanhola, bem como para a criação de laços maiores entre alunos e professores. As perguntas a serem respondidas são: 1) pode efetivamente o Facebook organizar uma comunidade de prática ou de construção de conhecimento para a aprendizagem de línguas? Os alunos participam do Facebook quando esse passa a fazer parte das obrigações da escola? Os alunos valorizam esse recurso e publicam por livre e espontânea vontade? Os alunos estão orientados para as atividades do Facebook em todos os momentos em que são chamados a participar? Inicialmente são revisados alguns estudos que tratam da aprendizagem em comunidades virtuais ou espaços virtuais, para logo tratar especificamente do Facebook como recurso virtual de aprendizagem de espanhol em uma comunidade.
PDF

Referências

ARAGÓN SÁNCHEZ. E. (s/d). Facebook te ha agregado como amigo. Cosmoplitik – Revista Eletrónica al servicio de la comunidad global. Disponível na Intermet em: http://www.cosmopolitik.com/articulos/Revista_7/Articulos/ErendiraAragonSanchez_foro.pdf. Acesso em: 10 dez 13.

COROMINAS, J. (1987). Breve diccionario etimológico de la Lengua Castellana. Madrid: Gredos.

GROS SALVAT, B. (2008). Las comunidades virtuales para la formación permanente del profesorado. REIRE – Revista d’Innovació i Recerca en Educació. 1, nov, pp. 1-10.

HEWITT, J. (2004). An exploration of community in a knowledge forum classroom: An activity system analysis. In: BARAB, S.; KLING, R.; GRA.Y, J (Orgs.), Designing for virtual communities in the service of learning. Cambridge MA: Cambridge University Press, pp. 210-238.

LAVE, J.; WENGER, E. (1991). Situated learning: Legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press.

POCHON-BERGER, E. (2011). A participant’s perspective on tasks: from task instruction, through pre-task planning, to task accomplishment. Novitas-ROYAL (Research on Youth and Language), n. 5, pp. 71-90.

RETAMAR, H. J. C. (2011) Site (Página wiki) de trabalho da disciplina de Língua espanhola. Disponível em: http://110yelcastellano.pbworks.com. Acesso em: 15 out. 2013.

RETAMAR, H. J. C. (2013). Língua(s), Espaço(s) na Escola e Plurilinguismo: um desafio para este milênio. VI Encontro Internacional de Investigadores de Políticas Linguísticas. Porto Alegre: UFRGS, pp. 189-194.

RIEL, M.; POLIN, L. (2004). Models of community learning and online learning in communities. In: BARAB, S.; KLING, R.; GRAY, J. (Orgs.). Designing for virtual communities in the service of learning. Cambridge: Cambridge University Press, pp. 16-50.

RODRÍGUEZ ILLERA, J. L. (2007). Como as comunidades virtuais de prática e de aprendizagem podem transformar a nossa concepção de educação. Sísifo – revista de ciências da educação. n.3, mai/ago, pp. 117-124.

SCHLATTER, M.; BULLA, G. S.; GARGIULO, H. (2013). O CEPI como ação de política linguística para o intercâmbio acadêmico. VI Encontro Internacional de Investigadores de Políticas Linguísticas. Porto Alegre: UFRGS, pp. 107-112.

STAHL, G. (2009). From Individual representations to group cognition. STAHL, G. (Org.), Studying virtual Math teams. New York: Springer, pp. 57-82.

STAHL, G. (2011). How a virtual math team structured its problem solving. In: the international conference on Computer-Supported Collaborative Learning. Hong Kong,China. Disponível em http://GerryStahl.net/pub/cscl2011stahl.pdf, shttp://youtube/0Dg02YQCQIE, pp. 256-263, 2011. Acesso em: 12 set 2013

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.