Culturas legítimas: la traducción de historietas latinoamericanas en Brasil

Autores

  • Barbara Zocal Universidade de São Paulo (USP)

Palavras-chave:

Traducción. Historietas. Latinoamérica.

Resumo

En este artículo, realizamos un sobrevuelo sobre cuestiones sociales de las últimas décadas con respecto al lugar de la traducción de la lengua española en Brasil. Además, tratamos de presentar la relevancia de la traducción en el mercado editorial de las historietas, sobre todo de las latinoamericanas traducidas al portugués, con el objetivo de observar las regularidades del mercado editorial de las historietas traducidas. Al final, presentamos un estudio de caso de la traducción brasilera, intitulada Sendero Luminoso (Editorial Veneta, 2016), de las novelas gráficas peruanas Rupay. Historias gráficas de la violencia política en el Perú (1980-1984), de Luis Rossell, Alfredo Villar y Jesús Cossio (Editorial Contracultura, 2008), y Barbarie. Comics sobre Violencia Política en el Perú, 1985-1990, de Jesús Cossio (Editorial Contracultura, 2010).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Zocal, Universidade de São Paulo (USP)

Barbara Zocal da Silva (ZOCAL, Barbara) é doutoranda e mestra em Letras, na linha de pesquisa Estudos tradutológicos, comparados e de processos interculturais, do Programa de pós-graduação de Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana, da Universidade de São Paulo. Realiza pesquisas que abrangem as áreas de Estudos da Tradução; Sociologia e Tradução de textos multimodais, como tradução de histórias em quadrinhos latino-americanas. Ademais, é tradutora profissional de espanhol e francês (textos literários, acadêmicos e técnicos), revisora de língua portuguesa,  escritora e ghostwriter de contos, crônicas e biografias adultos e juvenis.

Referências

ACEVEDO, J. (1978). Como fazer histórias em quadrinhos. Trad. de Sílvio Neves Ferreira. São Paulo: Global, 1990.

ANDRADE, C. D. (2013). De notícias & não notícias faz-se a crônica: Histórias – diálogos – divagações, 1ª ed. São Paulo: Cia. das Letras, p. 280.

BAGNO, M. (2017). Oralidade inverossímil e romance gráfico: a tradução brasileira de Aya de Yopougon. Translatio, nº 13, jul., pp.163-184.

BOURDIEU, P. (1999). La producción y la reproducción de la lengua legítima. In: ¿Qué significa hablar? Economía de los intercambios lingüísticos. Trad. de Esperanza Martínez Pérez. Madrid: Akal, pp. 19-48.

CAMPOS, R. (2016). Prefácio da edição brasileira. In: VILLAR, A.; ROSSELL, L.; COSSIO, J. Sendero Luminoso. São Paulo: Veneta, pp. 5-10.

CÂNDIDO, A. (2006). Literatura e sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul.

COSSIO, J. (2010). Barbarie. Comics sobre Violencia Política en el Perú, 1985-1990. Buenos Aires: Editorial Contracultura.

DICCIONARIO QUECHUA – Español – Quechua. (2005). Perú: Academia Mayor de la Lengua Quechua. Qheswa Simi Hamut'ana Kurak Suntur.

EVEN-ZOHAR, I. (1978). The position on Translated Literature within the Literary Polysystem. In: VENUTI, L. (2000). The Translation Studies Reader. London, New York: Routledge, pp. 192-197.

GIUNTA, N. G. (2009). La historia del comic en la Argentina. Disponible en: www.todohistorietas.com.ar/historia_argentina_1.htm. Accesado en: jul. 2015.

HALLEWELL, L. (2012) O livro no Brasil: sua história. 3. ed. Trad. de Maria da Penha Villalobos, Lólio Lourenço de Oliveira e Geraldo Gerson de Souza. São Paulo: Edusp.

JUNIOR, G. (2004). A guerra dos gibis: a formação do mercado editorial brasileiro e a censura aos quadrinhos, 1933-64. São Paulo: Cia. das Letras.

KAINDL, K. (2010). Comics in translation. In: GAMBIER, Y.; DOORSLAER, L. (Eds.). Handbook of Translation Studies. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, v. 1, pp. 36-40.

MARQUES DE MELO, J. (1970). Quadrinhos no Brasil: estrutura industrial e conteúdo das mensagens. In: MARQUES DE MELO, J. Comunicação social: teoria e pesquisa. Petrópolis: Vozes, pp. 185-246.

PARADA, A.; FOUCES, O. (Eds.). (2006). Sociology of Translation. Vigo: Universidade de Vigo.

RAMOS, P. (2016). Bienvenido: um passeio pelos quadrinhos argentinos, 2ª ed. Campinas: Zarabatana Books.

RAMOS, P. (2008). As mudanças no mercado de quadrinhos nos últimos 40 anos. In: VIII Encontro de Núcleos de Pesquisa em Comunicação. Natal (RN), setembro.

RAMOS, P. (2007). Tiras cômicas e piadas: duas leituras, um efeito de humor. Tese de Doutorado em Letras, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

REGLAMENTO GENERAL de UNASUR. (2012). UNASUR/CTIRE, Bogotá. Disponible en: https://www.unasursg.org/images/descargas/DOCUMENTOS%20CONSTITUTIVOS%20DE%20UNASUR/reglamento_gral.pdf. Accesado en: dic. 2017.

SADA, D. (2017). Questionários enviados por e-mail a autora, março.

SANTOS, C. do C. (2016). Uma tradução reflexiva da história em quadrinhos: Andanzas de Patoruzú - “Amor sin barreras”. Trabalho de conclusão de curso de Bacharelado em Letras - Tradução – Espanhol da Universidade de Brasília, Brasília. Disponible en: http://bdm.unb.br/handle/10483/17286. Accesado en: dic. 2017.

SIMÃO, A. K. G. (2011). A dimensão estrangeira da tradução da língua espanhola no MERCOSUL. In-Traduções, v. 3, n. 4, pp. 49-58. Disponible en: http://hdl.handle.net/11449/122601. Accesado en: dic. 2017.

TRATADO CONSTITUTIVO de la Unión de Naciones Suramericanas. (2011). Secretaría General de UNASUR, Quito. Disponible en: https://www.unasursg.org/images/descargas/DOCUMENTOS%20CONSTITUTIVOS%20DE%20UNASUR/Tratado-UNASUR-solo.pdf. Accesado en: dic. 2017.

VERGUEIRO, W.; SANTOS, R. E. (2006). A pesquisa sobre histórias em quadrinhos na Universidade de São Paulo: análise da produção de 1972 a 2005. UNIrevista, v. 1, n. 3.

VERGUEIRO, W. (2014). As histórias em quadrinhos como objeto de estudo das teorias da comunicação. In: MARTINS, M. de L.; OLIVEIRA, M. O. (Eds.). Comunicação ibero-americana: os desafios da Internacionalização. Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, Universidade do Minho, pp. 4365-4380.

VERGUEIRO, W.; RAMOS, P.; CHINEN, N. (Orgs.). (2013). Os pioneiros nos estudos de quadrinhos no Brasil. São Paulo: Criativo.

VILLAR, A.; ROSSELL, L.; COSSIO, J. (2016). Sendero Luminoso. História de uma guerra suja. Trad. de Rogério de Campos e Barbara Zocal. São Paulo: Veneta.

VILLAR, A. (2015). Le Sentier lumineux. Chroniques des violences politiques au Pérou 1980-1990. Trad. de Hélène Harry. Paris: L’Agrume.

VILLAR, A. (2008). Rupay. Historias gráficas de la violencia política en el Perú (1980-1984). Buenos Aires: Editorial Contracultura.

WOLF, M.; FUKARI, A. (eds.). (2007). Constructing a sociology of translation. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins.

YÚDICE, G. (2006). ¿Una o varias identidades? Cultura, globalización y migraciones. Nueva Sociedad, 201, enero – febrero, pp. 106-116. Disponible en: http://nuso.org/articulo/una-o-varias-identidades-cultura-globalizacion-y-migraciones/. Accesado en: dic. 2017.

ZOCAL, B. (2017). Traduzir Quadrinhos – Não há tradução mais fácil do que outra. A tradução e os tradutores no mercado editorial de histórias em quadrinhos. Metáfrase. n. 4, março, pp. 22-31.

ZOCAL, B. (2015). As tiras de Mafalda no Brasil: tradutores e traduções. Dissertação de Mestrado em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Publicado

2018-03-28

Como Citar

ZOCAL, B. Culturas legítimas: la traducción de historietas latinoamericanas en Brasil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 245–264, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651707. Acesso em: 28 nov. 2022.