Os sinais dos surdos: uma análise a partir de uma perspectiva cultural

  • Isabelle Lima Souza Universidade Federal de Viçosa
  • Ana Luisa Gediel Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Libras. Sinais próprios. Parâmetros gramaticais. Contexto cultural surdo.

Resumo

O presente trabalho descreve a constituição dos sinais próprios e o processo de nomeação das pessoas Surdas, levando em conta a Fonologia, aliada a questões consideradas relevantes culturalmente na comunidade de fala estudada. Realizamos uma pesquisa etnográfica com pessoas Surdas, em uma cidade da Zona da Mata Mineira, para o mapeamento dos sinais próprios e a verificação de suas principais características fonológicas. Como instrumentos de coleta e análise de dados, utilizamos caderno de notas, diário de campo e câmera. A etnografia possibilitou uma maior compreensão acerca dos demarcadores culturais imersos nesse processo, tendo em vista a perspectiva dos Surdos considerados líderes, os quais elaboram os sinais próprios. Como resultados da pesquisa, percebemos uma aproximação da inserção de aspectos fonológicos de acordo com a referência de elementos culturais ligados à iconicidade e à arbitrariedade de cada sinal. Ainda, foram identificados e mapeados um conjunto de sinais a partir de alguns dos parâmetros fonológicos da Libras que remetem às seguintes constatações: 1) padronizações que podem ser consideradas categorização de gênero; 2) empréstimo linguístico da Língua Portuguesa para a Libras, que ocorreu por meio do alfabeto datilológico, pois, muitas vezes, a Configuração de Mão (CM) dos sinais faz referência ao nome próprio das pessoas; e 3) iconicidade e arbitrariedade dos sinais no processo de nomeação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabelle Lima Souza, Universidade Federal de Viçosa
Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG.
Ana Luisa Gediel, Universidade Federal de Viçosa
Antropóloga e professora Adjunta IV do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa (UFV), MG, onde atua na área de LIBRAS ? Língua Brasileira de Sinais, desde o ano de 2010 e é professora vinculada ao programa de pós-gradução em Letras, na linha de pesquisa denominada "Linguística Aplicada: Formação de Professores e Ensino e Aprendizagem de Línguas". Ainda, é professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação Minter em Antropologia Social Museu Nacional/UFV. É pesquisadora associada ao Grupo de Pesquisa do CNPq: Crenças sobre Ensino e Aprendizagem de Línguas (CEALI). Desenvolve pesquisas a partir da abordagem metodológica etnográfica referente às Pessoas Surdas que utilizam a LIBRAS como primeira língua e sua relação com diferentes contextos socioculturais. Tem interesse em compreender os fenômenos sociais que envolvem a construção linguística e poder por meio dos usos da língua no cotidiano, usufruindo da interrelação com a Linguística Aplicada, a Antropologia Linguística e a Antropologia do Corpo.

Referências

BERNARDINO, Elidéa Lúcia Almeida. (2012). O uso de classificadores na Língua de Sinais brasileira. ReVEL, v. 10, n. 19.

BRAH, Avtar.(2006). Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, Jan-Jun, pp.329-376.

CARVALHINHOS, Patricia de Jesus. (2007). As origens dos nomes das pessoas. Domínios da Linguagem. Revista Eletrônica de Linguística. Ano 1, nº1.

DURANTI, Alessandro. (1997). Linguistic Anthropology. New York, NY: Cambridge University Press.

DURANTI, Alessandro. (2001). Linguistic Anthropology: A reader. Oxford: Blackwell Publishing Ltd.

FARIA-NASCIMENTO, Sandra Patrícia de. (2009). Representações lexicais da LSB: uma proposta lexicográfica. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade de Brasília. Brasília: Instituto de Letras.

FERREIRA-BRITO, Lucinda. (1998). Língua Brasileira de Sinais – Libras. In: Ferreira-Brito, Lucinda et al. (Org.). Programa de capacitação de recursos humanos do ensino fundamental. vol. III: Língua Brasileira de Sinais. Brasília: MEC/SEESP.

GEDIEL, Ana Luisa. (2010). Falar com as Mãos e Ouvir com os Olhos? A corporificação dos Sinais e os significados dos corpos para os Surdos de Porto Alegre. (Tese de Doutorado em Antropologia Social). Porto Alegre: UFRGS.

GESSER, Audrei. (2009). LIBRAS? : Que língua é essa? : crenças e preconceitos em torno da Língua de Sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial.

GUMPERZ, John. (1992). Convenções de Contextualização. In: RIBEIRO, Branca Telles. Sociolinguística Interacional. Porto Alegre: AGE.

GUMPERZ, John & COOK-GUMPERZ, Jenny. Introduction: language and the communication of social identity. In: GUMPERZ, John. Language and Social Identity. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

HEREDIA, Fabiola. (2007). “Me di cuenta de que podía hablar con las manos...”: las personas sordas y su encuentro con la Lengua de Señas y la comunidad sorda*. in: IX Congreso Argentino de Antropología Social “Fronteras de la Antropología”.

LAPLANTINE, François. (2003). Aprender Antropologia. São Paulo: Brasiliense.

LODER, Letícia Ludwig. (2008). Noções fundamentais: A organização do reparo. In: Loder, Letícia Ludwig. Jung, Neiva Maria.(Orgs) Fala-em-interação social: Introdução à análise da conversa etnometodológica. Campinas, SP: Mercado de Letras.

MENEZES, V.; SILVA, M.M.; GOMES, I.F. (2009). Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contextos.

MINAYO, Maria Cecília. (1994). Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

MALINOWSKI, Bronislaw. (1978). Argonautas do Pacífico Ocidental. Coleção os Pensadores. São Paulo: Abril.

NONAKA, Angela. (2004). The forgotten endangered languages: Lessons on the importance of remembering from Thailand’s Ban Khor Sign Language. Language in Society, 33, pp. 737-767.

NONAKA, Angela. (2014). (Almost) everyone here spoke Ban Khor Sign Languaged Until they started using TSL: Language shift and endangerment of a Thai village sign language. Language & Communication, 38, pp. 54-72, May.

NONAKA, Angela; MESH, Kate; SAGARA, Keiko. (2015). Signed Names in Japonese Sign Language: Linguistic and Cultural Analyses. Sign Language Studies, Vol 16, nº 1, pp. 57-85.

QUADROS, Ronice Muller de & KARNOPP, Lodenir. (2004). Língua de Sinais Brasileira – Estudos Linguísticos. Porto Alegre: Artmed.

ORTEGA, Gerardo; MORGANC, Gary. (2015). Phonological Development in Hearing Learners of a Sign Language: The Influence of Phonological Parameters, Sign Complexity, and Iconicity. Language Learning 65:3, pp. 660-688, September.

PADDEN & HUMPHRIES. (2006). Inside Deaf Culture. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press.

PIZZUTO, E., & VOLTERRA, V. (2000). Iconicity and transparency in Sign Languages: Across-linguistic cross-cultural view. In: K. Emmorey & H. L. Lane (Eds.). The signs of language revisited: An anthology to honor Ursula Bellugi and Edward Klima. Mahwah, NJ: Erlbaum.

SUPALLA, Ted. (1986) The classifier system in American Sign Language. In: CRAIG, Colette. (Ed.) Typological studies in language: noun classes and categorization. 7, pp. 181-214. Amsterdam, Philadelphia: John Benjamin Publishing Company.

TURNER, Victor. (1986). Anthropology of Experience. Illinois: Illinois Books Ed.

Publicado
2017-10-19
Como Citar
Souza, I. L., & Gediel, A. L. (2017). Os sinais dos surdos: uma análise a partir de uma perspectiva cultural. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 56(1), 163-185. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650767
Seção
Artigos