As modalidades da avaliação e as etapas da sequência didática: articulações possíveis

  • Marileuza Ascencio Miquelante Universidade Estadual de Londrina
  • Claudia Lopes Pontara Universidade Estadual de Londrina
  • Vera Lúcia Lopes Cristovão Universidade Estadual de Londrina
  • Rosinalva Ordonia da Silva Secretaria de Estado da Educação do Estado do Paraná
Palavras-chave: Avaliação. Sequência didática. Capacidades de linguagem.

Resumo

Partindo do pressuposto de que a avaliação é parte integrante do processo de ensino e aprendizagem e imprescindível na orientação das ações pedagógicas que visem à superação das dificuldades apresentadas pelos estudantes, este trabalho realiza uma análise sobre as possíveis articulações entre as modalidades da avaliação e as etapas do procedimento sequência didática (SD) (DOLZ, NOVERRAZ, SCHNEUWLY, 2004) e sobre como essa prática pode contribuir para o desenvolvimento das capacidades de linguagem. Com o intuito de analisar tal articulação, inicialmente, apresentamos o plano textual global de três SD implementadas em diferentes contextos, e, na sequência, classificamos as atividades. Para a análise das capacidades de linguagem, analisamos três versões de texto, de um dos estudantes do grupo do Ensino Superior. As análises revelam que o trabalho com a escrita, instrumento avaliativo foco deste estudo, ocorreu, em cada uma das SD, em três momentos distintos: primeira produção, revisão e reescrita da primeira produção e produção final, o que vai ao encontro da nossa defesa de que a SD possibilita colocar em prática as modalidades avaliativas e suas funções que são: diagnosticar, controlar e classificar (HAYDT, 2008, FURTOSO, 2008). Em relação às produções, as análises mostram que houve avanço quanto ao atendimento dos critérios das capacidades de linguagem, uma vez que, os apontamentos/ questionamentos feitos para orientar o estudante na retomada de aspectos já estudados em outros momentos foram atendidos promovendo o desenvolvimento de capacidades de linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marileuza Ascencio Miquelante, Universidade Estadual de Londrina
Professora da Universidade Estadual do Paraná, Câmpus de Campo Mourão (Unespar). Graduada em LETRAS pela Faculdade de Ciências e Letras de Campo Mourão (1990). Mestre em Linguística Aplicada na área de Ensino e Aprendizagem de Segunda Língua e Língua Estrangeira pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Doutoranda em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (2014). Participa dos grupos de pesquisa: Linguagem, Desenvolvimento, Educação e suas Relações - LIDERE - UNESPAR/câmpus de Campo Mourão; O professor de Línguas Estrangeiras: contextos, saberes e práxis - UNESPAR/câmpus de Campo Mourão e Linguagem e Educação - UEL, cadastrados no CNPq. Atua no ensino de Língua Inglesa. Coordena e orienta o estágio supervisionado de Letras. Orientou professores PDE (Programa de Desenvolvimento Educacional do Paraná). Foi coordenadora do PIBID, Subprojeto de Língua Inglesa de 2012 a 2015. Atuou como professora da Educação Básica por mais de 20 anos.
Claudia Lopes Pontara, Universidade Estadual de Londrina
Doutoranda em Estudos da Linguagem pela UEL. Mestre em Estudos da Linguagem pela UEL.Possui graduação em Letras Anglo- Portuguesa pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Jandaia do Sul (1990). Especialista em Língua Portuguesa e Língua Inglesa. Atua na Educação Pública do Estado do Paraná, com a disciplina de Língua Inglesa. Já atuou no Núcleo Regional de Educação como responsável pelas pastas de Língua Estrangeira Moderna e CELEM. Já atuou no Ensino Superior, como professora de Prática de Ensino e de Língua Portuguesa. Já respondeu por Coordenação de Curso de Letras, por Coordenação de Processos de Vestibular, além de atuar como Direção Acadêmica em Instituições de Ensino Superior. Desenvolve os estudos a partir da perspectiva teórica do Interacionismo Sociodiscursivo, defendendo o uso do procedimento Sequência Didática para o ensino de línguas. Atualmente, desenvolve pesquisa acerca da formação continuada do professor de Língua Estrangeira. É membro do Grupo de Pesquisa Linguagem e Educação.
Vera Lúcia Lopes Cristovão, Universidade Estadual de Londrina
Professora associada da Universidade Estadual de Londrina (UEL), membro do Programa de Pós Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL-UEL) e líder do grupo de pesquisa Linguagem e Educação (desde 2002). Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual de Londrina (1988), mestrado (1996) e doutorado (2002) em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem pelo Programa de Pós-Graduação da PUC-SP. Recebeu bolsa-sanduíche CAPES para realização de parte de sua pesquisa de doutorado na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Genebra em 1999/2000. Tem estágio de Pós-Doutorado (2007-2008) no Programa de Pós-Graduação da PUC-SP e do PPG em Estudos Linguísticos da UFMG em 2012.
Rosinalva Ordonia da Silva, Secretaria de Estado da Educação do Estado do Paraná
Secretaria de Estado da Educação do Estado do Paraná, Curitiba, PR. Brasil.

Referências

BAZERMAN, C. (1988/2000). Shaping Written Knowledge: The Genre and Activity of the Experimental Article in Science. WAC Clearing house Landmark Publications in Writing Studies: http://wac.colostate.edu/books/ bazerman_shaping/ Originally Published in Print, by University of Wisconsin Press, Madison, Wisconsin. Disponível em: http://wac.colostate.edu/books/bazerman_shaping/chapter1.pdf Acesso em: 17 jun. 2015.

BEATO-CANATO, A.P.M. (2009).O desenvolvimento da escrita em língua inglesa com o uso de sequências didáticas contextualizadas em um projeto de troca de correspondências. Tese de Doutorado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, Londrina. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000151181&print=y. Acesso em: 04 mar. 2014.

BLOOM, B. et al. (1983). Manual de Avaliação Formativa e Somativa do Aprendizado Escolar, trad. Lilian Rochlitz Quintão; Maria Cristina Fioratti Florez; Maria Eugênia Vanzolini.

São Paulo: Livraria Pioneira Editora.

BONESI, P.G.;SOUZA, N.A. de. (2006). Fatores que dificultam a transformação da avaliação na escola. Estudos em Avaliação Educacional. v. 17, nº 34, pp. 129-153. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1288/1288.pdf Acesso em: 10 out. 2015.

BRONCKART, J.P. (1999/2007/2012)Atividade de linguagem, textos e discursos: Por um interacionismo sociodiscursivo, trad. Anna Rachel Machado; Péricles Cunha. 2ª ed. São Paulo: EDUC.

BRONCKART, J.P. (2006) Interacionismo Sócio-discursivo: uma entrevista com Jean Paul Bronckart. Tradução de Cassiano Ricardo Haag e Gabriel de Ávila Othero. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. v. 4, nº 6. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/entrevistas/revel_6_entrevista_bronckart_port.pdf. Acesso em: 14 out. 2013.

CHEVALLARD, Y. (1989).On didactic transposition theory: some introductory notes. Disponível em: http://yves.chevallard.free.fr/spip/spip/rubrique.php3?id_rubrique=6.

Acesso em: 17 jan. 2015.

CHUEIRI, M. S. F. (2008) Concepções sobre a Avaliação Escolar. Estudos em Avaliação Educacional. v. 19, nº 39, pp. 49-64. Disponível em: http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1418/1418.pdf Acesso em: 20 nov. 2015.

Cristóvão, V. L. L. (2007). Procedimentos de Análise e Interpretação em textos de avaliação. In: Guimarães, A. M. M; Machado, A. R.; Coutinho, A. (org.), O Interacionismo Sociodiscursivo: questões epistemológicas e metodológicas. 1ª Ed. Campinas: Mercado de Letras. pp. 257-272.

Cristóvão, V. L. L.; et. al. (2010). Uma proposta de planejamento de ensino de língua inglesa em torno de gêneros textuais. Letras. v. 20, nº 40, pp. 191-215.

Cristóvão, V. L. L.; STUTZ, L. (2011). A Construção de uma Sequência Didática na Formação Docente de Língua Inglesa. Revista SIGNUM: Estudos da Linguagem. V. 14. nº1, pp.569-589.

CONSOLO, D. A. (2004) A construção de um instrumento de avaliação da proficiência oral do professor de língua estrangeira. Trabalhos em Linguística Aplicada (UNICAMP), Campinas-SP, v. 43, n.2, p. 265-286.

DENARDI, D.A.C. (2009). Flying together towards EFL teacher development as language learners and professionals through genre writing. Tese de Doutorado em Letras – Inglês e Literatura Correspondente. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92491 Acesso em: 25 fev. 2015.

DOLZ, J; GAGNON, R; DEC NDIO, F. (2010). Produção escrita e dificuldades de aprendizagem, trad. Fabrício Decândio; Anna Rachel Machado. Campinas: Mercado das Letras.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. (2004). Sequências Didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: Schneuwly, B; Dolz, J. et. al. Gêneros orais e escritos na escola, trad. Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras.

DOLZ, J.; SCHNEUWLY, B. (2004). Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona) In: Schneuwly, B; Dolz, J. et. al. Gêneros orais e escritos na escola, trad. Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras.

FERRARINI, M. A. (2009). O gênero textual conto de fadas didatizado para o ensino de produção escrita em língua inglesa. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Londrina. Londrina. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000152702. Acesso em: 20 mar. 2015.

FURTOSO, V. B. (2008). Interface entre avaliação e ensino-aprendizagem: desafios na formação de professores. In: Durão, A. B. A. B.; Andrade, O. G.; Reis, S. (org.), Reflexões sobre o ensino das línguas estrangeiras. Londrina: UEL, pp. 127-158.

GASPAROTTO, D. (2014). O trabalho colaborativo em práticas de revisão e reescrita de textos em séries finais do ensino fundamental I. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Estadual de Maringá, Maringá. Disponível em: http://www.ple.uem.br/defesas/pdf/dmgasparotto.PDF. Acesso em: 24 set. 2015.

GONÇALVES, A.; NASCIMENTO, E. L. (2010). Avaliação formativa: autorregulação e controle da textualização. Trabalhos em Linguística Aplicada. v. 49, nº 1, pp. 241-257. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tla/v49n1/16.pdf. Acesso em: 20 ago. 2014.

HADJI, C. (1993). A avaliação, regras do jogo: das intenções aos instrumentos. 4. ed. Portugal: Porto Editora.

HAYDT. R. C. (2008). Avaliação do processo de Ensino-Aprendizagem. 6ª Ed. São Paulo: Ática.

HOFFMANN, J. (1998). Pontos e contrapontos: do pensar ao agir em educação. Porto Alegre: Mediação.

LANFERDINI, P.A.F. (2012). O trabalho (agir) docente no processo coletivo de planejamento e elaboração de uma Sequência Didática para o ensino de Língua Inglesa. 2012. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina: Londrina. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000177959. Acesso em: 20 mar. 2015.

LEAL, A.A. (2011). A organização textual do gênero cartoon: aspectos linguísticos e condicionamentos não linguísticos. Tese de Doutorado em Linguística – Teoria do Texto. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Portugal. Disponível em: http://run.unl.pt/handle/10362/6646 Acesso em: 13 jan. 2015.

LIB NEO, J. C.; ALVES, N. (2012). Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez.

LUCKESI, C. C. (2012). Avaliação da Aprendizagem na escola. In: Libâneo, José Carlos; Alves, Nilda (org.), Temas de pedagogia: diálogos entre didática e currículo. São Paulo: Cortez. pp. 433-451.

LUCKESI, C. C. (2003). Avaliação da aprendizagem na escola: reelaborando conceitos e recriando a prática. Salvador: Malabares Comunicação e Eventos.

LUCKESI, C. C. (2006). Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, no caderno “Aprender”, pág. 9. Disponível em: http://www.luckesi.com.br/textos/entrevista_folha_dirigida_outubro2006.pdf. Acesso em: 15 out.2015.

LUCKESI, C. C. (2002). Avaliação da Aprendizagem escolar: estudo e proposições. 14ª Ed. São Paulo: Cortez.

MARCONI, M.; LAKATOS, E. M. A. (2003). Metodologia científica. 5ª. Ed. São Paulo: Atlas.

MENEGASSI, R J. (2010). O processo de produção textual. In: Santos, A. R.; Greco, E. A.; Guimarães, T. B. A produção textual e o ensino. Formação de Professores em Letras – EAD; nº 6. Maringá: EDUEM.

MENEGASSI, R J. (2012). Conceitos bakhtinianos em comandos de prova de redação. In: Figueiredo, D. C.; Bonini, A.; Furlanetto, M. M.; Moritz, M. E. W. (org.), Sociedade, cognição e linguagem: apresentações do IX CELSUL. Florianópolis: Insular. v. 1. pp. 251-276.

MINAYO, M. C. S. (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

NASCIMENTO, E. L. (2009). Gêneros Textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos: Editora Claraluz.

PASQUIER, A.; DOLZ, J. (1996). Um decálogo para ensinar a escrever. Cultura y Educación, n. 2, p. 31-41, 1996. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/65966212/Umdecalogo-para-ensinar-a-escrever-traducao-Roxane-Rojo Acesso em: 14 out. 2013.

PONTARA, C. (2015).Gêneros textuais e sequência didática propiciando um ensino significativo de análise linguística e expressão escrita em língua inglesa. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, PR.

RIBEIRO, E.A.G. (2011). Avaliação formativa em foco: concepção e características no discurso dicente. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, PR. Disponível em: http://www.uel.br/pos/mestredu/images/stories/downloads/dissertacoes/2011/2011_-_RIBEIRO_Elizabete_Aparecida_Garcia.pdf. Acesso em: 17 jan. 2016.

RIOS REGISTRO, E. S. (2013). O conto na interface língua, literatura de língua inglesa e formação de professor de língua inglesa: uma proposta mediada pela produção de sequências didáticas. Tese de Doutorado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual

de Londrina. Londrina. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000189442. Acesso em: 20 fev. 2015.

RUIZ, E.D. (2010/2013). Como corrigir redações na escola: uma proposta textual-interativa. 1ª Ed. 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto.

SCARAMUCCI, M. V. R. (2011) Validade e consequências sociais das avaliações em contextos de ensino de línguas. Linguarum Arena, v. 2, p. 121-137.

SCARAMUCCI, M. V. R. (2014) A Avaliação no Ensino-Aprendizagem de Línguas e nas Pesquisas em Linguística Aplicada. In: MULIK, Katia Bruginski; RETORTA, Miriam Sester. (Org.). Avaliação no Ensino-Aprendizagem de Línguas Estrangeiras: Diálogos, Pesquisas e Reflexões. 1ed. Campinas: Pontes Editores, v. 1, p. 257-262.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. (2004). Gêneros orais e escritos na escola. trad. Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado das Letras.

SCHNEUWLY, B. (2004). Gêneros e tipos de discurso: considerações psicológicas e ontogenéticas. In: Schneuwly, B; Dolz, J. et. al. Gêneros orais e escritos na escola, trad. Roxane Rojo; Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras.

SCRIVEN, M. (1967). The methodology of evaluation: perspectives on curriculum evaluation. AERA Monograph Series on Curriculum evaluation. nº.1, Chicago Rand Mc-Nally. Disponível em: http://www.comp.dit.ie/dgordon/Courses/ILT/ILT0005/TheMethodologyOfEvaluation.pdf. Acesso em: 10 set. 2015.

SILVA, D. P. (2011). A avaliação somativa nas sequências didáticas para o oral e escrita em Português. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Federal do Pará, Belém. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/4661. Acesso em: 10 ago. 2014.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 4ª Ed. Florianópolis: UFSC. Disponível em: https://projetos.inf.ufsc.br/arquivos/Metodologia_de_pesquisa_e_elaboracao_de_teses_e_dissertacoes_4ed.pdf Acesso em: 27 de jan. 2016.

SOUZA, A. M. L. (2012). Avaliação de Aprendizagem no Ensino Superior: aspectos históricos. Revista Exitus. v. 2, nº 1, pp. 231-254. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/revistaexitus/revistas/volume-ii/artigos/avaliacao-da-aprendizagem-noensino-superior-aspectos-historicos/view. Acesso em: 12 ago. 2014.

STUTZ, L. (2012). Sequências didáticas, socialização de diários, autoconfrontação: instrumentos para a formação inicial de professores de inglês. Tese de Doutorado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina: Londrina.

SUASSUNA, L. Paradigmas de avaliação: uma visão panorâmica. In: MARCUSCHI B. e SUASSUNA L. (org.). Avaliação em língua portuguesa: contribuições para a prática pedagógica. 1ed., 1 reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Disponível em: http://www.serdigital.com.br/gerenciador/clientes/ceel/arquivos/8.pdf. Acesso em: 02 fev. 2016.

VIGOTSKI, L.S. (2002). Pensamento e linguagem. Disponível em http://www.institutoelo.org.br/site/files/publications/5157a7235ffccfd9ca905e359020c413.pdfAcesso em: 10 de agosto de 2014.

Publicado
2017-10-19
Como Citar
Miquelante, M. A., Pontara, C. L., Cristovão, V. L. L., & Silva, R. O. da. (2017). As modalidades da avaliação e as etapas da sequência didática: articulações possíveis. Trabalhos Em Linguística Aplicada, 56(1), 259-299. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8650771
Seção
Artigos