Banner Portal
Os sinais dos surdos: uma análise a partir de uma perspectiva cultural
PDF

Palavras-chave

Libras. Sinais próprios. Parâmetros gramaticais. Contexto cultural surdo.

Como Citar

SOUZA, Isabelle Lima; GEDIEL, Ana Luisa. Os sinais dos surdos: uma análise a partir de uma perspectiva cultural. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 1, p. 163–185, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650767. Acesso em: 20 jul. 2024.

Resumo

O presente trabalho descreve a constituição dos sinais próprios e o processo de nomeação das pessoas Surdas, levando em conta a Fonologia, aliada a questões consideradas relevantes culturalmente na comunidade de fala estudada. Realizamos uma pesquisa etnográfica com pessoas Surdas, em uma cidade da Zona da Mata Mineira, para o mapeamento dos sinais próprios e a verificação de suas principais características fonológicas. Como instrumentos de coleta e análise de dados, utilizamos caderno de notas, diário de campo e câmera. A etnografia possibilitou uma maior compreensão acerca dos demarcadores culturais imersos nesse processo, tendo em vista a perspectiva dos Surdos considerados líderes, os quais elaboram os sinais próprios. Como resultados da pesquisa, percebemos uma aproximação da inserção de aspectos fonológicos de acordo com a referência de elementos culturais ligados à iconicidade e à arbitrariedade de cada sinal. Ainda, foram identificados e mapeados um conjunto de sinais a partir de alguns dos parâmetros fonológicos da Libras que remetem às seguintes constatações: 1) padronizações que podem ser consideradas categorização de gênero; 2) empréstimo linguístico da Língua Portuguesa para a Libras, que ocorreu por meio do alfabeto datilológico, pois, muitas vezes, a Configuração de Mão (CM) dos sinais faz referência ao nome próprio das pessoas; e 3) iconicidade e arbitrariedade dos sinais no processo de nomeação.
PDF

Referências

BERNARDINO, Elidéa Lúcia Almeida. (2012). O uso de classificadores na Língua de Sinais brasileira. ReVEL, v. 10, n. 19.

BRAH, Avtar.(2006). Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, Jan-Jun, pp.329-376.

CARVALHINHOS, Patricia de Jesus. (2007). As origens dos nomes das pessoas. Domínios da Linguagem. Revista Eletrônica de Linguística. Ano 1, nº1.

DURANTI, Alessandro. (1997). Linguistic Anthropology. New York, NY: Cambridge University Press.

DURANTI, Alessandro. (2001). Linguistic Anthropology: A reader. Oxford: Blackwell Publishing Ltd.

FARIA-NASCIMENTO, Sandra Patrícia de. (2009). Representações lexicais da LSB: uma proposta lexicográfica. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade de Brasília. Brasília: Instituto de Letras.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. (1998). Língua Brasileira de Sinais – Libras. In: Ferreira-Brito, Lucinda et al. (Org.). Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental. vol. III: Língua Brasileira de Sinais. Brasília: MEC/SEESP.

GEDIEL, Ana Luisa. (2010). Falar com as Mãos e Ouvir com os Olhos? A corporificação dos Sinais e os significados dos corpos para os Surdos de Porto Alegre. (Tese de Doutorado em Antropologia Social). Porto Alegre: UFRGS.

GESSER, Audrei. (2009). LIBRAS? : Que língua é essa? : crenças e preconceitos em torno da Língua de Sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial.

GUMPERZ, John. (1992). Convenções de Contextualização. In: RIBEIRO, Branca Telles. Sociolinguística Interacional. Porto Alegre: AGE.

GUMPERZ, John & COOK-GUMPERZ, Jenny. Introduction: language and the communication of social identity. In: GUMPERZ, John. Language and Social Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HEREDIA, Fabiola. (2007). “Me di cuenta de que podía hablar con las manos...”: las personas sordas y su encuentro con la Lengua de Señas y la comunidad sorda*. in: IX Congreso Argentino de Antropología Social “Fronteras de la Antropología”.

LAPLANTINE, François. (2003). Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense.

LODER, Letícia Ludwig. (2008). Noções fundamentais: A organização do reparo. In: Loder, Letícia Ludwig. Jung, Neiva Maria.(Orgs) Fala-em-interação social: Introdução à análise da conversa etnometodológica. Campinas, SP: Mercado de Letras.

MENEZES, V.; SILVA, M.M.; GOMES, I.F. (2009). Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contextos.

MINAYO, Maria Cecília. (1994). Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

MALINOWSKI, Bronislaw. (1978). Argonautas do Pacífico Ocidental. Coleção os Pensadores. São Paulo: Abril.

NONAKA, Angela. (2004). The forgotten endangered languages: Lessons on the importance of remembering from Thailand’s Ban Khor Sign Language. Language in Society, 33, pp. 737-767.

NONAKA, Angela. (2014). (Almost) everyone here spoke Ban Khor Sign Languaged Until they started using TSL: Language shift and endangerment of a Thai village sign language. Language & Communication, 38, pp. 54-72, May.

NONAKA, Angela; MESH, Kate; SAGARA, Keiko. (2015). Signed Names in Japonese Sign Language: Linguistic and Cultural Analyses. Sign Language Studies, Vol 16, nº 1, pp. 57-85.

QUADROS, Ronice Muller de & KARNOPP, Lodenir. (2004). Língua de Sinais Brasileira – Estudos Linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

ORTEGA, Gerardo; MORGANC, Gary. (2015). Phonological Development in Hearing Learners of a Sign Language: The Influence of Phonological Parameters, Sign Complexity, and Iconicity. Language Learning 65:3, pp. 660-688, September.

PADDEN & HUMPHRIES. (2006). Inside Deaf Culture. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

PIZZUTO, E., & VOLTERRA, V. (2000). Iconicity and transparency in Sign Languages: Across-linguistic cross-cultural view. In: K. Emmorey & H. L. Lane (Eds.). The signs of language revisited: An anthology to honor Ursula Bellugi and Edward Klima. Mahwah, NJ: Erlbaum.

SUPALLA, Ted. (1986) The classifier system in American Sign Language. In: CRAIG, Colette. (Ed.) Typological studies in language: noun classes and categorization. 7, pp. 181-214. Amsterdam, Philadelphia: John Benjamin Publishing Company.

TURNER, Victor. (1986). Anthropology of Experience. Illinois: Illinois Books Ed.

O periódico Trabalhos em Linguística Aplicada utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Trabalhos de Linguística Aplicada, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.